conecte-se conosco


Mato Grosso

Parceria com a França proporciona capacitação e troca de experiência com policiais de MT

Publicado

A preocupação com o avanço das organizações criminosas no tráfico de drogas, principalmente, de entorpecente, que sai da fronteira de Mato Grosso e chega aos grandes centros do Brasil e dos países da Europa, foi o ponto mais abordado pelas autoridades presentes na abertura do curso de “Lavagem de Dinheiro no Combate ao Tráfico de Drogas”, promovido pela Embaixada da França no Brasil, em parceria com a Polícia Judiciária Civil de Mato Grosso.

O curso teve início nesta segunda-feira (11.02), no auditório da Federação das Indústrias no Estado de Mato Grosso (Fiemt), na Capital, e segue até a próxima sexta-feira (15). Na abertura, o secretário de Segurança Pública, Alexandre Bustamente, pediu um minuto de silêncio em homenagem ao investigador aposentado, Francisco Barbosa de Aquino, 75 anos, vítima de latrocínio no domingo (10).

Em seguida, Bustamante falou da expertise do Brasil no combate ao tráfico de drogas e na atuação forte do Laboratório de Tecnologia Contra a Lavagem de Dinheiro (LAB-LD), que fica na estrutura da Diretoria Geral da Polícia Civil.  

“Vamos trocar conhecimento e experiências que podem contribuir para que os países que recebem a droga possam saber com quem fazer contato no Brasil e, com isso, criar um enlace para uma grande de investigação na França. Além do conhecimento em si, a da troca de relacionamento é fundamental nesse caso”, disse.

O delegado geral da Polícia Civil, Mário Dermeval de Resende, anunciou a seleção de mais três servidores para compor a equipe do Laboratório e, dessa forma, avançar como uma ferramenta forte de produção de provas da movimentação financeira e tributária das organizações criminosas.

“O crime de lavagem de dinheiro, ao longo dos anos, foi aperfeiçoado para que os produtos de seus delitos não fossem descobertos. O mais peculiar em Mato Grosso avaliamos estar vinculado ao setor imobiliário, que de forma generalizada utiliza da fronteira internacional, gigante e frágil para o tráfico de drogas, que alimenta 80% do mercado brasileiro, com pasta base e cocaína”, pontuou o delegado.

O presidente do Sistema Fiemt, Gustavo Oliveira, recepcionou os convidados e ressaltou a importância do tema “combate ao tráfico de drogas”, que se tornou um drama real na sociedade, impactando em muitas vidas. “Temos um projeto já há 6 anos, que se chama Multiação, que nos coloca em contato com a  população. A partir dele a gente percebe como a questão das drogas é hoje um drama real das famílias”, destacou. 

Leia mais:  Mulher é presa com pasta base de cocaína esfarelada em Sapezal

Presente no evento, o desembargador Marcos Machado, que representou o presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, Carlos Alberto Alves da Rocha, fez apontamentos importantes sobre a realidade do tráfico de entorpecentes. Ele também parabenizou a iniciativa do Governo Francês em promover o curso em Mato Grosso, que faz fronteira com o principal fornecedor de pasta base e cocaína.

“O Estado é um verdadeiro laboratório para essa capacitação, pois a cocaína chega aqui de mototáxi, avião, ônibu ou carro de passeio e já não somos mais apenas rota, também temoms um grande mercado consumidor, não só da cocaína pura, mas da merla e do crack”, afirmou o desembargador, que aponta para mudanças na legislação de modo a contemplar as variações que implicam o uso e a comercialização das drogas e suas variações.

A senadora por Mato Grosso, Selma Arruda, disse que a iniciativa do curso é uma resistência do Estado às forças que convergem a favor das organizações criminosas. “Esse tipo de iniciativa, principalmente, em que há trocas de experiências com culturas legislativas mais avançadas do que a nossa vão ajudar no combate ao crime”.

Troca de experiência

O comandante da Polícia Nacional Francesa, Serge Giordano, que é Adido-Adjunto na Embaixada da França no Brasil, informou que grande parte da cocaína que entra na França vem do Brasil e como a fonte é a Bolívia, Peru a Colômbia, o governo francês trabalha com esses países para minimizar o problema, visando encontrar uma solução conjunta com as policiais locais para diminuir o impacto na sociedade, no Brasil e na Europa.

O diretor do Centro Interminesterial de Formação de Anti-Drogas da França (CIFAD), tenente-coronel Pierre Fernandez, explicou que o trabalho desenvolvido pelo CIFAD, que existe já há 27 anos, é o único no mundo na coordenação de trabalhos junto ao Exército, as polícias e os aduaneiros.

Leia mais:  Efetivo Feminino: MT tem o maior número de mulheres nas forças policiais da região Centro-Oeste

“Trabalhamos em mais 20 países da América do Sul, Central e Caribe. Nossa ação é intervir entre a oferta e a demanda da cocaína e de todas as drogas. A Embaixada França propôs ao Brasil o catálogo de formação deles e o Brasil escolheu a lavagem de dinheiro. Mato Grosso foi escolhido e viemos aqui por conta de um pedido da Polícia Civil e da Embaixada da França”, disse.

A abertura do curso também contou com a presença do Consul Honorário da França no Brasil, Pascal Edourad Crepini. A capacitação conta com tradução simultânea das aulas ministradas por dois policiais franceses.  

Instrutores

O curso tem duração de cinco dias (com 40 horas/aulas), iniciando nesta segunda-feira. Os primeiros quatro dias ficarão a cargo de dois policiais franceses, a capitã da Polícia Nacional Francesa, Sylvie Flamand, que é especializada na luta contra crimes financeiros, lavagem de dinheiro e a apreensão de bens adquiridos por meio de crimes e o tenente-coronel Pierre Fernandez, da Gendarmerie National Francesa, que é diretor do Centro Interministerial de Formação Anti-Droga (CIFAD) desde agosto de 2017. 

A capitã Sylvie trabalha no Centro Interministerial de Formação Anti-Droga (CIFAD), desde março de 2015. O encerramento se dará com palestras dos delegados da Polícia Civil do Rio Grande do Sul, Cristiano Reschke e Felipe Bringhente, especializados também no tema de lavagem de capitais. Os dois delegados vão apresentar casos de boas práticas utilizados no Estado do Rio Grande do Sul, sobre o efetivo combate ao crime organizado e aplicação da  inteligência nas investigações sobre à lavagem de dinheiro.

“São estudos de casos práticos voltados à proteção da sociedade e da rede financeira face ao enfrentamento da criminalidade organizada”, explicou o diretor de Inteligência da PJC, Juliano Silva de Carvalho.


As disciplinas abordarão assuntos ligados às questões do tráfico de drogas e lavagem de dinheiro: Geoestratégia e drogas; Os crimes de lavagem de dinheiro e a não-justificação de recursos; Lavagem de dinheiro: definição, tipologias e técnicas; A investigação patrimonial; Apreensão de aquisições advinda do crime, e aulas práticas.

Fonte: GOV MT
Comentários Facebook
publicidade

Mato Grosso

Alunos demonstram potencial em Olímpiada Nacional de Ciências

Publicado

por

A Escola Estadual 12 de Abril, localizada no município de Tabaporã (a 643 quilômetros ao médio-norte de Cuiabá), realizou a 1ª etapa da Olímpiada Nacional de Ciências (ONC) para 36 alunos do ensino médio. Os estudantes responderam a 15 questões objetivas de física, química, biologia e astronomia. A prova ocorreu na sexta-feira (16.08), nas dependências da escola.

A estudante Hilary Maria relata que teve uma experiência positiva nessa primeira fase da ONC e agora está na expectativa de realizar a segunda etapa. “Foi uma experiência incrível porque proporcionou várias oportunidades. Se eu for para a próxima etapa, que é a estadual, ficaria muito feliz”, frisa.

Para a aluna Maria Luiza, passar da segunda para a terceira fase nacional será uma grande conquista, pois os vencedores ganharão, não só medalhas ou bolsa de estudo, mas grande visibilidade. “É uma oportunidade de crescermos no conhecimento em ciências”, ressalta.

Segundo a professora de física Ângela Gargioni, responsável pela organização da ONC na escola, os alunos classificados para a segunda fase deverão ser avaliados com questões subjetivas e experiências dos estudantes.  O resultado dos aprovados para a segunda fase será divulgado no dia 30 de agosto, mas a expectativa é que todos participem.

“Na segunda etapa, os alunos apresentam um trabalho prático, poderão demonstrar o potencial que identificamos dentro da ONC e que tenham perfil na área de ciências. Foi uma surpresa positiva nessa primeira participação dos nossos alunos porque estudamos de forma intensiva. Como professora de física, me sinto lisonjeada pelo empenho de nossos alunos”, comemora.

Leia mais:  Escola Nacional de Defesa do Consumidor oferta quatro cursos gratuitos no ensino à distância

ONC

A ONC é uma promoção do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e constitui um programa das Sociedade Brasileira de Física (SBF), Associação Brasileira de Química (ABQ) e Instituto Butantã, responsáveis por sua execução.

O foco da ONC é despertar e estimular o interesse pelo estudo das ciências naturais, física, química, biologia e astronomia. A competição é dividida em três etapas.

O estabelecimento de ensino que participar da 1ª fase terá automaticamente inscritos para a 2ª fase todos os estudantes que atingirem o número mínimo de acertos estipulado pela Comissão da ONC.

As provas da 2ª fase serão aplicadas em um sábado, nas subcoordenações estaduais definidas por cada comissão estadual, na data determinada no calendário da ONC, aprovado e publicado na página de divulgação digital da ONC de cada ano. A premiação dos alunos compreenderá dois níveis: estadual e nacional. A ONC concederá até 5.000 medalhas divididas em três categorias: ouro, prata, bronze.


Além disso, todos os que receberem medalhas e menção honrosa receberão seus certificados impressos. O número de medalhas em cada categoria dependerá do desempenho dos estudantes em cada série/ano.

Fonte: GOV MT
Comentários Facebook
Continue lendo

Mato Grosso

Pessoa com deficiência e bullying foram temas de palestras para comunidade escolar

Publicado

por

A Escola Estadual Alfredo Treuherz, localizada na região de Nova Fronteira, em Tabaporã (643 quilômetros a Médio-Norte da Capital), foi palco de uma palestra sobre a Inclusão da Pessoa com Deficiência e Bullying. O encontro possibilitou a interação dos participantes que tiraram as dúvidas sobre o assunto. A palestra ocorreu na última sexta-feira (16.08) e teve participação dos alunos da escola e da comunidade escolar.

Segundo a diretora Claudia Reffatti Grassi, o tema foi escolhido pois a escola atende a alunos com algum tipo de deficiência. Com a ajuda da mãe de uma aluna especial, conseguiram levar Tais Augusta de Paula, da Casa Civil de Mato Grosso, e Luiz Carlos Grassi, do Conselho Estadual da Pessoa com Deficiência (Conede) para falar sobre o assunto.

“A palestra foi muito importante, tendo em vista que enfrentamos desafios no dia a dia escolar e precisamos estar capacitados para atender aos alunos da melhor maneira possível. A comunidade escolar, que participou em peso, gostou muito da maneira como foi abordado o tema em questão”, ressalta.


A EE Alfredo Treuherz atende 207 alunos matriculados nos ensinos fundamental e médio.

Fonte: GOV MT
Comentários Facebook
Leia mais:  Ministério e Secretaria de Saúde alertam para prevenção ao sarampo
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana