conecte-se conosco

  • banner_Lorenzetti_1250x250

Saúde

Pesquisa indica desaceleração da epidemia da Covid-19 na maior parte do país

Publicado


source
Percentual de brasileiros com anticorpos contra o novo coronavírus caiu de 3,8% em junho para 1,4% em agosto nas 133 cidades avaliadas
Foto: Marcelo Seabra / Ag. Pará

Percentual de brasileiros com anticorpos contra o novo coronavírus caiu de 3,8% em junho para 1,4% em agosto nas 133 cidades avaliadas

Karina Toledo | Agência FAPESP – O percentual de brasileiros que apresentam anticorpos contra o novo coronavírus caiu de 3,8% em junho para 1,4% em agosto, segundo os dados mais recentes da pesquisa Epicovid-19 BR, divulgados nesta terça-feira (15/09). Na avaliação dos autores, o resultado é um forte indício de que a epidemia está em desaceleração na maior parte do país.

A quarta fase da coleta de dados do projeto incluiu 33.250 participantes de 133 cidades e foi conduzida entre os dias 27 e 30 de agosto por uma equipe coordenada por Pedro Hallal, reitor da Universidade Federal de Pelotas (UFPel).

Nas três etapas anteriores – uma concluída em maio e outras duas no mês de junho, nas mesmas 133 cidades – a soroprevalência havia seguido tendência de elevação: 1,9%, 3,1% e 3,8%, respectivamente. A exceção foi a região Norte, onde em algumas localidades fortemente afetadas no início da pandemia os pesquisadores registraram queda na proporção de soropositivos entre a segunda e a terceira fases do estudo. Outras duas etapas de coleta devem ser realizadas nos próximos meses, com apoio da FAPESP.

De acordo com Hallal, quando a pesquisa começou, acreditava-se que os anticorpos contra o SARS-CoV-2 permaneciam um longo tempo no organismo, assim como ocorre no caso do coronavírus causador da síndrome respiratória aguda grave (SARS-CoV), que é muito parecido. No entanto, evidências mais recentes indicam que o teste rápido – feito com uma gota de sangue extraída do dedo – capta com sensibilidade as infecções recentes, de até 45 dias, podendo também detectar infecções graves um pouco mais antigas.

“Inicialmente tratávamos a Epicovid como uma filmadora, que poderia mostrar a evolução da soroprevalência no país ao longo da epidemia, de forma cumulativa. Agora sabemos que os anticorpos têm duração limitada e, portanto, o que temos são várias fotografias de momentos diferentes. Embora não seja possível estimar o total de brasileiros que já teve contato com o vírus em algum momento da vida, conseguimos ver com precisão o percentual de pessoas que foram infectadas recentemente e esse número está claramente caindo”, explica o pesquisador.

Tendências

Hallal destaca que os resultados mais recentes revelam uma mudança na faixa etária dos infectados entre junho e agosto. Nos primeiros meses da pandemia, a soroprevalência foi maior entre pessoas de 20 a 50 anos, justamente aquelas em idade produtiva e que tiveram mais dificuldade para aderir ao isolamento social. Agora, o percentual diminuiu nesse grupo e aumentou entre crianças e idosos. Do ponto de vista socioeconômico, a tendência se manteve estável em todas as fases da pesquisa: pessoas cujas famílias se encontram entre as 20% mais pobres da população apresentam prevalência mais de duas vezes superior à observada entre os 20% mais ricos.

Houve uma queda importante da prevalência entre indígenas nos últimos meses – reflexo da desaceleração da epidemia na região Norte. Por outro lado, pretos e pardos continuam a apresentar maior chance de infecção em comparação aos brancos.

“Nesta quarta fase ficou bem clara a interiorização da pandemia. Hoje o vírus está muito mais forte nos municípios do interior do que nas capitais – o que é muito diferente do observado nas fases anteriores”, comenta Hallal.

As cidades com maior soroprevalência na última medição foram Juazeiro do Norte (8%) e Sobral (7,2%) – ambas no Ceará. Na sequência estão as paraenses Santarém (6,4%) e Altamira (5,2%). No Estado de São Paulo, a primeira colocada é Ribeirão Preto (2,8%), seguida por Araçatuba (2%), Campinas (0,8%) e capital (0,8%).

“Esse tipo de resultado é importante para guiar as políticas de saúde, pois revela a realidade sanitária de cada região”, diz Hallal. “Lamentamos que tenha havido um hiato de dois meses na coleta de dados causado pela quebra no financiamento do Ministério da Saúde. Se tivéssemos dados coletados em julho e no início de agosto, provavelmente teríamos conseguido detectar tendências que infelizmente se perderam. Nossa história vai contar o começo e o fim da epidemia, mas uma parte do meio se perdeu. A FAPESP e o Todos Pela Saúde salvaram o Epicovid, estudo que é patrimônio da sociedade brasileira”, afirma Hallal.

Este texto foi originalmente publicado por Agência FAPESP de acordo com a licença Creative Commons CC-BY-NC-ND . Leia o original aqui .

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook

Saúde

Covid-19: Rio registra recorde de aplicações em dia de escolha de vacinas

Publicado

por


source
Covid-19: Rio registra recorde de aplicações em dia de escolha de vacinas
Reprodução: iG Minas Gerais

Covid-19: Rio registra recorde de aplicações em dia de escolha de vacinas

A cidade do Rio de Janeiro bateu neste sábado (25) o recorde de doses de vacinas aplicadas em um únco dia contra a covid-19 . Ao todo, foram aplicadas 123.352 doses. Deste total, 53.306 primeiras doses, 57.734 foram da segunda dose e 12.312 da dose única. Neste sábado, pela primeira vez, a prefeitura permitiu que as pessoas escolhessem qual vacina receber, já que nos postos havia unidades da AstraZeneca, Coronavac e Pfizer à disposição.

 A marca anterior havia sido obtida também em um sábado (14 de agosto), quando a campanha foi voltada principalmente para jovens de 23 anos. Na ocasião, 97.810 pessoas foram imunizadas sendo 68.607 com a primeira dose e 29.203 com a segunda dose.

Neste sábado, a campanha era voltada para pessoas de 12 anos que ainda não tinham  se vacinado contra a Covid. Além da respecagem, foram imunizados cariocas com a segunda dose e aplicadas doses de reforço para os idosos de 84 anos ou mais; além de  pessoas com imunisupressão a partir de 40 anos.

Na próxima semana, a partir de segunda-feira, prossegue a campanha para proteger os idosos com mais de 80 anos com a dose de reforço por faixa etária; além da continuidade da aplicação da primeira e segunda doses, conforme as datas previstas noscomprovantes de vacinação.


Segundo a secretaria municipal de Saúde, a cidade registrou neste sábado também uma taxa de ocupação de leitos de covid inferior a 45% das vagas, o menor número de pacientes internados desde abril de 2020.

Fonte: IG SAÚDE

Continue lendo

Saúde

Covid-19: Brasil se aproxima das 595 mil mortes com 537 óbitos em 24h

Publicado

por


source
Covid-19: Brasil se aproxima das 595 mil mortes com 537 óbitos em 24h
Divulgação

Covid-19: Brasil se aproxima das 595 mil mortes com 537 óbitos em 24h

Nas últimas 24 horas, o Brasil contabilizou oficialmente 537 mortes por   covid-19 e possui 594.200 óbitos acumulados desde o início da pandemia. Após este sábado (25), a média móvel de vítimas do novo coronavírus nos últimos sete dias chegou a 527 óbitos.

No mesmo período, foram registrados 15.688 novos casos de contaminações pela doença. No total, 21.343.304 brasileiros possuem ou já foram diagnosticados com a doença. A média móvel de infecções registra 16.140 novas transmissões por dia.

Desde o início de junho do ano passado, o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) informa os dados referente a pandemia da covid-19 após uma confusão com os dados divulgados pelo Ministério da Saúde.


De acordo com a Universidade Johns Hopkins, mais de 231 milhões de pessoas já se contaminaram com o novo coronavírus. Em relação as mortes, quase 5 milhões já foram a óbito em decorrência da covid-19 em todo o mundo, sendo o Brasil o segundo país com maior número de vítimas da doença.

Fonte: IG SAÚDE

Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana