conecte-se conosco


Nacional

Sepultadores do maior cemitério do País não foram testados para Covid-19

Publicado


source
O sepultador James Alan trabalha etapa 1 do cemitério de Vila Formosa
Foto: Eduarda Esteves/iG

O sepultador James Alan trabalha na etapa 1 do cemitério de Vila Formosa

Foram cerca de quatro horas de espera para iniciar a conversa com o sepultador James Alan Gomes, 34. Durante o intervalo das exumações listadas para aquele dia, ele abriu uma lata de refrigerante, caminhou pelas sepulturas e lembrou do dia anterior.

“Só ontem eu fiz 70 enterros. O corpo tá cansado demais, mas a gente toma um remédio e espera passar”, admitiu. James, assim como outros profissionais do setor funerário, diz que o termo “coveiro” deve ser evitado e prefere ser chamado de “sepultador”.

Há sete anos, James se tornou funcionário do maior cemitério da América Latina, o Complexo da Vila Formosa, na Zona Leste de São Paulo. Mas, é há quatro meses que passa pelos momentos mais difíceis da profissão.

As mortes pela Covid-19 em São Paulo mais que dobraram o número de sepultamentos no Vila Formosa. Na prática, a rotina intensa de trabalho trouxe à luz problemas antigos, como a falta de mais sepultadores no maior cemitério do estado. 

O Vila Formosa tem cerca de 667 mil metros quadrados, o que corresponde a quase 70 campos de futebol, e é dividido em duas etapas, a 1 e a 2.

Na linha de frente contra o novo coronavírus (Sars-CoV-2) há quatro meses, os sepultadores do Vila Formosa se queixam de esgotamento físico e mental.

Números do  Serviço Funerário contabilizam que entre março e maio foram 4.709 sepultamentos realizados no Vila Formosa, frente a 2.945 no mesmo período de 2019, um aumento em torno de 60% dos enterros.

O estado de São Paulo registrou 3.408 novos casos do novo coronavírus nas últimas 24 horas, totalizando 275.145 pessoas infectadas, segundo anunciou a Secretaria Estadual da Saúde nesta segunda-feira (29). Já o número de mortes causadas pelo vírus chegou a 14.398. No Brasil, já são 58.314 mortes e 1.368.195 casos confirmados.

Na linha de frente no momento mais difícil

Wilker
Foto: Eduarda Esteves/iG

Wilker considera que a categoria está na linha de frente, no momento mais doloroso da crise de saúde


Wilker Costa, 44, é sepultador desde 2012 e para ele, não há problema em ser chamado de “coveiro”. Zeca, como é conhecido por muitos funcionários do Vila Formosa, acredita que apenas romantizaram a forma de falar, mas a profissão continua desvalorizada.

“Com o tempo não melhorou. As pessoas pensam que somos sujos e bêbados, mas esses mitos precisam ser desconstruídos porque fazemos um serviço público e gratuito à população”, destacou. 

Zeca considera que a categoria está na linha de frente no momento mais doloroso da crise de saúde, que é o adeus final. Apesar da constante exposição ao vírus, ele afirma que nunca fez o teste para a Covid-19. E garante, nem ele e nem nenhum funcionário do Serviço Funerário de São Paulo.

João Batista Gomes, do Sindicato dos Servidores Municipais de São Paulo (Sindsep), que representa a categoria dos agentes sepultadores, diz que a testagem desses trabalhadores é um desafio e cobra da prefeitura e do governo estadual mais transparência com relação aos prazos.

Ele explica que, no início da pandemia, o problema era a falta de equipamentos de proteção individual (EPIs), principalmente para os enterros. “Hoje, depois de muita luta, já temos os aparatos necessários”, contou. Os sepultadores usam luvas grossas de borracha verde-azulada, a máscara N95 e uma roupa de plástico branco com capuz.

Exaustão e esgotamento físico

Em menos de dez minutos, os corpos são transportados das vans e as com as pás, os sepultadores enterram mais uma vítima da Covid-19
Foto: Eduarda Esteves/iG

Em menos de dez minutos, os corpos são transportados das vans e as com as pás, os sepultadores enterram mais uma vítima da Covid-19

Em rotina de trabalho exaustiva, os sepultadores, que antes faziam cerca de 30 enterros por dia, hoje estimam que o número pode chegar até 80 em um dia caótico.

No último dia 18 de junho, os carros formavam uma fila, na etapa 2 do Vila Formosa, que parecia não ter fim. Em menos de 30 minutos, foram quatro sepultamentos seguidos. O formato era o mesmo. Os veículos acompanhavam a van do serviço funerário com o caixão e as famílias ajudavam os sepultadores a carregar o corpo até o túmulo.

Novo normal

Entre choros e abraços, a despedida precisa ser rápida. Com a pandemia da Covid-19, o novo normal determina que os velórios sejam suspensos para evitar a contaminação. Em menos de dez minutos , os corpos são transportados das vans e as com as pás, os sepultadores enterram mais uma vítima da Covid-19.

Wilker Paes%2C conhecido como Zeca tem 44 anos e oito deles trabalhando no serviço funerário
Foto: Eduarda Esteves/iG

Wilker Paes, conhecido como Zeca tem 44 anos e oito deles trabalhando no Serviço Funerário

Wilker lamenta a forma como o procedimento é feito, sem que a família possa ver o rosto do falecido, mas diz que apenas segue o protocolo da prefeitura. Ele conta que algumas famílias não entendem e ficam nervosas.

“A gente tem que ter jogo de cintura, calma e empatia para lidar com a família nesse momento sensível. As pessoas estão tristes e exaltadas por não ter direito ao velório, não dá tempo para fazer muitas orações. Por isso, muitos nos xingam e até tentam agredir, o nosso trabalho é invisível e também falta sensibilidade da sociedade”, lamenta Wilker. 

Apesar de estar acostumado com o trabalho pesado, com poucos momentos de descanso, diz que está com a cabeça cansada e o desgaste físico é uma realidade. “Eu durmo pensando no cemitério e acordo com os mesmos pensamentos”, contou.


Falta mão de obra no Vila Formosa

Por conta da pandemia, a prefeitura de São Paulo precisou abrir 13 mil novas valas e comprar novas câmaras refrigeradas para armazenar temporariamente até mil corpos por dia. No Vila Formosa, o maquinário abriu 8 mil covas em áreas que não vinham sendo usadas para sepultamentos.

Um sepultador, que preferiu não se identificar, contou que suas principais tarefas são abrir covas, enterrar, limpar e exumar os corpos, e que apesar do trabalho ter dobrado, o cansaço sempre existiu porque falta mão de obra no local há anos. 

O Serviço Funerário Municipal tem 257 sepultadores, mas cerca de 60% deles foram afastados por pertencerem ao grupo de risco . Para suprir a demanda, foram contratados emergencialmente 220 novos coveiros para atender os 22 cemitérios públicos espalhados pela capital paulista. Atualmente, 49 sepultadores prestam serviços no Complexo Vila Formosa, sendo 23 efetivos e 26 terceirizados.

Na capital paulista%2C um dos cemitérios municipais que mais recebe vítimas da Covid-19 é o da Vila Formosa%2C na Zona Leste da capital
Foto: Eduarda Esteves/iG

Na capital paulista, um dos cemitérios municipais que mais recebe vítimas da Covid-19 é o da Vila Formosa, na Zona Leste da capital

“O serviço sempre foi muito pesado. Cheguei a fazer 80 enterros no dia com essa doença. Eu sempre achei que aqui a mão de obra era pouca, mesmo antes. Por exemplo, a prefeitura encomendou as máquinas para abrir as covas, mas o maquinário não dá conta de refinar e a gente precisa finalizar tudo. A meta é de abrir até 14 covas por dia , faça sol ou chuva”, lamentou o funcionário público.

Acostumado com a rotina cansativa desde que se tornou sepultador, há nove anos, ele diz que precisa encarar os enterros como números. “Não podemos nos abalar todos os dias, ficar pensando no morto, não dá. A gente precisa ficar mais seco e focar no trabalho. Mas ganhamos muita dor na coluna nesse período, chega uma hora que você não aguenta. Mas tem que trabalhar mesmo assim”, disse.

No novo normal, a sua escala de trabalho, desde abril, é de segunda a segunda, com algumas folgas. “Fizemos o concurso público para isso, por mais que não seja uma profissão reconhecida e nem fácil de ser exercida por qualquer um. Sofremos muito preconceito porque acham que temos doença, somos julgados pela sociedade que não entende a importância do nosso trabalho. Mas, quem consegue perder um parente e enterrar sozinho?”, questionou descrever a importância da sua função para a sociedade.

Adenilson luta diariamente para que os testes sejam feitos no trabalhadores do Vila Formosa
Foto: Eduarda Esteves/iG

Adenilson luta diariamente para que os testes sejam feitos no trabalhadores do Vila Formosa

Adenilson Souza, 47, trabalha no Vila Formosa desde o dia 17 de abril de 1995. Ele diz que o ritmo aumentou por causa da pandemia e a rotina mudou completamente. Para não correr tantos riscos, já que seu trabalho é essencial e não pode parar, ele precisa se higienizar a todo momento, principalmente quando chega em casa, para conversar com a esposa e as filhas.

“Esse é o momento mais crítico da minha carreira, a gente se esgota a cada dia”. Com a  flexibilização da quarentena em São Paulo e abertura gradual do comércio, ele teme que isso torne o trabalho dos sepultadores ainda mais árduo nos próximos meses.  

James quer se aposentar como sepultador
Foto: Eduarda Esteves/iG

James quer se aposentar como sepultador

É também o que pensa o sepultador James Alan Gomes, que agora tem como companheira de todas as noites a insônia. O corpo se adaptou ao serviço, mas a mente ainda não.

A cada dia, ele busca formas de relaxar após o expediente de trabalho. É na igreja que consegue deixar de lado, pelo menos por algumas horas, o estresse da alta sequencia de enterros e exumações que faz por dia. “Já pensei em desistir no início, mas agora quero me aposentar como sepultador porque tenho orgulho do meu trabalho”, falou.

Sem velório%2C as cerimônias de vítimas da Covid-19 se resumem a uma breve despedida devido ao risco de contaminação
Foto: Eduarda Esteves/iG

Sem velório, as cerimônias de vítimas da Covid-19 se resumem a uma breve despedida devido ao risco de contaminação

Enquanto faz um tour para apresentar cada detalhe do Vila Formosa, Wilker, que conhece cada detalhe daquele cemitério, desde as ruas que deveriam ter sido pavimentadas há décadas até a falta de uma melhor estrutura para armazenar as ossadas, diz que a solução para o gargalo dos funcionários é a abertura de um novo concurso público.

Para ser sepultador municipal, é necessário prestar concurso público, sendo necessário ter, ao mínimo, ensino fundamental.”Eles querem terceirizar o sistema, privatizar . E o serviço gratuito que é oferecido à população, como fica?”, chamou atenção.

Um trabalhador, que preferiu não se identificar, disse que além de ter poucos funcionários, a estrutura do cemitério não está das melhores porque o Vila Formosa está esquecido. “É só você conversar com os outros sepultadores, precisamos fazer a exumações para enterrar mais gente, mas o local determinado para guardar os ossos já está cheio”, disse.

Maior cemitério da América Latina recebeu dois contêineres emergenciais
Foto: Eduarda Esteves/iG

Maior cemitério da América Latina recebeu contêineres emergenciais

Atualmente, além de uma casa de alvenaria, há também dois contêineres para colocar as ossadas. O número de exumações nos 22 cemitérios da cidade de São Paulo chegou a quase 6,5 mil de janeiro até maio deste ano. Por causa da pandemia, o Serviço Funerário precisou disponibilizar contêineres com capacidade para armazenar 20 urnas. 

No cemitério da Vila Formosa, em média, são realizadas 50 exumações por dia e podem ser feitas de forma automática quando a pessoa é enterrada no cemitério público, após três anos.

Os restos mortais são colocados pela família num ossário, com a devida identificação. Caso ninguém da família apareça, o próprio poder público pode fazer a remoção desde que respeite o prazo legal.

Para o sindicato dos servidores, os ossários de alvenaria são a melhor alternativa. “Mas como o serviço é negligenciado, são nesses momentos de crise que os problemas ficam mais aparentes”, denunciou João Gomes. 

O que diz a prefeitura de São Paulo

Questionada sobre as queixas dos sepultadores, a prefeitura de São Paulo informou que o Serviço Funerário já solicitou junto à Secretaria da Saúde testes rápidos da Covid-19 para os servidores da linha de frente como sepultadores, motoristas e administradores de necrópoles. A gestão municipal, no entanto, não informou um prazo. 

A prefeitura também garantiu que dois novos contêineres metálicos foram entregues no Complexo Cemiterial Formosa no dia 24 de junho e estão em fase final de adaptação para acomodar as ossadas de exumações que estão sendo realizadas.

Sobre a contratação de mais agentes sepultadores para o maior cemitério da América Latina, não houve resposta. 

Comentários Facebook

Nacional

Médica Nise Yamaguchi é afastada do Einstein após fala sobre holocausto

Publicado

por


source
Nise Yamaguchi foi afastada do Hospital Israelita Albert Einstein
Reprodução

Nise Yamaguchi foi afastada do Hospital Israelita Albert Einstein

O Hospital Israelita Albert Einstein suspendeu a médica Nise Yamaguchi após uma fala polêmica da doutora, que afirmou que os judeus foram “massa de rebanho” durante o holocausto e que caminhavam “alegremente” para os campos de concentração nazistas.

Em entrevista ao SBT, a médica afirmou que foi afastado do hospital por defender o uso precoce da hidroxicloroquina em pacientes diagnosticados com o novo coronavírus.

“Eles acreditam que a minha fala em prol da hidroxicloroquina não tem fundo científico denigre o hospital, porque todo mundo relaciona a minha presença à imagem do hospital. E eu sempre tenho colocado que eu não falo pelo hospital. Eu faço a defesa da hidroxicloroquina porque eu tenho certeza que ela cura nas fases iniciais”, disse a médica.

Em nota, o hospital negou a versão de Nise Yamaguchi, e afirmou que o afastamento aconteceu por conta da fala da profissional sobre o período do holocausto.

“Trata-se, contudo, de hospital israelita e a Dra. Nise Yamagushi, em entrevista recente, estabeleceu analogia infeliz e infundada entre o pânico provocado pela pandemia e a postura de vítimas do holocausto ao declarar que ‘você acha que alguns poucos militares nazistas conseguiriam controlar aquela MASSA DE REBANHO de judeus famintos se não os submetessem diariamente a humilhações, humilhações, humilhações…'”, diz trecho da nota.

Confira a nota na íntegra

Com relação a declarações prestadas pela Dra. Nise Yamagushi, o Hospital Israelita Albert Einstein tem a esclarecer o seguinte:

1. O hospital respeita a autonomia inerente ao exercício profissional de todos os médicos, jamais permitindo restrições ou imposições que possam impedir a sua liberdade ou possam prejudicar a eficiência e a correção de seu trabalho.

2. A Dra. Nise Yamagushi faz parte do corpo clínico do Hospital, sendo admissível que perfilhe entendimento próprio com relação ao atendimento de seus pacientes ou à sua postura em face da pandemia ora combatida, desde que observe as regras relacionadas ao uso da sua condição de integrante do Corpo Clínico em sua comunicação.

3. Trata-se, contudo, de hospital israelita e a Dra. Nise Yamagushi, em entrevista recente, estabeleceu analogia infeliz e infundada entre o pânico provocado pela pandemia e a postura de vítimas do holocausto ao declarar que “você acha que alguns poucos militares nazistas conseguiriam controlar aquela MASSA DE REBANHO de judeus famintos se não os submetessem diariamente a humilhações, humilhações, humilhações…”.

4. Como se trata de manifestação insólita, o hospital houve por bem averiguar se houve mero despropósito destituído de intuito ofensivo ou manifestação de desapreço motivada por algum conflito. Durante essa averiguação, que deve ser breve, o hospital não esperava que o fato viesse a público.

A expectativa do hospital é a de que o incidente tenha a melhor e mais célere resolução, de modo a arredar dúvidas e remover desconfortos.

HOSPITAL ISRAELITA ALBERT EINSTEIN


Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

Praias de Santos lotam após flexibilização das restrições

Publicado

por


source

As praias de Santos, no litoral de São Paulo, amanheceram lotadas de banhistas aproveitando o dia ensolarado neste sábado (11). A Baixada Santista e o Vale do Ribeira entraram na fase amarela do Plano São Paulo de retomada das atividades econômicas.

santos
A Tribuna/Vanessa Rodrigues

Sábado de sol reúne centenas de pedestres na orla de Santos


Nessa fase, as cidades poderão seguir rígidos protocolos sanitários para reabrir bares, restaurantes e salões de beleza com 40% da capacidade. Já academias, podem funcionar com 30% da capacidade.

Em Santos, o acesso às praias estava totalmente restrito desde o dia 19 de março e pedestres no calçadão da orla, proibidos desde 4 de abril. No entanto, a prefeitura liberou parcialmente, no dia 22 de junho, o acesso à faixa de areia para a prática de atividades esportivas individuais e na última sexta-feira, 10 de junho, o acesso foi completamente liberado.

De acordo com o boletim epidemiológico emitido pela Prefeitura de Santos , o município registra 11.439 casos confirmados do novo coronavírus, 781 pacientes com a suspeita da doença e 396 mortes. Atualmente, há 165 pacientes internados e 6.219 se recuperaram da doença. As informações são do G1 Santos.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana