conecte-se conosco


Saúde

Moradores denunciam queimadas no Parque Figueira em Tangará da Serra

Publicado

Fumaça recorrente acompanhada de forte cheiro de queimado se tornaram parte da rotina dos moradores do Parque Figueira em Tangará da Serra.

Imagens: WS Imagens Aéreas

Segundo os residentes, o problema origina-se de queimadas ilegais que se intensificaram nos últimos dias, especialmente nos fins de semana. Recentemente, o fogo atingiu uma área correspondente a cinco quarteirões próximo a uma área de  preservação ambiental. O Corpo de Bombeiros, foi acionado e usaram o próprio fogo de forma controlada para tentar minar os focos de incêndio, além de abafadores para de combater as chamas.

As queimadas ilegais tem afetado diretamente os moradores. “ Fica um fumaceiro horrível aqui, fica ruim para respirar, as crianças e os idosos sofrem demais com essa fumaça”. Contou uma moradora.

Os moradores relatam que a prática vêm acontecendo há muito tempo. Nos últimos dias, sinais de queimada estão sendo observados especialmente nas proximidades da Avenida Brasil. No domingo (02) uma fumaça intensa cobriu o bairro causando transtornos a comunidade.

Comentários Facebook

Saúde

Perda de olfato causada pela Covid-19 pode durar até dois meses

Publicado

por


source
Menina com máscara mexendo no celular
FreePik/prostooleh

Perda de olfato está entre os principais sintomas da Covid-19

Um estudo realizado pela Univesidade de São Paulo (USP) indica que a perda de olfato pode ter um período de duração mais longo após a recuperação da Covid-19 , doença causada pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2). Segundo a pesquisa, que foi realizada com 650 pacientes recuperados, o sintoma ainda pode perdurar por até dois meses.

O resultado preliminar dessa pesquisa, que está sendo conduzida no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina, cerca de 5% pessoas que tiveram o sintoma após serem curadas ficaram sem sentir cheiro por mais tempo do que o comum.

Para os pesquisadores, isso mostra que a perda de olfato causada pode se tornar permanente em alguns casos se ajuda médica não for procurada rapidamente em estágios iniciais da Covid-19.

Desde abril, os autores do estudo acompanham pacientes que tiveram a Covid-19 confirmada pelo exame do tipo RT-PCR, que detecta a presença do novo coronavírus no corpo.

Entre os pacientes ouvidos, cerca de 80% afirmaram ter perda parcial ou total do olfato e 76% disseram ter perdido o paladar.

Depois de dois meses e meio do primeiro contato, os pesquisadores conseguiram encontrar novamente cerca de 140 dos participantes que tiveram os sintomas. Essa quantidade corresponde 5% das pessoas que afirmaram que tiveram o sintoma.

Outros estudos sobre os efeitos da Covid-19 no olfato estão em andamento em centros de pesquisa pelo Brasil e devem ter resultados divulgados nos próximos meses. Eles usam outras técnicas para medir a perda do olfato e não se baseiam apenas nos relatos dos pacientes.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Vacina traz otimismo, mas janeiro “está muito longe”, diz Dimas Covas

Publicado

por


source
Dimas Covas%2C diretor do Instituto Butantan
Governo do Estado de São Paulo

Dimas Covas, diretor do Instituto Butantan

O diretor do Instituto Butantan , Dimas Covas , disse nesta segunda-feira (3) que a perspectiva para a vacina contra a Covid-19 produzida em parceria com a empresa chinesa Sinovac Biotech é “boa”, mas que janeiro ainda “está muito longe”. Em entrevista à CNN Brasil , ele disse que, por conta desse tempo de espera até que o imunizante fique pronto, é importante que a população continue mantendo as medidas de prevenção.

“Se os resultados [dos testes em voluntários] aparecerem ainda neste ano, é muito provável — sou muito otimista — que nós tenhamos essa vacina já em janeiro ou fevereiro do próximo ano”, disse o hematologista. “É uma perspectiva muito boa, mas temos que lembrar que janeiro ainda está muito longe”, completou.

Chamada de Coronavac, a vacina está na fase final dos testes pré-clínicos, na qual 9 mil volunetários recebem doses e são monitorados para ver quais são as reações. Nessa fase, o objetivo é simular como uma pessoa imunizada se comporta em um meio onde o vírus circula naturalmente.

Covas ainda lembrou que a CoronaVac, como é chamada, já demonstrou efetividade em torno de 90% em estudos anteriores, o que é um bom indício. Os primeiros resultados sobre a eficácia da vacina após a fase três devem sair em outubro.

“A partir daí, trata-se de registrar e usar a vacina. Ela estará disponível aqui no Butantan para produção em larga escala a partir de outubro. Nós temos uma previsão inicial de 60 milhões de doses e, se for comprovada essa eficácia, essas doses poderão ser aplicadas a partir de janeiro do próximo ano”, afirmou.

O diretor do Instituto Butantan também disse que não teme problemas de logística ou de falta de insumos como seringas, o que poderia prejudicar a distribuição da vacina no Brasil. Ele reconhece que esse risco existe, mas confia na experiência do País  e do próprio Butantan.

“Essa vacina tem uma característica: ela é baseada em um processo produtivo que o Butantan domina. O Butantan conhece os fornecedores, tem experiência, tem conhecimento dos equipamentos que são usados… Ou seja, não é um processo novo. Como eu digo sempre, o Butantan tem a cozinha, tem o forno, tem a panela. Neste momento, estamos testando a fórmula, a receita de bolo.”

Enquanto a vacina não é liberada, Dimas Covas reforçou a necessidade de se respeitar o distanciamento social, as medidas de higiene e o uso da máscara.

“Nós estamos no meio da epidemia, então o distanciamento social tem que ser mantido, sim. Se há necessidade de uma flexibilização maior em certos setores, isso não pode abolir as medidas de quarentena. Nós temos que ter consciência e manter essas medidas enquanto a epidemia não desaparecer ou enquanto, de fato, não chegar a vacina”, alertou.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana