conecte-se conosco

  • banner_Lorenzetti_1250x250

Saúde

Queiroga se esquiva da revogação de nota técnica que defende Kit Covid

Publicado


source
O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga
Valter Campanato/Agência Brasil

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga

Os conselhos nacionais dos Secretários de Saúde (Conass) e das Secretarias Municipais de Saúde (Conasems) entregaram ofício ao  Ministério da Saúde nesta quinta-feira (27) que solicita a revogação de uma nota técnica da Secretaria de Ciência e Tecnologia do Ministério da Saúde que inicialmente indicava medicamentos do chamado kit covid.

nota técnica havia sido assinada pelo secretário de Ciência e Tecnologia da Saúde, Hélio Angotti Neto, e tinha informações divergentes das contidas no relatório da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (Conitec).

O relatório do Conitec aponta a inexistência de evidências que validem o uso da ivermectina, da cloroquina e da hidroxicloroquina no tratamento da covid-19.“As Diretrizes Brasileiras para Tratamento do Paciente com Covid-19 (hospitalar e ambulatorial) precisam ser adotadas com urgência pelo Ministério da Saúde, e empregadas pelos gestores do Sistema Único de Saúde (SUS) para orientar profissionais e organizar os serviços de acordo com as melhores práticas e tratamentos, com base no melhor conhecimento científico em benefício da saúde da população brasileira”, destaca o ofício.

O ofício foi apresentado na reunião da Comissão Intergestores Tripartite (CIT), da qual participam as representações das secretarias estaduais e municipais juntamente com o Ministério da Saúde. Na reunião, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou que só poderia revogar a nota em caso de “flagrante ilegalidade” e que a decisão cabe a Angotti.

“Quem decide se vai haver incorporação de tecnologia, atendendo a critérios de segurança e eficácia, é o Secretário de Ciência e Tecnologia. Naturalmente que as decisões no setor público têm que ser fundamentadas. Todas as decisões podem sofrer contestações, que são encaminhadas ao autor da decisão. Cabe recurso ao ministro de Estado. Havendo recurso, ele será avaliado por esse ministro”, disse o ministro.

O ministro informou que serão avaliados o juízo de admissibilidade e o mérito da questão. “Motivarei a minha decisão dentro da lei e do conhecimento científico”, informou. O relatório da Conitec, datado de novembro de 2021, conclui que não há medicamentos específicos para tratamento de pacientes ambulatoriais com covid-19.

Leia Também

“Nenhuma das tecnologias de saúde avaliadas foi indicada para uso de rotina no tratamento ambulatorial do paciente com suspeita ou diagnóstico de covid-19”, afirma o texto.

O documento argumenta que as evidências não mostram benefício clínico da cloroquina e da hidroxicloroquina em casos de covid-19. O relatório também pontua que não há evidências suficientes para recomendar o uso de ivermectina, budesonida, colchicina, corticosteróide sistêmico e nitazoxanida.

Na nota técnica, o secretário Hélio Angotti Neto apontou razões para a decisão, entre as quais a incerteza do cenário científico diante de uma doença desconhecida, a utilização de medicamentos fora da bula (prática chamada de off label) durante a pandemia, o respeito à autonomia profissional, a seleção restritiva de estudos destinados à tomada de decisão e análise dos fármacos “de forma isolada ou em combinação simples”.

Uma nova versão da nota recuou em questões pontuais, como em uma tabela que questionava a eficácia de vacinas contra a covid-19, mas manteve argumentos em defesa de medicamentos do kit covid, como a hidroxicloroquina. O Conselho Nacional de Saúde (CNS), membro da Conitec, também criticou a nota.

“O CNS vem a público defender a integridade da Conitec, a reputação e a idoneidade de seus membros, e a transparência e o rigor técnico de suas decisões contra os ataques que, motivados por interesses obscuros e ideias retrógradas, põem em risco essa grande conquista da saúde no Brasil.”

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook

Cidade

Covid-19: 77 mil tomaram 1ª dose e apenas 24 mil imunizados com dose de reforço

Publicado

O boletim que apresenta um resumo do cenário atualizado sobre a Covid-19 divulgado nesta manhã de segunda-feira, 16, pela Vigilância Epidemiológica revela que em Tangará da Serra 77.680 pessoas receberam a primeira dose da vacina, mas que apenas 24.490 buscaram a dose de reforço do imunizante.

A tendência de queda na busca pela imunização, reflexo da redução dos casos de contaminação, é evidente, quando o boletim revela o número decrescente de doses aplicadas no decorrer das campanhas de vacinação promovidas em Tangará da Serra.

Conforme o boletim epidemiológico, ao todo 169.562 doses foram aplicadas. 77.680 como 1ª dose, 64.631 como 2ª dose, o que apresenta 13.049 doses a menos aplicadas nesse intervalo.

O número de imunizados com a dose de reforço é ainda menor. Cai para 24.490 doses aplicadas. Ou seja, 53.190 a menos se comparado com o montante que recebeu a primeira dose, quando as contaminações da Covid-19 estavam no auge.

Com a 2ª dose de reforço então, o número cai drasticamente. Apenas 282 doses foram aplicadas.

Tangará da Serra registra 389 mortos por Covid-19

Do registro do primeiro caso em 2020, até a publicação deste último boletim epidemiológico, Tangará da Serra já contabilizou 389 óbitos em decorrência de complicações geradas pela Covid-19.

Ao todo, 23.375 tangaraenses foram contaminados e 22.968 tiveram seus casos evoluídos para cura. Atualmente, quatro moradores estão contaminados pelo vírus.

Continue lendo

Saúde

Secretaria de Saúde anuncia fechamento da URA em Tangará da Serra

Publicado

A Secretaria Municipal de Saúde de Tangará da Serra anunciou nesta segunda-feira, 09, o encerramento dos atendimentos realizados na Unidade Respiratória Ambulatorial (URA) implantada no Hospital Municipal Arlete Daisy Cichetti de Brito desde o início da pandemia do Coronavírus em 2020.

O fechamento da URA ocorre após a publicação de portaria que estabelece o fim da ‘Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional’ (ESPIN), provocada pela Covid-19 no país e que havia sido publicada pelo Ministério da Saúde em fevereiro de 2020.

Além do encerramento das atividades que eram desenvolvidas pela URA, em Tangará também já foram finalizados os atendimentos que ocorriam nas Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) exclusivas para pacientes contaminados pela Covid-19.

A Secretária de Saúde, Gicelly Zanatta, explicou em entrevista ao jornal Diário da Serra que a partir de agora os atendimentos passam a ser descentralizados. “Os casos leves podem procurar as unidades e os casos mais graves, procurar a UPA”, afirmou.

Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana