conecte-se conosco


Nacional

MPF pede condenação de Rocha Loures por corrupção por mala com R$ 500 mil da J&F

Publicado


Rocha Loures se tornou pivô de crise do governo ao ser filmado em ação controlada recebendo mala com R$ 500 mil
reprodução/pf
Rocha Loures se tornou pivô de crise do governo ao ser filmado em ação controlada recebendo mala com R$ 500 mil

O Ministério Público Federal (MPF) entregou alegações finais à Justiça nesta sexta-feira (11) pedindo a condenação do ex-assessor de Michel Temer (MDB) Rodrigo Rocha Loures pelos crimes de corrupção passiva e concurso de agentes.

A manifestação se refere à ação penal que investiga o recebimento da mala com R$ 500 mil enviada pelo grupo J&F a Rocha Loures
. O episódio, ocorrido em abril de 2017, foi todo filmado pela Polícia Federal, com apoio do empresário Joesley Batista e do executivo Ricardo Saud, e deu início à maior crise do governo Temer.

No documento, enviado ao Juízo da 15ª Vara Federal de Brasília, os procuradores alegam que Loures “agiu com vontade livre e consciente” para “intermediar” o recebimento de propina do grupo empresarial, então controlado por Joesley, em benefício do hoje ex-presidente da República Michel Temer
.

O MPF narra que Temer e Loures tinham “vínculo de confiança” e uma relação que ia “muito além de uma relação funcional”. A quantia de R$ 500 mil contida na mala da JBS
recebida pelo ex-assessor do presidente seria o primeiro pagamento daquilo que seria uma rotina semanal, podendo chegar a R$ 38 milhões.

De acordo com a Procuradoria da República no DF, Joesley ofereceu a propina a Temer para que este intervisse a seu favor no âmbito das atividades da EPE (Empresa Produtora de Energia) Cuiabá, controlada pelo grupo J&F. O empresário reclamava que a companhia perdia R$ 1 milhão por dia por conta da política para compras de gás da Bolívia tendo a Petrobras como intermediadora do negócio.

Leia mais:  Acidente com ônibus escolar mata duas crianças e motorista no interior de SP

Temer, então, escalou Loures para cuidar do assunto, enquanto Joesley encubiu Saud de acertar os detalhes para a entrega do dinheiro. Os dois se encontraram em duas ocasiões, ambas gravadas pela PF: uma no dia 24 de abril de 2017, e outra quatro dias mais tarde.

Nesse segundo encontro, realizado no shopping Vila Olímpia, na zona sul de São Paulo, Loures e Saud definiram que o pagamento em espécie seria a melhor maneira de receber a propina. Os dois, então, dirigiram-se para uma pizzaria na região dos Jardins onde Saud entregou a mala com os R$ 500 mil ao ex-assessor de Temer.

Loures argumentou à Justiça que não sabia que se tratava de uma proposta ilícita e que nem sequer “gostou” de Saud. O MPF, no entanto, alega que o ex-assessor e ex-depitado “em nenhum instante se demonstra surpreso com as ofertas realizadas por Saud, não pedindo esclarecimentos adicionais”.

“O réu alega que não compreendia que os valores que Ihe eram apresentados se referiam à propina, contudo, em nenhum momento esboçou estranhamento ou questiona aquilo que poderia ser um mal entendido. Ao contrário, observase que os diálogos fluem normalmente com a participação do réu, que aparenta entrosamento e domínio do assunto”, dizem os procuradores.


O MPF diz ainda que a versão apresentada pelo ex-assessor representa “fantasia” e induz a crer que houve uma situação “na qual se coloca como uma verdadeira vítima da perseguição”. A defesa de Rocha Loures
ainda não se manifestou sobre as alegações finais da procuradoria.

Leia mais:  Incêndio que destruiu Museu Nacional começou no ar condicionado, diz laudo da PF

Comentários Facebook
publicidade

Nacional

Macron diz que alinhamento britânico aos EUA será ‘vassalagem histórica’

Publicado

por

source

BERLIM E PARIS — O presidente francês , Emmanuel Macron, fez uma das declarações mais duras de dirigentes europeus sobre a cada vez mais provável saída do Reino Unido da União Europeia sem um acordo de transição com o bloco.

Para ele, os britânicos serão os maiores culpados e prejudicados por um chamado “Brexit duro “, e um consequente alinhamento total aos EUA seria ao custo de “uma vassalagem histórica do Reino Unido “. 

Leia também: Brexit: Reino Unido deixará de participar de reuniões da UE em setembro

  “O custo para o Reino Unido de um Brexit sem acordo, porque os britânicos serão as principais vítimas, pode ser amenizado pelos EUA? Não. E, mesmo se fosse uma escolha estratégica, seria ao custo de uma vassalagem histórica do Reino Unido”, disse o presidente francês.

“Não acho que seja o que (premier britânico) Boris Johnson quer. Não acho que seja o que o povo britânico quer”, completou, referindo-se à expectativa dos defensores do Brexit de um acordo de livre comércio entre Londres e Washington.

Ele ainda criticou os argumentos dos defensores do Brexit, dizendo que a saída do bloco não tornará o país mais forte.

Leia também: Tentativa de Johnson de renegociar Brexit é rejeitada pela União Europeia

“Os britânicos possuem uma imagem de grande potência, integrantes do Conselho de Segurança. O ponto não pode ser sair da Europa e dizer “seremos mais fortes” mas, no final, se tornar um parceiro júnior dos EUA.

Leia mais:  Ibama decide que multa a Bolsonaro por pesca ilegal está prescrita

As palavras de Macron vieram logo depois de um encontro entre o premier britânico, Boris Johnson, e a chanceler alemã, Angela Merkel , em Berlim. Apesar de um protesto nos portões da sede do governo, aos gritos de “ parem o Brexit ”, o tom da reunião foi visto como positivo por Londres.

A cerca de dez semanas do prazo dado por Johnson para uma saída ” de qualquer maneira “, no dia 31 de outubro, ele reconheceu que o ônus de evitar o pior estava com o Reino Unido, recebendo de Merkel um sinal  positivo sobre aquele que parece ser o único ponto ainda em aberto para os dois lados: a situação da fronteira entre a província britânica da Irlanda do Norte e a República da Irlanda , que será, depois do Brexit, a única divisa terrestre entre o Reino Unido e a UE.

Hoje não há controles na fronteira, como determinou o Acordo da Sexta-Feira Santa, que em 1998 pôs fim ao conflito entre os norte-irlandeses favoráveis a permanecer no Reino Unido e os que defendiam a unificação da Irlanda. Um Brexit sem acordo pode significar o retorno de barreiras físicas ao trânsito de pessoas e produtos.

Como a Irlanda permanecerá na União Europeia, os líderes do bloco negociaram com a ex-premier Theresa May uma cláusula em que o Reino Unido permaneceria em uma união aduaneira com a UE em um período de transição até 2021. Boris Johnson é contrário à ideia, dizendo que isso manteria o Reino Unido “ligado à União Europeia”, o que “não é democrático”, dado que os britânicos votaram pela saída do bloco no referendo de 2016. 

Leia mais:  Deslizamento em obra de contenção de encosta no Leblon deixa dois feridos

30 dias

Na reunião desta quarta-feira, a chanceler alemã disse que daria mais tempo para uma solução viável para a questão irlandesa, um dia depois de o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, dizer que os britânicos não apresentaram qualquer ” alternativa realista “.

“Nós dissemos que provavelmente conseguiremos achar uma solução em dois anos. Mas também podemos achar uma nos próximos 30 dias, por que não?”

Johnson se comprometeu a trabalhar em uma saída.

“Você (Merkel) aceitou um prazo de 30 dias, se entendi corretamente, estou mais que satisfeito com isso.”

Logo depois da entrevista coletiva dos dois líderes, Macron disse que as demandas do premier britânico “ não eram negociáveis ”, se referindo diretamente à questão da Irlanda. Ele ainda afirmou que os efeitos de uma saída sem acordo seriam “culpa dos próprios britânicos”. Johnson e Macron se encontrarão nesta quinta-feira, em Paris. Segundo funcionários do governo, Paris já considera o cenário de um “Brexit duro” como o mais provável . 


Esta hipótese é vista com extrema preocupação não apenas pelos governos europeus, mas também por dirigentes industriais, investidores e chefes de empresas multinacionais. O consenso é de que o impacto na economia regional será considerável, mas ainda difícil de estimar em números.

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

“Em casa, escuto barulho e fico preocupada”, relata refém do sequestro de ônibus

Publicado

por

source
Passageiros da linha de õnibus 2520 arrow-options
Gabriel de Paiva/ Agência O Globo
Passageiros da linha de õnibus 2520 – Jardim Guanabara/Estácio em São Gonçalo, onde ocorreu o sequestro do ônibus na ponte Rio-Niterói

A rotina de Rafaela Gama foi alterada nesta quarta-feira (21). A jovem de 20 anos que trabalha como recepcionista em um prédio na Rua do Senado, no Centro do Rio, dessa vez não
pegou o ônibus da linha 2520 na Praça do Rocha, em São Gonçalo, às 4h30. Ela estava no ônibus sequestrado na Ponte Rio-Niterói , na manhã desta terça-feira (20).

Embora esteja fisicamente bem — nenhum refém ficou ferido no episódio —, ela ainda guarda as marcas psicológicas do sequestro do ônibus da linha, que durou por mais de três horas e interditou a via de acesso entre os municípios do Rio e Niterói.

“Acho que vou ficar parada até esse fim de semana. Pensei que estava tudo bem, mas foi complicado para dormir. Agora que a ficha está caindo. Quando saí da delegacia ontem
(terça-feira, após o sequestro) eu estava calma. Mas dentro de casa eu fico insegura. Quase não dormi. Escuto um barulho e já fico preocupada. Graças a Deus deu tudo certo. Eles
(o governo estadual) ofereceram assistência psicológica. Vamos fazer um tratamento”, relata Rafaela, que estuda gestão financeira.

Leia também: Polícia busca celular para descobrir se sequestrador de ônibus tinha comparsas

No seu trabalho há uma preocupação de que ela não esteja apta a voltar a rotina. Rafaela conta que sua chefe ficou preocuada ao perceber, durante uma conversa, que a jovem
estava com dificuldade de concentração, e pediu que ela faça uma avaliação psicológica antes de retornar ao trabalho.

“Dá uma tensão só de pensar em pegar o ônibus”, desabafa, acrescentando: “A psicóloga disse que vai conversar comigo para saber se há necessidade de uma licença (médica). Acho
que não estou bem ainda, mas não quero me aproveitar da situação. Acho que até segunda estarei bem”.

Enquanto se recupera, Rafaela não desiste dos planos para o futuro. Além do curso tecnólogo em gestão financeira, ela faz curso de agente de aeroporto. Há um mês passou a morar
com o noivo, o mecânico industrial Lucas Leão, de 22 anos, e não para de planejar o próximo passo: uma festa em 2020 para oficializar o casamento.

Leia mais:  Mulher usa carrinho de mão para levar idoso com tumor a hospital no Rio; assista

Itinerário alterado

Já o auxiliar de cartório Robson Oliveira , de 59 anos, alterou o itinerário que faz todos os dias entre a sua casa, em São Gonçalo, e o trabalho, no Centro do Rio. Nesta quarta-feira (21), ele desistiu de usar a linha que teve um ônibus sequestrado para se deslocar até o trabalho. Oliveira, que descreve as horas passadas dentro do ônibus como “terror psicológico”, teve dificuldades para dormir. Embora não tenha deixado de trabalhar no dia seguinte do crime, passou a usar duas conduções para mudar a forma de se deslocar até o Rio.

“Foi um terror psicológico. Durante a madrugada a cena ficava vindo na minha cabeça. Tentava dormir, mas não conseguia. Estou indo para o centro de Niterói e de lá pego barca
para o Rio. Vou mudar a minha rotina por um tempo até esquecer. Ainda tenho receio de fazer isso. Posso até voltar para pegar ônibus”, diz Robson, que trabalha em um cartório no
Centro do Rio e compareeu nesta quarta para não deixar os companheiros “na mão”.

Aliviado, ele diz que ainda está vivendo o pesadelo. Oliveira foi o quinto refém a ser liberado pelo sequestrador. Para isso, ele conta que precisou fingir que estava passando
mal.

“Fiz uma cena de uma pessoa que ia desmaiar, que estava passando mal. Aí ele mandou eu sentar na frente do ônibus, depois disse que ia me liberar. Eu fiquei sentado meio torto
para tocar o coração dele. Eu estava consciente, mas eu queria convencê-lo de que estava passando muito mal. Fui um ator. Agora é me recuperar do trauma que passei”, acrescenta
ele, que ficou apavorado quando o sequestrador falou para os passageiros que iria reviver o caso do ônibus 174, sequestrado em 2000 no Jardim Botânico, Zona Sul da cidade.

Leia mais:  Deslizamento em obra de contenção de encosta no Leblon deixa dois feridos

Leia também: Sequestrador de ônibus contou a parentes que ouvia ‘vozes dentro da cabeça’

‘Não dá para ficar indiferente’

O professor de geografia Hans Miller Moreno do Nascimento , de 34 anos, também não foi dar aula hoje. A escola particular onde trabalha, em Santa Cruz, liberou o docente, que
pretende retornar às aulas nesta quinta-feira. Ele, que trabalha em sala de aula há 13 anos, diz que não dá para ficar indiferente ao caso. Diariamente, realiza o trajeto de duas horas e meia entre São Gonçalo e o bairro da Zona Oeste do Rio na ida e na volta do trabalho. Além do ônibus, o docente ainda precisa pegar trem na Central do Brasil. O episódio marcante fez o professor perceber como está vulnerável no transporte público do Rio.

“Passei a noite com pesar, com tristeza. Não dá para ficar indiferente. Foi algo inédito para mim. A gente sabe que está exposto, mas quando passa por uma situação assim a gente
percebe como estamos vulneráveis. Tenho que fazer esse trajeto, não tenho outra opção. A única opção que eu tenho é ter fé. É só isso. Quanto mais tempo você passa na rua maior
é a exposição. Esse tempo da viagem passo exposto no transporte público. Muita gente fica (exposta). Eu só via esse tipo de coisa em terceira pessoa, agora tô vendo em primeira
pessoa. A gente percebe a magnitude do problema”, constata Nascimento.

‘Infelizmente, nosso país é assim’

O auxiliar administrativo Luan Tavares , de 24 anos, também planeja retomar a vida normal nesta quinta-feira. Sentado no fundo do ônibus, ele ainda lembra do momento em que os
passageiros ouviram disparos e se jogaram no chão. Apesar do susto, ele se mostra mais pragmático e, após o susto, diz que é preciso “preparar a mente” já que a violência faz
parte do país.


“A gente fica meio apreensivo ainda no primeiro dia, mas sabe que, infelizmente, nosso país é assim. A violência, infelizmente, não vai acabar. A gente acaba se acostumando e
tentando preparar a nossa mente”, finaliza Tavares, que também foi refém no sequestro do ônibus .

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana