conecte-se conosco


Economia

Síndicos vão passar por prova de avaliação de desempenho e conhecimento

Publicado

Uma nova realidade, que se fortalece pela procura crescente do trabalho na área, vem mudando o cenário na vida dos condomínios, pelos benefícios que agrega. Trata-se da profissionalização dos síndicos; Hoje, de inegável importância para uma uma gestão mais produtiva e que afaste ou minimize de certa forma, questões que poderiam vir a se tornar problemas no futuro.

Leia também: Saiba como utilizar o WhatsApp de maneira inteligente nos condomínios


Em meio a crise econômica, a inadimplência é o maior problema para muitos síndicos em condomínios
iStock

Em meio a crise econômica, a inadimplência é o maior problema para muitos síndicos em condomínios

Não é à toa, que hoje se privilegia o profissionalismo em detrimento da concepção amadora, porém de extrema boa vontade, em que moradores em sua maioria aposentados, com tempo livre, poderiam administrar o empreendimento como síndicos
.

Mas não podemos desmerecer o trabalho exercido, e não é, de maneira alguma, essa a intenção. Não é desconhecida a dedicação desses administradores, no intuito de realizarem sua função dando o melhor de si. Por outro lado, cabe considerar que esses gestores, geralmente aposentados e com tempo ocioso, o que lhes permitia executar a tarefa, são cada vez em número menor, pois os idosos também mudaram seu ritmo de vida, apostando no esporte, nas atividades culturais e de lazer para investir o tempo livre.

Além do fato de que muitos condomínios transformaram-se em verdadeiros clubes, e que sua gestão depende de conhecimentos cada vez mais abrangentes, com a profissionalização da sindicância, condomínios
e condôminos ganham também em qualidade de vida, à medida em que esses profissionais têm ao seu dispor ferramentas para evitar o descumprimento de normas legais, a desvalorização do patrimônio imobiliário, e para facilitar a solução de dificuldades e conflitos.

Sem contar outras vantagens obtidas com a profissionalização, tais como criar oportunidades para melhorias internas no condomínio, geração de novas fontes de receita, facilidade em distratar o contrato sem ter que chamar uma assembléia (os contratos de sindicância profissional tem, normalmente, cláusula de rescisão sem ônus), apólice de seguro de responsabilidade civil em nome da empresa de sindicância, conhecimento de “melhores práticas” a serem implantadas, entre outras que culminam em uma gestão
mais transparente, ética e segura.

Leia também: Festas e eventos em condomínios, uma grande oportunidade

Essa nova modalidade, e porque não dizer nova profissão, vem merecendo destaque e  caminhando a passos largos para se tornar quase que imprescindível. Contudo, muito embora seja uma realidade em todo o Brasil, essa profissão ainda não é regulamentada, o que faz com que os cuidados com as contratações sejam estritamente necessários, e se iniciem antes mesmo da contratação, para que não surjam situações que  possam gerar desgastes desnecessários, ou arrependimentos irreversíveis.

Mas como fazer isso? Quais cuidados são esses? Para não haver erro, separamos aqui algumas dicas na hora de contratar um síndico profissional para o seu condomínio:

  1. Certifique-se de que o Síndico tenha conhecimento e capacidade de gestão. Por se tratar de uma nova profissão, é difícil identificar os profissionais capacitados para realizar um trabalho de qualidade. Para solucionar esta dificuldade, indicamos os profissionais com a Certificação Síndico 5 Estrelas, única certificação obtida através de uma prova de proficiência e com  reconhecimento da Fundação Vanzolini, principal certificadora do Brasil, gerida pelos professores da USP.
  2. Procure profissionais modernos, atuais e gabaritados para exercer a função, com conhecimentos em tecnologia, direito, contabilidade e engenharia por exemplo;
  3. Verifique o histórico da Síndico, em quais condomínios atua, procure pedir referências;
  4. Tire uma ficha do candidato e do CNPJ de sua empresa, veja se existem processos, protestos, etc.
  5. Procure saber o número de horas que o Sìndico se dedicará ao seu condomínio, bem como o número de funcionários, horários de atendimento, plantões e quantos condomínios atende, para ter uma idéia geral do nível de comprometimento da mesma;
  6. Abra uma concorrência, escute diversos Síndicos, desconfie de “negócios da china” e fique atento aos detalhes das propostas recebidas;
  7. Verifique se o Sìndico possui seguro de responsabilidade civil e qual a sua cobertura e prêmio.

A verdade é que não existe segredo para que bons resultados sejam alcançados. O caminho certo e seguro é procurar empresas que ofereçam além do conhecimento adequado, idoneidade e credibilidade com síndicos
. Faça sua analise com calma e procure pesar todos os prós e contras antes de tomar sua decisão, com certeza suas chances de grande sucesso aumentarão consideravelmente.

Comentários Facebook

Economia

Dólar fecha em  R$ 5,08, menor nível em dez semanas

Publicado

por


source

Agência Brasil

dólar
MARCELLO CASAL JR./AGÊNCIA BRASIL

Dólar tem menor valor em 10 semanas

Em mais um dia de alívio nos mercados internacionais, o dólar fechou no menor nível em dez semanas. A bolsa de valores ultrapassou os 93 mil pontos e encerrou no nível mais alto em quase três meses.

O dólar comercial encerrou esta quarta-feira (3) vendido a R$ 5,086, com recuo de R$ 0,124 (-2,38%). A cotação operou em queda durante toda a sessão e fechou no menor nível desde 26 de março (R$ 4,996). Na mínima do dia, por volta das 12h, chegou a atingir R$ 5,02. A divisa acumula alta de 26,74% em 2020.

O euro comercial fechou o dia vendido a R$ 5,722, com recuo de 2,38%. A libra comercial caiu 2,45% e terminou a sessão vendida a R$ 6,369.

O Banco Central (BC) interveio pouco no mercado. A autoridade monetária ofertou até US$ 620 milhões para rolar (renovar) contratos de swap cambial – venda de dólares no mercado futuro – que venceriam em julho.

Bolsa de valores

No mercado de ações, o dia foi marcado pelo otimismo com o exterior. O Ibovespa, índice da B3 (bolsa de valores brasileira), fechou o dia aos 93.002 pontos, com ganho de 2,15%. O índice está no maior nível desde 6 de março, quando tinha fechado próximo aos 98 mil pontos.

O Ibovespa seguiu o mercado norte-americano. O índice Dow Jones, da Bolsa de Nova York, fechou a quarta-feira com alta de 2,05%. Apesar do acirramento dos protestos antirracistas nos Estados Unidos, os investidores reagiram à queda de novos casos de covid-19 em regiões norte-americanas e em países europeus e a dados econômicos positivos.

Nos Estados Unidos, o setor privado fechou 2,76 milhões de vagas. O nível veio melhor que a extinção de 9 milhões de postos esperada pelos analistas. O setor de serviços da China cresceu pela primeira vez desde janeiro e teve, em maio, o melhor desempenho mensal desde o fim de 2010. Na Europa, a contração das empresas diminuiu em maio, indicando início de recuperação.

Há várias semanas, mercados financeiros em todo o planeta atravessam um período de nervosismo por causa da recessão global provocada pelo agravamento da pandemia do novo coronavírus. Nos últimos dias, os investimentos têm oscilado entre possíveis ganhos com o relaxamento de restrições em vários países da Europa e em regiões dos Estados Unidos e contratempos no combate à doença.

No Brasil, a emissão em títulos da dívida externa pelo Tesouro, anunciada hoje pela manhã, indicou que ainda há demanda por ativos brasileiros no exterior.

Veja também:  Petrobras aumentára em 5,3% o preço no gás nesta quinta-feira

Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Caixa não filtra classe de quem pede auxílio, diz Guimarães

Publicado

por


source
auxílio
Marcelo Casal Jr/Agencia Brasil

“Isso não é papel da Caixa”, declarou Pedro Guimarães em entrevista coletiva


A identificação do perfil social de quem pede o auxílio emergencial de R$ 600 (R$ 1,2 mil para mães solteiras) não cabe à Caixa Econômica Federal, disse, nesta quarta-feira (3), o presidente da instituição, Pedro Guimarães. Ele ressaltou que o banco apenas executa o programa e negou fraudes na concessão dos benefícios.

Saiba mais: ‘Temos só 25% do que esperávamos de fraude no auxílio’, diz presidente da Caixa

“Isso não é papel da Caixa”, declarou Pedro Guimarães em entrevista coletiva para divulgar o balanço diário do auxílio emergencial. Ele comentou estudo do Instituto Locomotiva publicada pelo jornal Valor Econômico segundo o qual 3,89 milhões de famílias das classes A e B têm algum membro recebendo o benefício criado para atender pessoas em situação de vulnerabilidade durante a pandemia de coronavírus.

De acordo com o estudo, um terço das famílias das classes A e B pediu o auxílio emergencial nos últimos dois meses. Segundo o levantamento, 69% dos pedidos procedentes da população de maior renda foram aprovados.

Pela legislação que criou o auxílio emergencial, a análise dos requerimentos cabe à Dataprev, estatal federal de tecnologia. A empresa vasculha 17 bases de dados e verifica se o autor do pedido se enquadra nos critérios para receber o auxílio.

Em tese, a legislação não proíbe pessoas das maiores faixas de renda de receber o benefício. Cidadãos das classes A e B podem ter acesso ao auxílio emergencial caso todos na família estejam trabalhando na informalidade e não tenham declarado Imposto de Renda no ano passado.

Segundo Guimarães, os casos de fraudes bancárias relacionados ao auxílio emergencial são muito baixos . “O nível de fraudes na Caixa envolvendo o auxílio emergencial é próximo de zero”, disse.

Conforme o balanço apresentado hoje, dos 107 milhões de brasileiros cadastraram-se para receberem o auxílio emergencial. Desse total, 59 milhões enquadraram-se nas regras e tiveram o benefício aprovado e 42,2 milhões foram considerados inelegíveis.

O total de pedidos em análise está em 11,1 milhões de pessoas . Desse total, 5,8 milhões de cadastros estão em primeira análise e 5,3 milhões em segunda ou terceira análise, quando o cadastro foi considerado inconsistente e a Caixa permitiu a contestação da resposta ou a correção de informações.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana