conecte-se conosco


Nacional

Trump exige que México deporte migrantes e ameaça fechar fronteira

Publicado


Umas das promessas de campanha de Donald Trump foi criar um muro na fronteira com México
Official White House Photo/ Joyce N. Boghosian
Umas das promessas de campanha de Donald Trump foi criar um muro na fronteira com México

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump
, ameaçou nesta segunda-feira (26) fechar permanentemente a fronteira com México. Pelo Twitter, o presidente republicano pediu para que o governo mexicano remova os imigrantes que entraram nos EUA e pediu para o Congresso norte-americano aprove o financiamento de um muro.

“O México deveria remover os imigrantes, muitos dos quais são criminosos, de volta para seus países”, escreveu Donald Trump. “Que o façam de trem, de avião, de ônibus, mas eles não vão entrar nos Estados Unidos. Nós vamos fechar a fronteira permanentemente se necessário. Congresso, financie o muro!”, pediu, referindo-se à proposta de construção de um bloqueio físico na fronteira com México
, uma de suas principais promessas de campanha, que tramita no Parlemento norte-americano.


Np último domingo (25), a fronteira entre Estados Unidos
e México na região de San Diego, no sul norte-americano, ficou fechada por algumas horas após cerca de 500 imigrantes tentarem cruzá-la em conjunto. A polícia teve de usar bombas de gás lacrimogêneo para dispersar multidão.

Leia também: Donald Trump é acusado de racismo após vídeo sobre imigrantes

Os imigrantes avançaram sobre barricadas policiais posicionadas próximas ao posto de controle de San Ysidro, que faz fronteira com a cidade mexicana de Tijuana. Entre o grupo, havia mulheres e crianças.

Leia mais:  Cientista cria bebês resistentes ao HIV e gera dúvidas no meio científico

O incidente começou com uma marcha vinda de um acampamento para membros da caravana que partiu de El Salvador mês passado, localizado em Tijuana. Ao chegar à fronteira, o grupo se dispersou e alguns membros tentaram cruzar os bloqueios por diferentes pontos. A polícia de fronteira norte-americana afirmou que membros do grupo atiraram objetos que atingiram policiais. Segundo autoridades norte-americanas, ao menos 42 imigrantes
foram presos.

O ministro do Interior do México, Alfonso Navarrete, disse que autoridades locais prenderam pessoas que tentavam cruzar a fronteira ilegalmente e que elas serão “deportadas para seus países de origem”. Ele classificou as tentativas de travessia como “atos de provocação”. A polícia de Tijuana afirmou que prendeu 39 imigrantes.

Leia também: Eleições de meio de mandato testam popularidade de Donald Trump

“O Departamento de Segurança Interna não vai tolerar esse tipo de infrações à Lei e não vai hesitar em fechar postos de fronteira com México
por razões de segurança. Nós também vamos processar qualquer pessoa que danificar propriedades federais, ameaçar nossas tropas ou violar a soberania da nação”, afirmou a secretária de Segurança Interna norte-americana, Kirstjen Nielsen.

* Com informações da Ansa

Comentários Facebook
publicidade

Nacional

PSDB livra Aécio Neves e desafetos de Doria de processo de expulsão do partido

Publicado

por


Representação que pede a expulsão de Aécio Neves do PSDB foi arquivada pela direção nacional do partido
Arquivo/Agência Brasil
Representação que pede a expulsão de Aécio Neves do PSDB foi arquivada pela direção nacional do partido

A direção executiva nacional do PSDB decidiu arquivar sumariamente todos os processos que pedem a expulsão de filiados por suposta “infidelidade partidária”. A medida beneficia o  hoje deputado federal Aécio Neves (MG)
e desafetos do governador de São Paulo, João Doria.

A decisão foi tomada durante reunião realizada – sem alarde – nessa quarta-feira (20), sob a regência do presidente do PSDB
, o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin.


Em relação a Aécio
, o pedido de expulsão foi  protocolado pelo deputado Wherles Rocha (AC)
em dezembro do ano passado. O tucano acusou o correligionário de ter incorrido em quebra de decoro parlamentar em razão de episódios envolvendo suposto pagamento de propina por parte do empresário Joesley Batista, do J&F, alvos de investigações pela Polícia Federal.

A executiva do PSDB rechaçou a representação sem ao menos encaminhar o caso ao Conselho de Ética
 interno, considerando que o estatuto do partido prevê punição apenas quando um filiado é condenado em última instância. Alas do partido, no entanto, compreendem que o texto deve vir a ser atualizado, uma vez que o Supremo Tribunal Federal (STF) passou a entender que condenados na segunda instância já podem ser presos.

As representações por “infidelidade partidária” referentes a desafetos de João Doria
decorrem de suposto apoio de tucanos ao ex-governador Márcio França (PSB), adversário de Doria no segundo turno das eleições em São Paulo no ano passado. Aliados de Doria acusaram o ex-governador Alberto Goldman o prefeito de Santos, Paulo Alexandre Barbosa, e o ex-secretário Saulo de Castro de terem boicotado a campanha do ex-prefeito.

Leia mais:  Jair Bolsonaro reúne ministros e pedeenxugamento da máquina pública

O arquivamento dos processos desagrada ao grupo liderado por Doria no ninho tucano. O partido, que busca se reinventar após o fraco desempenho de Alckmin nas eleições presidenciais de 2018, tem sido cobrado a punir integrantes de seus quadros para transmitir mensagem de combatividade ao eleitorado.

Além das suspeitas que cercam Aécio, o PSDB
também teve a imagem fragilizada ao longo do último ano por episódios envolvendo três ex-governadores tucanos. No Paraná, Beto Richa já é réu em duas ações da Operação Lava Jato e chegou a ser preso por conta de suspeitas de corrupção. O mesmo aconteceu em Goiás, com Marconi Perillo,  preso por suspeita de caixa dois
logo após as eleições de outubro. Por fim, em Minas Gerais, o ex-presidente nacional do partido Eduardo Azeredo foi preso, em maio do ano passado
, após condenação no chamado ‘mensalão tucano’.

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

Vale fecha acordo com moradores atingidos por rompimento de barragem

Publicado

por


Rompimento da barragem em Brumadinho está perto de completar um mês e 139 pessoas seguem desaparecidas
Isac Nóbrega/PR
Rompimento da barragem em Brumadinho está perto de completar um mês e 139 pessoas seguem desaparecidas

Nesta quarta-feira (20), a mineradora Vale, representantes dos atingidos por barragens e a Justiça fecharam um acordo para o pagamento de R$ 1 mil por adulto e R$ 300 por adolescente ou criança de Brumadinho. O acordo é válido para os moradores da região por um ano.

Leia também: Exames detectam excesso de metais em quatro bombeiros de Brumadinho


O Termo de Acordo Preliminar (TAP) também contempla moradores das margens do Rio Paraopeba, entre Brumadinho
e a Hidrelétrica Retiro Baixo, no Centro-Oeste de Minas Gerais.

Além da Vale e representantes dos atingidos, participaram da audiência no Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJ-MG) na qual foi fechado o acordo a Advocacia Geral do Estado de Minas Gerais, o Ministério Público do Estado de Minas Gerais (MPMG), a Defensoria Pública do Estado de Minas Gerais, a Advocacia-Geral da União (AGU), o Ministério Público Federal (MPF) e a Defensoria Pública da União (DPU).

Esta foi a quarta audiência entre representantes do poder público e a Vale
. Uma próxima reunião está marcada para o dia 7 de março, quando serão tratadas questões que ainda não foram atendidas neste acordo.

De acordo com o diretor jurídico da Vale, Alexandre D’Ambrósio, os pontos acordados no termo foram os emergenciais e mais urgentes. Ele garantiu que as conversas não foram encerradas e disse que espera agora começar a construir um acordo definitivo.

Leia mais:  Bolsonaro anuncia general Fernando Azevedo e Silva como ministro da Defesa

“Conseguimos construir um acordo emergencial, que representa um avanço bastante grande para a reparação. Trata-se de um acordo sem precedentes, que reforça a colaboração ativa entre a Vale e as autoridades”, afirmou Alex D’Ambrosio.

A partir de agora, os atingidos serão cadastrados por uma empresa que ainda será contratada. O acordo prevê também a contratação de uma assessoria independente que auxilie os atingidos a negociar suas indenizações individuais. Esta assessoria também vai negociar o reembolso ou custeio das despesas do Estado de Minas Gerais
com despesas de transporte, alojamento e alimentação dos servidores envolvidos nos trabalhos de resgate e ações emergenciais na área atingida.

Desde o rompimento da barragem da Vale no Córrego do Feijão, que  matou pelo menos 171 pessoas
em Brumadinho
, já foram realizados cinco  processos de evacuação
abaixo de outras oito barragens de rejeitos no estado.

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana