conecte-se conosco


BemRural

Maquinário agrícola: Setor teme falta de recursos para financiamentos

Publicado

A Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq) estima que o governo federal precisará suplementar em cerca de R$ 3 bilhões o valor disponível para o Moderfrota, programa de financiamento para aquisição de máquinas agrícolas.

A demanda por esta linha de crédito nos primeiros quatro meses do Plano Safra 2018/2019, de julho a outubro, indica que os recursos existentes se esgotarão em março. Só que o ano-safra encerra-se apenas em junho de 2019.


Em Tangará da Serra, as revendas de máquinas agrícolas operam mais com o Fundo Constitucional de Financiamento do Centro Oeste (FCO), gerido pelo Banco do Brasil. Há poucos financiamentos através do Moderfrota e, quando há, ocorrem através de linhas de crédito alternativas.

Recursos do FCO já estão indisponíveis, enquanto o Moderfrota estará esgotado em março. Temor é em razão da ameaça de retração das vendas.

Em relação ao FCO, entretanto, os recursos para financiamentos estão indisponíveis ao menos até fevereiro, segundo preveem os revendedores. “Temos muitos negócios em andamento, mas nossa expectativa é para fevereiro do ano que vem”, confirma o gerente comercial da Agro Amazônia (revenda John Deere), Ricardo Laúdo. A indisponibilidade de crédito ocorre em função do contingenciamento do governo.

Insuficiência

Na semana passada, o presidente da Abimaq, João Carlos Marchesan, esteve com o presidente Michel Temer e com a futura ministra da Agricultura, Tereza Cristina, e apresentou os números que demonstram a insuficiência dos valores. Solicitou que os recursos de outras linhas sejam remanejados.

Leia mais:  Decreto de Bolsonaro sobre posse de armas deverá liberar até duas por pessoa

Para o segmento, a falta de recursos para financiamento causará uma retração nas vendas, o que não seria nada bom para um setor que vem em recuperação.

Presidente da Abimaq, João Carlos Marchesan, esteve com o presidente Michel Temer e com a futura ministra da Agricultura, Tereza Cristina, para tratar do assunto.

No atual Plano Safra, foram disponibilizados R$ 8,9 bilhões para o Moderfrota. De julho a outubro, foram desembolsados 46% deste valor, 62% a mais do que no mesmo período do ano anterior. “Agora resta metade dos recursos para os próximos oito meses”, observa Marchesan.

Segundo João Carlos Marchesan, a Abimaq espera fechar 2018 com crescimento na faixa dos 15%. “O agronegócio está investindo, renovando seu parque de máquinas, e não podemos perder este momento”, afirma.

Para 2019, a Abimaq acredita que será possível crescer novamente na ordem de 15%, mas para isso precisa se beneficiar de um conjunto de fatores: commodities e câmbio valorizados, clima colaborando e ter oferta de crédito durante as grandes feiras do agronegócio.

Comentários Facebook
publicidade

BemRural

No Acre, ministra afirma que está negociando exportação de carne para o Peru

Publicado

por

Em viagem ao Acre, onde foi acompanhar o início da primeira colheita de soja no estado, a ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) informou que está negociando junto ao governo do Peru a abertura do mercado daquele país para a carne brasileira, principalmente a produzida no Norte do país. Ela disse que não faz sentido o Peru comprar carne de países distantes, como Austrália e Estados Unidos, e estar com o mercado fechado para a produção de excelente qualidade do Brasil. A ministra convidou o governador do Acre, Gladson Cameli, a acompanhá-la em viagem ao Peru, juntamente com uma comitiva de produtores acreanos, para negociar a abertura do mercado.

“Nós já estamos bem encaminhados”, disse Tereza Cristina, em relação às negociações com o governo peruano. “Vamos ter uma missão, em breve, para o Peru para abrir o mercado de carnes. A gente sabe que vocês (do Acre) têm um potencial enorme na pecuária, e o Peru importa carne da Austrália. Olha a distância! Eles estão lá do outro lado do mundo e nós temos aqui carne de qualidade. O governador nos acompanhará para mostrar tudo que vocês têm de bom aqui”.


A ministra visitou a primeira plantação de soja da Fazenda Mariana, nos arredores de Rio Branco, a capital do estado, e ficou satisfeita ao conversar com a produtora rural Fátima Maciel, integrante do Sindicato dos Trabalhadores Rurais do estado. Fátima contou à ministra que tinha medo de plantar soja, porque diziam a ela que o produto deixava os solos inférteis. Mas ela finalmente teve acesso à cultura e se surpreendeu positivamente. “O solo é adubado pela palha da soja e continua fértil. A palha funciona como adubo”, disse a trabalhadora. “Ouvir esse depoimento já valeu a minha viagem”, respondeu a ministra.

Leia mais:  Comunicado do governador Mauro Mendes aos fornecedores

Produção com sustentabilidade

Tereza Cristina disse esperar que a produção de soja aumente a cada ano no Acre, com responsabilidade ambiental. Nesta primeira safra, o estado plantou 500 hectares com soja. “Se Deus quiser, ano que vem eu venho aqui e já vai ter mil, dois mil hectares. E isso sem comprometer o meio ambiente, fazendo isso com sustentabilidade. Nós temos como fazer, nós temos tecnologia hoje para isso. O Brasil é campeão em tecnologia na agricultura tropical, só ele tem, e precisamos exportar nossa tecnologia”, afirmou a ministra.

A ministra disse que vai tentar resolver um problema que aflige os produtores do Acre, a dificuldade de transportar cargas até a Bolívia. “É uma insensatez que os caminhões tenham de andar 3 mil quilômetros para levar carne a um país tão próximo. Isso tira toda a margem (de lucro) do empresário que está produzindo aqui, o problema da passagem é um absurdo. Então vamos sentar e endurecer um pouquinho esse jogo para ver se conseguimos que toda a carne que vai para a Bolívia não tenha de dar essa volta, porque isso é mortal”.

Tereza Cristina disse também que “o Ministério da Agricultura está aberto para todos aqueles que querem empreender”. Segundo ela, é preciso “desburocratizar muita coisa” e tornar os processos mais simples e menos demorados. “Simplificar processos não quer dizer que não vamos cumprir lei. Nós vamos cumprir sim, mas não podemos deixar coisas que podem ser resolvidas rapidamente levem anos de gaveta em gaveta, deixando o empresariado esperando para investir”.

Leia mais:  Saem novas regras para a produção de leite

Mais informações à imprensa:Coordenação-geral de Comunicação Social
[email protected]

Fonte: MAPA GOV
Comentários Facebook
Continue lendo

BemRural

Cursos do Soja Plus começam em março

Publicado

por

Sustentabilidade

Cursos do Soja Plus começam em março

Interessados devem procurar Sindicato Rural das cidades. Esta é a nona edição dos treinamentos que são oferecidos gratuitamente


22/02/2019

Produtores rurais poderão se capacitar nos cursos de qualidade de vida no trabalho a partir de 22 de março.  Oferecidas pela Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja-MT) em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar-MT), por meio do programa Soja Plus, as qualificações começarão por Diamantino e devem percorrer outros 33 municípios. Interessados devem procurar Sindicato Rural das cidades. Esta é a nona edição dos treinamentos que são oferecidos gratuitamente.


Os cursos são baseados na Norma Regulamentadora 31 (NR31) – Qualidade de Vida no Trabalho e Saúde e Segurança no Trabalho Rural. Conforme explica a gerente de Sustentabilidade da Aprosoja-MT, Marlene Lima,  os cursos tem por principal objetivo preparar os produtores de soja e milho de Mato Grosso, quanto às questões de legislação trabalhistas, previdenciária,  gestão e segurança no trabalho, bem como prevenção de acidentes.

“Essa é uma oportunidade ímpar para o produtor rural obter informações quanto às legislações trabalhistas e evitar alguns riscos nas fazendas, como multas, notificações e até acidentes de trabalho, por exemplo”, enfatizou Marlene.

Produtores rurais que desejarem fazer o curso devem procurar os Sindicatos Rurais ou supervisores de campo da Aprosoja-MT, pois os cursos já estão programados ao longo do ano e irão percorrer os municípios de Diamantino, Vera, Ipiranga do Norte, Jaciara, Tabaporã, Lucas do Rio Verde, Tapurah, Sapezal, Cláudia, Sinop, Alta Floresta, Alto Taquari, Matupá, Porto Alegre do Norte, Confresa, Nova Mutum, Nova Maringá, Porto dos Gaúchos, Campos de Júlio, Tangará da Serra, Campo Verde, Itiquira, Rondonópolis, Sorriso, Querência, Gaúcha do Norte, Canarana, Água Boa, Nova Xavantina, Campo Novo do Parecis, Vila Rica, Primavera do Leste, Paranatinga e São José do Xingu.

Leia mais:  Aprosoja-MT pede integração entre ministérios em prol do setor de produção de alimentos

“As datas de onde os cursos vão percorrer serão disponibilizadas nos próximos dias. Este ano caso o produtor rural não consiga se adaptar ao horário das qualificações, vamos oferecer uma flexibilização. Basta procurar os supervisores de campo da sua região”, concluiu Marlene Lima.

Soja Plus

O Soja Plus é um programa de melhoria contínua das propriedades rurais, com objetivo de aumentar a eficácia da gestão e preparar o produtor rural para atender as demandas de forma mais sustentável, econômico, social e ambientalmente. O curso é um pré-requisito para os agricultores serem inseridos no programa.

 

Fonte: Ascom Aprosoja


Assessoria de Comunicação

Contatos: Telefone: 65 3644-4215

Email: [email protected]

Fonte: APROSOJA
Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana