conecte-se conosco


Saúde

Prevenção e Detecção: exames de colo do útero e próstata serão entregues nesta terça e quarta

Publicado

Os exames preventivos e de diagnóstico precoce de câncer do colo de útero e próstata realizados no dia 05 de junho, a partir de uma parceria entre o Hospital do Câncer de Barretos e  Lions Clube, ficaram prontos e serão entregues nesta terça e quarta-feira (21), na sede do Clube, em Tangará da Serra.

Os exames devem ser retirados na sede do clube, localizado na Rua 22, nº486, Bairro Jardim Tangará II.

Para os exames de próstata, a triagem observou a faixa etária entre homens de 50 a 69 anos. Já os exames de colo de útero (papanicolau) foram destinados exclusivamente para mulheres com vida sexual ativa. O clube de serviços, mantém um convênio com o Hospital do Amor há cinco anos e em 2019 a meta é atender cerca de 600 pessoas com exames preventivos.

A triagem possibilitou a 50 mulheres e 40 homens os exames no ambulatório montado na carreta do Hospital do Amor, que esteve no município. De posse dos resultados, os pacientes que necessitarem de tratamento serão encaminhados. Mais informações, pelo Fone: (65)9. 9903-8910.

Comentários Facebook

Saúde

Especialista adverte: crianças não devem usar maquiagem na folia

Publicado

por

Minha Saúde

Muitos pais tem dúvidas sobre o uso da maquiagem em suas crianças em períodos de festividade. com a chegada do carnaval, a PROTESTE conversou com a doutora Simone Abdala, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia, sobre o assunto, e a profissional deu o veredito: crianças menores de cinco anos não podem usar maquiagem em hipótese alguma. E crianças maiores que cinco anos devem usar maquiagens apropriadas para a idade delas.

criança vestindo peruca colorida e óculos de sol vermelho com a boca aberta arrow-options
Reprodução/ Mais Saùde

A especialista Simone Abdala afirma que mesmo sendo hipoalergênicas, as maquiagens infantis podem causar alergia

“Crianças até cinco anos podem acabar ingerindo ou esfregando os olhos e ter problemas mais graves”, afirma Simone.

Já no caso de crianças maiores de cinco anos, é preciso observar alguns detalhes:

Leia mais:Saiba o que levar na bolsa não passar mal nos bloquinhos de carnaval

  • Verificar se o produto foi testado dermatologicamente
  • Se certificar que a maquiagem é adequada à faixa etária da criança
  • Não usar sombra e rímel
  • Testar o produto numa área pequena alguns dias antes do uso normal
criança deitada em confete arrow-options
Reprodução/ São Paulo para crianças

Crianças acima de 5 anos podem usar, mas é preciso observar alguns detalhes

A profissional afirma que maquiagens destinadas a adultos não devem ser usadas de forma alguma, pois podem contar corantes, conservantes e fragrâncias que podem causar alergia ou irritação. Maquiagens compradas em camelôs, nem pensar. É importante também ficar atento à data de vencimento.

Leia mais:Carnaval pode aumentar risco de contágio por sarampo, alertam especialistas

O sintoma mais comum que o uso de produtos inadequados pode causar é a dermatite de contato, condição que se caracteriza por vermelhidão, coceira e inchaço. Em casos mais graves, o produto pode causar crostas e bolhas e os sintomas podem aparecer até alguns dias depois do uso.

“As maquiagens infantis são pensadas para serem hipoalergênicas. E mesmo quando o são, podem causar alergia”, afirma Simone.

No hora da remoção, também é preciso tomar alguns cuidados. Demaquilantes não devem ser usados em hipótese nenhuma. O ideal é remover a maquiagem com água e sabão. “O mais importante é que sejam maquiagens de baixa fixação, pois a remoção tem que ser fácil”, adverte.

Leia mais:Coreia do Sul registra primeira morte por novo coronavírus

Quanto ao filtro solar, deve ser aplicado antes da realização da maquiagem e reaplicado pelo menos a cada duas horas.

Fonte: IG Saúde
Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Ressaca de cerveja é diferente? Veja como “sofrer menos” neste carnaval

Publicado

por

Sol forte, festas de rua e carnaval. Para muita gente, essa combinação pede automaticamente uma cerveja gelada que, combinada aos exageros típicos dos muitos dias de folia, pode resultar numa ressaca indesejada. Mas existe diferença entre a ressaca causada pela cerveja e outras bebidas alcoólicas?

Leia mais: Como curtir o carnaval com as crianças?

ressaca arrow-options
Getty Images

A cerveja do carnaval muitas vezes combina com ressaca

De acordo com o médico Leopoldo de Freitas Araújo, clínico geral da Cia. da Consulta, a forma como cada pessoa sente os efeitos do álcool – e consequentemente a ressaca – depende de muitos fatores além do tipo de bebida escolhido. “O nível de tolerância depende da genética, do hábito de beber, estado de saúde e pode até variar entre homem e mulher”, explica. 

A diferença de interação alcoólica da cerveja quando comparada a outras bebidas se deve a alguns ingredientes específicos do preparo. “Ela é rica em carboidratos, que ajudam o corpo a processar o álcool . Além disso, muitas cervejas têm lúpulo, que em teoria pode reduzir um pouco da inflamação da bebedeira”, explica o profissional. 

Antes de comemorar, porém, é importante saber que “por outro lado, algumas pessoas têm problemas com o trigo, que é base para o malte da cerveja: nesse caso, a ressaca se soma à intolerância alimentar e se torna ainda pior”, reforça Leopoldo. 

E como reduzir os efeitos da ressaca? 

Independentemente da bebida consumida, então, o clínico geral explica que os efeitos da ressaca estão relacionados aos esforços do corpo para eliminar o álcool – uma substância nociva – de dentro de nós. “A ressaca é o corpo se recuperando do estresse. Isso significa inflamação, desidratação, perda de sais minerais e dificuldade de manter a taxa de açúcar no sangue”, explica ele.

Para amenizar esses efeitos, a melhor alternativa é ajudar o corpo evitando uma sobrecarga ainda maior. “Uma dica é consumir cerveja bem devagar. Três a quatro latinhas a cada duas horas seria o máximo de quantidade segura para a maioria das pessoas, mas você pode ser mais sensível que isso”, sugere o profissional. 

Além disso, não esqueça de se manter hidratado com bebidas não-alcoólicas entre uma dose e outra (e não apenas depois da festa), alimente-se bem antes do consumo da bebida e evite beber em dias consecutivos. Não se cura uma ressaca com outra. “É importante deixar o corpo se recuperar”, diz o médico. 

Fonte: IG Saúde
Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana