conecte-se conosco

  • banner_Lorenzetti_1250x250

Mato Grosso

Mato Grosso inicia vacinação contra a Covid-19 e imuniza 10 trabalhadores da Saúde

Publicado


Mato Grosso deu início, na noite desta segunda-feira (18.01), ao Plano Nacional de Imunização (PNI) contra a Covid-19. Em ato simbólico, no Hospital Metropolitano, em Várzea Grande, dez profissionais que atuam na linha de frente da pandemia no Estado receberam a primeira dose do imunizante Coronavac.

O Estado recebeu, nesta primeira fase, 126.160 doses da vacina, que irá contemplar 60.074 pessoas, com duas doses, dentre elas indígenas. O imunizante se encontra, neste momento, em separação no Centro de Distribuição do Governo do Estado, e será encaminhado para os 141 municípios nas primeiras horas desta terça-feira (19.01).

Ao lado da primeira-dama, Virginia Mendes, e dos secretários de Saúde do Estado, Gilberto Figueiredo, e da Casa Civil, Mauro Carvalho, o governador Mauro Mendes destacou o papel da ciência e afirmou que o momento marca uma “virada de página”. O prefeito de Várzea Grande, Kalil Baracat, e parlamentares do Estado e da Capital também participaram do ato.

“Hoje é um dia especial, considerando tudo que vivemos ao longo de 2020. Tanta angústia, tanta incerteza, a dor e o sofrimento que foi causado a tantas famílias. A ciência trabalhou em ritmo extremamente acelerado e ao final chegamos à vacina mais rápida da história. Acreditamos que hoje marcamos o início de uma recuperação desta pandemia, é o início de uma virada de página”, celebrou o governador.

A primeira cidadã vacinada contra o coronavírus em Mato Grosso foi a técnica de enfermagem Luiza Batista de Almeida Silva, 43 anos. Ela atua na área desde 2011 e, em 2019, ingressou no Hospital Metropolitano, unidade em que atualmente desempenha suas atividades na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Covid-19.

“O sintoma que estou sentindo agora é alegria”, disse Luiza, logo após ser imunizada. “Está chegando ao fim esta luta desigual com este vírus invisível, que nos massacrou. Nós, da linha de frente, ficamos isolados dos nossos parentes, dos nossos filhos, maridos, mães, para que não transmitíssemos o vírus a eles. E ao mesmo tempo estivemos ao lado de pacientes, dividindo com eles toda a dor. Mas hoje chegou ao fim essa tristeza”, completou a técnica de enfermagem.

Além de Luiza, as técnicas de enfermagem do Hospital Metropolitano, Angelina Galvan, 58 anos, e Helena Maria Aparecida Silva, 63 anos, também receberam a primeira dose da vacina.

No ato desta segunda-feira, o Governo de Mato Grosso imunizou, ainda, outros sete profissionais da Saúde do Estado: a enfermeira Luciele Fernanda Benin, 43 anos, que atua na linha de frente da Covid-19, no Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e no transporte aeromédico de pacientes; Joel da Silva Rodrigues, 43 anos, enfermeiro no Hospital Estadual Santa Casa; Dante Martins Miraglia Lima, 40 anos, fisioterapeuta no Hospital Estadual Santa Casa; Rosangela Ushizima, 53 anos, servidora na Unidade 1 do Adauto Botelho; Carla Marques Rondon Campos, 53 anos, médica pediatra e servidora do Centro de Referência para Imunobiológicos Especial; além das duas servidoras que aplicaram a vacina, Nígima Luciana do Nascimento Brasil de Castro e Ana Beatriz.

Enquanto não há a confirmação da quantidade total de doses a ser enviada aos Estados, a equipe da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT) alinha estratégias para a logística de vacinação, reforçando que, havendo qualquer alteração no Plano Nacional de Imunização, o plano estadual se adequará à mudança.

De acordo com o direcionamento do Ministério da Saúde, nesta primeira fase serão vacinados prioritariamente pessoas idosas institucionalizadas com 60 anos ou mais, pessoas com deficiência institucionalizadas, indígenas aldeados, e trabalhadores da saúde que atuam na linha de frente do combate ao coronavírus.

A princípio, a SES-MT deverá analisar a quantidade de vacinas pelo número de pessoas desse grupo, já que o total enviado nesse momento para o Estado não é suficiente para atender toda a demanda.

“Os municípios vão saber amanhã [quantas doses vão receber, cada], quando enviaremos uma resolução da pactuação. Separamos as doses para a população indígena e as demais foram rateadas proporcionalmente pelos números informados pelo Ministério da Saúde”, esclareceu o secretário estadual de Saúde, Gilberto Figueiredo.

Diante do cenário, o governador Mauro Mendes reforçou a necessidade da manutenção das medidas de isolamento social. “Lamentamos porque teremos ainda um longo caminho a ser percorrido até a imunização de toda a população. Por isso, é extremamente importante que todos continuem a praticar as chamadas medidas não farmacológicas de prevenção, porque segundo a ciência esta é, ainda, a maneira mais segura de se evitar a transmissão e a contaminação pelo coronavírus”, pontuou.

Vacinas

Além da CoronaVac, vacina produzida pela farmacêutica SinoVac em parceria com o Instituto Butantan, em São Paulo, o plano de vacinação do Governo Federal prevê, ainda, a inclusão do imunizante AstraZeneca, produzido pela Fiocruz, em parceria com a Universidade de Oxford.

Ambas as vacinas são indicadas para pessoas acima de 18 anos e com aplicação de duas doses. O prazo para a segunda dose da CoronaVac é de 14 a 28 dias, sendo de 90 dias para a AstraZeneca.

Plano Estadual de Operacionalização

A distribuição das 126.160 doses de vacina contra a Covid-19 em Mato Grosso começa nesta terça-feira (19.01). O envio obedecerá ao Plano Estadual de Operacionalização da Vacinação, que será executado pela SES-MT, em parceria com a Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp), além das Polícias Federal e Rodoviária Federal e o Ministério da Defesa.

Nos casos em que for necessário, o Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer) disponibilizará seis aeronaves de sua frota para dar celeridade à distribuição.

Os imunizantes serão encaminhados para 14 polos regionais, que serão a ponte de distribuição para os demais municípios, considerando a quantidade de doses enviada pelo Ministério da Saúde. A vacinação seguirá o Plano Nacional de Imunização (PNI).

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook

Mato Grosso

Curta-metragem retrata vivência de imigrantes em Lisboa e Cuiabá

Publicado

por


As vivências de imigrantes em Lisboa e Cuiabá estão sendo retratadas no curta-metragem Intersecção – A História de quem migra. A obra é resultado de vivências do diretor e ativista, Rodrigo Zaiden, ao comparar situações semelhantes do período em que viveu como imigrante em Portugal com as dos imigrantes em Mato Grosso.

“Registramos os modos como a imigração impacta diferentes pessoas de distintas culturas e nações, por um lado e, por outro, como essas pessoas se interseccionam num contexto urbano global de uma nação que não é a sua, produzindo novas formas de viver, identidades e resistências”, pontua o diretor.

A maior parte das gravações foram realizadas em 2017, ano em que Rodrigo morou no país lusitano e iniciou a pesquisa audiovisual, registrando histórias de vida de imigrantes de Brasil e de Países Africanos de Língua Portuguesa (PALOP), como Moçambique e Guiné Bissau. Em 2019, já em Mato Grosso, o diretor se deparou com a expressiva comunidade de imigrantes guineenses, haitianos, venezuelanos, dentre outros. 

Com a aprovação do projeto na categoria audiovisual do edital MT Nascentes da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel-MT), o curta-metragem está sendo finalizado para lançamento virtual no mês de abril. Os recursos da Lei Aldir Blanc viabilizaram as últimas captações de imagens em fevereiro deste ano, e já estão em andamento as fases de edição, montagem e finalização.

“Mais do que a intersecção entre os contextos de imigrantes em locais diferentes, esse projeto mostra as convergências entre cultura e a sensibilização do público quanto ao direito à cidadania de todos os povos. É mais uma iniciativa da qual temos satisfação em apoiar e dar visibilidade por meio de nossos editais”, assinala o titular da Secel, Alberto Machado.

De Guiné Bissau, Lídia Dju, que mora em Cuiabá e o diretor do filme, Rodrigo Zaiden

Ao contar histórias de vidas que se cruzam em situações parecidas, o filme desvela circunstâncias limítrofes da imigração, percorrendo memórias, identidades e territórios físicos e simbólicos de um tema que atinge milhões de pessoas.  

“Contamos as histórias de pessoas como a Lígia, a Marvinda ou o Ka Codé, em Lisboa, ou a Lídia, o Ênio e a Callina em Cuiabá. Falamos de suas relações com a imigração, como as mudanças, o processo de adaptação, as relações afetivas e de trabalho, a luta pelos direitos humanos e cidadania. Historicamente silenciados e invisibilizados pelas histórias oficiais portuguesa e brasileira, cada uma das pessoas traz questões únicas e fundamentais”, explica Rodrigo Zaiden.

Conjuntura

Para o diretor, o filme busca sensibilizar não apenas quem passa pela mesma situação, mas também quem assiste, o público em geral, e os formuladores de políticas públicas, responsáveis por propor soluções aos problemas da imigração. 

Entre 2010 e 2018, Cuiabá recebeu mais de 3,5 mil haitianos e 119 venezuelanos sem considerar os imigrantes ilegais. Em Portugal, os brasileiros representam o maior número de imigrantes, somando mais de 151,3 mil pessoas vivendo legalmente. Se contar os ilegais, esse número pode dobrar. 

“Busquei amigos para compartilhar nossas lutas, que são tão diversas, mas convergem em muitos aspectos como a saudade da família e de casa, as adaptações e mudanças ou o racismo que enfrentamos por estar num país colonizador de nossos ancestrais. O mesmo imigrante brasileiro que sofre racismo em Portugal é o que pratica o preconceito com outros imigrantes aqui em Cuiabá. Este ciclo de exclusão ao outro, ao estrangeiro, precisa ter fim, já que o direito de ir e vir está amplamente expresso em todos os documentos internacionais e na constituição federal de Brasil e de Portugal”, conclui Rodrigo.

Com informações da Assessoria

Fonte: GOV MT

Continue lendo

Mato Grosso

Seplag intensifica acompanhamento psicossocial dos servidores durante a pandemia

Publicado

por


Profissionais da área da saúde mental, em todo o mundo, alertam para o aumento do número de casos relacionados a transtornos de ansiedade e depressão durante a pandemia do coronavírus. Sensível aos cuidados com a saúde mental de seus servidores, a Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag-MT) tem intensificado o processo de acompanhamento psicossocial na pasta.

A Secretaria vem intervindo em situações de vulnerabilidade que alguns servidores têm apresentado, sendo ofertada escuta qualificada, acolhimento, orientação e avaliação profissional de psicólogos e assistentes sociais.

A ação consiste em prestar atendimento especializado, por meio da Coordenadoria de Segurança e Saúde no Trabalho (CSST), aos servidores com problemas que possam interferir na sua vida funcional e visa também aprimorar o atendimento realizado desde o início da pandemia pela equipe.

Quando identificado como necessário, é feito o encaminhamento do funcionário para tratamento especializado externo, explica a psicóloga responsável pela unidade, Katya Rodrigues.

“O isolamento social, a privação de espaços de lazer e a alteração da dinâmica de socialização fizeram com que esses transtornos surgissem ou reaparecessem na população, demonstrando os impactos emocionais de estresse agudo e pressão psicológica envolto no cenário de pandemia”, comentou a psicóloga que ainda acrescentou “tudo isso aliado a recente descoberta da vacina, mas com acesso ainda escasso, é um agravante dos índices de depressão e ansiedade”, ponderou.

Somente no último ano, o índice de afastamento entre os servidores da Seplag por licença médica por CID F – classificação para doenças relacionadas à transtornos mentais e comportamentais –, foi de 31%, segundo o banco de dados da Gerência de Informação em Saúde do Servidor.  

Matheus de Musis, um dos psicólogos da CSST/Seplag, em atendimento por vídeochamada

O processo de acompanhamento psicossocial implantando na Seplag tornou-se referência para outras secretarias do Governo, que já somam mais de cinco mil atendimentos ao longo dos dois anos do projeto. Além de difundir entre os órgãos e entidades o modelo de trabalho a ser implantado, o treinamento e o suporte das equipes, assim como o monitoramento dos resultados alcançados são realizados pela Secretaria Adjunta de Gestão de Pessoas da Seplag, órgão central de Gestão de Pessoas do Executivo estadual.

Através da CSST também foram instituídos na pasta outros procedimentos para promover a melhoria das condições internas de saúde e bem-estar psicossocial dos servidores, entre eles um protocolo referente ao coronavírus contendo orientações sobre prevenção, atendimento ao público, apoio psicológico, entre outras informações.

Além disso, o acompanhamento de servidores com suspeitas ou casos confirmados da Covid-19 vem sendo feito desde o início da pandemia. De acordo com o dado mais recente da CSST, 127 servidores da pasta testaram positivo para a doença.

“Ainda é cedo para saber com precisão real o impacto da Covid-19 na saúde mental da população mundial. Entretanto, procuramos contribuir para a promoção da saúde mental no intuito de concretizar o desenvolvimento de relações mais humanas no ambiente de trabalho”, afirmou Katya.

Todas as ações da Coordenadoria, inclusive as citadas acima, foram adaptadas por conta da pandemia e passaram a ser realizadas por telefone ou vídeochamada.

Quando identificado como necessário, é feito o encaminhamento do funcionário para tratamento especializado externo, explica a psicóloga responsável pela CSST/Seplag, Katya Rodrigues. 

Atendimento

O servidor da Seplag que se identifique nas situações citadas ou por outro motivo necessite de apoio psicossocial deve entrar em contato com a CSST, unidade vinculada à Secretaria Adjunta de Administração Sistêmica (SAAS), pelos telefones (65) 9 9222-4568 e (65) 9 9280-3107 ou pelo e-mail: [email protected]

Em caso de suspeita, confirmação ou contato com pessoa infectada pelo coronavírus, o servidor deve se afastar imediatamente do trabalho e informar o chefe imediato via e-mail, bem como notificar sua situação para o endereço eletrônico: [email protected] Os demais servidores do Governo devem comunicar suas respectivas unidades quanto a suspeita, confirmação ou contato com pessoa infectada.

Fonte: GOV MT

Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana