conecte-se conosco


Nacional

Polícia investiga afogamento e mortes de trigêmeos em rio

Publicado

source
três crianças arrow-options
Arquivo pessoal / Família Brum
Trigêmeos moravam na cidade de Alto Piriqui

A Polícia Civil do Mato Grosso do Sul abriu inquérito para investigar a morte de três pessoas por afogamento e o desaparecimento de outra no Rio Paraná , na cidade de Mundo Novo. Um homem de 47 anos, identificado como Marcos Roberto de Campos, o filho dele, de 14 anos, e os três amigos do garoto, trigêmeos de 13 anos, foram nadar em um local chamado de “Prainha do Sol” quando foram levados pela correnteza.

O menino de 14 anos conseguiu sair da água, mas as outras quatro vítimas se afogaram Os corpos do homem de 47 anos e de Giovane Neves Brum e Bruna Neves Brum, irmãos, foram encontrados, mas a terceira irmã, Bianca Neves Brum, continua desaparecida.

Leia também: Homem morre em rio após salvar crianças de afogamento


Mesmo sem a confirmação da morte da terceira garota, a prefeitura de Alto Piriqui, onde os trigêmeos moravam, decretou luto oficial de três dias pelos “filhos adotivos da comunidade piquiriense”. O local no qual o afogamento ocorreu não tinha salva-vidas.

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
Leia mais:  Avião cai após decolagem e mata duas pessoas; veja fotos

Nacional

Paraisópolis tem segurança reforçada após ação que matou nove em baile funk

Publicado

por

source
Protesto em Paraisópolis. Moradores caminham e linha arrow-options
Bruno Rocha/Fotoarena/Agência O Globo
Moradores farão homenagem aos mortos no último domingo (1º)

Moradores de Paraisópolis , na zona Sul de São Paulo , relatam que agentes policiais reforçaram a segurança na comunidade depois que uma ação da Polícia Militar (PM) deixou nove pessoas mortas por pisoteamento e 17 feridas no último domingo (1º) no Baile da 17 . Neste sábado (7), moradores farão uma homenagem aos mortos.

Divididos em grupos, policiais começaram a fazer a patrulha das principais ruas do bairro do Morumbi que dão acesso ao local. Na saída para a Avenida Giovanni Gronchi, por exemplo, motoristas e motociclistas foram parados.

Nesta sexta-feira (6), o governador João Doria voltou a falar que os protocolos de atuação da PM vão ser alterados, mas não deu mais detalhes sobre quais seriam essas mudanças nem quando elas ocorreriam.

Agentes investigados

Uma semana após a tragédia, 38 agentes que atuaram na operação em Paraisópolis estão sendo investigados pela Polícia Civil. Vídeos que circulam nas redes sociais gravados por moradores e câmeras de segurança mostra os oficiais agentes agredindo frequentadores do baile funk. Seis deles já foram afastados pela Corregedoria da Polícia Militar.

Leia também: Defesa diz que PM evitou “tragédia maior” em ação em Paraisópolis 


Segundo os moradores do local, a multidão que estava no baile foi conduzida para vielas com balas de borracha e gás lacrimogêneo. A defesa dos policiais diz, no entanto, que eles entraram no baile para perseguir dois suspeitos em uma moto.

Leia mais:  Balanço de furacão Dorian nas Bahamas pode ser ‘desconcertante’

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

Após fiança, Justiça manda soltar mulher que recusou taxista negro

Publicado

por

source

A Justiça determinou, neste sábado (7), a liberdade provisória mediante pagamento de fiança no valor de R$ 10 mil da advogada Natália Burza Gomes Dupin , de 36 anos. Ela é suspeita de cometer injúria racial a um taxista na Avenida Álvares Cabral, no bairro Santo Agostinho, em Belo Horizonte.

Natália foi ouvida pela juíza Roberta Chaves Soares em uma audiência de custódia, no Fórum Lafayette, no bairro Barro Preto, na Região Centro-Sul. Caso ela descumpra as determinações judiciais, poderá ser presa novamente . Ela estava detida desde o dia 5 de dezembro.

De acordo com a Polícia Militar (PM), Luiz Carlos Alves Fernandes, de 51 anos, perguntou se a mulher, que estava com o pai idoso, precisava de um táxi; ela disse que precisava sim, mas não andava com “preto”.

mulher racista arrow-options
Foto: Reprodução/Internet
Aos gritos de “racista”, ela é conduzida por policiais para uma delegacia

Ainda conforme a ocorrência, o motorista alegou que a mulher não poderia dizer aquilo, porque era crime; ela respondeu: “eu não gosto de negro, sou racista, sou racista mesmo” . E na sequência cuspiu no pé dele.

Com a chegada da Polícia Militar, a mulher foi detida e levada para a delegacia. No local, ela ainda desacatou os militares, chegou a chamar uma sargento de “sapata”, conforme a ocorrência, e foi algemada.

Um vídeo que circula nas redes sociais mostra o momento em que a advogada presa e autuada por injúria racial após ofender um taxista em Belo Horizonte. Aos gritos de “racista”, ela é conduzida por policiais para uma delegacia.

Leia mais:  Em gravação, assassinos de jornalista saudita brincam antes de esquartejá-lo

No início da tarde desta sexta-feira (6), a Polícia Civil informou que a mulher foi encaminhada para uma unidade prisional do estado, mas o local não foi divulgado.


Segundo a corporação, Natália também foi autuada por desacato, desobediência e resistência contra os policiais militares. A defesa dela disse que só vai comentar o caso no curso do processo que, a partir de agora, corre em segredo de Justiça.

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana