conecte-se conosco


Carros e Motos

Que tal uma Ford Ranger de 350 cavalos?

Publicado


Picape Ford Ranger Raptor da Hennessey vem com itens exclusivos, como os faróis auxiliares de LED
Divulgação
Picape Ford Ranger Raptor da Hennessey vem com itens exclusivos, como os faróis auxiliares de LED

Volta e meia a famosa preparadora americana Hennessey Performance aparece com um projeto que chama atenção. Dessa vez, o alvo foi a picape Ford Ranger Raptor, que passou a receber o sobrenome VelociRaptor depois que  teve algumas modificações que incluem o motor 2.3 turbo, cuja potência saltou de 270 cv para 350 cv.

 LEIA MAIS: Ford Ranger Storm tem chegada ao Brasil confirmada para o fim de 2019

Para chegar nesse nível, o quatro cilindros da Ford Ranger
ganhou sistema dse escapamento totalmente novo, de aço inoxidável, bem como outro mapeamento da central eletrônica, que também comanda a pressão do turbo. Com isso, a aceleração de 0 a 100 km/h passou a acontecer em 6,1 segundos, um ganho de 1,3 s em relação à picape original de fábrica.

A ideia das modificações foi ternar a Ranger Raptor ainda mais ágil em todos os aspectos. Portanto, a suspensão também mudou. Entre outros componentes, ganhou nova suspensão, que deixou a picape 4 polegadas mais alta, ou seja, cerca de 10 cm.  Além disso, as rodas são de 17 polegadas de diâmetro, montadas em pneus BFG desenvolvidos especialmente para uso off-road.

LEIA MAIS:  Ford vai lançar Ranger Raptor na Argentina em meados de 2019


Ford Ranger Raptor preparada pela Hennessey ficou 6 cm mais alta e com visual ainda mais agressivo
Divulgação
Ford Ranger Raptor preparada pela Hennessey ficou 6 cm mais alta e com visual ainda mais agressivo

O visual é outro capítulo à parte. O para-choque é exclusivo e tem luzes de LED no lugar das lâmpadas convencionais e pode ter um ganho para reboque como opcional, assim como os faróis auxiliares na barra metálica apoiada na caçamba. Mas a producão da VelociRaptor, como a picape
também é conhecida, será limitada a 500 unidades. E o preço sugerido da Ford Ranger Raptor preparada pela Hennessey é de US$ 64.950.

Leia mais:  Monza Classic 500 EF: a versão exclusiva de um sucesso de vendas

Além da Ford Ranger Raptor


Hennessey Goliah 6x6 também faz parte das picapes nada discretas preparadas pela empresa norte-americana
Divulgação
Hennessey Goliah 6×6 também faz parte das picapes nada discretas preparadas pela empresa norte-americana

 Não é difícil encontrar picapes chamativas nos EUA. Além da Ranger, outro exemplo é a nada discreta Hennessey Goliath 6×6. Trata-se de uma versão preparada da Chevrovet Silverado
, feita para os cowboys do asfalto do Texas não acharem defeito.

LEIA MAIS: ord Ranger 2019 chega com redução de preço em todas as versões

As novidades nessa exótica Chevrolet Silverado já começam com a inclusão de mais um eixo traseiro, totalizando seis rodas, sendo que todas elas tracionam. Além disso, aumentaram bastante o vão livre do solo e capricharam no conjunto mecânico. O motor passou a ser um V8 6.2, de 715 cv e 93,4 kgfm de torque, números suficientes para acelerar esse monstro sobre rodas de 0 a 100  km/h em insanos 4,5 segundos.


Além de toda essa força, a preparadora que desenovolveu a Ford Ranger
VelociRaptor ainda resolveu 16 centímetros a distância livre que a picape entre o asfalto e o chão, mesmo com o peso adicional do eixo traseiro extra. Para ajudar no visual agressivo, usaram enormes pneus BF-Goodrich, feitos para enfrentar obstáculos de terra, com 37 polegadas de diâmetro e prontos para enfrentarem qualquer tipo de obstáculom seja na terra ou no asfalto. 

Fonte: IG Carros
Comentários Facebook
publicidade

Carros e Motos

VW Polo Beats: versão vem com som mais caprichado. Mas será que vale a pena?

Publicado

por

VW Polo Beats preto
Carlos Guimarães/iG
VW Polo Beats pode vir com retrovisores pintados de vermelho e rodas de aro 17 oferecidas como opcional

Quem não gosta de música? É sempre bom curtir um som no carro e, não por acaso, as fabricantes costumam caprichar nesse tipo de sistema. No caso do VW Polo Beats, a Volkswagen oferece um pacote opcional que inclui quatro alto-falantes, 2 tweeters, amplificador e subwoofer, itens que vêm com outros detalhes como rede no porta-malas, que passa a ter volume variável.

 LEIA  MAIS: VW Polo é o carro dos sete acertos, Confira a análise

O preço? São R$ 2.360 que devem ser somados aos R$ 75.820 do VW Polo Highline básico, chegando nos R$ 78.180. E vale a pena? Bem, se você é exigente e espera uma qualidade de som realmente superior ao da versão básica, vai acabar se decepcionando. Foi o que concluímos depois de ouvir estilos de músicas diversas no carro, seja no pendrive ou no Spotify.

Claro, com o som da Beats , os graves e agudos são reproduzidos com mais clareza na comparação com o sistema que vem no Polo Highline convencional. Mas a diferença não justifica a diferença de preço. O subwoofer poderia surtir um efeito mais significativo. É pequeno e escondido no encosto do banco traseiro. Além disso, deveriam ter mais cuidado na escolha dos materiais de acabamento, levando em conta o som mais potente.

LEIA MAIS: eja 5 coisas que já sabemos sobre o futuro VW Polo GTS

São 300 W de potência do som ao todo e inclui amplificador de oito canais. Com isso, nem precisa aumentar muito o volume para a vibração das caixas de som começar a reverberar nas laterais das portas e no próprio painel, que na unidade avaliada veio pintada de vermelho como parte de outro pacote opcional, o “High Tech”, de R$ 4.230.

Leia mais:  Flagra! Novo SUV da Kia menor que o Sportage é visto antes da estreia

Por esse preço, o carro vem com central multimídia de 8 polegadas com GPS embutido, sensor de estacionamento e câmera de ré, retrovisor anti-ofuscante, faróis automáticos, detector de fadiga, sensores (chuva e de luz) e rodas de aro 17 polegadas (R$ 1.070). Com tudo isso e o som Beats, o Polo Highline chega a custar R$ 85.050. 

LEIA MAIS:  VW Polo 1.6 MSI: andamos na nova versão automática do compacto

A nossa dica é: caso esteja pensando em comprar um Polo Highline, pelo menos o pacote com som Beats, não vale a pena, ao contrário do restante do carro, que está repleto de qualidades e com conjunto bem acertado. Isso inclui o motor 1.0, turbo, de três cilindros e sobrealimentação, capaz de gerar 128 cv e bons 20,4 kgfm de torque a meros 2.000 rpm.

 Além do som do VW Polo Beats

interior do VW Polo Beats
Divulgação
VW Polo Beats vem com painel pintado de vermelho quando vem com o pacote “high tech”, de R$ 4.230

O câmbio automático, de seis marchas, tem hastes atrás do volante e relações bem escalonadas. Em baixas rotações, porém, em situações em que é preciso ter mais força, como em subidas, o melhor é usar as trocas sequenciais, reduzir um ou duas marchas e seguir em frente, com o carro respondendo com vigor.

A estabilidade nas curvas é outro ponto alto do carro, ainda mais com as rodas de aro 17 montadas em pneus 205/50R. Com boa rigidez torcional da carroceria, suspensão bem calibrada e baixo vão livre do solo (14,9 cm), o carro sempre transmite segurança. Mas é bom ter certa cautela em valetas e lombadas.

Leia mais:  Lamborghini Hucaran Evo surge em nova versão Spyder no Salão de Genebra

A eficiência do Polo Highline também inclui a direção com assistência elétrica, leve e precisa nas manobras. Bom também é que o carro consegue aliar bom desempenho com economia de combustível. Conforme dados do Inmetro, faz 11,4 km/l de gasolina na cidade e 13,9 km/l na estrada, números que passam para 7,9 km/l e 9,5 km/l com etanol respectivamente.

LEIA MAIS: Chevrolet Onix e Volkswagen Polo: nem sempre o líder é o melhor

O espaço interno é suficiente para cinco ocupantes e a ergonomia é boa, com comandos bem posicionados e fáceis de serem acionados. No porta-malas, vão razoáveis 300 litros. O isolamento acústico é adequado para filtrar os ruídos incômodos e não há do que reclamar da visibilidade, inclusive a proporcionada pelos retrovisores.

Conclusão

Não vale a pena pagar os R$ 2.360 pelo pacote que inclui o som da Beats. Como apreciadores da boa música, esperávamos bem mais da qualidade do som oferecida. Mas, o VW Polo Highline em si, esse vale, pelo conjunto bem acertado e eficiente, entre outras qualidades.  

Preço: a partir de R$ 75.820 (R$ 78.180 com pacote Beats)

Motor:  1.0, três cilindros, turbo flex

Potência:  128 cv (E) / 115 cv (G) a 5.500 rpm

Torque:  20,4 kgfm a 2.000 rpm

Transmissão:  Automático, seis marchas, tração dianteira

Suspensão: Independente, McPherson (dianteira) / Eixo de torção (traseira)

Freios:  Discos ventilados (dianteiros) / discos sólidos (traseiros)

Pneus:  195/55 R16 (205/50R 17 opcional)

Dimensões: 4,06 m (comprimento) / 1,75 m (largura) / 1,47 m (altura), 2,57 m (entre-eixos)

Tanque: 52 litros

Porta-malas: 300 litros 

Consumo etanol: 7,9 km/l (cidade) / 9,5 km/l (estrada)

Consumo gasolina: 11,4 km/l (cidade) / 13,9 km/l (estrada)

0 a 100 km/h: 9,6 segundos


Velocidade máxima: 192 km/h

Fonte: IG Carros
Comentários Facebook
Continue lendo

Carros e Motos

Novo Range Rover Evoque chega às lojas no fim do mês com várias mudanças

Publicado

por

Evoque
Cauê Lira/iG Carros
Range Rover Evoque se transforma em “mini-Velar” na nova geração. Confira as novidades do SUV

O Range Rover Evoque chega ao Brasil com mais estilo e tecnologia em sua segunda geração. Com fortes influências do irmão Velar, o SUV compacto da marca inglesa já pode ser encomendado nas concessionárias por R$ 312.900. Haverá uma versão limitada de lançamento de R$ 322.300, onde o Evoque trará acabamento especial, pintura metálica e coluna de direção elétrica.

LEIA MAIS: Jaguar I-Pace: SUV elétrico é diversão garantida na pista

O motor é o conhecido 2.0 Ingenium de 300 cv, com um novo sistema híbrido leve que deixa o Range Rover Evoque cerca de 6% mais econômico. De acordo com a marca, o SUV pode acelerar de 0 a 100 km/h em apeas 6,6 segundos, com 242 km/h de velocidade máxima.

LEIA MAIS: Mitsubishi Pajero Sport é “brucutu” cheio de tecnologia

A bateria está acoplada na nova plataforma PTA, feita de materiais ultra-resistentes. Sua estrutura totalmente renovada (apenas as dobradiças das portas foram reaproveitadas do modelo antigo) permite que o Evoque atravesse até 600 mm de água, sendo que o aventureiro Defender poderia fazer a travessia com apenas 500 mm. “Perfeito para as enchentes de São Paulo”, brinca Paulo Manzano, diretor de marketing da Jaguar Land Rover.

Apesar de ser um veículo urbano, o Evoque traz diversos modos de condução para o off-road. É possível selecionar entre as categorias grama, cascalho, neve, lama e areia. Cheio de tecnologia, o modelo traz controle de cruzeiro adaptativo, assistente de ponto cego, monitor de tráfego reverso e de fadiga.

Leia mais:  Monza Classic 500 EF: a versão exclusiva de um sucesso de vendas

Range Rover Evoque: maior e melhor

Além do visual, o Evoque também importa as maçanetas retráteis do Velar . São 4,37 metros de comprimento, 2,10 m de largura e 1,64 m de altura. De acordo com os executivos, uma das grandes reclamações dos proprietários do Evoque antigo dizia respeito ao espaço interno. Por conta disso, a marca ampliou o entre-eixos para 2,68 metros (+21 mm).

LEIA MAIS: Land Rover revela fotos do novo Defender antes da estreia oficial


Conforme apurado pela reportagem do iG Carros, há planos de nacionalizar o Range Rover Evoque em Itatiaia (RJ), ainda que os executivos estejam discutindo a possibilidade. No momento, o complexo é responsável apenas pela montagem do Discovery Sport, com previsão de 3 mil unidades emplacadas em 2019.

Fonte: IG Carros
Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana