conecte-se conosco



Esportes

Pelé revela puxão de orelha em Neymar após a Copa e diz que tem receio de morrer

Publicado


Pelé posa com Neymar quando o craque ainda defendia o Santos
Reprodução

Pelé posa com Neymar quando o craque ainda defendia o Santos

Considerado por muitos o melhor jogador de todos os tempos, Edson Arantes do Nascimento, o Pelé, ainda é reverenciado por onde passa e sua opinião é importante em todos os aspectos.

Leia também:  Beckham inicia conversas e quer contratar Neymar para seu time nos EUA

Em entrevista para a Folha de S. Paulo, liberada nesta quarta-feira (05), Pelé falou sobre seleção brasileira, Neymar, Copa do Mundo, saúde, morte e outras coisas.

Depois de três cirurgias nos últimos anos, duas no quadril e uma na coluna, Pelé disse que está muito melhor agora, mas ainda não totalmente recuperado.

“Graças a Deus, estou bem. Fiz três cirurgias nos últimos anos, mas não estou 100% (..) Disse que joguei futebol por 30 anos, 25 no Santos e cinco no Cosmos. Deus só mandou a conta agora. Nos 30 anos de futebol não tive contusão. Mas já estou até dando pique no lugar”, comentou ao repórter Alex Sabino.

Com a saúde fragilizada Pelé admitiu que tem ‘receio de morrer’. “De vez em quando você fica meio preocupado. Senão ninguém tomava remédio. Mesmo sem ser mais atleta, ainda estou pagando a conta”, disse.

Ausência na Copa do Mundo de 2018, Pelé pretende estar bem para acompanhar a seleção em 2022, no Qatar, como torcedor.

Leia mais:  Ex-presidente da FPF é banido do futebol por envolvimento em corrupção

E em relação a atuação da equipe de Tite durante o Mundial, ele tem uma opinião. “A crítica foi injusta à seleção. Na minha maneira de entender, a equipe não se conhecia tanto assim, não estava tão formada. Tivemos o azar de perder. Se tivesse vencido, tudo passava batido. Isso é coisa do futebol”, comentou.

Leia também:  Confira os cinco motivos que tornam impossível volta de Neymar ao Barça

E o fato da equipe não se conhecer direito fez Pelé admitir que para ele é difícil guardar a escalação da seleção brasileira titular. “Até na brincadeira na rua ninguém sabe direito quem é o goleiro da seleção”.

Apesar do grande jejum de títulos mundiais do Brasil (a última taça foi em 2002, na Coreia do Sul), Pelé vê a base brasileira muito respeitada pelo mundo e acredita que as outras seleções melhoraram porque se espelharam na amarelinha. “O que tem de acontecer agora é não desperdiçar o respeito que o resto do mundo tem com a gente”.

Brasileiro mais citado após o Mundial da Rússia, Neymar também foi alvo dos comentários do Rei. De acordo com Pelé, ele conversou com o capitão da seleção e pediu para que o camisa 10 focasse mais no futebol.

“Ficou difícil defender o Neymar por todas essas coisas que ele faz além de jogar futebol. E eu conversei com ele, disse que futebol ele tem e expliquei isso ‘Pô, Deus te deu o dom. O que você fez é que complicou’”.

Leia mais:  Maradona não consegue responder repórter e vídeo de entrevista viraliza. Assista

Para Pelé, Maradona era muito mais jogador do que Lionel Messi
Twitter/Reprodução

Para Pelé, Maradona era muito mais jogador do que Lionel Messi

Nos últimos dez anos no futebol mundial, a afirmação “Messi é o melhor jogador da história” foi muito ouvida e discutida. Perguntado se concordava com a ideia, Pelé disse que é “questão de gosto”, mas que pra ele Maradona era muito melhor que Messi, assim como Beckenbauer e Cruyff.

Leia também:  Ex-zagueiro revela que teve casa incendiada em 85 após trocar Boca pelo River

A atual conjuntura política do país não fugiu a pauta. Questionado, Pelé foi breve e otimista em seu posicionamento “Eu não votei porque estava fora do país. Acho que foi bem escolhido. A gente tem que dar apoio para que dê tudo certo para o governo que está sendo montado. Chegou o momento em que tinha de ser assim. Tem de acreditar”, concluiu.

Comentários Facebook
publicidade

Esportes

Assassino confesso do jogador Daniel recebeu conselhos de policial afastado

Publicado

por

Áudios vazados do WhatsApp e divulgados pela RICTV Curitiba indicam que Edison Brittes Junior, conhecido como Juninho Riqueza, pediu conselhos para o policial civil Edenir Canton, o Gaúcho, que está afastado de seu cargo, antes de confessar ter matado o jogador Daniel Corrêa, em 27 de outubro.

Leia também: Jovem que ficou com Daniel cozinhou strogonoff para assassino após crime


O jogador Daniel Corrêa foi assassinado no dia 27 de outubro
Erico Leonan/São Paulo FC

O jogador Daniel Corrêa foi assassinado no dia 27 de outubro

Em um dos áudios, Canton aconselha a não contratação de Cláudio Dalledone, atual advogado de Juninho, e indica outra pessoa. Antes, o assassino confesso de Daniel afirmou que recebeu a indicação de Gaúcho para contratar um defensor.

“Juninho, sou eu, o Gaúcho. Não vai atrás do Dalledone. Vem aqui. Não vai atrás do Dalledone, senão você vai tomar no c*. Passa aqui que temos que montar uma estratégia técnica, senão o Dalledone só fica na conversa, te prende e você está f***”, disse o policial.

Posteriormente a isso, Edison Brittes enviou mensagens de voz para o advogado Rafael Pellizzetti, dizendo que Canton o havia indicado. Pellizzetti é quem defende o policial em caso de homicídio que aconteceu em 2015 e o afastou do cargo. O caso corre em segredo de Justiça, em Araucária, no Paraná.

Leia também: Em vídeo, mãe de Daniel pede justiça e “punição no maior rigor da lei”

Leia mais:  Elenco de R$3,8 bilhões do Manchester City é o mais caro do mundo. Veja Top 10

“Boa tarde, Pellizetti. Tudo bem? Juninho, indicado do Gaúcho, Edenir Canton . Posso ligar pra você?”, afirmou Juninho. “Doutor, eu preferia encontrar o senhor pessoalmente na hora que o senhor se livrar aí, pode ser?”, acrescentou na sequência.

Vale ressaltar que investigações já haviam mostrado que Brittes e Canton se conheciam anteriormente. O carro Veloster preto que Juninho utilizou no dia da morte de Daniel, por exemplo, já pertenceu ao policial. Canton não é investigado no caso Daniel, mas as gravações mostram a proximidade entre os dois.

O processo ao qual Edenir Canton responde é datado de 28 de abril de 2015, quando Ricardo Geffer foi morto após uma abordagem policial onde o delegado Rubens Recalcatti, que se tornou deputado estadual e já posou em fotos ao lado da família de Brittes, atuava.

Recalcatti e Canton são acusados do assassinato de Geffer ao lado de outros seis policiais. A vítima era suspeita de ter matado João Dirceu Nazzari, ex-prefeito do Rio Branco do Sul, região metropolitana de Curitiba, em 12 de abril de 2015. O caso atualmente está no Tribunal de Justiça do Paraná e pode passar para o STJ, pois um dos acusados é deputado.

Leia também: Justiça aceita denúncia contra acusados pela morte do jogador Daniel

O advogado Claudio Dalledone, que defende a família Brittes no caso Daniel , o qual Edison confessou ter cometido o homicídio, também defende Recalcatti no caso Geffer. Além de Juninho, outras cinco pessoas estão presas acusadas de participação na morte do jogador.

Leia mais:  Maradona não consegue responder repórter e vídeo de entrevista viraliza. Assista

Comentários Facebook
Continue lendo

Esportes

Milan é punido pela Uefa por descumprir o fair play financeiro

Publicado

por

A Uefa anunciou nesta sexta-feira as punições ao Milan por não ter cumprido as regras do fair play financeiro da entidade. Entre as sanções, o clube rossonero não irá receber os 12 milhões de euros (cerca de R$ 53 milhões, na cotação atual) em receitas por ter participado da Liga Europa.

Leia também: Cristiano Ronaldo assumirá crimes fiscais cometidos em sua passagem pelo Real


Gattuso é o atual técnico do Milan e pode ser prejudicado com as punições aplicadas pela Uefa
Divulgação/ACMilan

Gattuso é o atual técnico do Milan e pode ser prejudicado com as punições aplicadas pela Uefa

Além disso, pelas próximas duas temporadas, o Milan não poderá inscrever mais de 21 jogadores para participarem de competições da Uefa, isto é, Liga Europa e Liga dos Campeões.

A entidade que rege o futebol europeu também determinou que o clube de Milão tem até o dia 30 de junho de 2021 para corrigir sua situação financeira. Caso contrário, a agremiação não poderá disputar nenhum campeonato organizado pela a Uefa nas temporadas 2022/2023 e 2023/2024.

Leia também: Neymar brilhando e goiano campeão mundial: o 2018 do poker brasileiro

Na janela de transferências da temporada passada, a agremiação rossonera gastou mais de 200 milhões de euros (R$ 880 milhões) em novas contratações. A gastança despertou a desconfiança da Uefa , alegando que as operações do clube foram “suspeitas”. Na ocasião, o clube italiano precisou pedir um empréstimo ao fundo de investimentos norte-americano Elliot.

Leia mais:  Ex-presidente da FPF é banido do futebol por envolvimento em corrupção

Uma das contratações do Milan nesta temporada foi Higuaín

Leia também: Escândalos sexuais estão entre as polêmicas do esporte em 2018. Veja outras

Além do revés nos tribunais, o Milan também sofreu uma dura derrota nesta quinta-feira (13) em campo. O escrete rossonero perdeu por 3 a 1 para o Olympiacos, da Grécia, e foi eliminado ainda na fase de grupos da Liga Europa.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana