conecte-se conosco


Política MT

Sala da Mulher entrega 2,5 toneladas de alimentos e mais de R$ 11,5 mil a entidades filantrópicas

Publicado

Foto: Ronaldo Mazza

Por HAROLDO ASSUNÇÃO / Secretaria de Comunicação

“Só temos a agradecer ao público do Teatro Zulmira Canavarros, aos produtores culturais e, principalmente, às entidades beneficentes que farão chegar às famílias necessitadas os alimentos que arrecadamos; somos todos ‘formiguinhas’ nesse trabalho de ramificação do bem”, emocionou-se a coordenadora da Sala da Mulher, Daniella Paula de Oliveira, que representou a Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) na entrega de alimentos arrecadados por meio do “ingresso social” no espaço cultural da Casa. A entrega dos donativos aconteceu na tarde dessa sexta-feira (07/12), no ‘foyer’ do Teatro Zulmira Canavarros.

Divididas em cestas básicas, as 2,5 toneladas de alimentos foram destinadas à União Rondonopolitana de Associações de Moradores de Bairro (Uramb), à Associação de Mulheres Solidárias Joana D’Arc, à Associação Espírita Wantuil de Freitas, à Casa da União Santa Luzia, à Igreja Batista de Arenápolis e ao Sopão Solidário de Nossa Senhora do Livramento.

A Associação Espírita Wantuil de Freitas, que presta importante serviço comunitário em Cuiabá – na região do Grande CPA – recebeu 150 litros de leite, além de bolachas – para a merenda das crianças atendidas pela entidade.

“Agradecemos de coração”, externou o representante da entidade, Gilmar Lopes.

Cada uma das demais entidades beneficentes recebeu 50 cestas básicas. Tudo será destinado a famílias carentes, informaram Renan Santos – da Igreja Batista de Arenápolis -, Pedrosa Nunes – da Associação Joana D’Arc -, Nilza Sirqueira – da Uramb – e Auto Anunciação da Silva, do “Sopão de Livramento”.

Leia mais:  Secretaria de Fazenda adia cobrança da Tacin

Ao longo do ano, mais de 30 toneladas de alimentos foram arrecadadas e doadas por meio do trabalho realizado no Teatro Zulmira Canavarros e Sala da Mulher.

BAZAR SOLIDÁRIO

Na mesma ocasião, Rosa Zamignan – representante da Organização Nova Acrópole Cuiabá – recebeu pela entidade os recursos arrecadados no “Bazar Solidário” realizado na última quinta-feira (06/11) pela Sala da Mulher – soma que totalizou quase R$ 11,6 mil e será destinada à adequação do espaço físico.

A entidade é uma escola de filosofia, sem fins lucrativos, com o objetivo da “promoção da cultura, balizada pela formação humana”, conforme explica o diretor Roni Cezar Silva Almeida. A organização promove palestras e cursos, para que as pessoas “mudem o comportamento perante a vida, desenvolvam valores e a moral, de forma consciente”, acrescenta Zamignan.

Comentários Facebook
publicidade

Mato Grosso

ESCÂNDALO DA SAÚDE: Caso ainda tem desdobramentos e Justiça busca presidente de Oscip

Publicado

O Escândalo da Saúde, que lesou os cofres da saúde pública em Tangará da Serra entre os anos de 2010 e 2011, segue com seus desdobramentos.

Esta semana, a juíza Celia Regina Vidotti, da Vara Especializada em Ação Civil Pública e Ação Popular de Cuiabá, tenta encontrar a presidente da Oscip Instituto de Desenvolvimento Humano, Econômico e Ação Social (Idheas), Maria Guimarães Bueno de Araújo, para intimar e citar tanto o instituto quanto sua fundadora.

Maria Guimarães Bueno de Araújo já foi condenada por fraudes em Tangará da Serra

Maria Guimarães é a peça central de supostos desvios de R$ 51 milhões via Programa Saúde da Família nas prefeituras de Tangará da Serra e Timóteo, em Minas Gerais.

A ação é um dos desdobramentos da Operação Hygeia, deflagrada pela Polícia Federal em 2010, e corre em segredo de justiça.

Conforme a ação federal, a finalidade da carta precatória é apenas a notificação dos requeridos. Na prefeitura de Tangará da Serra os esquemas causaram dano de R$ 4 milhões ao erário.

Em razão do escândalo, prefeito Júlio Cesar Ladeia foi cassado pela Câmara em 2011

Por esses crimes, em 2016 a juíza Eza Yara Ribeiro, da comarca daquele município, condenou Maria Guimarães Bueno de Araújo, o ex-prefeito Julio Cesar Davoli Ladeia, o ex-vice-prefeito José Jaconias da Silva, o ex-secretário municipal de Saúde Mario Lemos de Almeida e o empresário Abel Alves Saraiva.

Leia mais:  Controladoria-Geral do Estado se coloca à disposição para colaborar com CPI

O caso, conhecido em Tangará da Serra como “Escândalo da Saúde”, também levou, no ano de 2011, à cassação de cinco vereadores. (Com ‘Notícias de Mato Grosso’)

Comentários Facebook
Continue lendo

Política MT

Deputados de MT têm maior verba indenizatória do Brasil

Publicado

Um deputado estadual de Mato Grosso pode custar R$ 94 mil por mês só de salário, verba indenizatória e ajuda de custo, além de ter direito a carros, combustível e passagens áreas e de ônibus.

A Assembleia Legislativa de Mato Grosso tem 24 deputados. Cada um recebe um salário de R$ 25 mil e mais duas parcelas de R$ 25 mil por ano, a título de ajuda de custo, mas só recebe quem comparecer a 2/3 das sessões, uma espécie de prêmio para quem cumpre uma obrigação.

Além disso, os parlamentares recebem verbas complementares para custeio. A maior delas é a verba indenizatória. que subiu mais de 300% entre 2010 e 2015.A verba indenizatória dos deputados foi instituída pela Lei 9.493 de 2010, e fixada, à época, em R$ 15 mil. Em 2011, também por força de lei, o limite da verba subiu pela primeira vez, para R$ 20 mil . Em 2012, veio o primeiro grande salto, chegando a R$ 35 mil. Durante esses anos os gastos, não precisavam ser comprovados.

Em 2013, uma resolução tornou obrigatória a comprovação dos gastos, mas essa medida foi derrubada em menos de um ano. Em 2015, veio o maior dos aumentos. A verba indenizatória foi para R$ 65 mil, valor que permanece até hoje. É a maior verba indenizatória do país. Quase R$ 35 mil a mais que a média paga aos deputados em todas as assembleias legislativas do país, que t~em média de R$ 31 mil.

Leia mais:  CPI da renúncia e sonegação fiscal colhe depoimentos de membros do MPE e TCE

Em delação premiada, no ano de 2017, o ex-governador Silval Barbosa chegou a afirmar que os sucessivos aumentos da verba indenizatória foram usados para institucionalizar uma espécie de mensalinho para deputados aprovarem pautas do governo. Hoje os deputados justificam que o estado é grande e que há necessidade do dinheiro para exercer a função parlamentar, visitando regiões.

Acontece que a verba indenizatória não é o único benefício para abater gastos. Com deslocamento, cada deputado tem direito a combustível, passagens de ônibus, passagens de avião, frete de jatinhos, aluguel de carros.A verba indenizatória, deveria ser usada apenas para despesas no exercício da função, como hospedagem e refeição durante as viagens. Mas, segundo organizações que acompanham e fiscalizam movimentações políticas no estado, esse dinheiro acaba desviado para outros fins.

Até março deste ano, o portal da transparência da Assembleia Legislativa trazia os nomes e quanto cada deputado gastava da verba indenizatória. Já em abril o sistema mudou e traz apenas números, sem identificar o deputado.

Fonte:G1

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana