conecte-se conosco

  • banner_Lorenzetti_1250x250

Política Nacional

Vereadores da Bancada negra da Câmara de Porto Alegre recebem ameaça de morte

Publicado


source
Bancada negra de Porto Alegre (RS)
Divulgação

Bancada negra de Porto Alegre (RS)

A Bancada Negra de Porto Alegre relatou ter recebido ameaças de morte nessa segunda-feira (7) através de um e-mail enviado simultaneamente a cinco vereadoras: Laura Sito (PT), Daiana Santos (PCdoB), Bruna Rodrigues (PCdoB), Karen Santos (PSOL) e o vereador Matheus Gomes (PSOL). Os parlamentares estavam na sessão plenária quando chegou, por volta das 17h, uma mensagem com ofensas raciais, misógenas e lesbofóbicas, prometendo assassinato a tiros aos vereadores.

“Eu vou matar as vereadoras Karen e Daiana Santos” diz o e-mail, que, em seguida ameaça as vereadoras Laura, Bruna e o Vereador Matheus afirmando que estes “também estão na mira”.

Os ataques mais específicos foram destinadas a Vereadora Daiana Santos que foi chamada de “desgraça tripla” por ser “Comunista, preta e sapatão”.

Em resposta às ofensas e ameaças, a vereadora Laura afirmou: “Não vamos silenciar frente à crimes de ódio que tentam cercear nossa atividade política. Queremos providências das instituições na identificação e punição desses autores.”

Comentários Facebook

Política Nacional

Na Colômbia, Mourão defende direitos humanos, vacinação e democracia

Publicado

por


source
Vice-presidente participou da III Cúpula de Chefes de Estado do Progresso da América do Sul (ProSul)
Reprodução

Vice-presidente participou da III Cúpula de Chefes de Estado do Progresso da América do Sul (ProSul)

O vice-presidente Hamilton Mourão participou da III Cúpula de Chefes de Estado do Progresso da América do Sul (ProSul) nesta quinta-feira (27), na Colômbia. Mourão representou Bolsonaro durante reunião após o presidente cancelar seus compromissos em razão da morte da mãe, Olinda Bolsonaro.

Em discurso, o vice defendeu a preservação dos direitos humanos e da democracia. Ele também reforçou a importância de ações para o combate da pandemia, destacando a realização do Foro Público-Privado, que contou com a presença do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, para debater a ampliação das capacidades regionais de vacinação.

“Nós apoiamos esta e outras iniciativas que levem à maior produção e distribuição de vacinas, produtos e insumos farmacêuticos em países em desenvolvimento e em na América do Sul. Acreditamos, também, que a cooperação entre detentores de tecnologia e produtores nacionais, especialmente nas nações em desenvolvimento, continua sendo essencial para viabilizar o combate à pandemia”, disse. 

Sobre questões políticas, Mourão discursou acerca da preservação das democracias e parcerias para garantir os direitos humanos na América do Sul. 

“Para o Brasil, é importante que a América do Sul conte com um espaço de diálogo como o ProSul, um espaço de democracias que se concentre em resultados concretos. O ProSul foi idealizado em torno de valores fundamentais como a defesa da democracia, do estado de direito e dos direitos humanos”, afirmou.

De acordo com o vice-presidente, é necessário “dizer o que precisa ser dito e alertar sobre os riscos para a preservação das instituições democráticas em nossa região”. 

Leia Também

Em publicação no Twitter, Mourão destacou sobre sua preocupação com o emprego e a renda da população brasileira durante a pandemia e o trabalho na área de infraestrutura: 

O vice-presidente e sua comitiva retornam para Brasília ainda nesta quinta-feira.




Continue lendo

Política Nacional

Chance de morte por Covid é maior em países com governos populistas

Publicado

por


source
Morte por Covid é mais provável em países com governos populistas
Reprodução/Flickr

Morte por Covid é mais provável em países com governos populistas

Governos ditos populistas como o de  Jair Bolsonaro no Brasil e Donald Trump nos Estados Unidos tiveram um desempenho pior do que o de outros países no enfrentamento à pandemia de Covid-19 em 2020 e levaram a mortes desnecessárias com políticas relativamente brandas, conclui uma pesquisa acadêmica divulgada nesta quinta-feira por um instituto alemão.

O excesso de mortalidade — o número de mortes além daquelas esperadas caso não houvesse a pandemia — em países governados por populistas foi mais do dobro do índice registrado por outros tipos de governo, de acordo com o estudo, conduzido por sete pesquisadores internacionais.

O excesso de mortalidade foi de 18% em países com líderes populistas e 8% em países sem líderes populistas.

Deste modo, para 100 mortes que eram esperadas em 2020, a pandemia de Covid-19 causou 8 mortes adicionais em países não populistas, e 18 mortes adicionais em países populistas. Em média, entre todos os países considerados, o excesso de mortalidade foi de 10% – em vez de 100 mortes, morreram 110 pessoas, 10 delas devido ao vírus.

“Os números são claros. Os populistas são os piores gestores de crise na pandemia de Covid-19 e responsáveis por muitas mortes evitáveis nos países que governam”, disse Michael Bayerlein, pesquisador do Instituto Kiel para a Economia Mundial que liderou a pesquisa.

A principal razão para a diferença foi que a “mobilidade cidadã” – medida criada usando dados do Google para rastrear o número de pessoas em lugares como supermercados e outros espaços públicos – também foi maior em países populistas. Segundo os autores, as pessoas de países com líderes populistas tiveram uma circulação duas vezes maior do que onde não há líderes populistas.

A equipe de autores identifica duas razões para a maior mobilidade. Em primeiro lugar, os governos populistas são menos propensos a adotar políticas impopulares e de longo prazo contra a propagação da pandemia, como restrições de contato.

Em segundo lugar, as estratégias de comunicação dos governos populistas também tiveram efeitos sobre a mortalidade. Quando os líderes minimizam a gravidade da pandemia e desacreditam as descobertas científicas, como o fizeram Bolsonaro,Trump e López Obrador, os cidadãos ficam menos inclinados a levar o vírus a sério e restringir sua circulação por iniciativa própria.

Leia Também

A pesquisa pesquisou a gestão da pandemia em 42 países membros dos Brics e da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Entre estes, os pesquisadores classificaram 11 governos como “populistas”. Além de Brasil e Estados Unidos, a lista incluía Reino Unido, Polônia, Eslováquia, República Tcheca, Hungria, Índia, México, Israel e Turquia.

O populismo é um conceito da Ciência Política para classificar práticas em que forças políticas reivindicam representar um “povo” homogêneo em contraposição a “elites”. O termo ganhou grande apelo desde a ascensão de Donald Trump e o Brexit, e pode ser aplicado a políticos de direita e de esquerda.


“Nosso estudo é o primeiro a provar que os populistas estão fazendo um mau trabalho no combate à pandemia de Covid-19, o que se reflete diretamente no número de mortos. A alta mortalidade excessiva deriva de uma mobilidade muito intensa, que, por sua vez, é causada por uma falta de restrições e por propaganda desacreditando a Covid-19”, disse Bayerlein.

O pesquisador diz que há “uma única boa notícia” no estudo – a existência de uma ligação clara entre mobilidade e número de mortos.

“Isso também significa que as pessoas podem se proteger limitando voluntariamente seus contatos durante a pandemia”, afirmou Bayerlein.

Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana