conecte-se conosco

  • banner_Lorenzetti_1250x250

Política Nacional

Senadores articulam nova CPI para investigar rachadinhas de Jair Bolsonaro

Publicado


source
Senadores articulam nova CPI para investigar rachadinhas de Jair Bolsonaro
Reprodução

Senadores articulam nova CPI para investigar rachadinhas de Jair Bolsonaro

Congressistas do chamado G7 – grupo majoritário da CPI da Covid com senadores opositores e independentes – articulam para a abertura de uma nova comissão parlamentar de inquérito para investigar as rachadinhas no antigo gabinete do então deputado federal – e agora presidente –  Jair Bolsonaro (sem partido). As informações são da jornalista Juliana Dal Piva.

Os senadores possuem a intenção de coletar as 27 assinaturas necessárias par a abertura de um novo inquérito logo após a votação do relatório final da CPI da Covid.

Em julho, o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) protocolou um pedido para que uma nova CPI fosse instaurada para apurar os indícios de entrega obrigatória dos salários dos então servidores do período em que Bolsonaro ocupava uma cadeira no legislativo federal.

“Os fatos são gravíssimos e exigem apuração. O Senado tem legitimidade e estatura para fazer essa investigação, mesmo em um momento tão difícil da nossa história”, afirmou Vieira ao protocolar o pedido.

Leia Também

No mesmo mês, o relator da CPI da Covid e senador Renan Calheiros (MDB-AL) buscava solicitar o depoimento de Andrea Siqueira Valle – ex-cunhada de Bolsonaro – que havia revelado que seu irmão foi demitido do gabinete de Jair após o mesmo se recusar em devolver seu salário.


“O André deu muito problema porque ele nunca devolveu o dinheiro certo que tinha que ser devolvido, entendeu? Tinha que devolver R$ 6.000, ele devolvia R$ 2.000, R$ 3.000. Foi um tempão assim até que o Jair pegou e falou: ‘Chega. Pode tirar ele porque ele nunca me devolve o dinheiro certo'”, disse Andrea.

Comentários Facebook

Política Nacional

Barroso vota contra pedido de habeas corpus do caminhoneiro Zé Trovão no STF

Publicado

por


source
 Marcos Antônio Pereira Gomes, conhecido como Zé Trovão
Reprodução

Marcos Antônio Pereira Gomes, conhecido como Zé Trovão

A Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) começou a julgar nesta sexta-feira o pedido de habeas corpus  apresentado pelo caminhoneiro e youtuber Marcos Antônio Pereira Gomes, conhecido como Zé Trovão. Primeiro a votar, o relator do caso, ministro Luís Roberto Barroso, negou o pedido da defesa pede que ele cumpra prisão domiciliar, usando tornozeleira eletrônica.

A negativa de Barroso se deu por uma questão processual. Pela jurisprudência da Suprema Corte, não é cabível habeas corpus contra decisão de outro ministro. Zé Trovão foi preso por determinação do ministro Alexandre de Moraes . A tendência, portanto, é que o colegiado rejeite o pedido dos advogados do caminhoneiro.

“Reitero que o Supremo Tribunal Federal firmou orientação no sentido do descabimento da impetração de habeas corpus contra ato de Ministro, Turma ou do Plenário do Tribunal”, disse o relator em seu voto.

Ainda segundo o ministro, os advogados não apresentaram nenhuma situação de ilegalidade flagrante ou abuso de poder que justificasse a concessão da liberdade.

Além de Barroso, integram a Primeira Turma os ministros Cármen Lúcia, Rosa Weber, Dias Toffoli e Alexandre de Moraes. O julgamento acontece até o próximo dia 13 no plenário virtual, ambiente em que os ministros apenas depositam seus votos, sem debates.

Leia Também

Zé Trovão está preso desde o dia 26 de outubro. Ele virou alvo da Corte por comandar ameaças às instituições democráticas na convocação de “atos violentos de protesto” durante as manifestações organizadas no 7 de setembro.

O bolsonarista está proibido, por ordem judicial, de se aproximar de um raio de um quilômetro da Praça dos Três Poderes desde o dia 20 de agosto.

Antes de ser preso, o youtuber ficou foragido por mais de um mês, quando se entregou à Polícia Federal de Joinville (SC) em 3 de setembro . A defesa de Zé do Trovão já havia apresentado ao Supremo o pedido de soltura do investigado, no entanto, a solicitação foi negada pelos magistrados.

Continue lendo

Política Nacional

Moro vira alvo de Bolsonaro, que reconhece que ex-juiz pode tirar votos

Publicado

por


source
Moro em primeiro lugar
O Antagonista

Moro em primeiro lugar

O lançamento de candidaturas de centro levou Jair Bolsonaro (PL) e seus aliados a elegerem como alvo preferencial o ex-juiz Sergio Moro (Podemos). Em conversas reservadas, o presidente tem reconhecido que o seu ex-ministro da Justiça e Segurança Pública pode lhe tirar votos preciosos durante as eleições em 2022 .

A estratégia ofensiva de Bolsonaro foi escancarada nessa quinta-feira durante a transmissão de sua live em que chamou o seu ex-ministro da Justiça de “mentiroso deslavado” . Moro lançou um livro em que afirmou que Bolsonaro teria comemorado a decisão que soltou o ex-presidente Lula porque isso o beneficiaria politicamente.

“Falta de caráter é o mínimo que posso falar desse cara. Tem o direito de se candidatar e o povo vai saber se merece ou não o voto. Agora, fazer campanha na base da mentira? Aprendeu rápido a velha política, hein, Moro?”, disse o presidente.

Leia Também

Bolsonaro, segundo o relato de pessoas próximas, diz que prefere acreditar que a repercussão em volta da pré-candidatura do ex-juiz da Operação Lava-Jato é o efeito natural da novidade de sua entrada na política e ainda aposta no arrefecimento da pré-campanha de Moro, que deve ser alvo de ataques constantes do presidente.

Ao longo da sua live, Bolsonaro falou de Moro por seis minutos ininterruptos, expondo que seu confronto direto agora é com o seu ex-ministro, e não com o ex-presidente Lula, do PT, que lidera as pesquisas de intenção de votos. Segundo interlocutores de Bolsonaro, o embate entre o presidente e Lula poderá ser adiado para um eventual segundo turno.

Conforme mostrou a colunista Bela Megale, Moro começará o ano eleitoral visitando o interior de São Paulo, onde Bolsonaro desponta como nome forte para 2022. O ex-juiz fará uma incursão no Vale do Ribeira, oeste do estado, onde o presidente foi criado.

Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana