conecte-se conosco


Polícia

Operação da Polícia Civil apreende documentos e cartões de indígenas retidos em poder de agiotas

Publicado

Assessoria | PJC-MT

Três mandados de busca e apreensão domiciliar com objetivo de apurar crimes de usura, apropriação indébita e estelionato praticados contra indígenas da etnia Xavante foram cumpridos pela Polícia Judiciária Civil,  na operação A’uwe deflagrada, na quinta-feira (21.03), pela Delegacia Especializada de Roubos e Furtos (Derf) de Barra do Garças (509 km a Leste).

Segundo o delegado da Derf, Wyliney Santana Borges, a operação denominada “A’uwe” (que significa “Povo Xavante” na linguagem indígena), resultou na maior apreensão de documentos e cartões bancários pertencentes a indígenas em poder de agiotas no Estado de Mato Grosso.

As investigações demonstram que os suspeitos emprestam dinheiro para os indígenas, cobrando juros que variam entre 10% a 40% mensais, e como garantia de recebimento, retém os cartões bancários com as respectivas senhas das vítimas, somente devolvendo quando recebem o valor emprestado acrescido de juros.

Durante as buscas nas residências dos suspeitos, foram apreendidos 135 cartões bancários com senha dos indígenas, incluindo do programa federal “Bolsa Família”, além de 242 documentos pessoais e oficiais de índios, dentre eles carteira de trabalho, RGs, CPFs e títulos de eleitor.

Em uma das casas, foram encontradas ainda duas máquinas de cartões, que eram utilizadas para passar os cartões das vítimas, em que o dinheiro tinha como destino a conta bancária de um dos investigados, evitando que precisassem ir ao banco para sacar os valores.

Wilyney Santana explica que devido aos juros exorbitantes as vítimas entram em um ciclo que pode durar anos. “Neste período o indígena fica sem nenhum controle do recebimento de salário, aposentadorias e benefícios que recebem, e como precisam de dinheiro para sua subsistência, voltam novamente nos suspeitos, alimentando o ciclo interminável de empréstimos”, disse o delegado.

As investigações prosseguem tramitando pela Derf de Barra do Garças.

 

 

Fonte: PJC MT
Comentários Facebook

Polícia

Polícia Civil recebe doação de materiais para desinfecção de delegacias da área metropolitana

Publicado

por

Assessoria/Polícia Civil-MT

A Polícia Civil recebeu materiais e equipamentos de proteção individual que serão utilizados para a desinfecção das unidades de Cuiabá e de Várzea Grande. As centrais de flagrantes, por ter maior número de servidores, pessoas conduzidas e usuários, passarão pela desinfecção com maior regularidade.

As bombas pulverizadoras com costais, uniformes de proteção, luvas, máscaras e botas foram doadas pelo delegado Marcos Veloso. Ele viabilizou ainda com a empresa de saneamento Águas Cuiabá, a doação de 150 litros de cloro que será utilizado para a desinfecção de ambientes nas delegacias.

Para o delegado-geral da Polícia Civil, Mário Dermeval de Resende, as doações representam o espírito de união que foi estabelecido em um momento como o que todos estão vivendo, em função da pandemia da Covid-19, incluindo os servidores da segurança pública que prestam serviço essencial. “Empresas se uniram ao Governo de Mato Grosso, colaborando com essas doações de materiais imprescindíveis, diante da necessidade de prevenção de nossos policiais que estão nas unidades atendendo ocorrências, registrando flagrantes, enfim, serviços que não podem parar. Agradeço imensamente a colaboração, pois este é um o momento em que todos devemos zelar e seguir as recomendações sanitárias, a fim de evitar a propagação do coronavírus”.

Foram doados dez conjuntos de roupas protetoras, quatro pares de botas de borracha, 08 pares de luvas de borracha e a 50 máscaras para que realização da desinfecção com segurança. “A ação de higienização busca resguardar a integridade física de todos e buscamos, desta forma, auxiliar os profissionais que estão na linha de frente neste momento”, afirmou Veloso.

O material foi entregue nesta sexta-feira (03.04) à diretoria da Polícia Civil.

Passarão pela higienização todas as delegacias, especialmente as que tem maior fluxo de atendimento e circulação de pessoas, como as centrais de flagrantes de Cuiabá e de Várzea Grande e a central de ocorrências localizada no prédio da 1a Delegacia da Capital.

Fonte: PJC MT
Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Delegacia de Entorpecentes conclui 211 inquéritos com 52 presos no trimestre

Publicado

por

Assessoria | PJC-MT

Desenvolvendo o planejamento operacional de suas ações por período, a Delegacia Especializada de Repressão a Entorpecentes (DRE) atua diariamente no combate ao comércio de drogas, seja o tráfico doméstico (desenvolvido em pequenas bocas de fumo em bairros) ou em investigações mais complexas como as de tráfico interestadual que movimenta grandes quantidades de substâncias ilícitas.

Com base neste plano operacional, a especializada fechou o primeiro trimestre de 2020 com 52 pessoas presas e 211 inquéritos policiais concluídos.

As ações realizadas entre janeiro e março deste ano, resultaram ainda na apreensão de aproximadamente 35 quilos de drogas entre maconha (18,6 kg), cocaína (5,3 kg) e outras substâncias (10,5kg), além da apreensão de 16 veículos (carros e motocicletas), 13 armas de fogo e diversos apetrechos relacionados ao trafico e objetos de origem ilícita.

As investigações individuais e também realizadas com apoio de outras instituições como a Polícia Militar, Centro Integrado de Operações Aéreas (CIOPaer), Pericia Oficial e Identificação Técnica (Politec) e outras unidades da Polícia Civil e instituições de segurança, contam com apoio do Ministério Público e do Poder Judiciário para poder alcançar o número expressivo de prisões, apreensões e de inquéritos concluídos pela unidade.

Segundo o delegado titular da DRE, Vitor Hugo Bruzulato Teixeira, o planejamento criado para especializada inclui metas para os policiais; ações integradas com outros órgãos; trabalho operacional aliado inteligência policial da unidade e apoio da sociedade através de denúncias que são recebidas diariamente via número 197.

“Todo esse conjunto de estratégias vem fortalecendo o trabalho da delegacia, que trabalha em diferentes vertentes, uma vez que o tráfico de drogas é um crime equiparado ao hediondo, sendo um dos que mais traz consequências, fomentando outros crimes contra o patrimônio, homicídios e trazendo tragédias na vida de famílias que tem usuários”, disse o delegado.

Metodologia de Trabalho

Os trabalhos da Delegacia de Repressão a Entorpecentes têm dois focos principais, o combate ao tráfico interestadual e de grandes carregamentos de entorpecentes, praticados por organizações criminosas especializadas no fornecimento e distribuição de drogas para todo estado e o combate ao tráfico doméstico ou “formiguinha” que tem como característica o comércio de drogas em pequenas quantidades, realizados em bairros da cidade.

O combate ao tráfico interestadual é realizado por meio de investigações avançadas, que exigem planejamento, fortalecimento da inteligência policial e trabalho integrado, para desarticulação do grupo criminoso envolvido com o crime. Já o tráfico doméstico é identificado através das investigações de rotina e denúncias anônimas, e reprimido por meio de ações diárias e cumprimento de mandados de busca e apreensão domiciliar.

Incineração

Outro trabalho realizado pela DRE no primeiro trimestre de 2020 foi a incineração de mais de 1,6 mil quilos de drogas apreendidos pela equipe da Delegacia Especializada de Trânsito (Deletran), próximo ao Rio dos Couros, na zona rural de Cuiabá. O grande carregamento de entorpecente, apreendido no dia 11 de março, estava camuflado em um caminhão.

A incineração da droga foi realizada pela DRE após autorização da Justiça. Vitor Hugo Teixeira explica que a destruição imediata do carregamento de maconha era essencial em razão da grande quantidade de droga e do alto valor da mercadoria ilícita.

Covid-19

Vitor Hugo destaca que diante da pandemia do novo coronavírus (Covid-19), foi percebida uma redução em grande parte das incidências criminais. Esse fato não ocorreu em relação ao tráfico de drogas, uma vez que diante do isolamento social a tendência é que o dependente químico continue em busca da droga.

“A ociosidade por parte do usuário aumento o desejo pelo consumo de drogas, e o comércio ilícito é facilitado pelo fato de alguns traficantes atuarem pelo sistema delivery. A DRE está atenta a situação, monitorando suspeitos e checando denúncias nesse sentido”, disse o delegado.

O delegado ressaltou ainda que todo resultado da delegacia se deve a união e empenho dos policiais, escrivães e investigadores, que mesmo nesse período de isolamento não medem esforços para estar na rua, investigando, identificando e prendendo envolvidos com o tráfico de drogas.

 

 

Fonte: PJC MT
Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana