conecte-se conosco

  • banner_Lorenzetti_1250x250

Política Nacional

PL de SP vê parte da bancada selar apoio à reeleição de Rodrigo Garcia

Publicado


source
Rodrigo Garcia
Reprodução 04/04/2022

Rodrigo Garcia

Após se tornar a maior bancada da Assembleia Legislativa de São Paulo por causa da entrada de bolsonaristas durante a janela partidária, o PL vê uma parte de seus parlamentares definir apoio à reeleição do atual governador Rodrigo Garcia (PSDB). Um encontro para selar a adesão será realizado na noite desta terça-feira na cidade de Suzano, na região metropolitana de São Paulo.

A expectativa é que sete dos 17 deputados estaduais do partido do presidente Jair Bolsonaro participem do evento. Devem ainda aderir ao tucano dois deputados federais, 30 prefeitos e cerca de 80 vereadores.

O candidato ao governo de São Paulo de Bolsonaro será o ex-ministro da Infra-Estrutura Tarcísio Gomes de Freitas. Tarcísio tinha convite do PL, mas na última hora optou por se filiar ao Republicanos. Oficialmente, o partido apoiará o ex-ministro, apesar das dissidências nas bancadas estadual e federal.

O PL participava do governo estadual. O ex-ministro Antonio Carlos Rodrigiues comandava até o fim do mês passado uma das diretorias do Departamento de Estardas de Rodagem (DER). As prefeituras do partido têm sido contempladas por convênios do governo estadual.

Leia Também

Entre os deputados estaduais bolsonaristas que ingressaram no PL durante a janela partidária estão Gil Diniz, conhecido como “Carteira Reaça”, e Frederico D´Ávila.

No plano federal, entraram no PL de São Paulo, entre outros, o filho do presidente Eduardo Bolsonaro e a deputada Carla Zambelli, que íntegra dda tropa de choque do governo no Congresso.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.

Comentários Facebook

Política Nacional

PT deve aprovar Alckmin como vice de Lula no próximo dia 14

Publicado

por


source
Geraldo Alckmin, ex-governador de São Paulo (esq.) e Luiz Inácio Lula da Silva, ex-presidente da República (dir.)
Foto: Ricardo Stuckert – 05.04.2022

Geraldo Alckmin, ex-governador de São Paulo (esq.) e Luiz Inácio Lula da Silva, ex-presidente da República (dir.)

A executiva nacional do PT definiu na noite desta quinta-feira o calendário dos trâmites partidários relativos à eleição presidencial deste ano. A aprovação da escolha do ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) para ser o vice do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva deve ocorrer em reunião do diretório nacional no próximo dia 14.

Nesta sexta-feira, o PSB apresentará formalmente, em um encontro com a direção do PT em São Paulo, a indicação do ex-governador.

No dia 30, ocorrerá no Anhembi, em São Paulo, o lançamento da pré-candidatura. Na ocasião, será apresentada a frente de partidos que apoiará o petista, composta pela federação formada por PT, PCdoB e PV, pela federação que reúne PSOL e Rede, em coligação com PSB e o Solidariedade.

Lula quer simbolizar a amplitudade de sua candidatura no ato com as presenças do ex-tucano Alckmin e do líder sem teto Guilherme Boulos (PSOL), que desistiu de disputar o governo de São Paulo e será candidato a deputado federal.

Leia Também

A executiva do PT também marcou para 4 de junho o encontro partidário. Pela tradição petista, são nos encontros que as chapas são aprovadas. Porém, a corrente majoritária da sigla, a CNB, quer que o diretório nacional já faça uma primeira aprovação da chapa no dia 14.

Correntes minoritárias do PT se opõem à indicação de Alckmin para vice com o argumento de que os seus governos em São Paulo contrariaram bandeiras defendidas historicamente pelo partido, como os direitos humanos e a defesa dos professores. O grupo, porém, não deve ter votos suficientes para barrar a entrada do ex-governador na chapa.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.

Continue lendo

Política Nacional

Anitta vira alvo de bolsonaristas em ataques nas redes sociais

Publicado

por


source
Anitta
Reprodução/Instagram

Anitta

Lollapalooza e campanha de incentivo para que jovens tirem o título de eleitor: as manifestações da cantora Anitta nas redes sociais não tem agradado os apoiadores de Jair Bolsonaro.

Na quinta-feira, a deputada distrital Julia Lucy (NOVO) publicou um vídeo sobre a cantora nas redes sociais que causou polêmica. Na gravação, ela disse que a sexualização da mulher brasileira a “envergonha”. Este foi o episódio mais recente que gerou uma série de manifestações por parte dos apoiadores do presidente.

Em parceria com a consultoria BITES, o GLOBO apurou os ataques sofridos pela cantora desde 1° de dezembro do ano passado. Neste período, foram ao menos 458 mil menções que citam Anitta e o presidente. Só na bancada bolsonarista no Congresso, 22 deputados e senadores publicaram posts sobre a cantora.

Na ocasião, influenciadores como a atriz Maria Bopp tuitaram que o sucesso de Anitta seria apenas a primeira “alegria” dos brasileiros em 2022. O título na Copa e a derrota de Jair Bolsonaro nas urnas também apareceram nas listagens dos internautas.

Leia Também

Além disso, com a proibição das manifestações políticas no Lollapalooza, Anitta veio à público para dizer que pagaria a multa dos artistas que descumprissem a então decisão judicial, que, após polêmica, foi revogada. À época, os bolsonaristas reagiram. No dia 28, o pré-candidato à deputado estadual Jorge Rodrigues se manifestou e sugeriu a prisão da cantora.

No dia 10 de março, teve até uma troca de farpas entre Bolsonaro e Anitta, que também movimentou as redes. Na ocasião, o presidente opinou sobre o programa Big Brother Brasil, da TV Globo, e foi questionado pela cantora: “é presidente ou subcelebridade?”.

Apesar de março ter sido o mês em que a cantora carioca foi mais visada por bolsonaristas, os ataques não são de hoje. A artista já era motivo de piada entre os eleitores de Jair Bolsonaro. Em dezembro, o ex-secretário Nacional de Incentivo e Fomento à Cultura André Porciuncula chegou a dizer que, na próxima entrevista, usaria frases de Anitta. O intuito da fala era dizer que a artista era um exemplo de baixa cultura, além de atacar um outro veículo de comunicação.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.

Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana