conecte-se conosco


Esportes

Pelé revela puxão de orelha em Neymar após a Copa e diz que tem receio de morrer

Publicado


Pelé posa com Neymar quando o craque ainda defendia o Santos
Reprodução
Pelé posa com Neymar quando o craque ainda defendia o Santos

Considerado por muitos o melhor jogador de todos os tempos, Edson Arantes do Nascimento, o Pelé, ainda é reverenciado por onde passa e sua opinião é importante em todos os aspectos.

Leia também:  Beckham inicia conversas e quer contratar Neymar para seu time nos EUA

Em entrevista para a Folha de S. Paulo, liberada nesta quarta-feira (05), Pelé
falou sobre seleção brasileira, Neymar, Copa do Mundo, saúde, morte e outras coisas.

Depois de três cirurgias nos últimos anos, duas no quadril e uma na coluna, Pelé disse que está muito melhor agora, mas ainda não totalmente recuperado.

“Graças a Deus, estou bem. Fiz três cirurgias nos últimos anos, mas não estou 100% (..) Disse que joguei futebol por 30 anos, 25 no Santos e cinco no Cosmos. Deus só mandou a conta agora. Nos 30 anos de futebol não tive contusão. Mas já estou até dando pique no lugar”, comentou ao repórter Alex Sabino.

Com a saúde fragilizada Pelé admitiu que tem ‘receio de morrer’. “De vez em quando você fica meio preocupado. Senão ninguém tomava remédio. Mesmo sem ser mais atleta, ainda estou pagando a conta”, disse.

Ausência na Copa do Mundo
de 2018, Pelé pretende estar bem para acompanhar a seleção em 2022, no Qatar, como torcedor.

Leia mais:  Leicester distribuirá cerveja e cupcakes para celebrar aniversário de Vichai

E em relação a atuação da equipe de Tite durante o Mundial, ele tem uma opinião. “A crítica foi injusta à seleção. Na minha maneira de entender, a equipe não se conhecia tanto assim, não estava tão formada. Tivemos o azar de perder. Se tivesse vencido, tudo passava batido. Isso é coisa do futebol”, comentou.

Leia também:  Confira os cinco motivos que tornam impossível volta de Neymar ao Barça

E o fato da equipe não se conhecer direito fez Pelé admitir que para ele é difícil guardar a escalação da seleção brasileira titular. “Até na brincadeira na rua ninguém sabe direito quem é o goleiro da seleção”.

Apesar do grande jejum de títulos mundiais do Brasil (a última taça foi em 2002, na Coreia do Sul), Pelé vê a base brasileira muito respeitada pelo mundo e acredita que as outras seleções melhoraram porque se espelharam na amarelinha. “O que tem de acontecer agora é não desperdiçar o respeito que o resto do mundo tem com a gente”.

Brasileiro mais citado após o Mundial da Rússia, Neymar
também foi alvo dos comentários do Rei. De acordo com Pelé, ele conversou com o capitão da seleção e pediu para que o camisa 10 focasse mais no futebol.

“Ficou difícil defender o Neymar por todas essas coisas que ele faz além de jogar futebol. E eu conversei com ele, disse que futebol ele tem e expliquei isso ‘Pô, Deus te deu o dom. O que você fez é que complicou’”.

Leia mais:  Em jogo conturbado, Vasco faz 1 a 0 no Fluminense e é campeão da Taça Guanabara

Para Pelé, Maradona era muito mais jogador do que Lionel Messi
Twitter/Reprodução
Para Pelé, Maradona era muito mais jogador do que Lionel Messi

Nos últimos dez anos no futebol mundial, a afirmação “Messi é o melhor jogador da história” foi muito ouvida e discutida. Perguntado se concordava com a ideia, Pelé disse que é “questão de gosto”, mas que pra ele Maradona era muito melhor que Messi, assim como Beckenbauer e Cruyff.

Leia também:  Ex-zagueiro revela que teve casa incendiada em 85 após trocar Boca pelo River

A atual conjuntura política do país não fugiu a pauta. Questionado, Pelé
foi breve e otimista em seu posicionamento “Eu não votei porque estava fora do país. Acho que foi bem escolhido. A gente tem que dar apoio para que dê tudo certo para o governo que está sendo montado. Chegou o momento em que tinha de ser assim. Tem de acreditar”, concluiu.

Comentários Facebook
publicidade

Esportes

Xô, zica! Fluminense busca primeira vitória em casa no Brasileirão

Publicado

por

Lance


yony gonzález
NetFlu/Divulgação
Fluminense e Cruzeiro voltam a se enfrentar no Rio três dias depois de um duelo válido pela segunda fase da Copa do Brasil

O Fluminense ainda não conseguiu transformar o apoio dos torcedores e o ambiente caseiro no Brasileirão em vitórias. Até aqui, o Tricolor ainda não conquistou nenhum resultado positivo nas partidas com mando de campo. Neste sábado (18), a equipe de Fernando Diniz terá mais uma oportunidade, já que vai enfrentar o Cruzeiro, no Maracanã, às 18h.

Leia também: Há 15 anos sem ganhar títulos de expressão, Luxemburgo tenta renascer no Vasco

As duas equipes voltam a se enfrentar três dias depois de um duelo válido pela segunda fase da Copa do Brasil, também no Maracanã
. Na ocasião, a partida terminou empatada, com Pedro Rocha abrindo o placar para o Cruzeiro e João Pedro, já nos minutos finais, igualando o marcador em 1 a 1.

Este duelo representou um dos problemas do Fluminense na temporada até aqui: a falta de efetividade das jogadas criadas. No Maracanã, o Cruzeiro deu uma finalização e saiu de campo com a mesma quantidade de gols do Tricolor, que, por sua vez, teve o controle da posse de bola, pressionou o adversário, mas pouco criou no quesito de oportunidades claras de marcar.

“É uma coisa que incomoda a todos [a falta de vitórias]. Sabemos que Fluminense
não fez um começo bom, mesmo com boas atuações. Uma vitória em quatro jogos está nos incomodando. Sabemos que temos que ganhar, melhorar isso”, afirmou Nino, zagueiro da equipe.

Leia mais:  Com carretilha e bola na trave de Paquetá, Milan vence o Genoa e sobe na tabela

Até aqui, o Fluminense jogou contra Goiás, na primeira rodada, e Botafogo, no último sábado. Em ambas, o Tricolor saiu derrotado por 1 a 0, apesar de ter criado mais chances do que os rivais. Falta à equipe transformar a posse de bola em balançar a rede adversária.

Leia também: Neymar está proibido de comemorar em campo o título francês do PSG

Fernando Diniz
terá problemas para a partida. Pedro, que sofreu uma lesão no joelho após a partida contra o Botafogo, ainda não está 100% fisicamente, não treinou e está fora do duelo. Além do camisa 9, o volante Airton e o lateral-esquerdo Mascarenhas também não vão entrar em campo.

Fonte: IG Esportes
Comentários Facebook
Continue lendo

Esportes

Há 15 anos sem ganhar títulos de expressão, Luxemburgo tenta renascer no Vasco

Publicado

por


Luxemburgo em apresentação no Vasco
Reprodução / Vasco da Gama
Luxemburgo reinicia sua carreira no Vasco

Há quase dois anos longe do futebol, o técnico Vanderlei Luxemburgo assume o comando do Vasco com duas missões específicas: a primeira é ajudar o clube carioca a fazer uma boa campanha no Campeonato Brasileiro, a segunda é reconstruir sua imagem como um dos principais treinadores do país.

Leia também: Luxemburgo critica Neymar: “Está esquecendo que é jogador de futebol”

Luxemburgo
é o técnico
com mais jogos e vitórias no Brasileirão
, com 330 resultados positivos em 712 partidas, além de ser o maior campeão da história, com cinco conquistas. O “pofexô” tem em seu currículo também a melhor campanha da história dos pontos corridos, com o Cruzeiro, em 2003.

Luxa é sem dúvidas um dos maiores treinadores da história do futebol brasileiro, mas após uma sequência de trabalhos ruins, viu sua carreira ir ladeira abaixo, enquanto sua fama como “ultrapassado” só crescia.

Para se ter noção, o último título de expressão conquistado por Luxemburgo foi em 2004, quando comandou Robinho e Diego na campanha do título brasileiro do Santos. Desde então, o treinador
só levantou troféus em estaduais.

Leia também: Vanderlei Luxemburgo critica Eduardo Bolsonaro: “um ser humano não pensa assim”

Mesmo sem obter grandes resultados nos seus últimos trabalhos, Luxa sempre fez questão de mostrar confiança e autoestima, chegando a discutir algumas vezes com os críticos que o chamavam de ultrapassado
.

Leia mais:  Leicester distribuirá cerveja e cupcakes para celebrar aniversário de Vichai

“Como eu sou desatualizado
, se a maioria das coisas que acontecem hoje no futebol eu iniciei como um cara de vanguarda?”, disse o técnico em uma participação no “Bem, Amigos”, do SporTV, em outubro de 2016.


Luxemburgo
Divulgação
O último trabalho de Vanderlei Luxemburgo foi no Sport

O último trabalho de Luxemburgo foi de maio a outubro de 2017, no Sport. Depois disso, ele até chegou a negociar com o Santos, por exemplo, mas não avançou. Clubes como Palmeiras e São Paulo, que optaram por treinadores experientes recentemente, renegaram o treinador.

No Vasco
, Luxemburgo terá um dos maiores desafios de sua carreira. Com apenas um ponto em quatro rodadas e dez gols sofridos, o Cruz-maltino, que já foi rebaixado três vezes no Campeonato Brasileiro, tem seu pior início de campanha na era dos pontos corridos.

A estreia de Vanderlei Luxemburgo
no comando do clube carioca acontece domingo (19), às 19h, contra o Avaí, no estádio São Januário.

Fonte: IG Esportes
Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana