conecte-se conosco



Esportes

Junior Barranquilla não quer bandeiras e pirotecnia na final da Sul-Americana

Publicado


Junior Barranquilla pede para torcida não levar bandeiras e fogos de artifício para final da Sul-Americana
Reprodução

Junior Barranquilla pede para torcida não levar bandeiras e fogos de artifício para final da Sul-Americana

Na noite desta quarta-feira (05), Junior Barranquilla e Atlético-PR disputam a primeira partida da final da Copa Sul-Americana . Porém, o jogo na Colômbia não contará com uma festa da torcida da casa.

Em seu Twitter oficial, o Junior Barranquilla publicou um pedido à torcida. Imagens de Recomendações de Segurança mostram o que não será permitido na partida final no Estádio Metropolitano Roberto Meléndez. Entre as proibições estão:

  • Sombrinhas e mochilas;
  • Bebidas alcoólicas;
  • Comidas e bebidas;
  • Câmeras filmadoras;
  • Cintos e fivelas;
  • Pólvora;
  • Todo tipo de armas e
  • Rádios grandes.

A equipe também alerta aos torcedores que não comprem ingressos de cambistas e não se pendurem nas barras presentes no estádio. Além disso, recomenda o uso de transporte público para ir até a partida, chegar cedo e levar o documento de identidade.

Porém, o que mais chama atenção é a proibição de bandeirinhas e adereços de pirotecnia, muito utilizados nos jogos sul-americanos e que dão um ar diferente para a festa.

Leia mais:  Regulamento do Extreme Teams´ Challenge é aprovado pela CBH

Leia também:  Zagueiro revela que teve casa incendiada após trocar Boca pelo River Plate

De acordo com a publicação, ignorar essas recomendações podem levar o clube a ser punido com suspensão de partidas.

Todos os itens citados (e alguns outros) estão previstos no Art. 124 do Regulamento da competição, disponível no site da Conmebol . O texto diz “todos tipos de objetos pirotécnicos (sinalizadores, pólvora, bombas de fumaça, fogos de artifícios e etc) encontram-se estritamente proibidos nos estádios”.

As punições para o descumprimento da medida podem ir de multas a fechamentos parciais ou totais dos estádios da equipe responsável. A Conmebol ainda pede que os clubes adotem medidas para prevenir o uso de pirotecnia pelas suas torcidas.

A notícia não foi bem recebida pelos torcedores do Junior Barranquilla . Nas respostas ao post do Twitter, alguns chegaram a xingar a Conmebol e até chegaram a questionar “como vão suspender uma partida por isso? É uma loucura”.

Leia também:  Depois de seis anos, seleção brasileira volta ao Maracanã para amistoso

Com ou sem pirotecnia e bandeirinhas, o Junior Barranquilla disputa a primeira partida da final da Copa Sul-Americana pensando em um título inédito, assim como o Atlético-PR. A partida começa as 22h45 (horário de Brasília).

Comentários Facebook
publicidade

Esportes

Assassino confesso do jogador Daniel recebeu conselhos de policial afastado

Publicado

por

Áudios vazados do WhatsApp e divulgados pela RICTV Curitiba indicam que Edison Brittes Junior, conhecido como Juninho Riqueza, pediu conselhos para o policial civil Edenir Canton, o Gaúcho, que está afastado de seu cargo, antes de confessar ter matado o jogador Daniel Corrêa, em 27 de outubro.

Leia também: Jovem que ficou com Daniel cozinhou strogonoff para assassino após crime


O jogador Daniel Corrêa foi assassinado no dia 27 de outubro
Erico Leonan/São Paulo FC

O jogador Daniel Corrêa foi assassinado no dia 27 de outubro

Em um dos áudios, Canton aconselha a não contratação de Cláudio Dalledone, atual advogado de Juninho, e indica outra pessoa. Antes, o assassino confesso de Daniel afirmou que recebeu a indicação de Gaúcho para contratar um defensor.

“Juninho, sou eu, o Gaúcho. Não vai atrás do Dalledone. Vem aqui. Não vai atrás do Dalledone, senão você vai tomar no c*. Passa aqui que temos que montar uma estratégia técnica, senão o Dalledone só fica na conversa, te prende e você está f***”, disse o policial.

Posteriormente a isso, Edison Brittes enviou mensagens de voz para o advogado Rafael Pellizzetti, dizendo que Canton o havia indicado. Pellizzetti é quem defende o policial em caso de homicídio que aconteceu em 2015 e o afastou do cargo. O caso corre em segredo de Justiça, em Araucária, no Paraná.

Leia também: Em vídeo, mãe de Daniel pede justiça e “punição no maior rigor da lei”

Leia mais:  Após visita, arcebispo sugere estado vegetativo de Michael Schumacher

“Boa tarde, Pellizetti. Tudo bem? Juninho, indicado do Gaúcho, Edenir Canton . Posso ligar pra você?”, afirmou Juninho. “Doutor, eu preferia encontrar o senhor pessoalmente na hora que o senhor se livrar aí, pode ser?”, acrescentou na sequência.

Vale ressaltar que investigações já haviam mostrado que Brittes e Canton se conheciam anteriormente. O carro Veloster preto que Juninho utilizou no dia da morte de Daniel, por exemplo, já pertenceu ao policial. Canton não é investigado no caso Daniel, mas as gravações mostram a proximidade entre os dois.

O processo ao qual Edenir Canton responde é datado de 28 de abril de 2015, quando Ricardo Geffer foi morto após uma abordagem policial onde o delegado Rubens Recalcatti, que se tornou deputado estadual e já posou em fotos ao lado da família de Brittes, atuava.

Recalcatti e Canton são acusados do assassinato de Geffer ao lado de outros seis policiais. A vítima era suspeita de ter matado João Dirceu Nazzari, ex-prefeito do Rio Branco do Sul, região metropolitana de Curitiba, em 12 de abril de 2015. O caso atualmente está no Tribunal de Justiça do Paraná e pode passar para o STJ, pois um dos acusados é deputado.

Leia também: Justiça aceita denúncia contra acusados pela morte do jogador Daniel

O advogado Claudio Dalledone, que defende a família Brittes no caso Daniel , o qual Edison confessou ter cometido o homicídio, também defende Recalcatti no caso Geffer. Além de Juninho, outras cinco pessoas estão presas acusadas de participação na morte do jogador.

Leia mais:  Por artilharia, Icardi presenteia colegas da Inter de Milão com relógios de luxo

Comentários Facebook
Continue lendo

Esportes

Milan é punido pela Uefa por descumprir o fair play financeiro

Publicado

por

A Uefa anunciou nesta sexta-feira as punições ao Milan por não ter cumprido as regras do fair play financeiro da entidade. Entre as sanções, o clube rossonero não irá receber os 12 milhões de euros (cerca de R$ 53 milhões, na cotação atual) em receitas por ter participado da Liga Europa.

Leia também: Cristiano Ronaldo assumirá crimes fiscais cometidos em sua passagem pelo Real


Gattuso é o atual técnico do Milan e pode ser prejudicado com as punições aplicadas pela Uefa
Divulgação/ACMilan

Gattuso é o atual técnico do Milan e pode ser prejudicado com as punições aplicadas pela Uefa

Além disso, pelas próximas duas temporadas, o Milan não poderá inscrever mais de 21 jogadores para participarem de competições da Uefa, isto é, Liga Europa e Liga dos Campeões.

A entidade que rege o futebol europeu também determinou que o clube de Milão tem até o dia 30 de junho de 2021 para corrigir sua situação financeira. Caso contrário, a agremiação não poderá disputar nenhum campeonato organizado pela a Uefa nas temporadas 2022/2023 e 2023/2024.

Leia também: Neymar brilhando e goiano campeão mundial: o 2018 do poker brasileiro

Na janela de transferências da temporada passada, a agremiação rossonera gastou mais de 200 milhões de euros (R$ 880 milhões) em novas contratações. A gastança despertou a desconfiança da Uefa , alegando que as operações do clube foram “suspeitas”. Na ocasião, o clube italiano precisou pedir um empréstimo ao fundo de investimentos norte-americano Elliot.

Leia mais:  Justiça ordena penhora e Corinthians pode, sim, perder taça do Mundial; entenda

Uma das contratações do Milan nesta temporada foi Higuaín

Leia também: Escândalos sexuais estão entre as polêmicas do esporte em 2018. Veja outras

Além do revés nos tribunais, o Milan também sofreu uma dura derrota nesta quinta-feira (13) em campo. O escrete rossonero perdeu por 3 a 1 para o Olympiacos, da Grécia, e foi eliminado ainda na fase de grupos da Liga Europa.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana