conecte-se conosco


Mato Grosso

TRE prorroga recadastramento biométrico em Tangará da Serra, até 26 de abril

Publicado

O Pleno do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso aprovou a prorrogação da revisão com biometria dos municípios de Cáceres, Nova Xavantina, Pedra Preta, Peixoto de Azevedo, Sorriso, Tangará da Serra, Canarana, Barra do Bugres e São José do Rio Claro, até o dia 26 de abril.

No dia 03 de dezembro de 2018 o TRE deu início a revisão com biometria em 26 municípios de Mato Grosso, deste total, em nove cidades os juízes eleitorais, solicitaram a prorrogação por meio de ofício endereçado a Corregedoria Regional Eleitoral. Para fazer a revisão, o cidadão deve apresentar, obrigatoriamente, um documento oficial de identidade com foto (RG, CNH, Carteira de Trabalho, Carteira Profissional, por exemplo) e comprovante de residência (conta de luz, água, telefone, boleto de IPTU, contrato de aluguel).

O atendimento ao eleitor acontece na sede do Cartório da 19ª Zona Eleitoral, situado na Rua Francisco Ferreira Ramos, 53N, Centro, nos Postos Eleitorais, instalados no Centro Cultural e na Prefeitura Municipal. Nestes locais o horário de atendimento é das 07h30 às 13h30.


O eleitor que tiver o título cancelado não podera se inscrever em concursos públicos ou tomar posse, caso tenha sido aprovado e seja convocado; não poderá obter passaporte ou carteira de identidade, nem renovar matrícula em estabelecimento de ensino oficial ou fiscalizado pelo governo.

 

Comentários Facebook
Leia mais:  Controle interno debate soluções para melhorar a eficiência da gestão pública
publicidade

Mato Grosso

MTI celebra termo com a Sefaz para criação de célula de manutenção do Fiplan

Publicado

por

A Empresa Mato-grossense de Tecnologia da Informação e Comunicação (MTI) e a Secretaria de Fazenda (Sefaz) vão celebrar um Termo de Cooperação destinado à implantação de uma célula de manutenção da atual versão do Sistema Integrado de Planejamento, Contabilidade e Finanças do Estado (Fiplan) e para desenvolvimento de um novo sistema.

A resolução nº 008 do Conselho de Administração da MTI que autoriza a diretoria executiva a firmar tal cooperação está publicada no Diário Oficial que circula nesta segunda-feira (19.08). O termo, no entanto, deve ser assinado nos próximos dias.

O Fiplan foi desenvolvido pelos analistas técnicos da MTI em 2007 e a aplicação foi considerada uma solução computacional inédita no Brasil –  e vem sendo mantido por duas equipes de analistas: na MTI e os profissionais cedidos à Sefaz.

De acordo com o diretor-presidente interino da MTI, Kleber Geraldino, com a assinatura da cooperação haverá somente uma equipe responsável pelo projeto, que vai se concentrar na sede da secretaria. A intenção, segundo Kleber, é assegurar maior agilidade na troca de informações entre as áreas de negócio e de tecnologia da informação – em relação aos módulos contábil, financeiro e orçamentário do Fiplan.

“O projeto vai ficar sob a gestão e gerenciamento da MTI. Somos os gestores de tudo o que for corporativo. Haverá o remanejamento de alguns analistas e ficou acordado que isso deva ocorrer em setembro. A intenção é que nesse núcleo consigamos ter o aperfeiçoamento e desenvolvimento de soluções eficientes e integradoras, de forma mais ágil”, disse.

Leia mais:  Criminoso sofre acidente e PM recupera caminhonete roubada em estrada rural de Nova Olímpia

Kleber reforçou ainda que toda a parte tecnológica do Fiplan continua sob responsabilidade dos analistas da MTI.  Desse modo, os profissionais serão os responsáveis por contribuir tecnicamente em todas as decisões a serem tomadas relativas às melhorias e modernização à construção de um novo sistema.


O Fiplan integra em um único sistema, ações de planejamento, replanejamento, orçamento, contabilidade, programação, reprogramação, reprogramação financeira, execução da despesa, execução da receita e prestação de contas do Governo do Estado.

Fonte: GOV MT
Comentários Facebook
Continue lendo

Mato Grosso

Licitação do Anel Viário de Rondonópolis atinge economia de R$ 1,736 milhão

Publicado

por

A ENPA Engenharia e Parceria Eirelli apresentou o menor valor entre as quatro empresas habilitadas que disputam licitação para executar as obras de revitalização do Anel Viário de Rondonópolis (a 217 km de Cuiabá). O montante de R$ 6,133 milhões, proposto pela construtora representa uma economia de 20% em relação ao custo de R$ 7,683 milhões previsto para obra em edital, chegando a um deságio de R$ 1.736.326,95. Além da habilitação técnica, o menor preço é principal requisito na escolha da construtora que irá tocar os serviços.

 Os envelopes contendo as propostas de preços apresentadas pelas participantes do certame foram abertos em sessão pública realizada na sexta-feira (16.08), na sede da Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística (Sinfra). O resultado da sessão consta da terceira ata do processo licitatório publicada no site da secretaria nesta segunda-feira (19.08) e está disponível no menu “Editais e Licitação”, na capa do portal.

Segundo a presidente da Comissão Permanente de Licitação da Sinfra, Adriana Silveira Henrique, as propostas começaram a ser analisadas internamente pela comissão ainda durante a sessão e continuarão nesta segunda-feira (19.08). Nesta etapa, são avaliadas pela CPL as planilhas orçamentárias, dentre outros documentos técnicos, que também serão conferidos e classificados. O aviso de resultado será publicado no Diário Oficial.

Na sequência de menor preço estão na disputa: ENPA Engenharia e Parceria Eirelli (R$ 5.947.424,54); Fratello Engenharia Ltda (R$ 6.133.206,56); Construtora Agrienge Ltda (R$ 6.748.289,69); e Construtora AMIL Ltda (R$ 6.907.604,51).

Leia mais:  Controle interno debate soluções para melhorar a eficiência da gestão pública

As construtoras Tripolo Ltda e Geosolo Engenharia Planejamento e Consultoria Ltda foram inabilitadas durante a primeira fase da licitação. A Geosolo chegou a protocolar recurso quanto à classificação na etapa de Habilitação, mas os argumentos não foram acatados pela Comissão Permanente de Licitação da Sinfra.

Após o julgamento das planilhas de preços e respeitados todos os prazos recursais e legais, a Comissão Permanente de Licitação emitirá um relatório de condução do certame e encaminhará os autos ao secretário da Sinfra, Marcelo de Oliveira, que após análise procederá a homologação e adjudicação do objeto da empresa vencedora.

O secretário adjunto de Obras Rodoviárias da Sinfra, Nilton de Britto, que esteve presente na sessão pública para abertura das propostas de preço, pediu que a construtora vencedora do certame, após a assinatura do contrato, inicie de forma rápida a mobilização para o início das obras.

“É uma solicitação do secretário Marcelo de Oliveira que os serviços comessem o mais breve possível, pois a revitalização do Anel Viário de Rondonópolis é uma prioridade por ter uma grande demanda da população de toda a região Sul do Estado”, destacou

Obra

A empresa vencedora da licitação deve executar a obra de recuperação de 16 quilômetros das rodovias MT-483 e MT-270, nos entroncamentos da BR-163, margeando a cidade de Rondonópolis. De acordo com o edital de licitação, os serviços previstos no projeto devem ser realizados no prazo de oito meses (240 dias), com vigência de contrato projetada para 330 dias.


A ata da fase de Proposta de Preço e o resultado da análise das propostas poderão ser obtidos no site: www. sinfra.mt.gov.br, acessando o menu “Editais e Licitações”, na capa do sítio.

Leia mais:  Menor suspeito de integrar o "Comando Vermelho" é preso no Bairro Jardim Alvorecer em Barra do Bugres

Fonte: GOV MT
Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana