conecte-se conosco


Carros e Motos

Primeiro Aston Martin elétrico, com 600 cv, será o mais novo carro de James Bond

Publicado


Aston Martin Rapide E: Sem abandonar a classe de James Bond, traz desempenho digno de supercarro, mas sem poluição
Divulgação
Aston Martin Rapide E: Sem abandonar a classe de James Bond, traz desempenho digno de supercarro, mas sem poluição

A relação entre a Aston Martin e James Bond é histórica. Apesar de um BMW Z3 aqui e outro Z8 ali, ou uns modelos da Bentley e Lotus, além de Mustang e alguns esportivos, o clássico DB5 é o carro mais marcante do agente 007. Para dar continuidade aos modelos da marca inglesa nos filmes de Bond,  no dia 8 de abril de 2020, o público verá a mais nova criação da fabricante de GTs, o Rapide E, com motor elétrico. 

LEIA MAIS: 5 carros que Roger Moore usou nos filmes como agente 007

Apesar de faltar ainda um ano, já se sabe como serão alguns dos detalhes do Aston Martin Rapide E. Serão apenas 155 unidades produzidas, com preços ainda não revelados. Entre os carros elétricos, o novo automóvel de James Bond
é um dos que garantirá mais eficiência, principalmente quando se pensa proporcionalmente à sua categoria.

LEIA MAIS: Veja os 5 carros mais famosos do cinema

Poderá rodar até 320 km antes da próxima recarga, enquanto poderá acelerar de 0 a 100 km/h em apenas 4 segundos e chegar aos 250 km/h. Tudo isso graças aos seus dois motores elétricos, projetado em parceria com a equipe Williams da Fórmula 1, que com uma bateria de 64 kWh, produzem juntos 600 cv e 96,8 kgfm, números encontrados em superesportivos.

Leia mais:  Shelby GT500, o Mustang mais potente da história

LEIA MAIS: Aston Martin DB5: veja os truques do carro mais conhecido de James Bond

As gravações do 25º filme da franquia 007
devem começar em julho, e tem como uma das principais cidades Matera, no Sul da Itália. Trata-se do último filme de Daniel Craig como o agente secreto à serviço da Sua Majestade James Bond, após Cassino Royale, Quantum of Solace, Operação Skyfall e Spectre.

LEIA MAIS: 10 filmes de carros que marcaram a história do cinema mundial

Revolucionário como o 1º Aston de James Bond


Sean Connery, o primeiro James Bond, conquistava as telas com o seu Aston Martin DB5 super equipado
Divulgação
Sean Connery, o primeiro James Bond, conquistava as telas com o seu Aston Martin DB5 super equipado

Já citado aqui na matéria, o lendário DB5 se transformou em um ícone do agente secreto, desde que surgiu no filme “Goldfinger” (1964). A versão original vem com motor de seis cilindros em linha, de 4 litros e 282 cv, acoplado ao câmbio manual de cinco marchas, feito pela alemã ZF. Além de muito caro e exclusivo, era um dos mais velozes de sua época, capaz de superar os 230 km/h e chegar aos 100 km/h em menos de 8 segundos.

LEIA MAIS: Este Aston Martin DBS foi encontrado após 30 anos de abandono

Entre os truques que instalaram no DB5 de 007, estão jatos de óleo e fumaça para despistar quem ousar em perseguir o cupê, metralhadoras escamoteáveis e o famoso banco do passageiro ejetável. Inclusive, houveram também, cenas em que era servido champagne à James Bond
. Veremos como será o novo Aston Martin
Rapide E. Revolucionário certamente será, mas conseguirá.

Leia mais:  Ford EcoSport Titanium: como anda o modelo 1.5 com pneus “run flat”?

Fonte: IG Carros
Comentários Facebook
publicidade

Carros e Motos

Argo e Polo vão puxar a nova onde carros aventureiros

Publicado

por


Projeção antecipa detalhes de como deverá ficar o Fiat Argo Trekking,  novidade entre os carros aventureiros
Kleber Silva
Projeção antecipa detalhes de como deverá ficar o Fiat Argo Trekking, novidade entre os carros aventureiros

Depois dos SUVs, os CUVs do Fiat Argo e do Volkswagen Polo vão invadir sua praia. Eles são apenas dois dos carros aventureiros que virão por aí. Na verdade, os CUVs já existem há bastante tempo: são os Crossovers Utilities Vehichles.

LEIA MAIS: VW T-Cross vai abalar a prova dos 9 dos SUVs

A diferença é que antes os SUVs que não tinham o DNA de utilitários eram chamados de crossovers, mas agora os carros aventureiros
estão sendo “promovidos” para essa categoria. Independentemente do nome que tenham, o fato é que não passam de versões aventureiras de hatches, sedãs, peruas ou picapes que já estão no mercado.

 O Fiat Argo “CUV” ou aventureiro deverá utilizar o bom motor 1.3 Firefly e um câmbio automático de seis marchas. Já é uma boa notícia saber que ele não virá com o câmbio GSR (automatizado de embreagem simples) usado atualmente nas versões 1.3 da Fiat.


A maior distância livre do solo será uma das diferenças do Fiat Argo que fará parte dos novos carros aventureiros
Kleber Silva
A maior distância livre do solo será uma das diferenças do Fiat Argo que fará parte dos novos carros aventureiros

O projeto chama-se X6HX.  Pelo que já se sabe, o carro terá suspensão elevada em 3 cm, segundo o site Autos Segredos, chegando a bons 17,9 cm de altura do solo. Já sobre Polo “CUV” ou aventureiro não existem muitas informações, mas a Volkswagen costuma ser menos ousada do que a Fiat nesse segmento.

História dos carros aventureiros


Fiat Palio Weekend Adventure foi o primeiro integrante do segmento de carros aventureiros, a partir de 1999
Divulgação
Fiat Palio Weekend Adventure foi o primeiro integrante do segmento de carros aventureiros, a partir de 1999

 Desde que a Fiat lançou o Palio Adventure,
em 1999, esse tipo de carro faz sucesso no mercado brasileiro. O Palio Adventure foi a primeira tentativa de dar a um carro razoavelmente acessível o estilo dos precursores Volvo Cross Country e Audi Allroad, que eram muito caros.

Leia mais:  Nova picape da Ford chega em breve para concorrer com Toro, Oroch e Tarok

LEIA MAIS: Tiggo 2, 4 e 7 mostram que o rei dos SUVs ataca novamente

O Audi Allroad trazia tração 4×4 e proteção de plástico nas caixas de rodas e nos para-choques. A carroceria tinha maior distância do solo do que a de modelos normais. Os pneus eram de uso misto. Também havia bússola e inclinômetro.

 Com o Palio Adventure, a Fiat testou a fórmula em um carro com tração dianteira. Foi seguida por vários fabricantes. Mas a grande sacada foi da Ford com o EcoSport. O carro nada mais era do que um Fiesta.

Entretanto, a Ford aumentou bastante a distância do solo, introduziu os aparatos de aventura e posicionou o estepe do lado de fora do veículo. Os consumidores viram no EcoSport uma miniatura de SUV. A Volkswagen foi atrás e lançou o CrossFox,
também com o estepe do lado de fora.

LEIA MAIS:Ford Ka FreeStyle tentará repetir a história de sucesso do EcoSport

 Não demorou muito, porém, para que os estepes voltassem para dentro do carro. Isso não era um problema nos enormes SUVs, mas era para modelos compactos. Percebendo que os consumidores quase não usavam os aparatos de aventura, a Volks manteve o estepe externo no CrossFox, mas lançou outros dois carros com o estilo aventureiro (e com os estepes dentro do porta-malas): Gol Rallye e SpaceCross.


VW Gol Rallye também faz parte dos carros aventureiros que mais fizeram sucesso no Brasil nos últimos anos
Divulgação
VW Gol Rallye também faz parte dos carros aventureiros que mais fizeram sucesso no Brasil nos últimos anos

 A Fiat seguiu fiel à ideia inicial. Seus carros aventureiros mantiveram os grandes protetores de caixas de roda, a bússola, o inclinômetro e o grafismo diferenciado do quadro de instrumentos. Várias outras versões Adventure surgiram, na picape Strada, no Doblò, no Idea e até no Uno (batizado de Way e não de Adventure). Depois a Fiat adotou o sistema Locker para que o carro pudesse atravessar atoleiros em linha reta.

Leia mais:  Hilux brilha e Toyota ultrapassa GM no mercado de picapes

A Volkswagen foi em direção oposta: eliminou até as proteções de plástico das caixas de rodas, substituindo-as por uma faixa preta colada nas bordas da carroceria. O interior também foi modificado e os carros aventureiros da marca passaram a ser exatamente iguais aos demais.

 CUVs ou crossovers, eles têm bom mercado


Chery Tiggo 2 é um SUV compacto, mas também faz parte do grupo de carros aventureiros que temos no Brasil
Cauê Lira/iG Carros
Chery Tiggo 2 é um SUV compacto, mas também faz parte do grupo de carros aventureiros que temos no Brasil

 Atualmente, versões aventureiras nada mais são do que carros com visuais diferentes e com 2 cm mais altos. Às vezes, nem isso. Os carros aventureiros existem porque muitas pessoas gostam de “parecer” ter uma vida cheia de aventura, e não necessariamente porque precisam de certos equipamentos.

Nesse ponto, as chinesas JAC Motors e Caoa Chery foram até além, pois transformaram carros que eram hatches na origem no que são hoje o T40 e o Tiggo2. Tecnicamente, esses carros seriam crossovers ou CUVs, mas ganharam o status de SUVs, como tantos outros.

LEIA MAIS: Por que o Compass é o carro mais desejado do Brasil

 Os números desse mercado de carros aventureiros
nunca são abertos pelas montadoras. Eventualmente, uma ou outra divulga um esboço do ranking. Mas é um mercado de 400 a 600 carros/mês para os líderes, como o Chevrolet Onix Active, o Hyundai HB20X e o Renault Sandero Stepway. É nesse jogo que a Fiat e Volkswagen vão entrar com os “CUVs” do Argo e do Polo.

Projeções: Kleber Pinho da Silva

Fonte: IG Carros
Comentários Facebook
Continue lendo

Carros e Motos

Primeiro SUV elétrico da Audi está pronto para ganhar as ruas

Publicado

por

A marca das quatro argolas apresentou aquele que será o seu quinto automóvel elétrico de produção, o Audi Q4 e-tron concept. Trata-se de um SUV compacto, com lançamento marcado para 2020 e que se vai situar abaixo do já conhecido Audi E-tron.

LEIA MAIS: Longe do Brasil, Renault Clio renovado é líder de vendas

A fabricante definiu o lançamento de 12 automóveis totalmente elétricos até 2025 como um dos seus grandes objetivos e o Audi Q4
e-tron é o próximo nome nesta lista. Montado sobre a plataforma modular MEB do grupo VW, este SUV eléctrico tem 4,59 metros de comprimento, 1.90 metros de largura e 1,61 metros de altura, ao passo que a distância entre eixos é de generosos 2,77 metros.

Como acontece com o Audi e-tron, este Q4 e-tron concept conta com dois motores eléctricos (um por eixo) que oferecem uma potência combinada de 301 cavalos. Este sistema é alimentado por uma bateria que garante autonomia de 450 quilômetros. Sistema de tração é o Quattro da Audi.

LEIA MAIS: VW T-Cross: o primeiro SUV compacto da marca finalmente está aqui

Um dos trunfos do novo modelo é a plataforma MEB, desenvolvida pela Volkswagen para o seu I.D. Neo, veículo agendado para o início de 2020, que depois irá servir para uma série de outros modelos do grupo. Fabricada exclusivamente em aço, para ser mais simples de construir e posteriormente de reparar, além de mais barata do que o alumínio, a MEB vai permitir que o Q4 e-tron surja com versões com apenas tração atrás, mas igualmente com sistema 4×4, quando equipado com um segundo motor eléctrico montado no eixo dianteiro.

Leia mais:  Range Rover Sport HST estreia motor, 3.0 de 6 cilindros, eletrificado

As baterias do Audi Q4


Audi Q4 e-tron foi mostrado no Salão de Genebra como conceito, mas modelo de produção será bem semelhante
Divulgação
Audi Q4 e-tron foi mostrado no Salão de Genebra como conceito, mas modelo de produção será bem semelhante

Quanto às baterias para o Q4 e-tron, o segredo ainda é total, sabendo-se contudo que a plataforma MEB permite montar várias capacidades de acumuladores, tendo a menor 48 kWh e a maior 80 kWh, pelo menos para um veículo com a distância entre eixos do I.D. Neo
. Neste modelo da  Volkswagen
, estes packs de baterias permitem antecipar autonomias entre 330 km e 550 km.

LEIA MAIS: Shelby GT500: o Mustang mais potente da história

O primeiro modelo elétrico da marca, além do Audi Q4
, foi o E-tron, que foi mostrado no Salão do Automóvel de São Paulo no ano passado, começa a ser vendido na Europa este ano e em seguida também chegará ao Brasil. A Audi ainda não confirma, mas o E-Tron deverá aparecer por aqui ainda neste ano.

Fonte: IG Carros
Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana