conecte-se conosco


Tecnologia

Promotoria move ação contra ‘game do Bolsomito’ por incitação ao ódio a minorias

Publicado


Game Bolsomito 2K18 incita ao ódio a minorias e sofre ação do MPDFT
Reprodução
Game Bolsomito 2K18 incita ao ódio a minorias e sofre ação do MPDFT

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios ( MP-DFT)
entrou com ação civil pública contra a empresa americana Valve Corporation
 por conta da comercialização do game Bolsomito 2K18, acusado de incitar ódio, em sua plataforma Steam. O MP já havia aberto uma investigação sobre o jogo no mês de outubro.

Leia também: “Tumblr está morto”, dizem usuários após plataforma proibir pornografia


O novo documento possui pedido de tutela de urgência para que a companhia seja obrigada a suspender a disponibilização e a venda do jogo Bolsomito
2K18, lançado durante o período eleitoral e comercializado a R$ 9,90. A promotoria pede pagamento de multa por cada dia em que o game ficar no ar e também requer o 0bloqueio do site Steam no Brasil.

No jogo, um personagem que emula o presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), é colocado como protagonista e ganha pontos ao espancar e matar
mulheres, LGBTs, negros, integrantes de movimentos sociais e parlamentares. As vítimas, depois de mortas, se transformam em excremento. 

O documento do MP informa que a Unidade Especial de Proteção de Dados e Inteligência Artificial entrou em contato com a Valve Corporation, tentando obter a suspensão do jogo de forma administrativa, sem sucesso, e agora passar a solicitar também que a Valve informe os dados cadastrais e financeiros da BS Studios, desenvolvedora do jogo.

A ação cita a Constituição Federal
e diz que a mesma “afirma serem invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurado o direito a indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação.”

Leia mais:  Na Itália, Apple e Samsung são multadas por obsolescência programada

As plataformas de jogos Steam são classificados como Provedor de Aplicação de Internet, e, portanto, submetida a Lei n. 12.965/14, conhecida como Marco Civil da Internet, que estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da internet no Brasil.

A ação defende que o personagem do jogo incita ao ódio contra as minorias
a partir do uso da violência e a computação de pontos pela agressão e morte de diversos grupos, além de colegas parlamentares do presidente eleito. “A violência é naturalizada e exposta e a morte dos ‘inimigos’ é celebrada no jogo”, cita a peça da promotoria.

Leia também: Marco Civil da Internet: governo abre canal de consulta para aprimorar propostas

Game Bolsomito 2K18 também viola direito de personalidade de Bolsonaro


O game Bolsomito 2K18 também ataca nordestinos e celebra mortes de
Reprodução
O game Bolsomito 2K18 também ataca nordestinos e celebra mortes de “inimigos”

O documento diz também que, segundo a Constituição, “são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurado o direito a indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação.”

O Código Civil e o Marco Civil da Internet também são lembrados ao tratar a imagem do presidente eleito, defendendo que ações ou omissões voluntárias, negligência ou imprudência violam direito ao causar dano a outra pessoa, e que os direitos humanos, o desenvolvimento da personalidade e o exercício da cidadania em meios digitais, bem como a pluralidade e a
diversidade são fundamentais.

Leia também: Deputado petista propõe “Lei Jair Bolsonaro” para coibir ausências em debates

Leia mais:  Facebook fica fora do ar para alguns usuários, segundo relatos

A conclusão afirma que “não pairam dúvidas de que o jogo viola o direito da personalidade do Presidente eleito da República Federativa do Brasil e, por consequência, gera danos morais reflexos ou em ricochete em relação a todos os brasileiros”, e defende que o jogo Bolsomito
2K18 expõe negativamente o país ao fomentar a imagem de que Bolsonaro é racista, homofóbico, misógino e violento.

Comentários Facebook
publicidade

Tecnologia

Twitter bloqueia robô que denuncia gastos suspeitos de deputados brasileiros

Publicado

por


O perfil de Rosie no Twitter tem mais de 39 mil seguidores e denuncia reembolsos irregulares ligados à cota parlamentar
Reprodução/Twitter
O perfil de Rosie no Twitter tem mais de 39 mil seguidores e denuncia reembolsos irregulares ligados à cota parlamentar

O perfil da robô Rosie, que identifica e denuncia despesas irregulares de deputados federais do Brasil, está bloqueado há três dias no Twitter. A suspensão pode ser consequência do esforço da rede social para conter a proliferação de contas automatizadas, muitas vezes utilizadas para disseminação de ódio e notícias falsas. Os desenvolvedores do projeto, porém, alegam que a rede social ainda não justificou o bloqueio da conta.

Leia também: Twitter vai ganhar News Camera, sua própria versão dos Stories


A Rosie é, na verdade, parte de um programa de transparência de dados criado há cerca de três anos e chamado Serenata de Amor. Automatizado, o perfil de Rosie no Twitter
tem mais de 39 mil seguidores e divulgava, pelo menos até então, reembolsos irregulares ligados à Cota para o Exercício da Atividade Parlamentar, um valor fixo que deputados recebem para despesas como alimentação e hospedagem.

A conta não foi proibida de publicar tuítes na rede social, mas sim de fazê-lo de forma automatizada, isto é, sem a necessidade de interferência humana. O problema é que o volume de dados analisado pela Rosie
é muito grande e divulgá-los manualmente levaria mais tempo e custaria mais dinheiro aos desenvolvedores do projeto.

Ao tuitar, Rosie está programada para mencionar o perfil do deputado ou deputada cujos gastos foram considerados irregulares. Como um dos critérios do Twitter para suspender uma conta é analisar se ela frequentemente menciona pessoas com as quais não interage, é provável que isso tenha colaborado para a suspensão de Rosie. Assim como ela, o processo de análise de perfis pelo Twitter também é automatizado.

Leia mais:  Por uso irregular, WhatsApp baniu 100 mil usuários, incluindo filho de Bolsonaro

Em entrevista à Folha de S. Paulo
, Eduardo Cuducos, cofundador do Serenata de Amor
, questionou o bloqueio de Rosie, alegando que o robô é diferente daqueles normalmente banidos na rede social. “Nosso bot
[abreviação de robot
, ou robô em inglês] é explícito, nós avisamos que se trata de um robô. Não é um robô que tenta se passar por uma pessoa”, explicou.

Leia também: WhatsApp vai permitir que usuário escolha se quer ser adicionado em grupos

Nesta segunda-feira (18), o perfil de Rosie deu início a uma campanha chamada #DesbloqueiaRosie para chamar a atenção do Twitter e pedir que a rede social cancele a suspensão da conta. Em outro tuíte, o perfil se justifica dizendo que não é como os robôs “que tuítam sem fontes” e que tudo o que publica é baseado em dados disponibilizados pela própria Câmara dos Deputados via Lei de Acesso à Informação (LAI).




Até Marina Silva (Rede), ex-ministra do Meio Ambiente e ex-candidata à Presidência no ano passado, se juntou ao movimento #DesbloqueiaRosie. Em sua conta no Twitter
, Marina defendeu Rosie dizendo que o robô ajuda a combater abusos com o dinheiro público e que “a sociedade quer mais transparência, e não menos”.

Leia mais:  Falha no FaceTime permite espionagem ao expor câmera e microfone; Apple reage

Fonte: IG Tecnologia
Comentários Facebook
Continue lendo

Tecnologia

Twitter vai ganhar News Camera, sua própria versão dos Stories

Publicado

por


Seguindo o modelo de outras plataformas, o Twitter deve lançar em breve sua própria versão de stories
shutterstock
Seguindo o modelo de outras plataformas, o Twitter deve lançar em breve sua própria versão de stories


O Twitter está prestes a entrar para o time das redes sociais que possuem a função stories. Depois da febre do recurso nos aplicativos Snapchat, Instagram e Facebook, a plataforma confirmou ao site TechCrunch
, na sexta-feira (15), que está trabalhando na novidade.

Leia também: “Camisinha” inteligente manda dados do seu desempenho sexual para o celular


De acordo com o Twitter
, ainda não há uma previsão de lançamento oficial, já que a nova ferramenta ainda está em fase inicial, de desenvolvimento. A empresa informou, no entanto,  que a novidade já tem nome: News Camera (algo similar a câmera de notícias, em português).

Segundo a plataforma, o nome vem do objetivo da nova função que é, além de compartilhar selfies, vídeos e fragmentos das vidas particulares dos usuários, ampliar o viés jornaltístico que o site vem ganhando. Assim, qualquer pessoa poderia postar sobre eventos, denúncias e tudo o que acreditar que deve ser noticiado em tempo real, gerando um tipo de conteúdo original para o Twitter.

Similar ao Stories do Instagram
, a novidade vai permitir que sejam postadas fotos, vídeos, textos e feitas transmissões ao vivo, além de adicionados fundos coloridos e localização aos posts. Todas essas publicações não vão aparecer direto na timeline e, por isso, a ferramenta é comparada aos Stories
.

Leia mais:  Falha no FaceTime permite espionagem ao expor câmera e microfone; Apple reage

Leia também: WhatsApp vai permitir que usuário escolha se quer ser adicionado em grupos

Um dos ususários do Twitter e consultor de mídias sociais, Matt Navarra, publicou em seu perfil um teste que fez da ferramenta. De acordo com ele, para acessar a função, os internautas só precisarão deslizar o dedo para a esquerda dentro do aplicativo.

“Novidade! O Twitter está testando a ” News Camera
“, que vai deixar que você adicione seus detalhes de localização e fundos coloridos para fotos, vídeos ou transmissões ao vivo”, escreveu Navarra. Confira a publicação:




Leia também: Mandou e se arrependeu? Aprenda a apagar mensagens do Facebook Messenger

Navarra também afirmou que outras novidades, como o modo noturno completamente preto e a edição de tweets já postados também estão sendo estudados pelo Twitter
.



Fonte: IG Tecnologia
Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana