conecte-se conosco

  • powered by Advanced iFrame free. Get the Pro version on CodeCanyon.


Esportes

Vôlei brasileiro vai bem (mal), obrigado!

Publicado


Seleção Brasileira de Vôlei em ação
DIVULGAÇÃO/ FIVB
Brasil vence Rússia de virada por 3 a 2


                    Vôlei brasileiro vai bem (mal), obrigado! O texto de hoje é do amigo Cacá Bizzocchi, jornalista e profissional do vôlei, vale a pena a leitura!  Mais sobre vôlei no Blog do Cacá Bizzocchi
.

Leai também: Sidão erra e prêmio erra mais ainda

                    Enquanto a memória do torcedor de vôlei
está fresca do espetáculo proporcionado por FUNVIC/Taubaté e Sesi-SP e por suas torcidas nas finais da Superliga
, muita coisa está acontecendo na área de serviço. As seleções
se apresentam e os torneios internacionais logo farão com que se esqueça que sem clubes não há seleções nacionais.

E o futuro dos clubes?

                    As estrelas da modalidade, mesmo diante de uma crise (mais uma) que se avizinha em período de renovação de patrocínios, ainda recebem boas propostas para defender os principais clubes brasileiros e, mesmo que estas não lhes sejam razoáveis, têm a possibilidade de migrar para mercados europeus.


Festa do Taubaté na Superliga
Reprodução/Instagram
Taubaté foi campeão da Superliga Masculina



                    O problema maior aflige aqueles que compõem os mais de 90% restantes. São os jogadores que se estabelecem entre os medianos, os mais experientes, os novatos em busca de espaço. Estes vivem uma expectativa cruel por chances que talvez nem venham. As equipes da linha de frente acenam com renovações de patrocínio, ainda que com reduções, mas os que ficaram fora das semifinais passam pelas mesmas dificuldades de anos anteriores: redução do interesse de investimentos e de valores disponíveis.

Leia mais:  Datas e horários das quartas de final da Libertadores são divulgados; confira

Leia também: Lições da Champions League

                    Não bastasse isso, alguns dos clubes (quase metade deles) que disputaram a edição deste ano da Superliga
estão devendo – alguns até cinco salários – para seus atletas e membros da comissão técnica. Outros ainda devem para quem os defendeu na temporada 2017-2018. Alguns destes parcelaram suas dívidas em 12 vezes – como se fosse possível ir ao supermercado e comprar 1/12 do que se deveria comprar ou saldar empréstimo e estouros de limites bancários com tais parcelas mais de um ano depois.

Pressão nos atletas


                     A história não acaba aqui. Para poder se inscrever na CBV para a nova temporada, os clubes devem apresentar uma declaração assinada pelos atletas de que todas as dívidas com eles estão saldadas. Para pressioná-los a assinar, alguns dirigentes afirmam que esta é a única forma de eles receberem o que lhes é devido. Assinando, eles perdem as provas jurídicas que poderiam lhes garantir receber pelo que já foi trabalhado.


Seleção Brasileira de Vôlei em ação
Divulgação/FIVB
Grupo do Brasil segue unido em busca do título mundial



                     Quem já está montando o elenco para a próxima temporada tem, com o orçamento reduzido, todas as justificativas para reduzir custos com este pessoal e jogar, diante da lei desigual da oferta e da procura, com o famoso: “se não quer, tem quem queira”. E assim, ano a ano, o esporte competitivo deixa de ser atrativo aos jovens talentos que precisam buscar seu sustento.

Leia mais:  Argentina conquista primeiro ponto de sua história na Copa do Mundo feminina

Quer aprender sobre a Metodologia do Treinamento do Vôlei com Cacá Bizzocchi? Clique aqui!

                      Não podemos viver sem valorizar nossos ídolos no vôlei
, mas uma dúzia de ídolos não faz uma modalidade sobreviver. O pessoal do “chão da fábrica” é que faz a festa continuar.

Leia também:  começa a festa!


                      Comente: e para você, qual é o futuro do vôlei
brasileiro?

Fonte: IG Esportes
Comentários Facebook
publicidade

Esportes

Brasileirão de mata-mata: veja como seriam as quartas de final de 2003 para cá

Publicado

por

Taça do Brasileirão arrow-options
Reprodução
Taça do Brasileirão

O Brasileirão teve fase de mata-mata até a temporada de 2002, quando os oito primeiros colocados depois do primeiro turno disputavam eliminatórias em jogos de ida e volta até a grande final – em alguns casos, era jogo único.

Leia também: Por que a camisa número 24 é “proibida” no futebol brasileiro?

A partir de 2003, a CBF adotou o sistema de pontos corridos para o Brasileirão , onde o time com a maior pontuação nos dois turnos leva o título, como acontece atualmente.

Mas e se Campeonato Brasileiro ainda fosse disputado no formato de mata-mata, como seriam as quartas de final em todos os campeonatos desde 2003? Agora em 2019, por exemplo, os jogos seriam esses: Flamengo x Grêmio; Palmeiras x Bahia; Santos x São Paulo; Internacional x Corinthians.

Veja abaixo como seriam as quartas de final de todos os Brasileirões de pontos corridos, caso ainda tivessem a fase de mata-mata. Vale lembrar que esta é a classificação dos campeonatos no primeiro turno.

Brasileirão de 2003

Cruzeiro (1°) x Corinthians (8°)
Santos (2°) x Criciúma (7º)
São Paulo (3º) x Internacional (6°)
Coritiba (4°) x Atlético-MG (5°)

Brasileirão de 2004

Santos (1º) X Figueirense (8º)
São Paulo (2º) x Goiás (7º)
Ponte Preta (3º) x Juventude (6°)
Palmeiras (4º) x Athletico-PR (5°)

Brasileirão de 2005

Corinthians (1°) x Palmeiras (8°)
Fluminense (2°) x Santos (7°)
Goiás (3°) x Ponte Preta (6°)
Paraná (4°) x Internacional (5°)

Leia mais:  Novo reforço do Barcelona, Boateng provoca o Real Madrid em entrevista

Brasileirão de 2006

São Paulo (1°) x Goiás (8°)
Internacional (2°) x Figueirense (7°)
Grêmio (3°) x Vasco (6°)
Santos (4°) x Paraná (5°)

Brasileirão de 2007

São Paulo (1°) x Santos (8°)
Botafogo (2°) x Grêmio (7°)
Cruzeiro (3°) x Goiás (6°)
Vasco (4°) x Palmeiras (5°)

Brasileirão de 2008

Grêmio (1º) x Botafogo (8º)
Cruzeiro (2°) x Flamengo (7°)
Palmeiras (3º) x Coritiba (6°)
São Paulo (4° x Vitória (5°)

Brasileirão de 2009

Internacional (1°) x Grêmio (8°)
Palmeiras (2°) x Flamengo (7°)
Goiás (3°) x Avaí (6°)
São Paulo (4°) x Atlético-MG (5°)

Brasileirão de 2010

Fluminense (1º) x Athletico-PR (8º)
Corinthians (2°) x Vasco (7°)
Santos (3°) x Cruzeiro (6°)
Internacional (4°) x Botafogo (5°)

Brasileirão de 2011

Corinthians (1°) x Internacional (8°)
Flamengo (2°) x Cruzeiro (7°)
São Paulo (3°) x Palmeiras (6°)
Vasco (4°) x Botafogo (5°)

Brasileirão de 2012

Atlético-MG (1°) x Botafogo (8°)
Fluminense (2°) x Flamengo (7°)
Grêmio (3°) x Internacional (6°)
Vasco (4°) x São Paulo (5°)

Brasileirão de 2013

Cruzeiro (1º) X Coritiba (8º)
Botafogo (2º) x Santos (7°)
Grêmio (3°) x Internacional (6°)
Athletico-PR (4°) x Corinthians (5°)

Brasileirão de 2014

Cruzeiro (1º)  x Sport (8º)
São Paulo (2°) x Atlético-MG (7°)
Internacional (3°) x Grêmio (6°)
Corinthians (4°) x Fluminense (5°)

Brasileirão de 2015

Corinthians (1º) x Athletico-PR (8º)
Atlético-MG (2°) x Sport (7°)
Grêmio (3°) x São Paulo (6°)
Fluminense (4°) x Palmeiras (5°)

Brasileirão de 2016

Palmeiras (1°) x Fluminense (8°)
Atlético-MG (2°) x Athletico-PR (7°)
Corinthians (3°) x Grêmio (6°)
Flamengo (4°) x Santos (5°)

Leia mais:  Globo afasta repórter por ‘conflito de interesses’ em matéria com Cuellar

Brasileirão de 2017

Corinthians (1°) x Athletico-PR (8°)
Grêmio (2°) x Cruzeiro (7°)
Santos (3°) x Sport (6°)
Palmeiras (4°) x Flamengo (5°)

Brasileirão de 2018

São Paulo (1°) x Cruzeiro (8°)
Internacional (2°) x Corinthians (7°)
Flamengo (3°) x Palmeiras (6°)
Grêmio (4°) x Atlético-MG (5°)


Brasileirão de 2019

Flamengo (1°) x Grêmio (8°)
Palmeiras (2°) x Bahia (7°)
Santos (3°) x São Paulo (6°)
Internacional (4°) x Corinthians (5°)

Fonte: IG Esportes
Comentários Facebook
Continue lendo

Esportes

Com ótimo segundo tempo, Grêmio bate o Santos na Vila Belmiro

Publicado

por

Lance

jogo do gremio arrow-options
Reprodução/Twitter/@gremio/Lucas Uebel
Grêmio vence Santos na Vila Belmiro com três gols no segundo tempo

Foram dois tempos distintos. Mas só um dos times aproveitou bem as chances. Após sofrer no primeiro tempo, o Grêmio voltou melhor no segundo e fez 3 a 0 no Santos, na noite deste sábado, na Vila Belmiro. Luan, Pepê e Everton marcaram para o Tricolor, que chegou a 31 pontos e, agora é o sétimo colocado. O Peixe parou nos 37, na terceira colocação.

Os dois times voltam a jogar na próxima quinta-feira. O Santos visita o Fluminense, às 20h, no Maracanã, enquanto, no mesmo horário, o Grêmio recebe o Avaí, na Arena.

Leia também: Leia também: Renato Gaúcho contesta trabalho de Sampaoli no Santos: “Ganhou alguma coisa?”

P eixe a mil por hora

​O Santos começou a partida sem deixar o Grêmio respirar na Vila Belmiro. Foram 15 minutos de pura pressão do time de Jorge Sampaoli, que empilhou chances de gols – ora mal finalizadas, ora defendidas por Paulo Vitor. Comandado por Carlos Sánchez, o time do Santos teve oportunidades com o próprio uruguaio, Pituca e Soteldo. Nesse curto período de tempo, foram seis finalizações do Peixe, sendo cinco na direção do gol.

Enquanto isso, o Grêmio tentava puxar contra-ataques pelos lados, mas só tinha algum desafogo quando Everton conseguia arrancar pela direita.

Grêmio equilibra

Apesar do começo fulminante do Peixe, o time do Grêmio conseguiu segurar o ímpeto dos donos da casa. A partir dos 20 minutos, o Tricolor começou a sair um pouco mais para o jogo e, no final do primeiro tempo, conseguiu criar duas boas chances de gol. Primeiro, com Everton. Após bom cruzamento de Cortez, aos 42, Cebolinhas tentou de cabeça mas pegou fraco e mandou para fora.

Leia mais:  Globo afasta repórter por ‘conflito de interesses’ em matéria com Cuellar

Cinco minutos depois, o Grêmio teve, talvez, a melhor chance do jogo. Após cobrança de escanteio, Everton pegou a sobra finalizou. A bola desviou e Michel ficou com ela quase na risca da pequena área, mas finalizou fraco, nas mãos de Éverson.

Tricolor volta melhor

​Se terminou o primeiro tempo conseguindo equilibrar a partida, o Grêmio voltou do intervalo ainda melhor. E não demorou para conseguiu abrir o placar. Aos 9 minutos, Galhardo cobrou uma falta pelo lado esquerdo, a bola desviou na barreira e sobrou para Luan. O camisa 7 do Grêmio finalizou bem na saída de Éverson e marcou.

Leia também: Flamengo vence o Cruzeiro e alcança recorde de vitórias no Brasileiro

Lá e cá

Após o gol do Grêmio, o jogo, que já estava bom, ficou ainda melhor. Mesmo com o gramado molhado, as duas equipes tocavam bem a bola e chegavam com muita velocidade na área adversária, mas falhavam na hora do último passe.

Renato leva a melhor

Enquanto o as substituições de Sampaoli não surtiram efeito no Peixe, principalmente a entrada de Uribe, as trocas de Renato mantiveram o time do Grêmio com velocidade e bom toque de bola. E foi assim que o Grêmio ampliou o placar. Aos 41, Matheus Henrique deu um belo lançamento para Pepê, que tocou para Everton. O camisa 11 devolveu e Pepê finalizou para o gol.

E ainda teve tempo para mais um. Em novo contra-ataque, Alisson tocou para Everton na entrada da área. O camisa 11 tocou rasteiro, no canto. Com toques de crueldade, a bola ainda bateu na trave antes de entrar e decretar a grande vitória do Grêmio.

Leia mais:  Novo reforço do Barcelona, Boateng provoca o Real Madrid em entrevista

FICHA TÉCNICA
SANTOS 0 X 3 GRÊMIO

Local : Vila Belmiro, Santos (SP)
Data/hora: 20/9 (sábado), 21h
Árbitro : Paulo Roberto Alves Junior (PR) – 6,0, Nota LANCE!: Não atrapalhou o andamento do jogo.
Assistentes: Ivan Carlos Bohn e Rafael Trombeta (ambos PR)
Árbitro de vídeo: Adriano Milczvski (PR)
Público/Renda: 10.898 pagantes/R$ 476.877,50
Gramado: Bom.
Cartão amarelo: Soteldo e Jorge Sampaoli (SAN), Everton, Michel e Diego Tardelli (GRE)
Cartão vermelho: –

GOLS: Luan, 9’/2ºT (0-1), Pepê, 41’/2ºT (0-2), Everton, 47’/2ºT (0-3)

SANTOS : Everson; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, Luiz Felipe (Felipe Jonatan, 21’/2ºT) e Jorge; Alison, Diego Pituca e Carlos Sánchez (Venuto, 31’/2ºT); Soteldo, Eduardo Sasha e Marinho (Uribe, 19’/2ºT). Técnico : Jorge Sampaoli.


GRÊMIO : Paulo Victor; Galhardo, David Braz, Kannemann e Cortez (Juninho Capixaba, Intervalo); Matheus Henrique, Michel, Alisson e Luan (Pepê, 31’/2ºT); Everton e Diego Tardelli (Thaciano, 21’/2ºT). Técnico : Renato Gaúcho.

Fonte: IG Esportes
Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana