conecte-se conosco


Esportes

Stephen Curry se torna o terceiro com mais bolas de três na história da NBA

Publicado


Stephen Curry se tornou o terceiro jogador com mais bolas de três na história
Reprodução
Stephen Curry se tornou o terceiro jogador com mais bolas de três na história

Um dos maiores jogadores da atual geração, Stephen Curry atingiu mais uma marca histórica em sua carreira nesta sexta-feira (11) ao se tornar o terceiro maior pontuador de bolas de três da história da principal liga de basquete dos Estados Unidos e do mundo.

Leia também: Astro do Warriors, Stephen Curry diz não acreditar que o homem já foi à Lua

O Golden State Warriors
derrotou o Chicago Bulls por 146 a 109, e com as cinco bolas de três
anotadas em 11 tentativas, Curry
chegou a 2.285 em sua carreira, ultrapassando Jason Terry (2282). A média do armador, que soma 656 partidas, é de 3,47 bolas do perímetro por jogo.

Para se tornar o maior arremessador de três da história, Steph terá que ultrapassar ainda Ray Allen, que anotou 2.937 bolas em 1.300 jogos, com uma média de 2,25 por partida, e Reggie Miller, que em 1.389 aparições, anotou 2.560 bolas de três, uma média de 1,84 por partida. 

Leia também: Curry quer mudança em vendas de seus tênis após reclamação de menina de 9 anos

Leia mais:  Prass pega pênalti e Palmeiras busca empate com Novorizontino na ida das quartas

Outro feito do armador nesta temporada foi o de ter batido um recorde que já durava 22 anos na NBA, acertando cinco ou mais cestas de três pontos em seis partidas consecutivas. O recordista anterior foi George McColud, aposentado desde 2002, quando defendeu o Denver Nuggets.

Curry atingiu a marca em partida contra o New York Knicks, quando acertou seis arremessos em 10 tentativas, comandando a vitória dos Warriors.

Em fevereiro de 2013, Curry obteve seu melhor desempenho até hoje na NBA marcando 54 pontos contra o Knicks. Ele acertou 11 arremessos de três em 13 tentativas.

Confira alguns dos feitos de Curry em sua carreira

  • Em abril de 2014, marcou 47 pontos contra o Blazers com sete triplos;
  • No ano seguinte venceu pela primeira vez o prêmio de MVP e, em fevereiro, marcou 51 pontos contra o Mavericks sendo 10 cestas de três pontos em 16 tentativas;
  • Na noite de Halloween de 2015, Curry fez 53 pontos contra o Pelicans. É a segunda melhor marca de sua carreira;
  • Em fevereiro de 2016 marcou em dois jogos 51 pontos e, contra o OKC Thunder arremessou uma bola de três de nove metros para vencer a partida. Neste dia, ele fez apenas 46 pontos, mas seu desempenho é sempre lembrado pela última bola;
  • Ano passado ele bateu o recorde de cestas de três em uma única partida: 13 de 17 tentativas.
Leia mais:  Fórmula 1 ultrapassa a NFL em média de público durante o ano de 2018

Leia também: Veja o vídeo do exato momento do acidente de carro do astro Stephen Curry

A carreira do armador, de 31 anos, é incrível até aqui, com direito a dois prêmios de MVP, dado ao melhor jogador da temporada. Será que em 2019 Curry
fatura o troféu mais uma vez? Deixe sua opinião nos comentários.

Comentários Facebook
publicidade

Esportes

Gustagol marca no fim e Corinthians busca empate com Ferroviária no jogo de ida

Publicado

por


Lance de Ferroviária x Corinthians, em Araraquara
Twitter/Reprodução/Gazeta Esportiva
Lance de Ferroviária x Corinthians, em Araraquara

O Corinthians visitou a Ferroviária no confronto de ida das quartas de final do Campeonato Paulista, na noite deste domingo, e acabou buscando o suado empate nos minutos finais da partida: 1 a 1 na Fonte Luminosa.

Leia também: São Paulo bate o Ituano, Fla vence o Flu, Galo avança e Grêmio goleia fora

As duas equipes voltam a se enfrentar na próxima quarta-feira, dia 27 de março, na Arena Corinthians
. Quem vencer, avança à semifinal. Novo empate por qualquer placar leva a decisão da vaga para os pênaltis.

O primeiro tempo na cidade de Araraquara foi bastante equilibrado. A Ferroviária
começou melhor no duelo, envolvendo o Corinthians com mais posse de bola e boas trocas de passes no campo de ataque.

Em uma dessas jogadas, Leo Arthur tabelou com Tony, chegou até a meia lua da grande área e finalizou rasteiro, raspando a trave esquerda do goleiro Cassio.

Leia também: Prass pega pênalti e Palmeiras empata com Novorizontino na ida das quartas

O Corinthians também teve bom volume ofensivo e assustou, principalmente, nas bolas aéreas. Em dois lances de cabeça, o zagueiro Manoel chegou perto de abrir o placar: no primeiro deles, o goleiro Tadeu fez duas grandes defesas, inclusive no rebote; depois, Manoel cabeceou para fora.

O goleiro Cassio sentiu lesão no intervalo e foi substituído por Walter no segundo tempo.

Leia mais:  O show continua! Menino da Vila e as histórias inéditas sobre o mundo da bola

E a etapa final começou com a equipe alvinegra buscando o gol. Pedrinho teve boa oportunidade finalizando de voleio, com a bola explodindo no ombro do zagueiro Rodrigão – o VAR entrou em ação para avaliar um possível pênalti, mas o árbitro mandou seguir. 

Aos poucos a Ferroviária foi se encontrando no segundo tempo até inaugurar o marcador. Aos nove minutos, o lateral Diogo Mateus acertou um lindo chute cruzado de fora da área e marcou um golaço. Walter não alcançou e a bola ainda bateu na trave antes de entrar.

Leia também: Paquetá marca, mas seleção sofre 1º gol pós-Copa e tropeça no Panamá

O técnico Fabio Carille colocou  Gustagol
, recuperado de lesão, e Jadson em campo, melhorando seu poderio ofensivo. O time da capital seguiu insistindo nas bolas aéreas e chegou perto do empate em chute de Vagner Love, desviado pela zaga. 

Aos 42 minutos, brilhou novamente a estrela do atacante Gustagol. Clayson fez boa jogada pela esquerda e cruzou para o centroavante se antecipar à marcação e estufar as redes, empatando o marcador para o Corinthians
e dando números finais ao duelo.

Fonte: IG Esportes
Comentários Facebook
Continue lendo

Esportes

CEO da McLaren ameaça abandonar a Fórmula 1 se novo regulamento não for aprovado

Publicado

por


McLaren em 2019 tem Lando Norris e Carlos Sainz como pilotos
Reprodução
McLaren em 2019 tem Lando Norris e Carlos Sainz como pilotos

A McLaren ameaçou deixar a Fórmula 1 se as mudanças promovidas pela Federação Internacional de Automobilismo – FIA e a FOM, para o ano de 2021, não forem aprovadas. A escuderia é, ao lado da Ferrari, a mais antiga na modalidade.

Leia também:  Indy presta homenagem a diretor de provas da F1 encontrado morto na AUS

De acordo com o jornal The Guardian
, o atual CEO da McLaren
Group, Zak Brown, o regulamento de 2021 quer simplificar a tecnologia e os custos e isso não é benéfico para as equipes.

“Para a McLaren é preciso atender a dois requisitos: ser economicamente viável e capaz de lutar de forma justa e competitiva. Se não, teremos que considerar seriamente nossa posição na Fórmula 1. Isso não é uma posição, onde queremos estar”, disse Brown.

Nesta terça-feira (26), antes do GP do Bahrein, a Liberty Media realizará uma reunião com a FIA e todas as dez equipes da Fórmula 1
, em Londres, para definir os pontos do novo regulamento.

Dentre as ideias da agência está um limite orçamentário na modalidade, uma distribuição de receita mais justa, unidades de energia, novas regulamentações e governança. Brown espera para que a F1 invista nas novas mudanças para equilibrar os ‘gastos desproporcionais’ da Ferrari, Mercedes e Red Bull.

Leia também:  Cidade italiana receberá exposição em homenagem a brasileiro Ayrton Senna

Leia mais:  O show continua! Menino da Vila e as histórias inéditas sobre o mundo da bola

“A distribuição de receita deve ser mais equilibrada, deve ser orientada para o desempenho. Todos concordamos que a Ferrari é o maior nome e deve ser remunerada como tal, mas não no nível que é e você também não deve ser capaz de colocar esse dinheiro nas corridas”, afirmou o CEO da McLaren.

Uma saída para Brown é um esquema de ‘equipe B’ como a relação Haas – Ferrari. A escuderia
comandada por Gene Haas utiliza peças da Ferrari. Juntamente com a Renault e a Williams essas equipes não possuem uma tecnologia de ponta capaz de se manter em alto nível na temporada.

Baseado no modelo implementado na NFL, o diretor-executivo afirmou “Uma vez nivelado, isso deve acelerar a competitividade de todos. A F1 teve períodos dominantes, mas uma grande F1 é que ninguém mais domina. Pode significar uma equipe ganhando dois campeonatos no trote – não cinco ou seis”.

Leia também:  Mick, Filho de Schumacher, diz que comparação com o pai “não é problema”

Um dos exemplos citados pelo CEO da McLaren
é os cinco campeonatos conquistados por Lewis Hamilton, pela Mercedes, nos últimos anos.

Fonte: IG Esportes
Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana