conecte-se conosco


Mulher

Mulheres têm mais medo de assédio no transporte público do que nas ruas em SP

Publicado

Em um país onde 22 milhões de mulheres registraram ter sido vítimas de algum tipo de assédio nos últimos 12 meses, o medo é um sentimento conhecido, quase familiar. No caso das paulistanas, para a maioria, essa sensação fica ainda mais intensa quando estão se deslocando para o trabalho, casa ou escola. O assédio no transporte público é temido por mais de quatro em cada dez mulheres.

Leia também: Medo de assédio afeta a rotina de 53% das jovens brasileiras, diz pesquisa


Pesquisa mostra que 38% das mulheres entrevistadas já sofreram assédio no transporte público
shutterstock
Pesquisa mostra que 38% das mulheres entrevistadas já sofreram assédio no transporte público

A informação é da pesquisa realizada pelo IBOPE Inteligência e a Rede Nossa São Paulo, divulgada nesta terça-feira (12). O levantamento mostra que 44% das entrevistadas acredita que o assédio no transporte público
é maior do que na rua, em bares e casas noturnas ou no trabalho.

Ainda segundo o estudo, 38% das mulheres afirmaram já ter sofrido assédio
dentro do transporte coletivo, o que aponta um aumento de 13 pontos percentuais em relação ao ano passado, quando a pesquisa também foi realizada.

No entanto, outros locais também não parecem seguros para elas. 23% das entrevistadas respondeu que a rua é o lugar mais perigoso, enquanto 11% indicou as baladas e bares como locais com maior chance de risco.

O medo ainda pode começar antes mesmo de entrar no transporte, já que 4% colocou os pontos de ônibus como a opção mais insegura. 4% também foi o percentual de mulheres que afirmaram ser no ambiente familiar e quando utilizam o transporte particular, como Uber, Táxi, Cabify, EasyTaxi e 99. 3% apontou o trabalho como arriscado e 6% não soube responder ou não respondeu.

Leia mais:  Você não sabe, mas o bicarbonato de sódio é um poderoso aliado na limpeza

Leia também: Entenda por que as mulheres demoram para contar que foram vítimas de assédio

Caso de assédio no transporte público chamou atenção


Após caso de assédio no transporte público em 2017, lei te importunação sexual prevê de um a cinco anos de prisão
shutterstock
Após caso de assédio no transporte público em 2017, lei te importunação sexual prevê de um a cinco anos de prisão

Em setembro de 2017, uma mulher foi vítima de assédio
dentro de um ônibus na Avenida Paulista, e o caso chocou o país. Diego Ferreira de Novais, de 27 anos, ejaculou em uma mulher dentro do veículo.

Ele chegou a ser preso e depois foi liberado porque o delegado havia entendido que o homem não teria ameaçado ou forçado a vítima, o que, segundo sua conclusão, não configurava o ato como estupro.

Dois dias depois ele foi  pego novamente
, após atacar uma nova mulher dentro de um ônibus na Avenida Brigadeiro Luís Antônio, na região do Jardim Paulista, em São Paulo, e finalmente foi preso.


A repercussão do caso de assédio no transporte público
chegou ao Congresso Nacional que colocou em vigor a lei de importunação sexual, que prevê de um a cinco anos de prisão para quem pratica uma ação como essa – e que antes saía ileso da delegacia.

Fonte: IG Delas
Comentários Facebook

Mulher

Quer agradar com os presentes de Natal? Aposte em embalagens desleixadas

Publicado

por

source

Na hora de embrulhar os presentes de Natal, muita gente opta por deixar a embalagem o mais organizada possível. No entanto, se você não tem habilidade com laços, fitas e papel, não precisa se preocupar. Isso porque uma pesquisa da Universidade de Nevada, em Los Angeles, diz que embrulhos perfeitos aumentam a expectativa do que tem dentro.

Leia também: 5 dicas baratas de decoração de Natal para você adotar em casa e deixá-la linda 

presente de Natal arrow-options
shutterstock
Ao embrulhar o presente de Natal, a dica é não caprichar na embalagem, segundo um estudo da Universidade de Nevada

Segundo o New York Post , Jessica Rixom, professora de marketing e pesquisadora do estudo, afirma que, quando os presentes de Natal são embrulhados corretamente e dados a um amigo, as expectativas sobre o que vão receber aumentam. Com isso, eles podem gostar menos do que acabaram de ganhar.

“Por outro lado, com embalagens desleixadas, nossos amigos diminuem suas expectativas e realmente gostam mais do presente”, pontua Jessica. A descoberta foi feita após um levantamento com um grupo de fãs do Miami Heat, time de basquete profissional de Miami, nos Estados Unidos.

Leia também: Veja 10 dicas de como fazer uma decoração de Natal segura

Na ocasião, algumas pessoas receberam canecas com o logotipo da equipe, enquanto outras ganharam canecas com o logotipo do Orlando Magic, outro time de basquete dos Estados Unidos. Os pesquisadores apontam que, quando o item do Orlando Magic foi mal embrulhado, os fãs do Miami Heat tiveram uma resposta positiva. 

Leia mais:  Horóscopo do dia: previsões para 2 de agosto de 2019

O estudo, publicado no Journal of Consumer Psychology , também aponta que os sentimentos “amargos” sobre presentes bem embrulhados são, provavelmente, piores quando chegam de uma pessoa querida do que apenas um conhecido, que não se tem tanta intimidade no dia a dia. 

Leia também: 4 tendências do Pinterest para você se inspirar ao montar a decoração de Natal 


“Quando você presenteia um amigo, o embrulho serve como uma dica do presente de Natal . Com a pessoa conhecida, se o presente é embrulhado de maneira organizada, isso sugere sentimentos positivos sobre o relacionamento com o destinatário, sensação que se espalha para o presente”, finaliza Jessica. 

Fonte: IG Delas
Comentários Facebook
Continue lendo

Mulher

Mulher precisa retirar implante de silicone do bumbum após desastre em plástica

Publicado

por

source

Jabrena, de Georgia, Estados Unidos, fez uma cirurgia plástica para colocar silicone no bumbum. Porém, o resultado não foi nada igual ao que ela estava esperando, pois os implantes não foram bem encaixados e viraram, deixando o bumbum dela deformado.

Leia também: “Cirurgia plástica é melhor que sexo”, diz mulher viciada em procedimentos

Jabrena se olhando no espelho arrow-options
Reprodução/Youtube/E!
Jabrena passou por uma cirurgia plástica malsucedida, na qual os implantes de silicone não foram bem colocados

Participante do programa “Botched”, do canal E! , Jabrena conta que decidiu colocar os implantes de silicone depois de sofrer bullying por causa de sua aparência. “Duas semanas após a plástica , o inchaço começou a ir para baixo e dava para ver que o implante estava meio de lado. Era como uma cratera. Cerca de um mês e meio depois, o implante virou”, diz.

Segundo ela, implantes costumam virar “quatro ou cinco vezes por semana”. “É desconfortável e dolorido”, afirma. Mesmo sentindo dor após a plástica malsucedida, o cirurgião que realizou o procedimento afirmou que só “consertaria” o erro pelo valor de  4 mil dólares (R$ 16,8 mil). 

Jabrena se olhando no espelho arrow-options
Reprodução/Youtube/E!
Os médicos afirmaram que os implantes de silicone não foram bem colocados e, por causa disso, ficavam virando

“Eu só quero um bumbum fofo, bonito e não essa coisa que eu tenho agora”, comenta Jabrena aos médicos do programa “Botched”,  Terry Dubrow e Paul Nassif, que confirmaram que houve erro na colocação dos implantes de silicone 

Leia mais:  Horóscopo do dia: previsões para 21 de setembro de 2019

Para corrigir a cirurgia, eles sugeriram remover os implantes e, depois, fazer enxertos de gordura no bumbum da norte-americana, combinando este procedimento com um lifting de bumbum. A solução também foi uma forma de evitar que ela ficasse com excesso de pele flácida, já que a pele havia esticado para comportar os implantes de 600cc.

Veja foto do antes (com implante) e depois (sem implante):

bumbum de Jabrena antes e depois arrow-options
Reprodução/Youtube/E!
Os médicos removeram os implantes do bumbum de Jabrena e injetaram gordura para corrigir erro anterior

Leia também: “O silicone vai rasgar a pele e cair”, diz mulher após erro em cirurgia plástica


“Antes da minha cirurgia eu tinha um bumbum flácido e implantes que ficavam virando. Agora, graças aos médicos, eu finalmente estou livre e posso ter o bumbum lindo que sempre quis”, comenta Jabrena após o procedimento de correção.

Fonte: IG Delas
Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana