conecte-se conosco


Economia

Nova cédula de bolívar venezuelano vale mais que salário mínimo no país

Publicado

bolivar venezuelano
Reprodução
A nova cédula de 50 mil bolívares soberanos supera o valor do salário mínimo na Venezuela, atualmente em US$ 6,50

O Banco Central da Venezuela (BCV) vai emitir uma nova cédula de bolívar soberano que multiplica por 100 a atual de maior valor (500). A partir de quinta-feira (13), passarão a circular novas notas de 10 mil, 20 mil e 50 mil bolívares, sendo esta última equivalente a US$ 8,10 (ou pouco mais de R$ 31).

Leia também: Maduro anuncia aumento de 300% no salário mínimo da Venezuela

A nova cédula de 50 mil bolívares soberanos supera o valor do salário mínimo na Venezuela , atualmente em US$ 6,50 (R$ 25). No país, que passa por uma grave crise econômica, política e social, é possível comprar dois quilos de carne com esta quantia. Com 500 bolívares, antiga cédula mais alta, não dá nem para comprar um ovo – que custa 900.

As novas notas fazem parte de um plano monetário que entrou em vigor no dia 20 de agosto de 2018 e cortou cinco zeros da moeda venezuelana. A incorporação das novas cédulas, segundo nota oficial do BCV, busca “tornar mais eficiente o sistema de pagamentos e facilitar as transações comerciais”.

Inflação

No último dia 29,  o governo da Venezuela quebrou o silêncio e revelou dados sobre a inflação oficial do país, que ficou em 130.060% em 2018. Foi a primeira vez que o BCV divulgou indicadores econômicos desde 2015. Os números também revelaram que a economia do país retraiu quase pela metade desde que Nicolás Maduro assumiu o poder.

Leia mais:  Reforma da Previdência deve igualar regras para novos políticos às do INSS

A enorme inflação aponta para um grande aumento no custo de vida na Venezuela, mas ainda está muito abaixo das estimativas do Fundo Monetário Internacional (FMI). Segundo o órgão, o índice do ano passado no país foi de 1.370.000% e, neste ano, o número deve ultrapassar 10.000.000%.

Leia também: Anistia pede que ONU investigue Maduro por violação de direitos humanos


Em 2016, de acordo com o BCV, a inflação chegou a 274,4%. Em 2017, chegou a 862,6% e, no ano passado, ultrapassou os 100.000%, a marca mais alta da história do País. Para os primeiros quatro meses de 2019, as estimativas divulgadas por Caracas também são inferiores aos números previstos pela Assembleia Nacional: enquanto a inflação oficial é calculada em 666%, os números coletados pelo Legislativo indicam 1.047%.

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
publicidade

Economia

Novo acordo da Lava Jato prevê devolução de R$ 819 milhões à Petrobras

Publicado

por

sede da petrobras
Fernando Frazão/Agência Brasil
Documento se refere a ilícitos cometidos por cerca de 40 pessoas ligadas ao grupo Technip em prejuízo da Petrobras

Um acordo de leniência firmado pela força-tarefa da Operação Lava Jato em Curitiba com o grupo Technip prevê a devolução de R$ 819 milhões à Petrobras. O anúncio foi feito pelo Ministério Público Federal (MPF) nesta terça-feira (25), faltando apenas a homologação do acordo pela 5ª Câmara de Coordenação e Revisão do MPF (5CCR) para que seja concretizado.

Leia também: Governo projeta redução de 40% no preço do gás sem monopólio da Petrobras

O documento, que se refere a ilícitos cometidos por cerca de 40 pessoas ligadas à Technip em prejuízo da Petrobras , foi firmado no último dia 24 de junho. A empresa participou da construção de pelo menos cinco plataformas de petróleo da Petrobras e foi delatada por um operador financeiro. Depois disso, buscou as autoridades brasileiras para confessar os crimes.

Segundo o MPF do Paraná, o trato celebrado nesta semana é parte de um acordo global e de uma negociação multilateral internacional envolvendo entes como a Controladoria-Geral da União (CGU), a Advocacia-Geral da União (AGU) e o Departamento de Justiça dos Estados Unidos.

O valor global a ser pago pela empresa é de R$ 1,1 bilhão (US$ 296 milhões), dos quais R$ 819,7 milhões (equivalente a US$ 214,3 milhões) serão pagos no Brasil e destinados à Petrobras. Desse montante, R$ 630,6 milhões‬ correspondem à reparação de danos e devolução de lucros e R$ 189,1 milhões ao pagamento de multa prevista na Lei de Improbidade Administrativa .

Leia mais:  Reforma da Previdência deve igualar regras para novos políticos às do INSS

Os valores serão pagos em três parcelas no prazo de dois anos, sendo a primeira em até 30 dias após a assinatura do acordo.

Leia também: Descobertas da Petrobras podem ser o novo pré-sal do gás brasileiro


De acordo com balanço da força-tarefa de Curitiba, o montante recuperado pela Lava Jato a partir de acordos de leniência já chega a R$ 11,7 bilhões. Caso sejam considerados os acordos de colaboração premiada, renúncias voluntárias e repatriações do exterior, o total a ser reavisto pela Operação soma R$ 13, 9 bilhões.

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Bilionários dos EUA pedem mais impostos para eles mesmos

Publicado

por

IstoÉ Dinheiro

abigail disney, george soros e chris hughes
Fotos: Divulgação/Montagem: iG Arte
Abigail Disney, George Soros e Chris Hughes são alguns dos bilionários que defendem a taxação dos mais ricos

Alguns dos maiores bilionários dos Estados Unidos se uniram para pedir mais impostos para eles mesmos e outros detentores de grandes fortunas. Em carta aos candidatos à presidência nas eleições de 2020, nomes como Abigail Disney, uma das herdeiras do complexo de animação e entretenimento, George Soros, magnata famoso por suas ações filantrópicas, e Chris Hughes, um dos fundadores do Facebook, defendem a taxação dos mais ricos para o financiamento de programas sociais.

Leia também: Reajuste da tabela do Imposto de Renda fará parte da reforma tributária

“Estamos escrevendo para chamar todos os candidatos à presidência, sejam eles republicanos ou democratas, para apoiar um imposto sobre a fortuna moderada de um décimo dos 1% mais ricos dos americanos – sobre nós”, disse o comunicado postado no jornal The New York Times nesta segunda-feira (24).

O documento foi assinado por 18 representantes de algumas das famílias mais ricas dos EUA, incluindo Molly Munger, Louise e Robert Bowditch, Sean Eldridge, Stephen English, Agnes e Catherine Gund, Nick Hanauer, Arnold Hiatt, Regan Pritzker, Justin Rosenstein, Stephen Silberstein, Ian Simmons e Liesel Pritzker Simmons.

A carta aberta afirma que a medida faz parte das propostas de campanha dos democratas Elizabeth Warren , Beto O’Rourke e Pete Buttigieg, mas que “algumas ideias são importantes demais aos Estados Unidos para que façam parte de apenas algumas plataformas de candidatos.”

Leia mais:  Depois de quatro anos de perdas, Petrobras tem lucro de R$ 25,8 bilhões em 2018

O texto expõe que o valor acumulado por um décimo dos 1% mais abastados do país é equivalente ao total da poupança de 90% das famílias norte-americanas. Os bilionários defendem que o valor dos impostos sejam investidos em ações sociais, como o combate ao aquecimento global , construção de creches, empréstimos para pessoas de baixa renda, entre outras áreas.

Leia também: CCJ aprova admissibilidade da reforma tributária do centrão


“Aqueles de nós que estão assinando esta carta desfrutam de fortunas incomuns, mas cada um de nós quer viver em uma América que resolva os maiores desafios do nosso futuro comum”, afirmou o grupo. 

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana