conecte-se conosco


Economia

Matrículas por cotas em universidades mais que triplicaram entre 2009 e 2016

Publicado


Matrículas por cotas mais que triplicaram entre 2009 e 2016, revela IBGE
Divulgação
Matrículas por cotas mais que triplicaram entre 2009 e 2016, revela IBGE

O número de matrículas por cotas no ensino superior público do Brasil mais que triplicou de 2009 a 2016, ao passar de 1,5% para 5,2%, divulgou nesta quarta-feira (5) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, por meio da Síntese dos Indicadores Sociais 2018.

Leia também: Número de pessoas em extrema pobreza cresce e chega a 15,2 milhões no Brasil


Nos cursos de nível superior (bacharelado) presencial em instituições públicas, as matrículas por cotas
registraram aumento de 809 mil para 1,2 milhão. No mesmo período, os números foram maiores nas instituições privadas. As matrículas nesses cursos cresceram de 2,8 milhões para 3,9 milhões.

O Programa Universidade para Todos ( ProUni
), que concede bolsas de estudo integrais e parciais em cursos de graduação e sequenciais em instituições privadas de ensino superior, também registrou aumento proporcional ao das cotas, indo de 5,7% para 7,3% nos sete anos pesquisados.

Os alunos que ingressaram ao ensino superior após cursarem os anos anteriores em escola privada
, no entanto, ainda representam mais que o bobro dos que os estudantes do ensino médio da rede pública
, mesmo com os avanços das cotas e do ProUni.

Entre 2009 e 2016, 35,9% dos que se formaram na rede pública passaram a cursar uma faculdade, número que passa a 79,2% para alunos que estudaram na rede privada nos anos anteriores.

Leia mais:  Concursos públicos da semana oferecem 2.735 vagas com salários de até R$ 18 mil

desigualdade de renda entre brancos e pretos
permanece alta, apesar de os números do IBGE mostrarem uma leve redução do abismo entre os rendimentos. Os pretos ou pardos representavam, em 2017, 75,2% das pessoas com os 10% menores rendimentos, contra 75,4% em 2016. Na classe dos 10% com os maiores rendimentos a participação de pretos ou pardos, por sua vez, aumentou, saltando de 24,7% em 2016 para 26,3% em 2017.

O grupo de de crianças de 4 e 5 anos que frequentava escola ou creche entre 2016 e 2017 subiu de 90,2% para 91,7%, embora ainda não seja suficiente para atingir a meta de universalização do Plano Nacional de Educação
(PNE), que é universalizar a educação infantil na pré-escola para as crianças dessa faxa etária e ampliar a oferta em creches.

Mesmo sem conseguir universalizar o PNE, o Brasil está perto da média dos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) referente ao acesso à pré-escola, defende o IBGE. A taxa de crianças com 4 anos de idade em escolas ou creches no Brasil é de 87,1%, abaixo da média de 88%, ocupando o 27º lugar entre 35 países – na frente de países como Chile, Finlândia e Estados Unidos.

A construção de todo o processo de educação passa pelo número de crianças que está nas escolas e creches, a qualidade do ensino, a formação dos professores e muitos outros fatores. Mesmo com a redução das taxas, a desigualdade de renda entre brancos e pretos ou pardos é muito grande no Brasil, avalia o Instituto. 

Leia mais:  Número de entidades reguladas pela CVM cresceu 4,2% em 2018

Leia também: Grupo dos 10% mais ricos concentra quase metade da renda no Brasil, revela IBGE

Necessidade de trabalhar impede muitos de estudarem


Matrículas por cotas e ProUni cresceram entre 2009 e 2016; muitos jovens não podem estudar por terem que trabalhar
Divulgação
Matrículas por cotas e ProUni cresceram entre 2009 e 2016; muitos jovens não podem estudar por terem que trabalhar

Os dados da Síntese dos Indicadores Sociais 2018 indicam que o principal motivo para muitos jovens não conseguirem estudar é a necessidade de trabalhar para compor ou ser a única renda familiar. 

Na população masculina com ensino médio completo e incompleto, eles não estudavam principalmente por precisar trabalhar e procurar trabalho ou aguardar início do trabalho (52,5% no primeiro grupo e 48,9% no segundo). 

Entre as mulheres do mesmo grupo, o motivo da falta de estudos era a dedicação aos afazeres domésticos e cuidados, que concentrou 39,5% das jovens sem ensino médio e 14,7% das jovens com ensino médio que não haviam concluído o ensino superior. Precisar trabalhar e procurar trabalho ou aguardar início do trabalho foram os motivos para 23,2% e 33,6%, respectivamente.

Leia também: Comissão da OEA alerta sobre direitos humanos em risco no Brasil

A Síntese dos Indicadores Sociais 2018 traz um conjunto de informações da realidade social do Brasil e usa a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) de 2012 a 2017 como principal fonte para a divulgação que traz como um dos destaques o aumento do número de matrículas por cotas
entre 2009 e 2016.

Comentários Facebook
publicidade

Economia

Ex-ministro da Defesa Silva e Luna é nomeado diretor de Itaipu

Publicado

por

O ex-ministro da Defesa Joaquim Silva e Luna foi nomeado como novo diretor-geral brasileiro da Usina Hidrelétrica de Itaipu, no rio Paraná, na divisa entre o Brasil e Paraguai. A escolha foi publicada hoje (21) no Diário Oficial da União (DOU). O vice-almirante Anatalício Risden Júnior vai ocupar a diretoria financeira da usina. Os dois substituem Marcos Vitório Stamm e Mário Antônio Cecato, respectivamente. Os mandatos vão até 16 de maio de 2022.

Luna comandará a parte brasileira da usina hidrelétrica, que pertence ao Brasil e ao Paraguai, e terá, entre outros compromissos, iniciar as tratativas para a renegociação do Anexo C do Tratado de Itaipu. Assinado em 1973, o tratado prevê que em 2023 haverá revisão dos valores para a venda ao Brasil de parte da energia produzida a que o Paraguai tem direito. Tanto o Brasil quanto o Paraguai tem direito a 50% da energia produzida.


Grupo de trabalho

No último dia 13, o Ministério de Minas e Energia criou um grupo de trabalho para coordenar os estudos do processo de revisão do tratado da hidrelétrica binacional Itaipu. O GT tem 60 dias para apresentar um plano de trabalho com as etapas necessárias para conclusão dos estudos.

Entre outros pontos, a discussão sobre a revisão do Anexo C vai recair sobre o custo da tarifa e a possibilidade de permitir que a energia da usina seja vendida a qualquer comprador e não somente entre Brasil e Paraguai. Depois dessa data, nova revisão só ocorrerá em 2073

A energia vendida ao Brasil abastece clientes nas regiões Sul e Sudeste. Uma redução no volume ofertado ao Brasil ou o aumento no preço cobrado pela energia importada poderiam afetar a tarifa de energia elétrica no Brasil.

Leia mais:  Brasil mostra alta gastronomia e fecha negócios na França

A tarifa de Itaipu é calculada pelo custo, e um componente importante nessa conta é o pagamento da dívida – de aproximadamente US$ 27 bilhões – contraída para construção da usina. Esse financiamento, cujo pagamento equivale a cerca de dois terços da tarifa, estará totalmente amortizada em 2023.

Com um orçamento de US$ 3,5 bilhões, a usina de Itaipu Binacional é líder mundial na geração de energia limpa e renovável, com 20 unidades geradoras e 14 mil MW de potência instalada. Atualmente a usina responde por 17% do mercado brasileiro de eletricidade e 85% do consumo paraguaio.

O general da reserva Silva e Luna foi o primeiro militar a ocupar a chefia do Ministério da Defesa. Luna é doutor em Ciências Militares pela Escola de Comando e Estado-Maior do Exército

O novo diretor financeiro, vice-almirante Anatalício Risden Júnior, é mestre em Ciências Navais e doutor em Altos Estudos de Política e Estratégia – Marítimas. Desde 2015, é consultor da Fundação Getulio Vargas (FGV).

Edição: Fernando Fraga

Fonte: EBC
Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Entenda cálculo e regras de transição propostas pelo governo na nova Previdência

Publicado

por


O presidente Jair Bolsonaro entregou, ontem (20), a proposta de reforma da Previdência para Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados
Flickr / Palácio do Planalto
O presidente Jair Bolsonaro entregou, ontem (20), a proposta de reforma da Previdência para Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados


A Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 6/2019, também conhecida como nova Previdência, foi entregue na manhã desta quarta-feira (20) aos presidentes da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, e do Senado Federal, Davi Alcolumbre, pelo presidente Jair Bolsonaro.

Leia também: Reforma da Previdência fixa idade mínima e eleva tempo de contribuição; entenda


A proposta é que a reforma da Previdência
 institua idades mínimas para a aposentadoria de 62 anos para mulheres e 65 anos para os homens, além de tornar obrigatório pelo menos 20 anos de contribuição. As mudanças valem tanto para trabalhadores do setor privado quanto para servidores públicos.

Se o projeto for aprovado, as novas regras passarão a valer para pessoas que estão ingressando agora no mercado de trabalho, que precisarão cumprir com as idades mínimas e tempo de contribuição. Quem já trabalha, no entanto, vai poder escolher entre as regras de transição
propostas pelo governo.

Em pronunciamento feito em rede nacional na noite de ontem (20), Bolsonaro
declarou que,  apesar das mudanças, os trabalhadores poderão contar com as regras de transição
“para que todos possam se adaptar ao novo modelo.” Ele também afirmou que os direitos adquiridos até agora, ou seja, as regras de aposentadoria
atuais “estão garantidas”, seja para quem já está aposentado ou para quem já completou os requisitos para se aposentar.

Para quem ainda não se aposentou ou está perto, entenda como vão ficar os cálculos da aposentadoria e como serão feitas as regras de transição:

Cálculo da Previdência


Em pronunciamento, Bolsonaro afirmou que direitos dos já aposentados estão garantidos pelas regras atuais  mesmo em caso de aprovação da nova Previdência
Reprodução/Palácio do Planalto
Em pronunciamento, Bolsonaro afirmou que direitos dos já aposentados estão garantidos pelas regras atuais mesmo em caso de aprovação da nova Previdência

Com a reforma, o benefício passa a ser calculado através do  tempo de contribuição
. Ao cumprir os pré-requisitos básicos para se aposentar (62 ou 65 anos, dependendo do sexo, aliado a 20 anos de contribuição) o trabalhador recebe 60% da aposentadoria, calculada em cima da média salarial que vai considerar todos os salários já recebidos pelo funcionário.

Leia mais:  Bolsonaro e Paulo Guedes são “best friends”, garante general Heleno

Ou seja: quando conseguir idade mínima e tempo de contribuição, o valor da aposentadoria será de 60% da média salarial. A cada ano de contribuição que exceder os 20 anos obrigatórios, soma-se 2%.

Para se aposentar com 100% do salário, o trabalhador vai precisar  ter contribuído com 40 anos
de serviço. Se quiser alcançar mais de 100%, será preciso contribuir por mais de 40 anos.

Regras de transição: servidores privados x servidores públicos 


Ao lado de ministros, o presidente Jair Bolsonaro entregou a proposta de reforma da Previdência para Rodrigo Maia
Reprodução/ Twitter
Ao lado de ministros, o presidente Jair Bolsonaro entregou a proposta de reforma da Previdência para Rodrigo Maia


A nova Previdência
prevê três tipos diferentes de regras de transição para trabalhadores do setor privado, deixando a escolha de cada um a que achar mais vantajosa. Já para os servidores públicos, no entanto, a regra será unica.

Setor privado

1) Tempo de contribuição + idade mínima

Nesse caso, o período de transição até atingir os 62 e 65 anos vai durar 12 anos para mulheres e oito anos para os homens. Quando a reforma for aprovada (em 2019, por exemplo), as idades serão de 56 anos para elas e 61 para eles.

Assim, as idades mínimas sobrem 6 meses a cada um ano, acalçando 62 para as mulheres em 2031 e 65 para os homens em 2027. Confira:

  • 2019: 61 anos homens e 56 anos mulheres
  • 2020: 61,5 anos homens e 56,5 anos mulheres
  • 2021: 62 anos homens e 57 anos mulheres
  • 2022: 62,5 anos homens e 57,5 anos mulheres
  • 2023: 63 anos homens e 58 anos mulheres
  • 2024: 63,5 anos homens e 58,5 anos mulheres
  • 2025: 64 anos homens e 59 anos mulheres
  • 2026: 64,5 anos homens e 59,5 anos mulheres
  • 2027
    : 65 anos homens
    e 60 anos mulheres
  • 2028: 65 anos homens e 60,5 anos mulheres
  • 2029: 65 anos homens e 61 anos mulheres
  • 2030: 65 anos homens e 61,5 anos mulheres
  • 2031
    : 65 anos homens e  62 anos mulheres

Nesse caso, até alcançar as idades previstas, os homens precisarão de 35 anos de contribuição e as mulheres, 30, como é atualmente. Depois de atingidas as idades, em 2027 e 2031, o tempo de contribuição passa a ser 20 anos para ambos os sexos.

Leia também: “Os mais pobres estavam pagando pela Previdência dos mais ricos”, diz Guedes

Leia mais:  Prazo para sacar abono do PIS/Pasep vai só até sexta; saiba se você tem direito

Tempo de contribuição + pedágio

Esta opção prevista na reforma da Previdência
só pode ser escolhida pror quem está a apenas dois anos ou menos para se aposentar .
Nela
o trabalhador não precisa ter idade mínima, e sim apenas tempo de contribuição de 35 anos para homens ou 30 para mulheres.

Nesse caso, no entanto, o trabalhador precisa pagar um pedágio de 50% sobre o tempo que falta para se aposentar. Por exemplo: se falta um ano, ele deverá trabalhar seis meses adicionais. Se faltam dois anos, um ano adicional. 

Pontos (Tempo de contribuição + idade mínima)

Essa regra é parecida com a atual fórmula de pontos, a 86/96. Aqui, o trabalhador precisa atingir uma determinada pontuação que resulta da soma de sua idade mais otempo de contribuição que ele possui.

Atualmente, a pontuação em vigor é de 96 pontos para homens e 86 para mulheres. Com a reforma, esse número vai aumentar um ponto a partir da aprovação do projeto, até chegar em 105 pontos para homens em 2028 e 100 pontos para as mulheres em 2033. Entenda:

  • 2019: 96 pontos para homens e 86 para mulheres
  • 2020: 97 pontos para homens e 87 para mulheres
  • 2021: 
    98 pontos para homens e 88 para mulhere
  • 2022: 99 pontos para homens e 89 para mulheres
  • 2023: 100 pontos para homens e 90 para mulheres
  • 2024 101 pontos para homens e 91 para mulheres
  • 2025: 102 pontos para homens e 92 para mulheres
  • 2026: 103 pontos para homens e 93 para mulheres
  • 2027: 104 pontos para homens e 94 para mulheres
  • 2028
    105 pontos para homens
    e 95 para mulheres
  • 2029: 105 pontos para homens e 96 para mulheres
  • 2030: 105 pontos para homens e 97 para mulheres
  • 2031: 105 pontos para homens e 98 para mulheres
  • 2032: 105 pontos para homens e 99 para mulheres
  • 2033
    : 105 pontos para homens e 100 para mulheres

Setor público

Apesar de ficarem com a mesma idade mínima proposta para os trabalhadores do setor privado (65 anos para homens e 62 para mulheres), o tempo de contribuição para servidores públicos é maior, de 35 anos para homens e 30 para mulheres.

A porposta para os trabalhadores públicos é similiar a do sistema de pontos. Somando tempo de contribuição mais idade mínima, eles devem começar em 96 pontos e elas, 86. O número precisa subir gradativamente, aumentando um ponto em cada ano, com transição de nove anos para homens e 14 anos para mulheres.

Leia também:  Bolsonaro fala de Previdência mais exigente, mas “justa e sem privilégios”

Assim, com a nova Previdência, as mulheres do setor público também poderão se aposentar atingindo 100 pontos e os homens com 105 pontos.

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana