conecte-se conosco


Mundo Pet

No Dia Nacional dos Animais, confira benefícios do mercado para o seu pet

Publicado

O Brasil tem mais de 132,4 milhões de animais de estimação, de acordo com informações disponíveis no site da Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação (Abinpet). Entre eles estão cães (cerca de 52,2 milhões), gatos (22,1 milhões), peixes (18 milhões), aves (37,9 milhões) e outros (2,2 milhões). Assim, cada vez mais pessoas comemoram o Dia Nacional dos Animais, que acontece em 14 de março.

Leia também: Quantos anos vive um cachorro? Entenda a variação da expectativa de vida


Dia 14 de março é comemorado o Dia Nacional dos Animais
shutterstock
Dia 14 de março é comemorado o Dia Nacional dos Animais

Com o passar do tempo, além do aumento na quantidade de animais de estimação nas casas, houve outra mudança significativa: os bichinhos, cada vez mais, são tratados como membros da família. Uma pesquisa realizada pela MindMiners mostrou que cerca de 88% de brasileiros consideram e tratam os cachorros como família e 29% afirmam já ter organizado uma comemoração para o aniversário do animal de estimação.  Tal comportamento influencia diretamente no mercado pet, que tem muito a comemorar neste Dia Nacional dos Animais

No ano passado (2018) o mercado pet
brasileiro movimentou R$ 20,7 bilhões, se tornando o segundo maior do mundo. O veterinário e fundador da rede Animal Place, Jorge Morais, explica que “é natural que os nossos animais de estimação ocupem um lugar especial, pois criamos com eles relações de afeto, amor e carinho. Por conta disso, os tutores tendem a gastar cada vez mais com seus pets, consumindo serviços e produtos”. 

Com todo o crescimento, quem ganha também são os animais de estimação e seus donos. Os bichinhos começaram a ter serviços especiais para eles, como creches, serviços de turismo para leva-lo junto na viagem, passeadores, natação, que podem melhorar a qualidade de vida deles. Além disso, muitos locais passaram a ser pet friendly (restaurantes e shoppings, principalmente) e permitir a entrada de animais, fazendo com que os donos possam passar mais tempo com o pet. 

Leia mais:  Conheça Lone Pine, o santuário de coalas que fica na Austrália

Confira algumas das opções já disponíveis no mercado pet que podem melhorar a qualidade de vida do bichinho, ajudar o dono e aproxima-lo do animal. 

Lugares pet friendly

Cada vez mais lugares permitem a entrada de animais de estimação, principalmente cachorros. São shoppings centers, restaurantes, lojas, entre outros. Isso permite que o dono, quando precisa sair para determinado lugar, pode levar seu bichinho junto, sem precisar deixa-lo sozinho em casa por muito tempo. 

Nos grandes centros do país, algumas empresas, inclusive, já permitem que os funcionários levem o cachorro para o trabalho. Isso pode acontecer em dias específicos da semana ou todos os dias. 

Alimentação Natural


A qualidade de vida da Boo melhorou muito após a alimentação natural
Pet Nut
A qualidade de vida da Boo melhorou muito após a alimentação natural

Bom cuidado também está relacionado com a saúde e, consequentemente, com a alimentação, capaz de melhorar a qualidade de vida do animal. A PetNut, é uma empresa que oferece alimentação natural para cães

A AN é mais palatável que a ração, não possui temperos ou conservantes. Além disso, é feita de acordo com as necessidades nutricionais de cada animal. Ajuda muito no tratamento de doenças como a diabetes e disfunção renal. 

Passeadores/ Cuidadores

Os cães adoram passear – e precisam disso para gastar energia e fazer as necessidades, no caso daqueles que só fazem na rua. Mas, não é sempre que o dono tem tempo suficiente para isso. Os passeadores resolvem esse problema. 

Leia mais:  Denúncias de animais sendo assassinados em Brumadinho choca as redes sociais

Já no caso dos gatos, que são mais caseiros, os cuidadores podem ajudar um tutor que precisou fazer uma viagem rápida a trabalho, por exemplo. Essas pessoas vão na casa do animal, trocam a água, dão mais ração, limpam a caixinha de areia e até brincam com o pet. Isso evita que o animal passa pelo estresse de sair de casa e ficar em um ambiente estranho por um tempo. 

Turismo com animais

Muitas pessoas amam viajar e ter um animal de estimação pode ser um impedimento. Mas, e se fosse possível levar ele com você? A PETFriendly Turismo organiza toda a sua viagem ao lado do seu melhor amigo pet

Creches para animais

As creches para animais funcionam de forma parecida com a para crianças. O tutor que não quer deixar seu cachorro sozinho em casa, o matricula numa creche. Lá o cão passa o dia ao lado de outros cães, brincando, interagindo e gastando energia. Isso pode inclusive melhorar um comportamento muito agitado do animal em casa. 

Porém, infelizmente, mesmo com tanto crescimento no universo pet, ainda vemos muitas notícias de animais abandonados, que sofrem maus-tratos e não têm um lar amoroso. Os abrigos de animais estão lotados e muitos dos bichinhos não são adotados, já que existe uma preferência pelos de raça. 

Por isso, no Dia Nacional dos Animais
, também é importante lembrar que abandono e maus-tratos são crimes perante a lei – as punições podem variar em prisão e pagamento de multa. E, claro, adote, não compre. Ajude a diminuir o número de animais que vivem nas ruas ou esperam por um lar em abrigos. 

Fonte: Canal do Pet
Comentários Facebook
publicidade

Mundo Pet

Poodle resgatado de canil em condições precárias não sabe dormir deitado

Publicado

por

A vida de Jordan não era fácil antes dele ser salvo pela organização Releash Atlanta, nos Estados Unidos. O Poodle resgatado e outros 700  cães
estavam no Purple Heart Kennel, um canil legalizado, mas em péssimas condições. O caso envolveu até polícia, e mostrou o terror que ele e os outros cachorros sofriam no local. 

Um vídeo feito por Melissa Lentz, mulher que deu um lar temporário para o  Poodle resgatado
, mostra um pouco do sofrimento que o cão passou. Em sua primeira noite na casa dela, em vez de se deitar na caminha de cachorro fornecida para ele, Jordan optou por apenas descansar a cabeça na almofada, e dormiu em pé. 


Jordan, o Poodle resgatado do canil
Facebook/ Melissa Lentz
Jordan, o Poodle resgatado do canil


Leia também: Cachorro corajoso avisa sua família de incêndio no jardim

Melissa faz parte da Releash Atlanta, e também tem em casa outros cães que foram resgatados. No vídeo publicado no Facebook da organização, a legenda conta um pouco do que aconteceu com Jordan. “Ele se acostumou a dormir em pé por causa de sua gaiola apertada, que não tinha espaço para que ele deitasse”, conta. 

Assista:

Na publicação, a organização ainda alertou sobre os problemas que esse tipo de criação cruel pode causar nos animais. “Os cachorros que resgatamos foram traumatizados emocional, física e psicologicamente, além de terem sido negligênciados. Esse tipo de trauma não some da noite para o dia, mas estamos fazendo nosso melhor para apagar essa parte da vida deles e substituí-la com amor.”

Leia mais:  Feira de adoção conta com animais abandonados em estacionamento de supermercado

Apesar de ter um longo caminho pela frente, Jordan já está muito mais à vontade do que quando chegou em seu lar temporário. Agora ele já sabe que pode deitar não só na sua caminha, mas também no colo de Melissa, além de ter sentido o quanto tomar um banho quente e ser cuidado é bom. Dentre todos esses “mimos”, o melhor deles é a hora do jantar. 


Jordan no colo de Melissa, sua dona no lar temporário
Facebook/ Melissa Lentz
Jordan no colo de Melissa, sua dona no lar temporário

Leia também: O cachorro com coceira pode estar com hipersensibilidade alimentar

O cão também aprendeu a se relacionar com os outros cachorros que sua dona temporária cuida, e isso de certa forma tem ajudado o animal a se recuperar mais rápido dos traumas que sofreu enquanto estava preso. 

Melissa contou ao The Dodo que o  Poodle regatado
, assim como os outros cães que foram encontrados no canil, estarão aptos para adoção assim que estiverem bem física e emocionalmente, o que pode levar um tempo, mas ela tem certeza que eles encontrarão um lar onde serão bem tratados e amados. 


Fonte: Canal do Pet
Comentários Facebook
Continue lendo

Mundo Pet

Você sabe por que as galinhas não voam? Confira o motivo

Publicado

por

Um dos requisitos básicos quando escutamos a palavra “ave” é de que esse animal seja capaz de voar. Porém não é isso que acontece com as galinhas, principalmente com as domésticas. As galinhas não voam, e isso é em grande parte culpa da seleção artificial que o ser humano fez, visando animais maiores e mais musculosos para o abate. 

Leia também: Coelho mais velho do mundo tem 16 anos; conheça Mick


Descubra porque galinhas não voam
shutterstock
Descubra porque galinhas não voam


Leia também: O cão pode brincar de cabo de guerra? Como saber se a diversão é saudável?

A galinha selvagem consegue percorrer pequenas distâncias pelo ar. Já as galinhas domésticas, por serem muito pesadas, não conseguem levantar voo. O problema é que por terem sido desenvolvidas para botar muitos ovos por dia e se tornar alimento, as  galinhas não voam
, já que o peso dos ovos e dos músculos é maior do que a força de suas asas. 

Além disso, essa ave não possui ossos pneumáticos nem sacos aéreos, que são partes fisionômicas de grande importância para animais voadores. Os sacos aéreos permitem que o ar fique alojado por mais tempo, facilitando a planagem. Os ossos ocos por dentro, diminuem o peso. A musculatura peitoral das galinhas também não é desenvolvida o suficiente para que elas voem. 

As galinhas selvagens colocam apenas cerca de 10 ovos por ano, e como não possuem interesse econômico da indústria alimentícia, elas acabam sendo mais leves. As criadas em cativeiro colocam em média 2 ovos por dia, o que traz um aumento de peso significativo. A perda de cálcio pela alta demanda de produção de ovos também traz prejuízos na hora em que a ave tenta voar. 

Leia mais:  Você sabe diferenciar um gato Siamês de um vira-lata? Explicamos as diferenças

Mas então por que as galinhas caipiras às vezes estão em cima de telhados ou lugares altos? Apesar de não conseguirem voar como aves “normais”, esse animal consegue sim planar e até voar baixo por pouco tempo. Tudo depende também do criador, que pode ou não ter cortado as asas do bicho, técnica utilizada para evitar sua fuga.

Leia também: Homem encontra 45 cobras cascavéis em sua casa no Texas

As galinhas não voam
, mas seu parente próximo, o pavão, é capaz disso. Outra ave que também não consegue voar é o avestruz, por ser grande e pesado, além de suas penas não serem tão rígidas como de aves voadoras.

Fonte: Canal do Pet
Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana