conecte-se conosco

  • banner_Lorenzetti_1250x250

Entretenimento

Monstro sagrado, Stan Lee está para a cultura pop como Pelé está para o futebol

Publicado

Quando as sirenes das ambulâncias ecoam por Los Angeles rumo ao luxuoso bairro de Beverly Hills, o mundo parece parar por alguns instantes. E então, todos os problemas do planeta sossegam por alguns momentos e as atenções se voltam às mansões dos astros e estrelas na ânsia de saber o que aconteceu. Minutos de tensão precedem o fatídico noticiário. Foi assim com Michael Jackson, foi assim com Elvis muitos anos antes dele. Dessa vez, a humanidade perdeu outra espécie de rei. Em 12/11/2018, aos 95 anos, lamentamos a morte de Stan Lee.

Leia também: Stan Lee, pai do universo Marvel, morre aos 95 anos


Stan Lee
Divulgação

Stan Lee

A carreira de Stan Lee
se confunde com a trajetória de uma das maiores empresas de entretenimento mundial, a Marvel Comics
. Muito do que temos hoje, em termos de super-heróis, passou pelas mãos e mente criativas de Lee. Na década de 60, inovou ao trazer para os quadrinhos temas mais comuns ao público americano. Apesar da alta dose de ficção científica de suas criações, afinal estamos falando de heróis de quarinhos, os enredos traziam dramas familiares, conflitos internos, dualidade de caráter. Algo bem diferente e peculiar em contraponto ao que fazia sua distinta concorrente na época.

Leia também:Legendário! Relembre os melhores momentos da carreira do quadrinista Stan Lee

Toda essa diferença ficou muito nítida com a criação daquele que viria ser sua obra prima. O “Homem-Aranha” balançava suas teias por Manhattan ao mesmo tempo em que pensava em como iria pagar suas contas no fim do mês. E toda essa temática mais ‘pé no chão’ esteve presente em muitas de suas criações, como o “Demolidor”, “Homem de Ferro”, “Pantera Negra’ e os “X-Men”.


Stan Lee morre aos 95 anos, confira os melhores momentos de sua carreira
Divulgação

Stan Lee morre aos 95 anos, confira os melhores momentos de sua carreira

Não à toa, a Marvel tornou-se um diferencial no mercado e Lee sempre esteve por trás disso, aliado a outros grandes artistas, como Jack Kirby. Mais próximos da realidade estadunidense, seus heróis eram mais homens e menos super, uma tendência que passou a se intensificar ao decorrer das décadas e que veio a influenciar toda a indústria dos quadrinhos.  

Eu era nerd muito antes disso ser considerado cool, o tipo de adolescente que andava por aí com camisetas de heróis, se enfiava em bancas de revistas e sebos, que conhecia a árvore genealógica de quase todos os personagens existentes. Até por isso, sempre reverenciei a figura de Stan.

Esse senhor foi uma das maiores inspirações na minha carreira literária e por influência maciça dele, tive a coragem de apostar na criação de “Os Supremos”, trazendo heróis brasileiros originais para a literatura brasileira. Inclusive, o nome, “Os Supremos”, é uma homenagem direta, eis que homônimo, a uma das versões dos “Vingadores”.

Leia também: Stan Lee deixou sua participação em “Vingadores 4” e outros filmes gravada

E assim como eu, o roteirista da Marvel Comics deixou uma legião de fãs e admiradores de seu legado, sendo influente não apenas para os consumidores dos quadrinhos, mas para todo amante de cultura pop
do globo terrestre. Devemos muito ao que veio da mente desse homem. Tanto que a própria DC, concorrente histórica da Marvel, se rendeu aos encantos do editor e lançou uma série que recontava os grandes nomes de seus personagens idealizados por Stan em 2001. Uma nítida homenagem e atitude de reconhecimento.  

Podemos dizer que Lee está para os quadrinhos assim como Walt Disney está para as animações; assim como Einstein está para a física; como os Stones estão para o rock; assim como Pelé está para o futebol.

Minha professora de biologia no colegial repetia exaustivamente uma máxima no começo de cada aula. Dizia ela que todo ser vivo nasce, cresce, reproduz e morre. Esse é o tal ciclo da vida, mas existe uma maneira de burlar o sistema, de sobrepor essa ideia, de ser imortal. Basta fazer algo incrível, deixar seu legado, cravar seu nome no coração das pessoas. Stan fez exatamente isso, e o fez de forma heróica. A humanidade agradece.

Icônico, ímpar, visionário. Lee, um monstro sagrado da cultura pop. Já que citei “Os Supremos”, nele deixo uma mensagem aos leitores e sei que o eterno nome da Marvel concordaria comigo. “Talvez o mundo precise de mais heróis.” Hoje, com a devida licença poética, quero reformular a citação. “Talvez o mundo precise de mais Stan Lee.” Adeus, velho herói. Obrigado por tudo.

Sobre o autor do texto sobre Stan Lee
Raphael Miguel é o idealizador da inovadora coletânea “Os Supremos” e apontado com destaque pela crítica especializada em literatura nacional contemporânea pela sua versatilidade e obstinação. Autor de diversos contos, poemas e crônicas sobre os mais variados temas e gêneros, recebeu prêmios literários e menções honrosas em concursos que se espalharam pelo País.

Comentários Facebook

Entretenimento

Zezé Di Camargo e Luciano encerram comemorações pelos 46 anos de Tangará da Serra

Publicado

Foto: Assessoria de Imprensa

Fechando as celebrações do 46º aniversário de emancipação político/administrativa de Tangará da Serra, uma apresentação da dupla sertaneja Zezé Di Camargo e Luciano neste domingo, 15, lotou o Módulo Esportivo, palco onde os artistas cantaram seus sucessos e encantaram o público.

Com entrada franca, o show faz parte do projeto ‘Consertos Ihara’ que leva para o interior do país o melhor da música nacional. O evento estava programado para acontecer em 2020, mas foi adiado devido à pandemia da Covid-19.

No palco com a dupla sertaneja, se apresentou a Orquestra Contemporânea Innovare. “O Concertos Ihara vem cumprir o objetivo de interiorizar a cultura e valorizar as pessoas que ajudam, dia após dia, a construir a história desse imenso país”, frisou a organização do evento que contou com o apoio do Município.

Foto: Assessoria de Imprensa

“São projetos sociais e culturais como esse que reforçam que, além de levarmos soluções inovadoras para a agricultura brasileira, também buscamos fortalecer nosso comprometimento com as comunidades onde atuamos”, afirma Gabriel Saul, Gerente de Comunicação da Ihara.

O projeto é enquadrado na Lei de Incentivo à Cultura, com patrocínio da Ihara, apoio da Prefeitura e realização do Ministério do Turismo.

Continue lendo

Entretenimento

Xuxa cita dupla personalidade de Pelé e momento quente com Senna

Publicado

por


source
Xuxa Meneghel já namorou Pelé e Ayrton Senna
Reprodução/Divulgação

Xuxa Meneghel já namorou Pelé e Ayrton Senna

Xuxa vive uma história de amor madura com o ator e cantor Junno Andrade. A apresentadora, de 59 anos, diz que seus relacionamentos a levaram à forma com ela encara, atualmente, a vida a dois. Alguns deles acompanhados de perto pelos olhos atentos do público, como Pelé e Ayrton Senna. Este último, um relacionamento intenso, mas que não durou muito tempo. Nas palavras da apresentadora, ambos tinham uma conexão que “era difícil para as outras pessoas entenderem”.

Entre  no canal do iG Gente no Telegram e fique por dentro das principais notícias dos famosos e da TV

Xuxa revelou até o que ocorria na intimidade entre ela e o piloto. A apresentadora narrou, por exemplo, um momento quente do casal quando pediu para que ele usasse um capacete.

“Na hora em que a gente foi ficar junto, ele começou a puxar o meu cabelo, como se fosse uma chuquinha, para cima. Aí eu olhei para ele e disse: ‘Ah, você quer ficar com a Xuxa da televisão’… Não tem problema, boto a bota, chuquinha, mas você coloca o capacete?”, disse ela ao programa “Papagaio Falante”, no Youtube.

Ainda segundo ela, isso aconteceu após ela narrar para Beco, apelido pelo qual chamava Ayrton, um episódio de um relacionamento anterior em que, na hora do rala e rola, o parceiro pediu para que ela cantasse “Quem quer pão?”.

Leia Também

Xuxa falou ainda sobre seu relacionamento com Pelé. Disse que o ex-jogador foi seu “primeiro amor, um grande amor”. Eles se conheceram durante um ensaio fotográfico para uma capa de revista. Ficaram juntos por cerca de seis anos. A apresentadora, porém, destacou que não foi um período “fácil” e citou que Pelé tinha “dupla personalidade”.

“Foi dos17 aos 23. Ele tem dupla personalidade, fala na terceira pessoa. Eu me apaixonei pelo Dico (apelido), que era apaixonado, era familia”, disse Xuxa sobre ele na intimidade.

Diferente da forma que agia quando o astro do futebol entrava em cena: “Às vezes chegava com camisa suja de batom. Dizia: ‘essas mulheres ficam querendo agarrar o Pelé’. Eu era muito nova. Não foi fácil.”

No início do relacionamento, Xuxa contou que Pelé levou as modelos que participaram do ensaio para uma boate. Na hora da despedida, ele deu um beijo “quase na boca” da apresentadora.

“Meu coração bateu mais forte. (Posteriormente) mandava flores para minha mãe. Conversava com o meu pai”, completa ela, que, no início do relacionamento, só saía com Pelé depois da autorização dos pais.

Fonte: IG GENTE

Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana