conecte-se conosco

  • powered by Advanced iFrame free. Get the Pro version on CodeCanyon.


Tecnologia

WhatsApp: aprenda a usar negrito, itálico, rasurado e mudar a fonte

Publicado

source

Olhar Digital

smartphone com whatsapp arrow-options
shutterstock
WhatsApp permite enviar textos com itálico, negrito, rasurado e até trocar a fonte; aprenda

Muitos usuários não sabem, mas o  WhatsApp disponibiliza alguns truques que podem deixar a troca de mensagens mais interessante, como a opção de colocar o texto em negrito , itálico , com efeito rasurado  e até mesmo com outra fonte .

Proteja-se: golpe rouba conta WhatsApp e já afetou 8,5 milhões de brasileiros

Veja aqui como usar cada um dos recursos:

Alterar a fonte

O app permite que o usuário altere a fonte tradicional para uma monoespaçada, ou seja, que as letras ocupam o mesmo espaço. 

Para utilizar esse recurso é necessário localizar o ícone de acento grave, e colocar três antes e depois da mensagem. Exemplo: “`insira seu texto aqui“`.

Negrito

O texto em negrito é muito utilizado para enfatizar uma palavra ou frase.

Tudo o que o usuário deve fazer é colocar um asterisco em cada extremo da palavra ou frase de destaque. Exemplo: *insira seu texto aqui*.

Whatsapp vai banir usuários que não tenham idade mínima permitida para usá-lo

Itálico

Ele funciona da mesma forma que o truque do negrito, mas utiliza símbolos diferentes. Para essa função é usado o underscore (mais conhecido como underline ). Exemplo:  _insira seu texto aqui_.


Texto riscado

Para criar um texto com efeito riscado , o usuário deve inserir o símbolo do til no começo e final do texto. Exemplo: ~insira seu texto aqui~.

Leia mais:  Má influência? Gamers rebatem associação de videogames ao massacre em Suzano

Fonte: IG Tecnologia
Comentários Facebook
publicidade

Tecnologia

Uber Eats alcança marca de 1 bilhão de pedidos feitos no mundo

Publicado

por

source

Olhar Digital

Uber Eats arrow-options
Divulgação/Uber
Uber Eats alcançou a marca de 1 bilhão de pedidos feitos no mundo

O Uber Eats confirmou ter recebido mais de 1 bilhão de pedidos ao redor do mundo em menos de quatro anos. A plataforma está disponível em mais de 500 cidades e em 36 países. No Brasil, o serviço de entrega chegou somente em dezembro de 2016, mas hoje já é parceiro de milhares de empreendimentos gastronômicos em mais de 70 cidades brasileiras, fazendo a curadoria de restaurantes conhecidos como McDonald’s, KFC e Burger King e de negócios familiares locais como Hi Pokee, Busger e Sushi Plus.

Leia também: iFood, Rappi e Uber Eats: conheça as diferenças entre os aplicativos de delivery

A empresa alcançou esse marco na mesma semana em que anunciou que irá permitir que restaurantes que utilizam sua própria frota de entregadores se cadastrem na plataforma do Uber Eats . Anteriormente, só era possível o cadastro na plataforma de restaurantes que desejavam fazer entregas usando os entregadores autônomos disponíveis no aplicativo.

Esta nova opção foi planejada para atrair mais usuários para o aplicativo . Na América Latina, o Uber Eats já está testando essa modalidade em diversas cidades, inclusive brasileiras, com resultados promissores.

Leia também: Publicações sobre dietas serão menos mostradas para jovens no Instagram; entenda


O anúncio chega quando dados revelam que o crescente mercado de entrega de comida – que deve valer quase 21 bilhões de dólares até 2023 – está desempenhando um papel cada vez mais importante no crescimento de pequenos e médios restaurantes. Para os 70% dos restaurantes do Uber Eats, que são pequenas e médias empresas, a entrega de alimentos é responsável por uma proporção crescente de sua receita total.

Leia mais:  Má influência? Gamers rebatem associação de videogames ao massacre em Suzano

Fonte: IG Tecnologia
Comentários Facebook
Continue lendo

Tecnologia

Fim de ano à vista: ainda dá tempo de comprar a lembrancinha de Natal na China?

Publicado

por

source
caixas arrow-options
Unsplash
Será que ainda dá tempo de comprar os presentes de Natal na China?


Cada vez mais, comprar produtos na China tem se tornado uma tendência no Brasil. No ano passado, mais de 50% dos brasileiros que fizeram compras online consultaram sites chineses , segundo dados da empresa especializada em tecnologia de rastreamento postal Pitney Bowes.

Apesar dessa preferência, uma reclamação recorrente é o prazo de entrega das mercadorias que vêm do outro lado do mundo. Afinal, será que ainda dá tempo de comprar um presente de Natal na China ?

Diante dos prazos oficiais divulgados pelos Correios , sim, os 65 dias úteis restantes até o Natal são suficientes para que um produto vindo da China chegue até a sua casa.

Mas isso não significa que imprevistos não podem acontecer. Primeiro, é preciso estar muito atento ao tipo de entrega a ser escolhida no ato da compra.

Além disso, é preciso ter em mente que toda compra internacional é uma importação de mercadoria e, por isso, está sujeita à legislação aduaneira. Isso significa que os objetos são fiscalizados pela Receita Federal assim que chegam ao Brasil, e o prazo para eles serem liberados para a entrega é completamente variável

Leia também: Com Amazon Prime, gigante norte-americana entra de vez no mercado brasileiro

Gustavo Lombardi, que tinha o costume de comprar no site chinês Gearbest, conta que suas experiências foram bastante variadas nesse sentido.

“O produto que ficou menos tempo em Curitiba [na alfândega], foram duas semanas. O que ficou mais tempo, foram dois meses e meio”, conta.

Compras na China – entendendo os prazos dos Correios  

Da China até o Brasil, que não costuma ser a etapa mais demorada, o tempo pode variar de acordo com a empresa de envio escolhida pelo remetente.

“Meus pedidos levavam em média uma semana para chegar no Brasil”, conta Gustavo. Syllas Borburema, que também tem o costume de comprar em sites chineses, menciona prazos similares.

Leia mais:  Xiaomi copia os Memoji da Apple e anuncia novo recurso: os Mimoji

Leia também: Funcionários dos Correios suspendem greve até julgamento de dissídio coletivo

Chegando ao Brasil, o tempo que um produto pode ficar sob análise da Receita Federal é realmente variável e imprevisível.

Apesar disso, dá para prever os prazos de entrega dos Correios . E, mesmo que a empresa brasileira só atue na entrega depois que o produto já está aqui no país, o tempo que a mercadoria leva da alfândega até a casa do consumidor tem muita relação com o tipo de frete escolhido na compra do produto no site chinês

correios arrow-options
iG – Economia
Quando os produtos chegam ao Brasil, a entrega é feita pelos Correios.


Segundo os Correios, a opção de frete grátis disponibilizada por sites internacionais não é a opção mais adequada para quem tem pressa.

No geral, o frete grátis costuma utilizar a opção mais básica de serviço de entrega, chamada de Pequena Encomenda Simples, que sequer oferece opção de rastreamento . Nesses casos, o código de entrega do objeto será iniciado com a letra “U”. 

Uma outra opção, também oferecida em fretes grátis, é a Pequena Encomenda Registrada. Com objeto iniciado pela letra “R”, essa modalidade possui código de rastreamento que funciona apenas a partir do momento que o produto chega ao Brasil.

Em ambos os casos, o prazo de entrega dado pelos Correios após a liberação na Receita Federal (que pode exigir pagamento de tributos) é de 40 dias úteis. Por isso, essa opção não costuma ser muito interessante em casos mais urgentes. Para o Natal , por exemplo, é melhor não dar essa chance para o azar. 

Leia também: Amazon é uma das interessadas na privatização dos Correios

Além das opções grátis, é possível escolher, no ato da compra, modalidades expressas de entrega. Nesses casos, o rastreamento é completo, desde a China até a casa do cliente.

Para as entregas rápidas, os prazos dos Correios pode ser de 12, sete ou até três dias úteis. Nesses casos, os códigos de rastreamento se iniciam, respectivamente, com as letras “L”, “C” e “E”. 

Leia mais:  Má influência? Gamers rebatem associação de videogames ao massacre em Suzano

Compras na China – como eu posso apressar a entrega?

Um fator muito relevante na demora da entrega é o tempo em que a mercadoria fica retida na Receita Federal. Embora esse prazo seja variável e incontrolável por parte do cliente, há uma ação que pode ser feita para agilizar o processo .

Alguns produtos podem ser tributados nesse processo e, então, eles só serão liberados depois que o cliente final pagar esses impostos. 

Por isso, a dica dada pelos Correios é ficar de olho na chegada dos produtos ao Brasil, para liberá-los o mais rápido possível – no caso de exigência de algum tipo de pagamento.

“Efetuada a compra internacional, o cliente deve acompanhar, a todo momento, o rastreamento e o ambiente Minhas Importações no site dos Correios. Uma vez logado nessas plataformas, com seu Id Correios, deve-se atentar para as solicitações aduaneiras ou de outros órgãos anuentes, e principalmente para o prazo de pagamento dos serviços e dos tributos que incorrerem sobre o objeto comprado internacionalmente. Perdido o prazo de pagamento, o objeto é devolvido à origem”, informou a empresa através de sua assessoria de imprensa. 

Veredicto final – ainda dá tempo de comprar presentes para o Natal na China?

Levando em consideração os prazos oficiais, ainda dá tempo de comprar os presentes de Natal na China . Faltando 65 dias úteis para a data, as formas de entrega expressa parecem a melhor opção.

Ainda assim, nada é totalmente garantido por conta da imprevisibilidade do tempo que um objeto pode ficar na Receita Federal. 

Bárbara Sívori, que costuma fazer de duas a três compras por ano no Aliexpress , conta que se arriscaria a comprar os presentes de Natal no site.


“Se fosse para mim ou para alguém da minha família que entenderia caso não chegasse a tempo, sim. Porque vale muito a pena . Fora a vantagem do preço, tem produtos nesses sites que não existem no Brasil. Então acho que eu compraria, sim”.

Fonte: IG Tecnologia
Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana