conecte-se conosco


BemRural

Quadrilha rende funcionários e rouba grande quantidade de defensivos agrícolas em fazenda no Distrito de Deciolândia

Publicado

Uma propriedade rural foi roubada na madrugada desta terça-feira (08) no Distrito de Deciolândia, em Diamantino.

Foto:G1

Segundo a Polícia Militar, oito criminosos armados chegaram de madrugada, renderam e amarraram os funcionários da fazenda Céu Azul. Os bandidos levaram duas caminhonetes e uma grande quantidade de defensivos agrícolas. De acordo com o dono da fazenda, como o solo está em preparo para plantio os insumos ficaram estocados em um depósito dentro da propriedade, o que facilitou a ação dos criminosos. Os prejuízos ainda não foram contabilizados.

Um dos veículos levado pelos criminosos,  foi localizado às margens de uma rodovia.  A Polícia Civil investiga o caso.

Comentários Facebook

BemRural

Produtores terão R$ 4,1 bilhões em recursos no Sicredi

Publicado

As cooperativas do Sicredi nas regiões Centro-Oeste e Norte, que abrangem os estados de Mato Grosso, Pará, Rondônia e Acre, vão disponibilizar R$ 4,108 bilhões em crédito para os produtores rurais no Plano Safra 2020/2021. O valor é 8,4% maior que os R$ 3,788 bilhões liberados (de julho de 2019 a maio de 2020) no ciclo 2019/2020. Os recursos poderão ser acessados nas 181 agências do Sicredi nos quatro estados, localizadas em 143 municípios, desde o dia 1° de julho e podem ser contratados até 30 de junho de 2021.

Do total previsto para a safra que inicia, R$ 3,608 bilhões estão disponíveis para o custeio da safra. Para investimento, o orçamento previsto é o mesmo do plano passado, de R$ 500 milhões, recurso este proveniente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). O Plano Safra 2020/2021 foi anunciado pelo governo federal no dia 17 de junho, em Brasília, e tem um orçamento de R$ 263,3 bilhões para apoiar a produção agropecuária brasileira, um aumento de R$ 13,5 bilhões sobre o plano anterior.

Na divisão dos recursos por porte de produção, os produtores da agricultura empresarial (médios e grandes) terão R$ 3,379 bilhões disponíveis para custeio nesta safra, incremento de 27% sobre os R$ 2,661 bilhões liberados da safra anterior (até maio). A agricultura familiar terá um orçamento de R$ 228,805 milhões. É importante lembrar que para os investimentos, cujos recursos são oriundos do BNDES, as liberações feitas pela instituição financeira cooperativa ocorrem conforme a demanda dos produtores rurais.

Em todo o país, o Sicredi vai disponibilizar mais de R$ 22,9 bilhões em crédito no Plano Safra 2020/2021, e estima atingir mais de 227 mil operações. O montante é 10% maior que os recursos concedidos no ano-safra anterior. Do volume para este novo ciclo, a expectativa é disponibilizar R$ 10,4 bilhões em operações de custeio, comercialização e investimento, R$ 5,2 bilhões via Pronamp (Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural) e R$ 4,3 bilhões via Pronaf (Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar), além de R$ 3 bilhões com recursos direcionados, oriundos do BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social).

Ter mais recursos para oferecer aos produtores rurais nesta safra vai ao encontro das necessidades do país, uma vez que a crise econômica decorrente da pandemia do novo coronavírus, aumentará a importância do agronegócio para a sustentação e retomada da economia nacional, dos estados e municípios. “Os recursos de crédito rural viabilizam a produção, principalmente, dos pequenos e médios produtores rurais, responsáveis pelo abastecimento de alimentos da população brasileira, que dessa forma podem oferecer seus produtos a preços mais acessíveis aos consumidores. E nós do Sicredi temos o orgulho de contribuir para esse fomento econômico e a diminuir os impactos causados pela pandemia”, declara o presidente da Sicredi Sudoeste MT/PA, Antonio Geraldo Wrobel.

O presidente ainda acrescenta que, o Sicredi, entende do negócio de seus associados e por isso consegue ter mais agilidade na liberação dos recursos e contribui com os produtores rurais, seja o pequeno, o médio ou o grande, nos momentos que eles mais precisam.

Há mais de 20 anos como associada Sicredi, Gladis Garcia e o marido Carlos Diogo Garcia, de Campo Novo do Parecis, mantem um relacionamento próximo com a Cooperativa Sicredi. O casal empreendedor investiu em produtividade na fazenda e conseguiu fazer a terceira safra. Nos 1,2 mil hectares de terra é produzido milho, soja e pastagem para o gado. “Nós buscamos conhecer vários projetos e acabamos aderindo ao semiconfinamento, com isso temos trabalho e produtividade o ano inteiro, e no Sicredi conseguimos o recurso para colocar em prática todos os projetos de ampliação da fazenda”, afirma a sra. Garcia.

Com o recurso contratado pelo Sicredi, o grupo Garcia investiu na área e construiu toda a estrutura de pastagem para o semiconfinamento. “Com 120 dias o boi que fica na área de plantio já está pronto para a comercialização, assim a gente consegue fazer o giro correto entre as outras culturas e assim agregamos valor”. A associada ainda fala sobre os benefícios em fazer parte do Sicredi. “A nossa relação com o Sicredi é antiga e de afetividade. Nós sempre acessamos as linhas de crédito que a cooperativa disponibiliza, pois, as taxas são mais acessíveis e tem um atendimento diferenciado. O nosso proposito não é parar por aqui, vamos continuar crescendo, inovando e esperamos fazer bons negócios e ajudar a fortalecer a economia do país”, declara.

Outras fontes de crédito

Além dos recursos próprios e repassados (poupança equalizada, Letras de Crédito do Agronegócio/LCA, MCR 6.2 e BNDES), o Sistema Sicredi disponibiliza fontes alternativas de recursos para contratação como Cédula de Produto Rural (CPR), Moeda Estrangeira (dólar) e crédito comercial. Na safra 2019/2020, a liberação desses recursos somou R$ 2,382 bilhões, aumento de 108% sobre o ano anterior (R$ 1,147 bilhão). As linhas mais demandadas na safra recém-encerrada foram Crédito Rotativo do Agronegócio (R$ 650,7 milhões), Moeda Estrangeira (R$ 480,7 milhões) e Crédito de Fomento (362,1 milhões). A Cédula de Produtor Rural (CPR), também muito demandada pelos agricultores e pecuaristas, somou R$ 134,5 milhões.

Para contratar essas linhas, basta o produtor rural procurar sua agência e formalizar o pedido, que passará por análise para concessão. Para a safra 2020/2021, o Sicredi tem um orçamento estimado em R$ 2,3 bilhões para essas fontes.

Balanço Safra 2019/2020

No Plano Safra 2019/2020 (de julho de 2019 a maio de 2020), as cooperativas do Sicredi nas regiões Centro-Oeste e Norte liberaram R$ 3,788 bilhões aos produtores, um acréscimo de 6,2% sobre os R$ 3,565 bilhões concedidos no mesmo período do ciclo anterior. No período, o número de operações somou 11.283.

A maior parte dos recursos (74%) foi destinada ao custeio da safra, em que foram contratados R$ 2,805 bilhões. Para investimento foram liberados R$ 868,9 milhões e para comercialização foram R$ 113,9 milhões.

A agricultura empresarial (médios e grandes produtores) foi a que mais demandou crédito, num total de R$ 3,476 bilhões. Os pequenos produtores, por meio do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), acessaram R$ 312,1 milhões em recursos no Sicredi. “Os agricultores familiares são um público de associados para o qual o Sicredi sempre busca recursos, para fortalecer a atividade e gerar trabalho e renda para as famílias do campo com propriedades menores e que ajudam a movimentar a economia local. Procuramos disponibilizar mais recursos e no momento certo, independentemente do porte dos produtores, e isso os ajuda a planejar melhor a safra”, comenta a coordenadora de Negócios Agro da Central Sicredi Centro Norte, Cristieny Paiva.

Ela acrescenta que, nos últimos meses da safra 2019/2020, mesmo com as dificuldades impostas pela pandemia do novo coronavírus, que recomendou o distanciamento social, as cooperativas atuaram em busca de soluções e na implementação de novas ferramentas para atender os produtores rurais e as liberações de recursos ocorreram normalmente.

 

 

 

Fonte:Assessoria de Imprensa/ Mábia Cristine

Comentários Facebook
Continue lendo

BemRural

MAÇÃ/CEPEA: Volume colhido na campanha 2019/20 recua quase 20%

Publicado

por


.

Cepea, 3/7/2020 – O volume de maçãs colhido no Sul no Brasil recuou quase 20% nesta safra 2019/20, somando 939 mil toneladas, de acordo com a ABPM (Associação Brasileira de Produtores de Maçã). Isso porque, segundo colaboradores do Hortifruti/Cepea, diversos fatores climáticos afetaram a produção, como o inverno mais ameno, chuvas na primavera (período de florada) e o grande déficit hídrico no verão do ano passado. A variedade mais afetada foi a fuji, que teve quebra de safra bastante expressiva, principalmente em São Joaquim (SC) e em Vacaria (RS). Assim, agentes estimam que, do volume total colhido nesta campanha, apenas 35% seja de fuji e 60% de gala. A concentração de frutas miúdas também foi maior, refletindo o clima mais seco no período de enchimento das maçãs. De acordo com agentes consultados pelo Hortifruti/Cepea, esse cenário reduziu a participação das frutas graúdas (até o calibre 110) no volume total colhido, que deve ser de apenas 20% para a fuji e de 10% para a gala. Como resultado, as cotações das maçãs de maior calibre foram impulsionadas neste ano. No segundo trimestre de 2020 (abril a junho), por exemplo, o preço da gala calibre 110 Cat 1 foi de R$ 89,77/cx de 18 kg na média das regiões classificadoras, alta de 48% frente ao do mesmo período do ano passado. A fuji de mesmo perfil foi vendida por R$ 94,81/cx de 18 kg, aumento de 68% na mesma comparação. Fonte: Cepea – www.cepea.esalq.usp.br

Fonte: CEPEA

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana