conecte-se conosco

  • powered by Advanced iFrame free. Get the Pro version on CodeCanyon.


Tecnologia

Testamos o novo Motorola One Vision e câmera com “visão noturna” é destaque

Publicado

IstoÉ

Em outubro do ano passado, a Motorola lançou no Brasil o Motorola One, primeiro smartphone do programa Android One a chegar ao País. Segundo a empresa, as vendas do One foram boas e contribuíram para o lançamento de um irmão maior e mais caro, o Motorola One Vision. Testamos o novo lançamento e mostramos os detalhes do aparelho no teste.

Leia também: 3 vantagens de ter um celular Xiaomi agora que a empresa está no Brasil

Design

Tela em 2%3A19 traz vantagem em jogos
IstoÉ/André Cardozo
Tela em 2:19 traz vantagem em jogos

A primeira coisa que chama atenção no Motorola One Vision é como o aparelho é comprido. A tela CinemaVision tem proporção de 21:9 (o mesmo formato do cinema, daí o nome), o formato mais alongado atualmente no mercado. A tela ocupa praticamente toda a frente do aparelho, com a exceção do “buraco” da câmera de selfie. Seguindo o padrão da Motorola, há botões apenas no lado direito (liga/desliga e volume).

A tela alongada é certamente uma vantagem em jogos, como mostrado acima. No caso de vídeos nem sempre, pois muitos são na tradicional proporção 16:9 e acabam sendo exibidos com as conhecidas tarjas pretas dos lados da tela.

Uma pequena desvantagem é que, com a tela alongada, fica mais difícil alcançar os apps do alto da tela usando uma só mão (isso, claro, dependendo do tamanho da sua mão!). Diferentemente da OneUI da Samsung, que torna mais fácil o acesso a conteúdo com uma só mão, a interface da Motorola não tem nenhuma otimização nesse sentido.

A parte traseira do One Vision é protegida por vidro. É um acabamento bonito e elegante, mas é um “ímã de digitais”. Felizmente, o One Vision já vem com uma capinha transparente na embalagem. Pode não parecer muito, mas é legal tirar o celular da caixa já com a capa em vez de ter que comprar uma à parte.

Configuração e desempenho

Motorola One Vision
IstoÉ/André Cardozo
One Vision tem 128 GB de memória para armazenamento

O One Vision tem processador Samsung (uma novidade, já que a Motorola costuma usar Qualcomm) Exynos 9609 de 2,2 GHz, 4 GB de RAM e 128 GB de armazenamento. É uma configuração parruda, esperada para um smartphone na casa de R$ 2.000. Nos testes, o aparelho rodou bem e sem engasgos todos os apps usados. Testamos também alguns jogos mais pesados, como o Asphalt 9, de corrida, e todos rodaram muito bem. A tela alongada certamente é um grande benefício para quem gosta de jogar no smartphone.

Leia mais:  Rainha Elizabeth publica foto no Instagram pela primeira vez

No app de benchmarks AnTutu, o One Vision obteve a marca de 147.656 pontos. O valor fica longe de smartphones mais caros, como o S10, mas supera facilmente smartphones na casa dos R$ 1.000, que costumam ficar entre 70 mil e 90 mil pontos.

O One Vision tem uma bateria de 3.500 mAh, É um valor bem na média e o desempenho ficou dentro do previsto. Em nosso teste padrão, com vídeo do YouTube em tela cheia, brilho no máximo e Wi-Fi e Bluetooth ligados, durou 7h40min, um valor bem na média. No teste do dia a dia, de modo geral, deu para um dia de uso. Nada de excepcional, nem de ruim. Uma vantagem, pelo menos, é que o aparelho tem carregamento TurboPower. Dá para carregar metade da bateria em 30 minutos.

Leia também: iOS 13 e mais: o que foi apresentado na conferência de desenvolvedores da Apple

Câmeras

Motorola One Vision
IstoÉ/André Cardozo
A câmera traseira do Motorola One Vision tem sensor de 48 MP

Um dos argumentos de venda mais promovidos pela Motorola é o conjunto de câmeras do One Vision. A traseira tem sensor de 48 MP e a tecnologia batizada de Night Vision, voltada para fotos em situações de pouca luz. Nos testes, deu para perceber que o recurso realmente funciona. Fotos tiradas à noite ficaram com melhor nível de brilho e cores mais naturais.
Para efeito de comparação, veja as duas fotos abaixo. A primeira tirada com o Motorola One, e a segunda com o One Vision.

Foto tirada com um Motorola One
IstoÉ/André Cardozo
Foto tirada com o Motorola One


Foto tirada com o Motorola One Vision
IstoÉ/André Cardozo
Foto tirada com o Motorola One Vision

A traseira do aparelho tem ainda uma segunda câmera telefoto, de 5 MP, para fotografar objetos à distância. Nos testes, esse recurso também funcionou muito bem. Com 25 MP, a câmera de selfie também teve bom desempenho nos testes.

Leia mais:  Qual a melhor maneira de economizar a bateria do celular?

Software

Aqui temos um diferencial do One Vision. Por ser um produto lançado em parceria com o Google e parte do programa Android One, ele vem com uma versão do Android “pura” e atualizada, e tem atualizações de segurança garantidas por três anos e atualizações do Android garantidas por dois anos. O aparelho sai de fábrica com o Android 9 Pie e será atualizado para o Android Q quando essa versão for lançada.

Outra característica do Android One é que o aparelho vem apenas com os apps básicos do Google. Há apenas algumas leves personalizações da Motorola, como a possibilidade de usar gestos para acionar alguns recursos do aparelho, como lanterna e câmera, além de otimizações no software da câmera.

Concorrência

Outras opções para quem procura um smartphone mid-premium na casa de R$ 2.000 são os modelos da linha A da Samsung, como o A50 e o A70, e os aparelhos da linha Q da LG. Na própria Motorola, a opção com preço mais próximo é o Moto Z3 Play, e há ainda o Zenfone 5, da Asus.

Conclusão

Com o preço de R$ 2.000, o One Vision está na categoria que os fabricantes chamam de mid premium, aparelhos melhores que os intermediários, porém ainda inferiores aos mais sofisticados. No caso do One Vision, os principais destaques são a câmera, realmente superior às encontradas em smartphones intermediários, e a tela “alongada”. O preço do aparelho está acima da média de R$ 1.300 que o brasileiro costuma gastar com um novo smartphone, mas as qualidades do One Vision, principalmente a câmera, tornam o aparelho uma boa opção para quem está disposto a gastar um pouco mais.

Ficha técnica – Motorola One Vision

  • Processador: Samsung Exynos 9609 Octa-Core 2.2 GHz
  • Memória RAM: 4 GB
  • Armazenamento: 128 GB (116 GB livres)
  • Tela: 6.3″ Full HD+ (1080×2520), proporção 21:9
  • Câmera traseira: dupla com sensores de 48 MP (principal) e 5 MP (telefoto), zoom digital de 8x
  • Câmera frontal: 25 MP, abertura de f/2.0, zoom digital 8X
  • Chip de operadora: pode operar com dois chips ou somente um + cartão de memória
  • Sistema: Android 9 Pie
  • Bateria: 3.500 mAh
  • Preço sugerido: R$ 1.999

Leia também: Boatos sobre o novo iPhone: aparelho pode ter dupla conexão Bluetooth para áudio


André Cardozo é jornalista e cobre tecnologia há mais de 15 anos. É editor de ISTOÉ Online e também edita o Norte, newsletter diária sobre tecnologia.

Fonte: IG Tecnologia
Comentários Facebook
publicidade

Tecnologia

Selfie espionada? Apps do Google Play atacam privacidade de usuários; entenda

Publicado

por

source

Olhar Digital

apps de selfie espionavam usuários arrow-options
Reprodução
Apps de Selfie no Google Play espionavam usuários

Pesquisadores da Wandera, empresa especializada em segurança de dispositivos móveis, encontraram dois apps no Google Play que escondiam adware bastante agressivo, que exibia anúncios de tela cheia que prejudicavam o uso do smartphone. Além disso, ambos exigiam permissões que permitiriam espionar os usuários.

Leia também: iOS 13.1 chega antes: atualização foi adiantada em seis dias pela Apple

Os apps, chamados Sun Pro Beauty Camera e Funny Sweet Beauty Camera , juntos tinham mais de 1,5 milhão de downloads. Ambos exibem comportamento diferente, porém altamente inconveniente: depois de instalado, o SunPro Beauty Camera começava a exibir anúncios em tela cheia mesmo que o app nunca fosse aberto. Já o Funny Sweet Beauty Camera começava a exibir os anúncios depois que o usuário salvasse uma foto editada no app.

Ambos os apps tentam dificultar sua remoção usando um truque: depois de instalados, eles criam um atalho para si mesmos, e removem seu ícone original da lista de apps. Assim, se o usuário tentar “desinstalar” o app, irá apenas remover o atalho.

Além disso, os apps pediam permissão para gravar áudio, algo que é completamente desnecessário para seu funcionamento, mas poderia ser usado para escutar tudo o que é dito ao redor do aparelho.

Leia também: Dados pessoais de todos os equatorianos vazam online


Ambos os apps tinham muitos reviews negativos, o que geralmente é um sinal de que há algo errado. Segundo a Wandera, a recomendação é evitar apps com notas muito baixas, e instalar uma solução de segurança em seu smartphone .

Fonte: Wandera

Fonte: IG Tecnologia
Comentários Facebook
Leia mais:  Site da Caixa apresenta falha que permitia golpes de hackers aos usuários
Continue lendo

Tecnologia

Uber Eats alcança marca de 1 bilhão de pedidos feitos no mundo

Publicado

por

source

Olhar Digital

Uber Eats arrow-options
Divulgação/Uber
Uber Eats alcançou a marca de 1 bilhão de pedidos feitos no mundo

O Uber Eats confirmou ter recebido mais de 1 bilhão de pedidos ao redor do mundo em menos de quatro anos. A plataforma está disponível em mais de 500 cidades e em 36 países. No Brasil, o serviço de entrega chegou somente em dezembro de 2016, mas hoje já é parceiro de milhares de empreendimentos gastronômicos em mais de 70 cidades brasileiras, fazendo a curadoria de restaurantes conhecidos como McDonald’s, KFC e Burger King e de negócios familiares locais como Hi Pokee, Busger e Sushi Plus.

Leia também: iFood, Rappi e Uber Eats: conheça as diferenças entre os aplicativos de delivery

A empresa alcançou esse marco na mesma semana em que anunciou que irá permitir que restaurantes que utilizam sua própria frota de entregadores se cadastrem na plataforma do Uber Eats . Anteriormente, só era possível o cadastro na plataforma de restaurantes que desejavam fazer entregas usando os entregadores autônomos disponíveis no aplicativo.

Esta nova opção foi planejada para atrair mais usuários para o aplicativo . Na América Latina, o Uber Eats já está testando essa modalidade em diversas cidades, inclusive brasileiras, com resultados promissores.

Leia também: Publicações sobre dietas serão menos mostradas para jovens no Instagram; entenda


O anúncio chega quando dados revelam que o crescente mercado de entrega de comida – que deve valer quase 21 bilhões de dólares até 2023 – está desempenhando um papel cada vez mais importante no crescimento de pequenos e médios restaurantes. Para os 70% dos restaurantes do Uber Eats, que são pequenas e médias empresas, a entrega de alimentos é responsável por uma proporção crescente de sua receita total.

Leia mais:  4 atitudes que você deve evitar para não ter a conta no WhatsApp invadida

Fonte: IG Tecnologia
Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana