conecte-se conosco

  • powered by Advanced iFrame free. Get the Pro version on CodeCanyon.


Cidades

Mesmo asfaltada, moradores e usuários estão impedidos de trafegar pela ‘Estrada da 11’ no Bairro Bela Vista

Publicado

Conforme a ata da licitação, a empresa Quintino Construção e Locação LTDA-ME, ofereceu proposta de R$ 3.755.495,97, para realizar a construção de drenagem de águas pluviais, ciclovia, além de recomposição asfáltica na ‘Estrada da Linha 11’, no bairro Bela Vista, em Tangará da Serra.

Os recursos da obra licitada são oriundos da Superintendência de Desenvolvimento do Centro Oeste (Sudeco), autarquia vinculada ao Ministério da Infraestrutura (MIN). Foto: Alexandre Rolim

Após um ano, os trabalhos mantidos em 1,2 quilômetros de pavimento e drenagem de águas no trecho entre a MT-480/anel viário e acesso ao Bela Vista, estão parcialmente concluídos, no entanto, mesmo a via asfaltada, moradores e usuários estão impedidos de trafegar pelo local, devido à bloqueios mantidos com manilhas e montes de terra que obstruem a passagem de pedestres e motoristas.

As obras de pavimentação da Estrada 11, que liga a MT-480 e o anel viário ao bairro Bela Vista, no acesso para Linha 12 e Deciolândia.

A liberação dos recursos foi assegurada junto à Superintendência de Desenvolvimento do Centro Oeste, pelo vereador Rogério Silva (MDB), que atuou na Câmara Federal entre julho e novembro de 2017. Questionado pelo portal Tangará em Foco, justificou que a travessia só será liberada após recebimento de uma parte dos recursos. “Os técnicos da Sudeco, vieram ao local e fizeram a vistoria, porém resta pagar uma parcela para a empresa continuar os trabalhos, e seguimos nesse impasse, dependemos de o Governo Federal liberar uma parcela para que a empresa continue o trabalho e finalize a obra”, conclui o vereador.


As obras iniciaram em julho de 2018.

Conforme o cronograma de obra, resta construir uma galeria que venha do Bairro Morada do Sol, atravesse a MT-480, e siga até o Bairro Bela Vista, além deste serviço, falta concluir a pintura e sinalização do percurso.

Leia mais:  Tangará da Serra terá manifestação em apoio a Reforma da Previdência neste domingo

 

 

Comentários Facebook
publicidade

BemRural

Após longa estiagem, volta a chover em Tangará da Serra

Publicado

Moradores de Tangará da Serra começaram a respirar mais aliviados, nesta sexta-feira (20), com o retorno das chuvas à cidade.

Há 15 dias, algumas nuvens chegaram a dar esperança aos tangaraenses, mas se converteram apenas em chuviscos. A previsão do Instituto Clima Tempo, indicava que choveria ontem (19), mas não aconteceu. No entanto, após tanta expectativa, no início da noite uma chuva mansa, começou a cair sobre a cidade.


Para sábado (20) a previsão indica nova probabilidade, com 80% de chances de chover em torno de 10 milímetros. A mínima é de 22º e máxima de 37º, com sol e aumento de nuvens pela manhã e pancadas de chuva são esperadas à tarde e à noite.

 

Comentários Facebook
Leia mais:  Motociclista e garupa sofrem fraturas em colisão entre carro e moto no bairro Tarumã
Continue lendo

Barra do Bugres

Justiça afasta auxiliares de enfermagem do Lar dos Idosos em Barra do Bugres

Publicado

O Ministério Público de Mato Grosso, por meio da 1ª Promotoria de Justiça Cível da comarca de Barra do Bugres, obteve decisão liminar na Justiça determinando o imediato afastamento de duas auxiliares de enfermagem efetivas da Prefeitura que prestavam serviços no Lar São Vicente de Paulo.

A ação civil pública foi proposta por ato de improbidade administrativa contra Maria Luiza Teixeira Rodrigues e Ivete Maria Mendes, acusadas de praticar maus tratos, violência psicológica, negligência e omissões em prejuízo dos idosos abrigados na unidade. A Promotora de Justiça Itâmara Guimarães Rosário Pinheiro requereu ainda que a inicial fosse julgada procedente para condenar as requeridas pela prática de atos de improbidade administrativa, aplicando-lhes as sanções de ressarcimento integral do dano, perda da função pública, suspensão dos direitos políticos de três a cinco anos e pagamento de multa civil de até cem vezes o valor da remuneração percebida pelas agentes.

Conforme a ação, inicialmente foi instaurada notícia de fato para investigar a conduta das servidoras, que teriam deixado de respeitar os princípios éticos e morais da Administração Pública pelo não atendimento das responsabilidades inerentes às funções públicas que exerciam. As servidoras, nomeadas em março de 2007 para o cargo de auxiliar de enfermagem da Prefeitura de Barra do Bugres, foram cedidas para atuar como técnicas de enfermagem no Lar, ainda na condição de funcionárias públicas, em razão da parceria mantida com o Município.

No decorrer das investigações, a responsável técnica do Lar, Geize de Lima Oliveira, relatou ocorrências de negligências quanto à higienização dos idosos, violência física e psicológica, afirmações depreciativas, omissão à assistência solicitada para atividades diárias por parte das requeridas contra alguns idosos acolhidos, bem como a desídia das funções que deviam ser exercidas.

Leia mais:  SINE começa a receber currículos para o processo seletivo da Rede Atacadão

Sobre a conduta de Ivete Maria Mendes apurou-se que ela se recusava a cumprir ordens como de aferir sinais vitais três vezes ao dia, era negligente quanto aos cuidados de higienização dos idosos e chegou a se negar a pegar a medicação de um dos idosos bem como fraudas para a troca após o banho. Com relação a Maria Luiza Teixeira Rodrigues restou apurado que ela fazia afirmações depreciativas, omitia socorro, bem como gritou, ofendeu e agrediu fisicamente um idoso.

Além disso, as servidoras deveriam cumprir jornada de trabalho de 12 horas de trabalho por 36 horas de descanso. Contudo, elas decidiram trabalhar 24 horas para descansar dois dias seguidos. “Essa jornada diferenciada sobrecarregava as requeridas e quando eram solicitados seus serviços por suas colegas, usavam como justificativa o cansaço para se esquivar de suas atribuições, agindo de forma ineficiente”, considerou a Promotora de Justiça.

Afastamento – Para Itâmara Guimarães Rosário Pinheiro, “restam claras as provas de cometimento de ilícitos de improbidade administrativa, o que por si só já justificaria o afastamento liminar das requeridas dos cargos que ora ocupam, a fim de que o ocorrido não se torne praxe”. A Promotora considerou que diante dos firmes elementos de prova, simplesmente é incompatível a permanência das servidoras em seus cargos, uma vez que se utilizaram do aparato da Administração Pública para cometer crime de maus tratos.


 

Leia mais:  Prioridade na nova legislatura, reforma da Previdência pode ter comissão de acompanhamento

 

 

Fonte: MP

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana