conecte-se conosco


Nacional

Novo secretário de Segurança de São Paulo planeja aumento salarial de policiais

Publicado


Em entrevista, novo secretário de Segurança de São Paulo fala sobre planos de aumento salarial de policiais e letalidade zero
Reprodução YouTube
Em entrevista, novo secretário de Segurança de São Paulo fala sobre planos de aumento salarial de policiais e letalidade zero

Entre os principais tópicos discutidos da entrevista está o déficit de efetivo das polícias, questão que o novo secretário, há uma semana no cargo, classificou como “considerável”, pontuando que atualmente na Polícia Militar, são mais de 11 mil cargos vagos e 8 mil na Polícia Civil. Segundo Campos, a orientação do governador João Doria é para que a recomposição de pessoal seja realizada numa diagonal, observando os tetos orçamentários, mas realizando um grande esforço para a melhoria na segurança.

Leia também: Doria diz que pintura de 5.500 escolas estaduais será feita por presos

Outro assunto abordado na entrevista foi o aumento de salário para policiais, discussão que há tempos vem gerando uma série de polêmicas. Sobre o tema, o secretário de Segurança Pública
afirmou fazer parte do objetivo de sua gestão.

“No meu entendimento, a solução da segurança pública passa por um triângulo equilátero, onde em um dos vértices trabalhamos a tecnologia – não se faz segurança pública sem tecnologia -, em outra ponta há a gestão, particularmente a inteligência, e no outro vértice há a valorização do pessoal, onde está também a recomposição salarial”, disse o general João Camilo Pires de Campos.

Leia também: Doria anuncia 10º ex-integrante da equipe de Temer no governo de São Paulo

Leia mais:  Maia indica Marcelo Freixo para analisar pacote anticrime de Moro

Sobre um dos tópicos mais fervorosos desde a campanha do presidente Jair Bolsonaro, a intenção de facilitar a posse de arma de fogo, o secretário de Segurança
não apresentou críticas, nem tão pouco apoiou abertamente. “Sinceramente, não vejo como gravoso a posse da arma para o cidadão de bem, aquele cidadão que tem condições técnicas e psicológicas e pode manter sua arma segura”, afirmou.

Diante da onda de violência que assola o Estado do Ceará, o novo secretário de Segurança
afirmou que sempre irá atuar com rigor perante organizações criminosas. Campos citou como exemplo sua atuação nas ocupações das comunidades do Rio de Janeiro, no Complexo da Maré e no Haiti. Com relação a ações futuras, o secretário planeja realizar operações conjuntas envolvendo a Polícia Federal e a Polícia Rodoviária Federal.

Questionado sobre as promessas do governador João Doria, o general João Camilo Pires de Campos
foi categórico: “Serão cumpridas. O batalhão de ações especiais tem treinamento tipo Rota, que é a grande reserva que temos e pode ser deslocada para onde for. O Baep vai ser algo que vamos colocar nos vários comandos de policiamento do interior, da capital, como elementos de emprego imediato. Isso vai ocorrer”, disse.

Leia também: “São Paulo vai mudar, agora tem comando”, diz Doria durante cerimônia de posse

Por fim, o último tema abordado sobre os principais objetivos da nova gestão, foi a letalidade em ações policiais. O secretário de Segurança
apresentou o índice do ano passado de janeiro a novembro na Polícia Militar, que foi de 585 mortes decorrentes de ações policiais, realizando um comparativo do número de mortes com a população do Estado de São Paulo (45 milhões). “A letalidade ideal para mim é zero, mas o policial tem de se proteger”, concluiu o novo secretário.


Fonte:
Estadão Conteúdo

Leia mais:  Cursos mais bem avaliados serão poupados do bloqueio de pesquisas, diz Capes

Comentários Facebook
publicidade

Nacional

Sérgio Cabral está apto a receber visitas íntimas de Adriana Ancelmo na cadeia

Publicado

por

Sergio Cabral e Adriana Ancelmo
Paulo Araújo/Agência O Dia
Sérgio Cabral e a ex-primeira-dama Adriana Ancelmo poderão ter encontros íntimos em Bangu 8

ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral (MDB) foi classificado pela Secretaria de Administração Penitenciária (Seap) como apto a receber visita íntima da ex-primeira-dama Adriana Ancelmo em Bangu 8, na zona oeste do Rio.

Mas apesar de ter tido o direito concedido há aproximadamente dois meses,  Sérgio Cabral ainda não está autorizado a exercê-lo porque tem um processo administrativo em curso.

Adriana Ancelmo
Fernando Frazão/Agência Brasil – 10.5.17
Esposa do ex-governador Sérgio Cabral, Adriana Ancelmo

Para o preso exercer o direito à visita íntima, ele solicita à assistência social do presídio. Assim, o trâmite é iniciado na cadeia para, posteriormente, ser chancelado pela Seap. No entanto, esse direito não pode ser exercido enquanto há contra o preso algum procedimento administrativo em tramitação.

No caso de Cabral, ele respondia a um por ter sido flagrado na cadeia com mais dinheiro do que o permitido , que foi arquivado posteriormente.

Mas, como o ex-governador foi punido pela Seap em outro caso, o da videoteca, ele continua sem poder receber a visita íntima .

Quando a punição for encerrada, ele poderá entrar na escala da secretaria para passar a exercer efetivamente o direito e reencontrar Adriana Ancelmo em encontros íntimos.


Leia também: Adriana Ancelmo usou carteira da OAB para visitar Sérgio Cabral na cadeia

Leia mais:  Após briga com ex-mulher, pai queima própria filha viva dentro de carro nos EUA

Relembre as joias de Adriana Ancelmo apreendidas pela PF:


Fonte: IG Política
Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

STF adia julgamento de suspeição de Moro no caso Lula para semestre que vem

Publicado

por

Lula
Foto: Miguel Schincariol/Agência O Globo
Parcialidade de Moro no caso Lula ficará para ser analisada pelo STF apenas no semestre que vem

Previsto para a próxima terça-feira (25), o julgamento da suspeição do ex-juiz e atual ministro da Justiça Sergio Moro, no caso do tríplex do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, será adiado pelo Supremo Tribunal Federal (STF). De acordo com a coluna da Mônica Bergamo, do jornal Folha de S.Paulo , o adiamento se dá a pedido do ministro Gilmar Mendes. 

Leia também: Dodge diz ser contra anulação da sentença de Lula no caso tríplex

Neste pedido de habeas corpus, a defesa de Lula alega que Moro foi parcial no julgamento do ex-presidente e, por isso, pede a anulação da setença proferida pelo então juiz ao petista. Porém, a presidente da Segunda Turma do STF, Cármen Lúcia, colocou o caso no último lugar da fila, o que poderia resultar em seu adiamento.

Segundo a coluna, o ministro Gilmar Mendes concluiu que não haveria tempo hábil para debater o caso de Moro , pois apenas o voto dele já tem mais de 40 páginas. Portanto, o ministro decidiu pelo adiamento da discussão, que ficará apenas para o semestre que vem, dado que o judiciário entrará em recesso durante o mês de julho.

Apesar disso, o Supremo ainda terá uma semana decisiva pela frente . Afinal, a corte vai encarar outra decisão importante: o julgamento das ações que questionam os decretos do presidente Jair Bolsonaro que flexibilizaram o porte e a posse de armas. 

Leia mais:  Menino é resgatado após ficar para o lado de fora de janela no 13º andar; veja

No caso do decreto das armas, a situação é semelhante: é pouco provável que a votação seja concluída ainda neste semestre. Será a penúltima sessão da Corte antes do recesso de julho. Como já há outros processos pautados para as duas sessões seguintes, a tendência é que não haja tempo suficiente para os onze ministros votarem o tema, que deve voltar a ser analisado depois do recesso.

Leia também: Lava Jato repudia vazamentos sobre afastamento de procuradora: “Notícia falsa”


Os ministros estão divididos sobre o assunto. Alguns deles consideram prudente que a decisão sobre o assunto seja tomada primeiro pelo Congresso — ainda mais depois que o Senado derrubou o decreto e agora a Câmara fará sua análise. Outros entendem que o  STF  não deve abrir mão de seu papel de declarar a medida inconstitucional, se assim a compreender.

Fonte: IG Política
Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana