conecte-se conosco


Nacional

Pai é preso vendendo drogas para pagar dívida de filho com o tráfico

Publicado

source
Homem algemado com rosto borrado arrow-options
Secretaria de Segurança Pública do Amazonas / Divulgação

Pai foi preso por vender drogas para pagar dívida de filho com o tráfico

Um homem foi preso em flagrante no bairro de Jorge Teixeira, em Manaus, por vender drogas para pagar dívida de filho com o tráfico local. Policiais encontraram cocaína, oxi e maconha entre as substâncias presentes na casa de Edvaldo Valente Peres, de 40 anos.


Leia também: Traficantes deram corpos de oito jovens a porcos, aponta investigação no Rio

Segundo a polícia, uma denúncia anônima os levou até o pai do rapaz. “Durante as diligências identificamos que o infrator não estava vendendo drogas para obter lucro financeiro próprio, mas sim para quitar uma dívida de tráfico de drogas feita pelo filho dele. Em razão dessa dívida, ele passou a comercializar entorpecentes para um outro traficante”, explicou o delegado Torquato Mozer.

Edvaldo foi levado ao 30º Departamento Integrado de Polícia. Lá, foi autuado por tráfico de drogas e encaminhado para audiência de custódia no Fórum Ministro Henoch da Silva Reis.

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
Leia mais:  Avião de pequeno porte cai próximo ao aeroporto de Manaus e deixa dez feridos

Nacional

‘Governo Bolsonaro não acredita em liberdade de imprensa’, diz Glenn

Publicado

por

source
Glenn Greenwald arrow-options
Daryan Dorneles

O jornalista Glenn Greenwald

O Ministério Público Federal denunciou, nesta terça-feira (21), o jornalista Glenn Greenwald, do The Intercept Brasil , e outras setes pessoas por hackeamento de mensagens de autoridades, como o ministro Sérgio Moro. Glenn , no entanto, afirma que não cometeu nenhum crime, “sempre fiz meu trabalho como jornalista com muita cautela”.

Leia também: Homem usa bomba de chimarrão para agredir e matar ex-namorada em Porto Alegre

“É um ataque contra a imprensa livre. O governo Bolsonaro não acredita em liberdade de imprensa’, afirmou o jornalista em nota oficial. Ele defende que desde o início da divulgação das reportagens da Vaza Jato , Moro os “classificou como ‘aliados dos hackers’ por revelar sua corrupção, em vez de ‘jornalistas’”. 

O jornalista afirma que a denúncia é uma tentativa de atacar a imprensa em retaliação pelas revelações feitas pelas reportagens do The Intercept sobre Moro e o governo Bolsonaro. “Não seremos intimidados por essas tentativas tirânicas de silenciar jornalistas”, defende.

Leia também: Jovem morre afogada em cachoeira após tirar selfie com amiga

Glenn também argumenta que o procurador da República Wellington Divino Marques de Oliveira – que apresentou a denúncia contra ele – foi o mesmo a denunciar o presidente da OAB, Felipe Santa Cruz, por calúnia contra Moro . “O procurador está abusando do seu cargo”, diz.

Glenn também argumenta que a Polícia Federal examinou as mesmas evidências que o Ministério Público e o declarou inocente. “Eu não fiz nada além do meu trabalho como jornalista – dentro da ética e da lei”


“Nós vamos defender uma imprensa livre. Não seremos intimidados pelo abuso do aparato do estado nem pelo governo Bolsonaro”, concluiu o jornalista.

Leia mais:  Assaltantes roubam doações de Páscoa para crianças com câncer, no Rio

Leia também: Guarda de parque morre após ser agredido por pedir para grupo parar de fumar

Assista ao depoimento de Glenn e veja na íntegra a nota oficial sobre sobre a denúncia:

Nota glenn arrow-options
Divulgação

Nota do jornalista Glenn Greenwald


Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

Mortes em confrontos com a polícia no Rio de Janeiro batem recorde em 2019

Publicado

por

source
Wilson Witzel arrow-options
Nelson Perez / GovRJ

Primeiro ano do governo de Wilson Witzel resultou em 1.810 mortes em confrontos contra a polícia.

As mortes em confronto com a polícia bateram recorde histórico do índice no Rio em 2019 , primeiro ano de governo de Wilson Witzel . De acordo com números do Instituto de Segurança Pública (ISP) divulgados nesta terça-feira, foram 1.810 casos ao longo do ano passado. É o maior número registrado desde 1998, início da série histórica. A quantidade de mortes em confronto com a polícia vêm em escalada no Rio desde 2017. No ano, foram registrados 1.127 casos no estado. Em 2018, foram 1.534.

Leia também: Moradores começam a deixar prédios da Muzema para inspeção de risco 

A quantidade de mortes provocadas por policiais representou 30,34% dos casos de letalidade violenta (soma de homicídio doloso, morte por intervenção de agente do estado, roubo seguido de morte e lesão corporal seguida de morte) registrados no estado em 2019. Isso significa que três em cada dez mortes intencionais no estado foram cometidas por policiais.


Apesar dos números ainda elevados, a quantidade de mortes provocadas por policiais vem caindo nos últimos meses. Foram 195 casos em julho, 173 em agosto, 154 em setembro, 144 em outubro, 135 em novembro e 124 em dezembro.

Os homicídios dolosos também caíram no estado. A diminuição foi de 19,3%, de 4950 (2018) para 3995 (2019). Foi a primeira vez, desde 1991, que o número ficou abaixo de 4 mil mortes no ano.

Leia mais:  Ministro gera polêmica ao mostrar comercial em que Chevrolet provoca brasileiros

Os roubos também apresentaram queda. O de veículos passou de 52097 (2018) para 39749 (2019), uma redução de 23,7%. O roubos a pedestres reduziu 11,4%. Foram 78.303 registros no ano passado, o menor número desde 2015. Já o roubo em ônibus, que apresentou uma tendência de alta durante o ano passado, terminou 2019 com uma pequena redução, de 1,8%, passando de 15.660 em 2018 para 15.379 em 2019 .

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana