conecte-se conosco


Polícia

Setor de Desaparecidos da PJC ajuda jovem surdo a localizar mãe

Publicado

Assessoria | PJC-MT

Um jovem surdo, com deficiência mental, natural do Estado do Amazonas que estava sem documentos e sua família era procurada, conseguiu com ajuda das redes sociais localizar seus parentes. A iniciativa de divulgar um cartaz pedido ajuda para identificar parentes foi do Núcleo de Pessoas Desaparecidas da Delegacia Especializada de Homicídios e Proteção a Pessoas (DHPP), da Polícia Judiciária Civil, em Cuiabá.

Tudo começou com pedido da assistência social da Defensoria Pública de Cuiabá, que entrou em contato com o Setor de Desaparecidos da Polícia Civil, solicitando apoio na localização de parentes de um rapaz (andarilho) surdo e que se apresentava como André Gomes Ferreira, para retirada de novos documentos.

De acordo com a Defensoria Pública, André passou certo tempo no Estado do Rio de Janeiro com o nome de Anairo Wai Wai. Porém, estava residindo em Cuiabá há  cerca de um ano, engajado em manifestações sindicais. Ele permanecia diariamente nas dependências da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e morava em um “grilo” nas proximidades do lixão em Cuiabá.

Diante do pedido do Órgão, o Setor de Desaparecidos da DHPP postou o cartaz “procura-se por parentes”, no Facebook do Setor (https://www.facebook.com/Desaparecidos-Pol%C3%ADcia-Civil-Mato-Grosso-1752575328341774/al).

Com a divulgação, várias pessoas comentaram na página informando que conhecia o rapaz e no aplicativo de denúncias do Núcleo (65 9 9982-7766). O Setor também recebeu informações de intérpretes de libras, os quais confirmaram que ele possui problemas mentais e vinha vivendo como andarilho.

Na sexta-feira, 8 de fevereiro, a Defensoria dos Direitos Humanos da cidade de Manaus (AM) entrou em contato com a DHPP, em Cuiabá, comunicando a presença da senhora Dagmar Gomes Faria, a qual afirmou ser a mãe André (que estava em Mato Grosso), mas que na verdade o filho chamava-se Alex Faria Moça.

Leia mais:  Irmãos que mantinha empresa de fachada para comércio de drogas são presos

Ela afirmou que chegou ao seu conhecimento o cartaz divulgado pelo Núcleo de Pessoas Desaparecidas da PJC-MT, a procura dos familiares. A mãe contou que o filho (Alex) saiu de casa há cinco anos e desde então, só tinha notícias dele esporadicamente. No último ano não conseguiu mais contato com o Alex Faria e tinha anseio de encontrar seu filho com vida.

A mãe manifestou o desejo de ter o filho de volta junto com a família. A Defensoria dos Direitos Humanos de Manaus, do Estado do Amazonas, está averiguando a forma do reencontro de Alex e a mãe Dagmar. 

 

Fonte: PJC MT
Comentários Facebook
publicidade

Polícia

Polícia Civil investiga prática de crimes fiscais envolvendo o comércio de grãos em Sapezal

Publicado

por

Assessoria | PJC-MT

Uma possível fraude de sonegação de impostos, envolvendo o comércio de grãos com emissão de notas fiscais frias, é investigada pela Polícia Judiciária Civil, na cidade de Sapezal (480 km a Noroeste). Nesta sexta-feira (15), cargas de três caminhões carregados com milho foram apreendidas, após os policiais flagrarem a troca das notas fiscais, na saída da cidade.

A suspeita começou a ser apurada depois de denúncia sobre possível fraude praticada por uma empresa corretora e distribuidora de cereais, supostamente de fachada ou “laranja”, que foi constituída para fraudar a compra de grãos de produtores rurais da região.  

“A ação da empresa corretora de grãos, nesse formato,  reforça suspeitas de prática de crimes fiscais, visando fraudar a fiscalização tributária”, disse o delegado Valmon Pereira Silva.

Foi apurado que corretora e distribuidora de cereais comprou grãos de uma fazenda produtora da região, que emitiu nota fiscais no dia 15 de fevereiro, mas quando abordados os motoristas apresentaram nota fiscal do dia 14 de fevereiro, um dia antes de terem carregado o caminhão.

As notas fiscais da fazenda tinham como destino a corretora localizada em Sapezal, no entanto, nos documentos apresentados aos policiais o produto era destinado aos estados de Rondônia e Amazonas.

Em checagem ao endereço da sede da empresa distribuidora, localizada no município de Sapezal, os policiais encontraram apenas um barracão abandonado, sem nenhum vestígio de ter sediado a empresa cerealista naquele local.  

Leia mais:  Irmãos que mantinha empresa de fachada para comércio de drogas são presos

Os três caminhões que saíram carregados de milho da fazenda foram emplacados no estado de Rondônia, local de emissão das notas fiscais das cargas destinada ao endereço da corretora inexistente, ‘fantasma’ ou de fachada.

Na apuração, os caminhões foram monitorados pelos investigadores desde a saída da propriedade rural. Os policiais observaram que na saída de Sapezal para Campos de Júlio, os caminhões pararam em um ponto da estrada e um veículo Uno prata se aproximou. Após alguns minutos de conversa, um homem que dirigia o Uno entregou as notas fiscais para os três motoristas dos caminhões.

A ação foi filmada pelos investigadores, que logo em seguida realizaram a abordagem dos caminhões. Os três motoristas foram encaminhados à Delegacia de Sapezal, que manteve contato com a Delegacia Fazendária, em Cuiabá, e foi orientada a proceder com a apreensão da carga e efetuar depósito à empresa originária, além da apreensão das notas e outras documentações para prosseguimento das investigações de possível fraude tributária contra o Estado de Mato Grosso.

A Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz) também será oficializada.

 

 

Fonte: PJC MT
Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Polícia Civil prende integrante de facção criminosa em Alto Taquari

Publicado

por

Assessoria | PJC-MT

A Polícia Judiciária Civil prendeu um integrante de organização criminosa que vinha impondo medo em comunidades de Alto Taquari. O suspeito Jonathan Juliano dos Santos Correia, conhecido por Morcegão ou Morcego, foi preso na tarde de sexta-feira (15).

Desde janeiro de 2017 ele alvo de investigação por envolvimento com uma facção criminosa, cujas lideranças agem de dentro de presídios e Mato Grosso. O faccionado tinha a função de estabelecer uma suposta atmosfera de poder paralelo, promovendo uma pseudo-ordem dos traficantes de drogas nos bairros de Alto Taquari.

Diante do fatos, depois de vários meses de levantamentos de provas, a Polícia Civil representou pela prisão preventiva do suspeito, que foi expedido pelo Poder Judiciário.

O preso será encaminhado a cadeia pública da região, à disposição da Justiça.

Fonte: PJC MT
Comentários Facebook
Leia mais:  Polícia Civil prende traficante com 2 quilos de pasta base na rodoviária de Juína
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana