conecte-se conosco


Economia

Preço da gasolina nas bombas cai pela quinta semana consecutiva, indica ANP

Publicado


A queda do preço da gasolina nas bombas, ainda que mais modesta, coincide com a redução dos valores praticados nas refinarias, que foram cortados em 3,53% (R$ 0,05) pela Petrobras, chegando a R$ 1,5007
Marcelo Camargo/Agência Brasil
A queda do preço da gasolina nas bombas, ainda que mais modesta, coincide com a redução dos valores praticados nas refinarias, que foram cortados em 3,53% (R$ 0,05) pela Petrobras, chegando a R$ 1,5007

Na semana passada, o preço da gasolina nos postos caiu 1,3% em relação à anterior, passando de R$ 4,614 para R$ 4,554. É a quinta semana consecutiva de queda, segundo dados divulgados nesta segunda-feira (26) pela Agência Nacional do Petróleo, do Gás Natural e dos Biocombustíveis (ANP).

Leia também: “Preço do combustível está na média global”, diz futuro presidente da Petrobras

A queda do preço da gasolina
nas bombas, ainda que mais modesta, coincide com a redução dos valores praticados nas refinarias, que foram cortados em 3,53% (R$ 0,05) pela Petrobras, chegando a R$ 1,5007. O repasse – parcial ou total – do desconto para o consumidor final depende dos postos de combustíveis.

Somente no mês de novembro, segundo dados levantados pela ANP, o preço da gasolina nas refinarias já acumula queda de 19,42%, enquanto a média praticada nas bombas reduziu apenas 3,6%. 

A Petrobras adota essa política de reajuste dos preços desde julho de 2017. De acordo com a metodologia, as mudanças podem acontecer mais frequentemente, inclusive todos os dias, e refletem os preços praticados nos mercados internacionais e a cotação do dólar
. Desde então, segundo o jornal Valor Econômico
, o preço da gasolina nas refinarias acumula alta de 14,39%.

Leia mais:  Governo estuda mudar modelo de concessão de rodovias implementado pelo PT

Raio-X do preço da gasolina


De acordo com cálculos feitos pela própria Petrobras, os valores praticados nas refinarias equivalem a 27% do preço pago pelos consumidores finais nos postos; outros 45% são formados por tributos
Shutterstock
De acordo com cálculos feitos pela própria Petrobras, os valores praticados nas refinarias equivalem a 27% do preço pago pelos consumidores finais nos postos; outros 45% são formados por tributos

De acordo com cálculos feitos pela própria Petrobras
, os valores praticados nas refinarias equivalem a 27% do preço pago pelos consumidores nos postos. Essa porcentagem aproximada leva em conta a coleta de preços feita pela estatal entre os dias 11 e 17 de novembro em 13 regiões metropolitanas do País.

Outros 45% são formados basicamente por tributos. Destes, 30% correspondem ao ICMS (Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços), recolhido pelos estados, e outros 15% são relativos à Cide (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico) e ao PIS/Cofins, de competência da União.

A diferença entre os impostos estaduais e federais está na forma com que são cobrados. O ICMS varia de acordo com o que é praticado nos postos, então cada vez que o preço da gasolina sobe, os estados arrecadam mais dinheiro. O PIS/Cofins e a Cide, ao contrário, são valores fixados por litro: o primeiro é de R$ 0,7925 e o segundo, de R$ 0,10.

Leia também: Petrobras lucrou R$ 6,6 bilhões no terceiro trimestre do ano

Do restante do  preço da gasolina
, 12% correspondem ao custo do etanol anidro, que, segundo a lei, deve compor 27% da gasolina comum. Os últimos 16%, por sua vez, são relativos aos custos e ao lucro de distribuidores e postos. Há cerca de seis meses, essa fatia era de 12%, o que sugere um aumento de quatro pontos percentuais na margem de lucro desses agentes.

Leia mais:  Bolsonaro diz que China autorizou importação de gordura de porco do Brasil

Comentários Facebook
publicidade

Economia

Sine abre mais de 1.200 vagas de emprego nesta semana

Publicado

O painel de vagas do Sistema Nacional de Emprego (Sine-MT) está com 1.201 vagas de emprego abertas nessa semana. As oportunidades estão distribuídas em 27 municípios de Mato Grosso. Os interessados devem procurar a unidade mais próxima de sua residência em Cuiabá e no interior do Estado.

Para os interessados que moram em Cuiabá são 36 vagas disponíveis. O público geral conta com 27 oportunidades de emprego nas áreas de técnicos de alimentos, técnico em segurança do trabalho, atendente de lanchonete, entre outros. Já para o público PCD, são nove oportunidades nas áreas de atendente balconista, atendente de balcão, auxiliar de limpeza e camareira de hotel.

Em Tangará da Serra, são 32 oportunidades disponíveis; 01 eletricista automotivo, 01 serigrafista, 01 supervisor de garantia da qualidade (veterinária ou zootecnia), 04 técnico de enfermagem,
02 costureira de lingerie, 01 vendedor externo, 01 analista de recursos humanos, 01 instalador técnico de internet, 01 montador de móveis, 01 crediário, 02 técnico eletrônico, 05 técnico de enfermagem, 01 mecânico de caminhões, 01 técnico agrícola, 01 vaga para pessoa com deficiência, 01 auxiliar de cozinha, 01 recepcionista noturno, 03 mecânico de motos, 03 auxiliar de mecânico de motos. As vagas estão sujeitas a alteração. Para se cadastrar, o candidato precisa levar ao SINE,  Carteira de Trabalho, RG e CPF.

No município de Lucas do Rio Verde, localizado ao norte do Estado, são oferecidas 194 vagas de trabalho. 50 vagas são para apanhador- na cultura, 35 são para operador de processo de produção, 17 ajudante de cozinha e as demais em diversas áreas.

Leia mais:  Sicredi e Mauricio de Sousa Produções lançam desenhos animados sobre educação financeira

Em Diamantino são 150 oportunidades ofertadas. Somente na área de auxiliar de linha de produção são 101 vagas, 32 em operador de máquinas agrícolas, oito, em oficial de serviços gerais de manutenção de edificações, operador de pá carregadeira, entre outros.

Nessa semana, no município de Sapezal as vagas  de trabalho se concentram no setor agrícola. São 62 vagas para operador de máquinas agrícola, 20 operador de máquinas fixas, em geral, 15 auxiliar de linha de produção.

Comentários Facebook
Continue lendo

BemRural

Caixa disponibiliza R$ 1 bilhão para médio produtor rural

Publicado

A Caixa Econômica Federal já está disponibilizando a linha crédito rural do PRONAMP, para o ano safra 2018/2019, no valor de R$ 1 bilhão. A quantia é destinada ao médio produtor rural e o financiamento tem limite de até R$ 1,5 milhão por ano safra, taxa de juros de 6% a.a e prazo de até 12 meses.

Por meio da linha de crédito, é possível financiar custos com aquisição de animais para recria e engorda, insumos agropecuários, sementes, fertilizantes, medicamentos veterinários e rações, entre outras despesas do ciclo de produção. As condições são válidas até o encerramento do ano safra vigente, que ocorre no mês de junho de 2019, em todas as mais de 1.700 agências da Caixa habilitadas a atuar com o crédito rural.

Para o vice-presidente de Produtos e Varejo da Caixa, Júlio César Volpp Sierra, a agilidade na tomada dos recursos pelo produtor facilita sua produção agropecuária e a realização do plantio no momento correto. “O momento é oportuno para que os produtores rurais possam tomar financiamento com taxas do PRONAMP, de forma a otimizar seu fluxo financeiro para aquisição dos insumos de suas atividades”, destaca.

Enquadram-se como médio produtor os clientes que possuem renda bruta anual de até R$ 2 milhões, considerando a soma de todo o valor bruto de produção, a receita recebida de entidade integradora e demais rendas provenientes de atividades desenvolvidas, incluindo rendas não agropecuárias.

Leia mais:  Governo estuda mudar modelo de concessão de rodovias implementado pelo PT

 

Fonte:Atividades Rurais

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana