conecte-se conosco



Nacional

Pezão é flagrado participando de hasteamento de bandeira na cadeia

Publicado


De chinelo, o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, participa de hasteamento de bandeira na cadeia
Reprodução/TV Globo

De chinelo, o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, participa de hasteamento de bandeira na cadeia

Preso desde o dia 29 de novembro, o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão (MDB), não tem mais compromissos oficiais de político para cumprir, como despachos ou encontros no Palácio da Guanabara. Porém, nesta sexta-feira (7), ele foi flagrado participando do hasteamento da bandeira no pátio do quartel da Polícia Militar em Niterói, compromisso que terá que cumprir, todas as sextas, como detento da unidade.

Leia também: Primo de Getúlio e de Aécio, vice Francisco Dornelles assume governo do Rio

O governador foi preso na Operação Boca de Lobo. De acordo com as investigações, além de ter feito parte do esquema de corrupção do ex-governador Sérgio Cabral, Pezão também desenvolveu um mecanismo próprio de desvios quando seu antecessor deixou o poder. Por conta disso, ele foi o primeiro governador do Rio a ser preso durante o exercício do cargo. 

O governador está detido sozinho em uma sala sem grades, mas monitorado por câmeras, e cumpre todas as regras aplicadas aos demais internos, como tomar sol diariamente e comer as mesmas refeições que são servidas a todos os demais. Atender à cerimônia de hasteamento, todas as sextas-feiras, também é uma das novas obrigações do político.

Leia mais:  Justiça decreta prisão de João de Deus após 330 denúncias de abusos sexuais

Leia também: Pezão é o quarto governador eleito do Rio a ser preso; relembre os demais casos

Segundo as imagens registradas pela Globo News , o governador do Rio estava vestindo uma camiseta branca, uma bermuda e um chinelo, o uniforme de onde está preso. É possível perceber, no entanto, que os demais detentos usam meias grossas e tênis. Não ficou claro o motivo do calçado diferente usado pelo governador.

Durante a cerimônia de hasteamento , os policiais lotados no quartel também são chamados a participar. Nas imagens, inclusive, é possível perceber que um deles prestou continência ao governador durante o compromisso. 

Leia também: Mesa Diretora da Alerj aprova pedido de abertura de impeachment para Pezão

Apesar de preso, Pezão ainda chefia o Executivo do Rio de Janeiro e, por isso, possui algum tratamento diferenciado dentro da prisão. É possível que ele sofra um impeachment antes do fim do ano, quando seu mandato se encerraria e ele daria espaço para o futuro governador Wilson Witzel, no Palácio de Guanabara. 

Comentários Facebook
publicidade

Nacional

Já apostou? Prêmio da Mega-Sena pode chegar a R$ 42 milhões neste sábado

Publicado

por


Aposta mínima da Mega-Sena (seis números) custa R$ 3,50 e pode ser feita em qualquer casa lotérica do País
Paulo Pinto/Fotos Públicas

Aposta mínima da Mega-Sena (seis números) custa R$ 3,50 e pode ser feita em qualquer casa lotérica do País

Um sortudo pode ganhar até R$ 42 milhões no próximo concurso da  Mega-Sena , que será realizado neste sábado (15). O prêmio acumulou depois que ninguém acertou as seis dezenas do sorteio da última quarta-feira (12).

No entanto, a  Mega-Sena  deixou muita gente sorrindo a toa. A quina teve 82 apostas ganhadoras, sendo que cada apostador ficou com R$ 35.639,55. A quadra teve 5.610 apostas ganhadoras, ficando cada uma com R$ 744,19.

Para participar, é necessário realizar uma aposta mínima de R$ 3,50 em qualquer uma das 13 mil lotéricas espalhadas pelo País.  Apostadores também podem entrar no sorteio pela internet, o valor mínimo para fazer uma compra pelo sistema online é de R$ 30 em apostas. O serviço do site funciona 24 horas por dia.

Esse é um concurso realizado pela  Caixa  Econômica Federal que pode pagar milhões ao apostador que acertar seis números, que são sorteados ao menos duas vezes por semana – normalmente, de quarta-feira e sábado. Ainda é possível ganhar prêmios menores ao acertar quatro (Quadra) ou cinco dezenas (Quina).

Leia também: Eles foram premiados, mas perderam tudo 

O próprio jogador pode escolher os números da aposta ou tentar a sorte com a “Surpresinha”, em que o sistema das  lotéricas  escolhe os números. É possível também concorrer com as mesmas dezenas por dois, quatro ou oito concursos consecutivos na chamada “Teimosinha”.

Leia mais:  Justiça decreta prisão de João de Deus após 330 denúncias de abusos sexuais

Como jogar na Mega-Sena


Para concorrer ao prêmio da Mega-Sena, é preciso escolher pelo menos seis números entre os 60 disponíveis
iG São Paulo

Para concorrer ao prêmio da Mega-Sena, é preciso escolher pelo menos seis números entre os 60 disponíveis

Os prêmios iniciais costumam ser em torno de R$ 2,5 milhões para quem acerta seis dezenas. O valor vai acumulando a cada concurso sem vencedor. Também é possível ganhar prêmios ao acertar 4 ou 5 números dentre os 60 disponíveis no volante de apostas. Para isso, é preciso marcar de 6 a 15 números do volante.

Leia também: Apostas para a Mega da Virada 2018 já estão abertas em todo o país 

O prêmio bruto da  Mega-Sena  corresponde a 46% da arrecadação. Dessa porcentagem, 35% são distribuídos entre os acertadores dos 6 números sorteados, 19% entre os acertadores de 5 números (Quina), 19% entre os acertadores de 4 números ( Quadra ), 22% ficam acumulados e distribuídos aos acertadores dos 6 números nos concursos de final 0 ou 5 e 5% ficam acumulado para a primeira faixa (Sena) do último concurso do ano de final zero ou 5.

Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

Freixo diz que não acredita na ligação de milícias com  a morte de Marielle

Publicado

por


Marcelo Freixo falou sobre os riscos de vida que corre e criticou suspeitas levantadas sobre assassinato de Marielle Franco
Cristina Indio de Brasil/Agência Brasil

Marcelo Freixo falou sobre os riscos de vida que corre e criticou suspeitas levantadas sobre assassinato de Marielle Franco

O deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL/RJ) disse não ter dúvida de que continuará recebendo ameaças enquanto a morte da vereadora Marielle Franco (PSOL/RJ) não for esclarecida. Ainda assim, disse que não tem razão para acreditar que o suposto plano para mata-lo tenha vindo do mesmo grupo que assassinou a vereadora. Na última quarta-feira (14), Freixo recebeu a informação de que seria morto durante evento neste fim de semana.

Leia também: Polícia cumpre primeiros mandados de prisão ligados à morte de Marielle Franco

“Se nós não descobrirmos quem mandou matar Marielle e porque mandou matar, isso significa dizer que um grupo político pode ter a violência como método, um grupo político pode se contrariado matar. Talvez eles descubram que podem matar não só uma juíza, não só uma deputada, não só uma vereadora, mas podem matar um promotor, uma jornalista, podem matar outros. Basta que seus interesses sejam ameaçados”, afirmou Marcelo Freixo .

O deputado também criticou a declaração do secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro, general Richard Nunes, em entrevista publicada nesta sexta-feira (14) no jornal  O Estado de S. Paulo , que atribuiu a morte de Marielle Franco a milicianos interessados na grilagem de terrenos na zona oeste do Rio . O deputado estadual disse que não interessa mais declarações de autoridades sobre as possíveis causas e que o secretário deveria esclarecer o crime e não falar de possibilidades.

Leia mais:  ONU anuncia US$ 738 milhões para países que recebem venezuelanos

 “São nove meses de investigações. É tempo de apresentar provas e concluir o caso. A gente também não quer que, no final do ano, no afogadilho, do final da intervenção, seja apresentado qualquer resultado. Isso também não é aceitável”.

A CPI das Milícias , que tinha Freixo como presidente, terminou em novembro de 2008 com 226 indicados. Entre eles, políticos, policiais militares, agentes penitenciários e integrantes das Forças Armadas. No entanto, descartou a possiblidade de a morte de Marielle ser resultado do trabalho na CPI, quando era assessora, ou pela atuação dela contra as milícias, já durante o mandato.

“A Marielle não teve, no curto período que exerceu a vereança, que foi apenas um ano e três meses, uma atuação destacada em áreas de milícias. Ela não estava à frente de nenhuma CPI ou investigação. Houve um trabalho de sua assessoria de regularização fundiária de uma determinada região que não foi concluía, mas não foi ela. É claro que isso tem que ser investigado”, disse.

Desde o fim da CPI das Milícias, o deputado é acompanhado por uma escolta de segurança. Ele afirmou que pretende continuar com o mesmo grupo, o qual já conhece como atua. Em fevereiro, Freixo, que foi eleito deputado federal, começará a trabalhar em Brasília.

O parlamentar não acredita que precisará mudar a equipe de escolta por policiais federais, porque pretende contar em Brasília com a proteção da Polícia Legislativa da Câmara Federal.

Leia mais:  STJ manda soltar Neri Geller, ex-ministro de Dilma preso na OperaçãoCapitu

*Com Agência Brasil

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana