conecte-se conosco

  • banner_Lorenzetti_1250x250

Saúde

Pazuello pede calma para população: “Não é tomar vacina e sair fazendo festa”

Publicado


source

Agência Brasil

Ministro da saúde, Eduardo Pazuello
Reprodução: iG Minas Gerais

Ministro da saúde, Eduardo Pazuello

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello , defendeu nesta quarta-feira(13), a importância de os brasileiros continuarem seguindo as recomendações das autoridades de saúde como forma de tentar conter o aumento do número de casos do novo coronavírus (Sars-Cov-2).

“Todo mundo deve estar focado em salvar vidas. Cada um no seu papel. Se o papel da pessoa é se prevenir para não ficar doente, tomar seus cuidados, manter o afastamento social, este é o papel dela”, disse o ministro, em Manaus, onde apresentou um balanço das ações dos governos federal e estadual para tentar controlar a disseminação do coronavírus no estado.

“Temos que nos cuidar. Temos que seguir as orientações dos gestores. Não adianta lutar contra isto”, disse Pazuello após afirmar que todos têm que colaborar para que o país consiga superar a doença.

“O papel das equipes de mídia é informar, manter a população a par do que está acontecendo para que ela fique calma e confie em quem está trabalhando. O dos empresários é manter suas estruturas funcionando para preservar os empregos das pessoas, mas com a devida prevenção e cuidados médicos”.

O ministro reafirmou que a população brasileira começará a ser vacinada ainda este mês. E que as vacinas cuja segurança e eficácia forem comprovadas serão distribuídas para todo o país ao mesmo tempo, de acordo com a proporção populacional dos grupos considerados prioritários.

Pazuello também ressaltou que a população deverá manter os cuidados que já vêm sendo recomendados, como o uso de máscara, o distanciamento social e a atenção à higiene das mãos e de objetos, mesmo após o início da vacinação.

“Vamos vacinar em janeiro. A vacina induz à produção de anticorpos, mas isto não acontece no dia seguinte. A literatura [médica] fala em 30 a 60 dias. Não é tomar a vacina no dia 20 e, no dia 22 estar na rua fazendo festa”, alertou Pazuello.

Tratamento precoce

O ministro disse que devido à gravidade da situação atual em Manaus , a prioridade deve ser o tratamento precoce nas unidades básicas de saúde. Desde dezembro, o número de casos da covid-19 na capital manauara não para de aumentar:

“Não temos 30 ou 60 dias para esperar a imunização total [de parte da população a partir da aplicação da vacina]. A vacina faz parte de uma estratégia, cujo principal [ação] é o tratamento na unidade básica de saúde, o diagnóstico clínico feito pelo médico”, disse o ministro, acrescentando que não há “como resolver esta situação se não transformarmos o atendimento precoce em prioridade da prefeitura de Manaus”.

Dentre as ações em curso, como a abertura de novos leitos hospitalares para atendimento de pacientes com a Covid-19 e o transporte de cilindros de oxigênio para suprir o aumento da demanda, o ministro mencionou uma parceria com o Hospital Sírio Libanês de “auxílio na gestão hospitalar”.

De acordo com o ministro , a proposta é que especialistas verifiquem os casos de pacientes internados já em condições de deixar os hospitais, abrindo vaga para outras pessoas.

“Na correria, às vezes os médicos estão mais ocupados com salvar alguém do que em ver quem pode ir para lá ou para cá. Então, um apoio externo, neste momento, ajudará nesta responsabilidade. Com isso, pretendemos ter mais 150 leitos [disponíveis] ainda esta semana, por desospitalização para tratamento residencial”, explicou Pazuello.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook

Saúde

OMS: ômicron é ‘muito transmissível’, mas não deve ser motivo para pânico

Publicado

por


source
Ômicron: o que se sabe sobre os três casos confirmados no Brasil
André Biernath – @andre_biernath – Da BBC News Brasil em São Paulo

Ômicron: o que se sabe sobre os três casos confirmados no Brasil

A cientista-chefe da Organização Mundial da Saúde, Soumya Swaminathan, disse à Reuters nesta sexta-feira que, embora a nova variante do coronavírus Ômicron pareça ser muito transmissível, a resposta certa é estar preparado, com cautela e sem pânico.

A OMS pediu aos países que aumentem a capacidade de saúde e vacinem seu povo para combater o aumento de casos de Covid-19 causados ​​pela variante Ômicron, dizendo que as restrições às viagens podem ganhar tempo, mas por si só não são a resposta.

“Até que ponto devemos ficar preocupados? Precisamos estar preparados e cautelosos, não entrar em pânico, porque estamos em uma situação diferente de um ano atrás”, disse Swaminathan durante uma entrevista na conferência Reuters Next.

Embora o surgimento da nova variante não seja bem-vinda, ela disse que o mundo estava muito mais bem preparado devido ao desenvolvimento de vacinas desde o início da pandemia de Covid-19.

Desde que foi descoberta na África do Sul, vários países fecharam suas fronteiras e restringiram voos vindos da região sul do continente africano como uma tentativa de evitar a transmissão da nova cepa. No entanto, mais de 20 países já identificaram a Ômicron em seu território, inclusive o Brasil, que tem cinco casos confirmados.

Leia Também

“Precisamos esperar, espero que seja mais branda … mas é muito cedo para concluir sobre a variante como um todo”, disse Swaminathan ao ser questionada sobre o que se sabia da Ômicron. “A Delta é responsável por 99% das infecções em todo o mundo. Esta variante teria que ser mais transmissível para competir e se tornar dominante em todo o mundo. É possível, mas não dá para prever.”

A principal cientista da OMS disse que a variante Ômicron parecia estar causando três vezes mais infecções do que as experimentadas anteriormente na África do Sul, o que significa que “parece ser capaz de superar parte da imunidade natural de infecções anteriores”.

As vacinas pareciam estar surtindo algum efeito.

“O fato de não estarem ficando doentes … isso significa que as vacinas ainda oferecem proteção e esperamos que continuem a fornecer proteção”, disse Swaminathan.

Questionada sobre a necessidade de reforços de vacinas anuais, ela disse que “a OMS está se preparando para todos os cenários”, que poderia incluir uma dose adicional, particularmente entre alguns grupos de idade ou setores vulneráveis ​​da população, ou uma vacina modificada.

“A infecção natural atua como um impulsionador”, disse a cientista da OMS, acrescentando que embora a nova variante “pudesse ter se originado em um país onde não há muito sequenciamento do genoma”, suas origens não eram conhecidas.

“Talvez nunca saibamos”, finalizou.

Fonte: IG SAÚDE

Continue lendo

Saúde

‘Só uma questão de quando’, diz CEO da BioNTech sobre necessidade de nova vacina

Publicado

por


source
Farmacêutico enche uma seringa para preparar uma dose da vacina Pfizer-BioNTech/Imagem ilustrativa
Patrick T. Fallon/Divulgação

Farmacêutico enche uma seringa para preparar uma dose da vacina Pfizer-BioNTech/Imagem ilustrativa

A empresa alemã BioNTech deve ser capaz de adaptar sua vacina contra o coronavírus de forma relativamente rápida em resposta ao surgimento da variante Ômicron, disse o CEO da BioNTech, Ugur Sahin, na conferência Reuters Next nesta sexta-feira.

Acho que precisaremos de uma nova vacina contra a Covid-19, é uma questão de quando precisaremos dela “, disse Sahin. ” Temos capacidade de adaptar a vacina da Covid-19 relativamente rápido .”

A BioNTech e a Pfizer juntas produziram uma das primeiras vacinas contra a Covid-19 e Sahin também disse que as vacinas deveriam continuar a fornecer proteção contra doenças graves, apesar das mutações.

“Esta variante pode infectar pessoas vacinadas. Estamos confiantes de que as pessoas vacinadas e com a dose de reforço terão proteção suficiente contra a doença grave causada por qualquer tipo (de variante). Saberemos em algumas semanas” , pontuou.

Leia Também

O executivo-chefe da BioNTech disse também que a probabilidade de que as pessoas precisem de uma vacina anual contra o coronavírus, semelhante à vacina contra a gripe, está aumentando.

Ainda há poucas informações sobre a Ômicron, que foi detectada pela primeira vez no sul da África em novembro e já se espalhou para pelo menos duas dezenas de países, incluindo o Brasil.

“Esta variante provavelmente será capaz de infectar pessoas com alta exposição. Essa é uma das coisas que estão ficando cada vez mais claras. Não está claro se essa variante produz doença mais grave” , disse Sahin.

O CEO da BioNTech, cujo trabalho até o surgimento do coronavírus Covid-19 em 2020 foi focado no câncer, disse que a nova variante surgiu mais cedo do que ele esperava, acrescentando que havia antecipado uma em 2022.

Drop here!
Fonte: IG SAÚDE

Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana