conecte-se conosco


Jurídico

TST limita valor de multa normativa ao montante da obrigação principal

Publicado

O entendimento é de que a previsão de multa tem a mesma natureza da cláusula penal.

A Subseção I Especializada em Dissídios Individuais do Tribunal Superior do Trabalho, em sessão com sua composição plena, limitou ao montante da obrigação principal o valor da multa a ser paga pela JBS S. A. por descumprimento de cláusula coletiva. Prevaleceu, no julgamento, o entendimento de que a cláusula normativa que estabelece multa nessa circunstância tem a mesma natureza jurídica da cláusula penal.

Descumprimento

O caso julgado teve início em ação de cumprimento proposta pelo Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação do Estado de Rondônia (Sintra-Intra) em relação à cláusula financeira da convenção coletiva de trabalho (piso e aumento salarial). De acordo com o sindicato, a norma coletiva previa que, em caso de descumprimento, a empresa ficava obrigada a pagar a multa convencional no valor de cinco pisos da categoria por empregado.

A JBS, em sua defesa, argumentou que a aplicação da multa excedia seus fins sociais e econômicos e caracterizaria ato abusivo imposto pelo sindicato, desvirtuando a essência da convenção coletiva e ferindo a boa-fé objetiva.

Obrigação principal

O pedido foi julgado improcedente pelo juízo de primeiro grau, mas o Tribunal Regional do Trabalho da 14ª Região (RO/AC) condenou a JBS ao pagamento da multa limitada ao montante da obrigação principal, ou seja, às diferenças salariais e aos valores resultantes do descumprimento da convenção devidamente corrigidos.

Leia mais:  Loja de material esportivo é condenada por acusar gerente de usar tênis sem permissão

Sem limitação

A Segunda Turma do TST, ao julgar recurso de revista do sindicato, condenou a JBS ao pagamento da multa no seu valor total, de R$ 3,9 mil por empregado, sem limitação ao montante da obrigação principal. Segundo a Turma, o objetivo da multa é assegurar a efetividade da norma, e a limitação do valor enfraqueceria a força constitucional da negociação coletiva.

Obrigação acessória

Ao analisar os embargos interpostos pela JBS, o relator, ministro Augusto Cesar Leite de Carvalho, destacou que o TST tem entendido que a cláusula normativa que estabelece multa por descumprimento do ajustado coletivamente tem a mesma natureza jurídica de cláusula penal. Trata-se, segundo ele, de obrigação acessória pela qual as partes acordam indenização quando a obrigação não é cumprida, o que atrai a incidência da diretriz firmada na Orientação Jurisprudencial 54 da SDI-1.

Dessa forma, de acordo com o relator, o entendimento que prevalece é de que o valor da multa deve ser limitado ao valor da obrigação principal, conforme previsto no artigo 412 do Código Civil, que tem aplicação subsidiária ao artigo 8º da CLT.

Ficaram vencidos os ministros José Roberto Freire Pimenta, Cláudio Brandão, Vieira de Mello Filho e Alberto Bresciani.

(DA/CF)

Processo: E-ARR-12481-66.2014.5.14.0041

A Subseção I Especializada em Dissídios Individuais, composta de 14 ministros, é o órgão revisor das decisões das Turmas e unificador da jurisprudência do TST. O quorum mínimo é de oito ministros para o julgamento de agravos, agravos regimentais e recursos de embargos contra decisões divergentes das Turmas ou destas que divirjam de entendimento da Seção de Dissídios Individuais, de Orientação Jurisprudencial ou de Súmula.
Esta matéria tem cunho meramente informativo.
Permitida a reprodução mediante citação da fonte.
Secretaria de Comunicação Social
Tribunal Superior do Trabalho
Tel. (61) 3043-4907
[email protected]

Comentários Facebook
publicidade

Jurídico

Desembargador que vendia sentenças em MT deixará a prisão após 7 meses

Publicado

A Justiça concedeu a progressão para o regime semiaberto para o desembargador aposentado compulsoriamente, Evandro Stábile, que desde o ano passado, está preso em Cuiabá. Stábile foi condenado a seis anos de reclusão em regime inicialmente fechado, por aceitar e cobrar propina em troca de decisão judicial, quando atuava no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) em Mato Grosso.

A decisão de progredir a pena é do juiz Geraldo Fidelis, da Segunda Vara Criminal, que deve estabelecer medidas cautelares, como colocação de tornozeleira eletrônica, para que o desembargador deixe a cadeia. Evandro deve passar por audiência nesta segunda-feira (20), conforme informações divulgadas pelo portal Midia News.

O crime de corrupção passiva foi descoberto no curso das investigações da operação Asafe, na qual a Polícia Federal apurou um esquema de venda de sentenças. Na época da condenação, em 2015, a relatora da ação penal, ministra Nancy Andrighi, apontou que o desembargador aceitou e cobrou propina para manter a prefeita de Alto Paraguai no cargo. Ela perdeu as eleições, mas o vencedor teve o mandato cassado por suposto abuso de poder econômico.

O desembargador aposentado está preso desde o mês de setembro de 2018, por determinação do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Foi a segunda vez que Stábile acabou atrás das grades. A primeira foi em abril de 2016, quando o desembargador se entregou acompanhado de advogados, em cumprimento ao mandado de prisão expedido pela ministra Nancy.

Leia mais:  Loja de material esportivo é condenada por acusar gerente de usar tênis sem permissão

Evandro Stábile foi afastado de suas funções da magistratura em dezembro de 2010 e depois, em junho de 2016 foi punido pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso com a aposentadoria compulsória. O que inclui o recebimento de salário proporcional ao tempo de serviço de 51 anos, 1 mês e 21 dias. Na época da aposentadoria, o salário que o magistrado continuaria a receber correspondia a R$ 38 mil.

 

 

 

 

Fonte:Só Notícias

 

 

Comentários Facebook
Continue lendo

Jurídico

Confira a programação da Rádio Justiça para segunda-feira (20)

Publicado

por

Confira a programação da Rádio Justiça para segunda-feira (20)

Revista Justiça
Quem fica com as crianças? Decisões tomadas, malas feitas, divórcio assinado, resta o mais complicado: decidir como gerir a vida dos filhos. No quadro Direito Civil, vamos falar sobre a guarda compartilhada com a advogada, especialista em Direito de Família e Sucessão, Ivone Zeger. Em seguida, vamos repercutir a decisão do STJ que determinou que um condomínio não pode proibir o morador de ter animal de estimação. A convidada é a advogada Isabela Perrella. No quadro OAB no Ar, o vice-presidente da Comissão de Educacão OAB/DF, Marcus Palomo, fala da importância da OAB, das comissões temáticas e também dos projetos que serão desenvolvidos. Foi comemorado na última sexta-feira o “Dia Internacional de Luta contra a homofobia, biofobia e transfobia”, que visa conscientizar a população em geral sobre a luta contra a discriminação de homossexuais, transexuais e transgêneros. O Revista Justiça convidou o especialista em Direito e Processo Penal Rogério Cury para tratar da importância da criminalização da homofobia. No quadro Dicas do Autor, o tema é o lançamento da 4ª edição da revista do IADF, no Superior Tribunal de Justiça. O entrevistado será o advogado Victor Minervino Quintieri, que contribuiu com um artigo tratando do criminal compliance e sua inaplicabilidade nas entidades religiosas. A Lei 8.666/93 é uma das mais importantes normas para quem está estudando para concurso público e, por isso, vamos ter uma breve aula sobre a lei com o servidor do STJ e coordenador de Inovação e Tribunais no Gran Cursos Online, Vandré Amorim. No quadro “Por Dentro do STF”, o ministro Marco Aurélio Mello vai comentar a pauta de julgamentos da semana no Supremo, entre outros assuntos. Em comunicado, o Ministério da Saúde afirmou que termo violência obstétrica é inadequado e pediu que a expressão deixe ser utilizada. A OAB repudiou o pedido e, para falar do tema, participa do programa a advogada Alessandra Varrone. No quadro Sustentabilidade, esta edição aborda o pedido de anulação do decreto de criação do Parque Nacional dos Campos Gerais, no Paraná. O doutor em Gestão de Recursos Naturais pela Colorado State University (EUA) e membro da Rede de Especialistas em Conservação da Natureza, Carlos Hugo Rocha, vai falar sobre os possíveis reflexos dessa decisão. Segunda, às 8h.

Leia mais:  Dispensa de mecânico durante estabilidade não justifica reparação moral

Giro pelo Mundo
É destaque no Giro pelo Mundo o caso do anestesista que foi indiciado por suspeita de envenenar 24 pacientes no leste da França. O programa repercute também o julgamento da ex-presidente argentina Cristina Kirchner, previsto para terça-feira. No quadro Latinitudes, a colunista Olívia Ricarte traz comentários sobre Direitos Humanos e América Latina. Segunda-feira, às 11h00.

Defenda seus Direitos
O Defenda Seus Direitos desta segunda-feira é sobre Direito do Consumidor. Na coluna Dicas para o Consumidor, a advogada Taízi Fonteles fala sobre a responsabilidade de empresas que oferecem pacotes de viagem em indenizar consumidores com problemas na hospedagem. No quadro Direito e Consumo, o advogado Vitor Guglinski, especialista em Direito do Consumidor e membro do Instituto Brasileiro de Política e Direito do Consumidor, o Brasilcon, explica o que são consumidores hipervulneráveis. Já no quadro Entrevista, a advogada Simone Magalhães, especialista em Direito do Consumidor, comenta as informações que são obrigatórias nos rótulos de embalagens. Segunda-feira, às 13h.

Justiça na Tarde
Nesta segunda-feira (20/5), o Justiça na Tarde destaca que o prazo para entrega da Declaração da Pessoa Jurídica é até 31 de maio. O programa também vai abordar audiência pública para discutir se animais de pacientes internados podem entrar em hospital público e privado. E, no terceiro bloco, vamos comentar a decisão do TJRJ sobre quebra de contrato de locação de imóveis. Por fim, no quadro de prestação de serviço, o programa vai falar sobre pessoas desaparecidas. Segunda-feira, às 14h.

Leia mais:  Loja de material esportivo é condenada por acusar gerente de usar tênis sem permissão

Radionovela Justiça em Cena – “Meu marido é uma piada”.
A Iolanda é uma mulher dedicada ao marido, o Amaral, mas que tem que se desdobrar pra pagar as contas. E mesmo recebendo ajuda financeira do pai, o Leontino, ela se viu obrigada a costurar para fora para conseguir colocar dinheiro pra dentro de casa. Tudo porque o Amaral sempre arranja um jeito de perder o emprego. Mas hoje, Iolanda está bastante esperançosa de que o marido tome jeito e continue no trabalho que arrumou. E entre uma costura e outra, ela tenta conversar com o pai. Ouça a radionovela em diversos horários na programação e versão compacta aos sábados e domingos, às 20h30.

Rádio Justiça
A Rádio Justiça é sintonizada em 104,7 FM no Distrito Federal e pode ser ouvida pelo site www.radiojustica.jus.br. Acompanhe a programação e siga a Rádio Justiça pelo Twitter no endereço http://twitter.com/radiojustica. Participe dos programas! Envie dúvidas e sugestões sobre temas ligados ao Direito para nosso whatsapp: (61) 9 9975-8140.

Fonte: Rádio Justiça

Fonte: STF
Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana