conecte-se conosco

  • banner_Lorenzetti_1250x250

Política Nacional

Por suspeita, pregão de compra de ônibus pelo MEC pode ser suspenso

Publicado


source
Compra de ônibus escolar pelo MEC tem suspeita de sobrepreço
Reprodução

Compra de ônibus escolar pelo MEC tem suspeita de sobrepreço

O senador Randolfe Rodrigues (Rede) entrou com uma representação junto ao Tribunal de Contas da União (TCU) e da Controladoria-Geral da União (CGU) para tentar barrar a realização de um pregão eletrônico, marcado para hoje, às 10h, em que serão escolhidos os fornecedores de 3.850 ônibus escolares pelo Ministério da Educação. O edital para a compra, estimada em mais de R$ 2 bilhões, estaria com valores acima do mercado autorizando a aquisição de veículos por até R$ 480 mil. De acordo com o jornal O Estado de S.Paulo, a pasta deu prosseguimento à licitação mesmo com observações das equipes técnicas dos dois orgãos de controle apontando um sobrepreço do edital já que os ônibus deveriam custar no maximo cerca de R$ 270 mil. É a primeira crise no MEC sob a gestão do novo ministro Victor Godoy, que substituiu MIlton Ribeiro,  afastado do cargo logo após denuncías de lobby de dois pastores evangélicos para liberar recursos da pasta.

— As pessoas têm falado na existência de um gabinete paralelo no MEC. Mas, na verdade, não é paralelo, é oficial. É o próprio ministério operando – diz o senador, referindo-se à última crise da pasta, que envolve pastores ligados a Milton Ribeiro. — Espero que o TCU suspenda o pregão ainda hoje. Ao mesmo tempo, esses acontecimentos reforçam a necessidade de uma CPI para investigar o MEC. Acho que hoje ainda chegaremos a 15 assinaturas e, ao fim da semana, teremos o total necessário para abrir a comissão.

O caso já vem sendo chamado de “onibaço”. O edital foi lançado dentro do programa Caminho da Escola com recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educaçao (FNDE). Criado em 2007, o programa ja entregou cerca de 57 mil ônibus escolares. Atas de licitações semelhantes realizadas nos últimos anos, analisadas pelo GLOBO, mostram que as últimas concorrências tiveram valores que partem de cerca de R$ 140 mil — para ônibus de até 29 assentos —, até valores mais altos, sobretudo de automóveis com elevadores especiais para atender alunos com deficiência ou problemas de mobilidade, que podem chegar a R$ 280 mil.

O documento da área técnica de controle do governo federal, de acordo com o jornal Estado de S.Paulo, aponta que os valores mais altos deveriam ficar em R$ 270,6 mil. Ao todo, serão adquiridos 3.850 veículos por sistema de pregão para atender a alguns municípios e ao Distrito Federal. O preço final da compra, por conta dessas discrepâncias apontadas para os valores, pode pular de R$ 1,3 bilhão para R$ 2,045 bilhões, um acréscimo de 55% ou R$ 732 milhões. Em parecer, os valores exorbitantes foram questionados pela Controladoria-Geral da União (CGU), que criticou “a discrepância das cotações apresentadas pelos fornecedores em relação ao preço homologado do último pregão”

O deputado Ivan Valente (PSOL) tambem já encaminhou pedido para que o Ministério Público Federal investigue se houve irregularidades na estruturação da concorrência. O FNDE é presidido por Marcelo Ponte, indicado pelo ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira. O fundo, que concentra a maior parcela de recursos da pasta, cerca de R$ 45 bilhões, está na mira do Centrão. Um dos diretores do fundo, Garigham Amarante, foi indicado por Valdemar Costa Neto, presidente do PL, partido do presidente Jair Bolsonaro. Em dois despachos sobre a compra dos veículos, é ele que opina pelo prosseguimento do processo de aquisição.

Leia Também

No rastro das discussões, estão as políticas públicas para educação do ministério. Para especialistas, a possibilidade de uso político da verba da pasta coloca em xeque a legitimidade de programas extremamente necessários como o do transporte escolar. A consultora em educação, Mariza Abreu, que atua junto à Confederação Nacional dos Municípios (CNM), diz que as ações do estado devem ser transparentes e visar a objetividade da aplicação do orçamento.

— Se você não tem regras claras e automatizadas, como cálculos per capita, por exemplo, fica difícil acompanhar a execução orçamentária e saber se a divisão está sendo justa. Você pode tanto abrir margem para uso político dos recursos como também para corrupção. Na verdade, a defesa de critérios tem sido uma batalha antiga, não é um problema recente, mas ficou escrachado no governo Bolsonaro — observa Mariza.

O Programa Caminho da Escola prevê a entrega de ônibus escolares para atender, sobretudo, municípios na região rural do país, que têm estradas precárias e sistema de transporte desorganizado, e garantir assim a permanência dos alunos em sala de aula. O edital, que vai escolher os fornecedores hoje, cria uma ata de preços para ônibus escolares de quatro tipos: com capacidade para 29, 44 e 59 assentos e modelos menores, inclusive com tração nas quatro rodas. Uma vez registrada a ata e com a adesão dos fornecedores, prefeituras podem adquirir os veículos pelo preço combinado, com recursos do FNDE e sem que seja necessária a realização de licitações próprias.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram  e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.

Comentários Facebook

Política Nacional

PT deve aprovar Alckmin como vice de Lula no próximo dia 14

Publicado

por


source
Geraldo Alckmin, ex-governador de São Paulo (esq.) e Luiz Inácio Lula da Silva, ex-presidente da República (dir.)
Foto: Ricardo Stuckert – 05.04.2022

Geraldo Alckmin, ex-governador de São Paulo (esq.) e Luiz Inácio Lula da Silva, ex-presidente da República (dir.)

A executiva nacional do PT definiu na noite desta quinta-feira o calendário dos trâmites partidários relativos à eleição presidencial deste ano. A aprovação da escolha do ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) para ser o vice do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva deve ocorrer em reunião do diretório nacional no próximo dia 14.

Nesta sexta-feira, o PSB apresentará formalmente, em um encontro com a direção do PT em São Paulo, a indicação do ex-governador.

No dia 30, ocorrerá no Anhembi, em São Paulo, o lançamento da pré-candidatura. Na ocasião, será apresentada a frente de partidos que apoiará o petista, composta pela federação formada por PT, PCdoB e PV, pela federação que reúne PSOL e Rede, em coligação com PSB e o Solidariedade.

Lula quer simbolizar a amplitudade de sua candidatura no ato com as presenças do ex-tucano Alckmin e do líder sem teto Guilherme Boulos (PSOL), que desistiu de disputar o governo de São Paulo e será candidato a deputado federal.

Leia Também

A executiva do PT também marcou para 4 de junho o encontro partidário. Pela tradição petista, são nos encontros que as chapas são aprovadas. Porém, a corrente majoritária da sigla, a CNB, quer que o diretório nacional já faça uma primeira aprovação da chapa no dia 14.

Correntes minoritárias do PT se opõem à indicação de Alckmin para vice com o argumento de que os seus governos em São Paulo contrariaram bandeiras defendidas historicamente pelo partido, como os direitos humanos e a defesa dos professores. O grupo, porém, não deve ter votos suficientes para barrar a entrada do ex-governador na chapa.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.

Continue lendo

Política Nacional

Anitta vira alvo de bolsonaristas em ataques nas redes sociais

Publicado

por


source
Anitta
Reprodução/Instagram

Anitta

Lollapalooza e campanha de incentivo para que jovens tirem o título de eleitor: as manifestações da cantora Anitta nas redes sociais não tem agradado os apoiadores de Jair Bolsonaro.

Na quinta-feira, a deputada distrital Julia Lucy (NOVO) publicou um vídeo sobre a cantora nas redes sociais que causou polêmica. Na gravação, ela disse que a sexualização da mulher brasileira a “envergonha”. Este foi o episódio mais recente que gerou uma série de manifestações por parte dos apoiadores do presidente.

Em parceria com a consultoria BITES, o GLOBO apurou os ataques sofridos pela cantora desde 1° de dezembro do ano passado. Neste período, foram ao menos 458 mil menções que citam Anitta e o presidente. Só na bancada bolsonarista no Congresso, 22 deputados e senadores publicaram posts sobre a cantora.

Na ocasião, influenciadores como a atriz Maria Bopp tuitaram que o sucesso de Anitta seria apenas a primeira “alegria” dos brasileiros em 2022. O título na Copa e a derrota de Jair Bolsonaro nas urnas também apareceram nas listagens dos internautas.

Leia Também

Além disso, com a proibição das manifestações políticas no Lollapalooza, Anitta veio à público para dizer que pagaria a multa dos artistas que descumprissem a então decisão judicial, que, após polêmica, foi revogada. À época, os bolsonaristas reagiram. No dia 28, o pré-candidato à deputado estadual Jorge Rodrigues se manifestou e sugeriu a prisão da cantora.

No dia 10 de março, teve até uma troca de farpas entre Bolsonaro e Anitta, que também movimentou as redes. Na ocasião, o presidente opinou sobre o programa Big Brother Brasil, da TV Globo, e foi questionado pela cantora: “é presidente ou subcelebridade?”.

Apesar de março ter sido o mês em que a cantora carioca foi mais visada por bolsonaristas, os ataques não são de hoje. A artista já era motivo de piada entre os eleitores de Jair Bolsonaro. Em dezembro, o ex-secretário Nacional de Incentivo e Fomento à Cultura André Porciuncula chegou a dizer que, na próxima entrevista, usaria frases de Anitta. O intuito da fala era dizer que a artista era um exemplo de baixa cultura, além de atacar um outro veículo de comunicação.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.

Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana