conecte-se conosco

  • banner_Lorenzetti_1250x250

Nacional

Juiz rejeita denúncia da Lava Jato contra Edison Lobão e abre ação contra filho

Publicado


source
Ex-ministro Edison Lobão
Marcos Oliveira/Agência Senado

Ex-ministro Edison Lobão

A Justiça do Distrito Federal rejeitou parte da denúncia da Lava Jato contra o ex-ministro Edison Lobão , seu filho Marcio Lobão e outras seis pessoas acusadas de supostos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro no caso da Transpetro. O juíz Marcus Vinicius Reis Bastos, da 12ª Vara Federal do DF, entendeu que o caso era de ‘rejeição parcial por manifesta ausência de justa causa’, e considerou prescritos alguns crimes imputados aos acusados.

No banco dos réus, foram colocados apenas o filho do ex-ministro,  Marcio Lobão,  e o proprietário da Galeria Almeida & Dale, Carlos Dale Junior , por suposto crime de lavagem de dinheiro pela compra e venda de uma obra de arte chamada ‘Amazonino Vermelho’.

Também foram rejeitadas outras três de quatro acusações de lavagem de dinheiro lançadas contra Márcio Lobão.

Em nota, os advogados de defesa alegaram que a denúncia se baseou na “controversa delação premiada de Sérgio Machado, que a defesa sempre reputou absurda, oportunista e mentirosa”.

Confira, abaixo, a íntegra da nota da defesa dos acusados

Nesta quinta-feira (10/6) a Justiça Federal de Brasília rejeitou denúncia de corrupção oferecida contra o ex-Ministro Edison Lobão no caso Transpetro, reconhecendo a extinção de punibilidade, bem como de seu filho Márcio Lobão pelo mesmo crime, afirmando que as acusações não foram comprovadas em relação a esse.

Você viu?

Também foram rejeitadas três de quatro acusações de lavagem de dinheiro lançadas contra Márcio Lobão, sendo que essa última está igualmente fadada a um breve arquivamento, pois não resistirá aos fatos verdadeiros que serão prontamente apresentados pela defesa.

Vale lembrar que a denúncia se baseou na controversa delação premiada de Sérgio Machado, que a defesa sempre reputou absurda, oportunista e mentirosa. Importante salientar como é danoso o uso irresponsável do instituto da delação, que em muitos casos se presta tão somente a atacar reputações, destruir famílias, empresas e a respeitabilidade pública dos cidadãos.

O caso Transpetro foi massivamente divulgado pela imprensa como um grande escândalo, com buscas e apreensões megalomaníacas e espalhafatosas, tudo gravado e transmitido ao vivo em rede nacional, atacando violentamente a família Lobão, suas atividades políticas e empresariais e causando uma tragédia familiar irrecuperável.

O mau uso da colaboração e o abuso acusatório são escancarados nesse caso. A acusação remanescente de lavagem se refere a uma obra de arte declarada por Márcio Lobão em imposto de renda por R$ 40.000,00. Na deflagração da operação, o Ministério Público afirmou que tal obra estaria avaliada em R$ 200.000,00, para assim servir à falaciosa imputação de lavagem. Meses depois, em nova avaliação pela perícia oficial da PF, a mesma obra fora avaliada em R$ 53.000,00, o que demonstra o erro grosseiro da acusação.

Hoje a Justiça foi feita, ainda que tardia, mas em tempo. Em meio a espetacularização do processo penal, da avalanche punitivista criminosa que a Operação Lava Jato tentou imprimir no país, foi fundamental resistir e agora é necessário lançar holofotes a tais absurdos e criticar de forma contundente o modo de agir de alguns membros dessas forças tarefas, que tentaram fulminar reputações e a honradez do ex-Ministro e de seu filho. Não conseguiram.

Antônio Carlos de Almeida Castro, Kakay. Roberta C. Castro Queiroz Marcelo Turbay Liliane de Carvalho

Comentários Facebook

Nacional

CPI da Covid: Osmar Terra volta a citar dados falsos sobre pandemia

Publicado

por


source

BBC News Brasil

Osmar Terra (MDB-RS) na CPI da Covid
Divulgação/Agência Senado/Edilson Rodrigues

Osmar Terra (MDB-RS) na CPI da Covid


Em depoimento à CPI da Covid nesta terça (22/06), o  deputado federal Osmar Terra (MDB-RS) citou dados falsos sobre a pandemia, como vinha fazendo ao longo de 2020.

Médico e ex-ministro da Cidadania, Terra foi chamado a depor por fazer parte do suposto “gabinete paralelo” que assessorava o presidente sobre a pandemia. Documentos entregues à CPI pelo governo mostram que o deputado esteve em diversas reuniões no Planalto para tratar de assuntos relacionados à covid-19.

Em seu depoimento, o  deputado afirmou que a estratégia da Suécia de não fazer lockdown foi um sucesso e que o país foi um dos que menos tiveram mortes no mundo.

A informação não é verdadeira. Sem isolamento, Suécia sofria já no final de 2020 com covid-19 fora de controle, UTIs lotadas e debandada de profissionais de saúde, como mostrou a BBC.

O deputado foi rapidamente corrigido pelos senadores, que lembraram que o país teve mais mortes por milhão de habitantes que os outros países escandinavos – Noruega, Finlândia e Dinamarca.

Lembraram também que, após a estratégia fracassada de combate à covid-19, o primeiro-ministro do país, Stefan Löfven, sofreu uma moção de desconfiança na segunda (21) e tem uma semana para apresentar sua renúncia.

Previsões erradas e a China

Para justificar as as previsões erradas que fez sobre a pandemia , o deputado citou as curvas de contaminação da China e da Coreia do Sul.

Você viu?

“Eram os dados que a gente tinha na época”, afirmou à CPI. O deputado também afirmou que a diferença entre os dois países asiáticos e o Brasil foi o “surgimento de novas cepas”.

Mais uma vez, a informação não é correta. Embora o surgimento de novas cepas tenha de fato agravado a pandemia no Brasil no fim de 2020, a China e a Coreia do Sul conseguiram conter a pandemia no início do ano porque adotaram estratégias diferentes do Brasil, baseadas em evidências científicas.

A China – que tem dimensões continentais e a maior população do mundo – adotou um lockdown nacional, com cidades maiores do que São Paulo totalmente fechadas, circulação interrompida em rodovias e outras medidas de restrição de circulação.

A Coreia do Sul – que é um país menor – implementou um sistema de testagem em massa e rastreamento de contatos, com quarentena de todas as pessoas que tiveram contato com infectados e o incentivo ao distanciamento social voluntário e generalizado da população.

Continue lendo

Nacional

Quadrilha especializada em roubos a residências de luxo é presa no Rio

Publicado

por


source
Integrantes da quadrilha que ainda estão foragidos. Quadrilha é especialista em roubos de residências de luxo
Divulgação

Integrantes da quadrilha que ainda estão foragidos. Quadrilha é especialista em roubos de residências de luxo


Policiais da 105ª DP (Petrópolis) prenderam dois integrantes de uma quadrilha especializada em roubos de residências de luxo em Petrópolis, Região Serrana do Rio de Janeiro. Felipe Ramos Ferreira foi detido na última segunda-feira (21) em Duque de Caxias e Roberto da Conceição foi preso na semana passada.

Dois integrantes da quadrilha ainda seguem foragidos, são eles Fabrício de Souza Ventura, conhecido como Buiu e Felipe do Santos da Silva, o Tilipe. Todos tiveram prisão preventiva decretada pela Justiça.

Nessa segunda-feira, os investigadores também capturaram em flagrante Luiz Thiago Rodrigues da Silva, um dos donos de um ferro velho em Duque de Caxias, onde foi localizado parte de um carro roubado em uma das residências em Petrópolis.

Você viu?

Segundo as investigações da Polícia Civil, a quadrilha foi responsável por um roubo à residência no bairro da Taquara, em Petrópolis, ocorrido no dia 27 de abril deste ano e outro no dia 7 de maio, quando o grupo roubou três veículos importados, jóias de luxo e demaiis itens de valor. Nesses assaltos, as vítimas tiveram prejuízo de R$ 300 mil. Ainda de acordo com a polícia, os autores do crime agiram com extrema violência e mantiveram as vítimas em cárcere privado.


Já no mês passado, três integrantes do grupo – Fabrício, Felipe Ramos e Roberto – assaltaram uma casa no bairro Independência, em Petrópolis, no início de maio deste ano. A quadrilha levou três carros, aparelhos eletrônicos e joias.

Ainda segundo as investigações, o grupo planejava executar outros roubos na cidade de Petrópolis, e também um na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio. De acordo com a polícia, Luiz é sócio do ex-policial militar Leandro Lopes, conhecido como Leandrão, excluído da policia por integrar a milícia de Jonas Gonçalves da Silva, conhecido como Jonas é nós.

Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana