conecte-se conosco


Mato Grosso

Jucemat instala chat para agilizar atendimento ao cidadão

Publicado

Quatrocentos e vinte pessoas são atendidas por dia no chat da página da Junta Comercial de Mato Grosso (Jucemat). A ferramenta está à disposição da população há 20 dias e desde então, os clientes estão atendidos de forma instantânea quando possuem alguma dúvida sobre os serviços da autarquia, bem como abertura, alteração de informações e baixa de empresas.

Conforme os dados de produtividade, 8.407 empreendedores e contadores tiveram suas dúvidas sanadas desde 15 de janeiro. O secretário-geral da Jucemat, Julio Müller, explica que todos os dias cinco servidores ficam em frente aos computadores em função do chat. Antes, eles atuavam no atendimento presencial, que foi praticamente extinto no começo do ano, quando o programa Junta Digital passou a funcionar e aboliu os processos físicos, migrando tudo para o site.

O grupo consegue atender mais de uma pessoa ao mesmo tempo, sendo que as principais dúvidas se dividem em três categoria: as informações gerais, que mostram a localização de informações já disponíveis no site; as exigências, que tratam de detalhes sobre a solução de pendências processuais; e a rede simples, responsável por atuar nos defeitos do sistema.

Müller explica que as pessoas perguntam de tudo. “Os questionamentos vão desde quanto custa uma certidão até como proceder em um processo de espólio”.

Com a implantação da ferramenta, o número de reclamações na ouvidoria reduziu exponencialmente, avalia o secretário. A maioria das queixas estava relacionada a demora ou ausência de esclarecimentos, o que não acontece mais porque o sistema permite acompanhar o chamad,o da abertura à conclusão. “O impasse do atendimento não era causado pelo servidor e sim pela estrutura arcaica do nosso sistema de telefonia. Agora, as pessoas quase não ligam mais, preferem o chat”.

Leia mais:  Das 15 câmeras de segurança apenas duas estão funcionando em Tangará da Serra

Junta Digital

A ferramenta foi adotada para agregar ao processo de transição da Junta para a era digital, finalizada no ano passado. Entre os ganhos com a modernização estão a agilidade e barateamento dos processos.

Os empresários deixaram de peregrinar entre os órgãos públicos para conseguir a inserção no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ), essencial para o empreendedor pleitear financiamentos, acesso a programas governamentais e até mesmo fazer as compras de insumos.

Vale lembrar que todos os órgãos envolvidos na abertura de uma empresa passaram a integrar o sistema e atualmente todos os procedimentos realizados via site duram em média 2h30. Quando os serviços dependiam de processos físicos, a média era 24 dias ou 576 horas.

Atendimento

Durante o horário comercial, os atendimentos são instantâneos, mas fora do período, bem como finais de semana, as dúvidas geram um e-mail, que é encaminhado aos atendentes e respondido no próximo expediente.

Fonte: GOV MT
Comentários Facebook
publicidade

Mato Grosso

Sema e MPE devem acompanhar enchimento de reservatório da UHE Sinop e limpeza do rio

Publicado

por

Uma equipe multidisciplinar da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), responsável pela autuação da Companhia Energética (UHE) de Sinop, vai acompanhar, juntamente com o Ministério Público Estadual (MPE), o enchimento do reservatório e a limpeza do rio Teles Pires. No local foram mortos mais de 13 toneladas de peixes há cerca de duas semanas, durante a abertura das comportas. 

Além de detalhar o relatório técnico, o secretário executivo da Sema, Alex Sandro Marega, explicou aos participantes da 1ª Reunião Ordinária de 2019 do Conselho Estadual da Pesca (Cespeca) que a multa máxima foi aplicada ao empreendimento levando em consideração o tamanho do impacto ambiental e a condição financeira do infrator. “A multa à UEH Sinop chegou a R$ 50 milhões”.

Outros temas importantes também estiveram presente na pauta, como a minuta da Lei da Pesca e o fenômeno da decoada, sendo que em relação a esse último tema, o professor da Universidade Estadual de Mato Grosso (Unemat), Claumir Cesar Muzin, esclareceu se tratar de um fenômeno natural comum em épocas de enchente do Pantanal. O problema gerou transtorno no final do ano passado.

“Quando isso acontece é normal cobrir a vegetação tornando o processo de decomposição intenso e isso facilita a entrada de matéria orgânica, alterando a característica química e diminuindo o oxigênio da água. Normalmente gera a morte de diversas espécies de peixes, é um fenômeno que faz com que a água se torne mais escura e com um forte odoro”. 

Leia mais:  Com velhos erros, Tangará da Serra vê minguar representatividade no estado

Ao fim da reunião, que ocorreu na manhã de quinta-feira (14), no auditório da Controladoria Geral do Estado (CGE), a secretária Executiva do Cepesca, Gabriela Priante, ainda esclareceu dúvidas dos participantes sobre a pesca em Mato Grosso. 

Cepesca

O Conselho Estadual da Pesca é um órgão colegiado deliberativo, com composição paritária, vinculado à Sema, com finalidade de propor a formulação de políticas públicas para o desenvolvimento e o fomento das atividades de pesca em Mato Grosso. Compõem o Cepesca representantes: das secretarias de Meio Ambiente, Turismo, Cultura, Ministério Público Estadual, UFMT, Unemat, colônias de pescadores, entidades do terceiro setor, Ibama e representantes do setor empresarial do turismo da pesca.

Fonte: GOV MT
Comentários Facebook
Continue lendo

Mato Grosso

Projeto social desenvolvido por agentes penitenciários entra na 4ª edição

Publicado

por

O projeto Agente Mirim, desenvolvido por agentes penitenciários de Campo Novo do Parecis (397 km a médio-norte), abriu inscrições para novos integrantes. A iniciativa atende um público na faixa etária entre 6 e 17 anos. A proposta é levar noções de disciplina, respeito e atitudes cívicas por meio de palestras, ações sociais, oficinas, esportes e atividades musicais e contribuindo para retira crianças e adolescentes de situações de risco e vulnerabilidade social.

As inscrições para novos alunos devem ser feitas no dia 17 de fevereiro, na sede do projeto, ao lado da unidade prisional de Campo Novo do Parecis. Para a edição deste ano, o projeto vai incluir atividades com pessoas da terceira idade, fanfarra – com orientação musical de pais dos alunos do Agente Mirim – e curso de linguagem de sinais.

“A colaboração da família é fundamental para que haja interação com os filhos e também para conhecerem como o trabalho é desenvolvido”, explica o coordenador do Agente Mirim, Fábio Aguiar, acrescentando que o sucesso do projeto, que entra no quarto ano de realização, tem despertado o interesse de outros municípios do Estado.

Foram abertas novas vagas distribuídas assim: 80 para agente mirim, 20 para lobinho, vagas extras para o CRAS e Conselho Tutelar (livre demanda), 15 vagas para indígenas, uma vaga para pessoa com necessidades especiais, três vagas para terceira idade, 30 vagas para o Distrito Marechal Rondon e 20 para escolas. São prioritários no projeto os filhos de recuperandos e que vêm indicados pelo Conselho Tutelar.

Leia mais:  Com velhos erros, Tangará da Serra vê minguar representatividade no estado

As atividades têm duração de 10 meses e nesta quarta edição devem atender aproximadamente 240 integrantes. As aulas começam no dia 16 de março e ocorrerão em dois dias da semana, às quartas-feiras e aos sábados.

No final do ano, os alunos participam de dois acampamentos: O Braço Forte, que durante três dias os participantes colocam em prática o que aprenderam durante as aulas. No local eles fazem trilha, tirolesa, camuflagem e primeiros socorros. Já o Acampagem, que também tem a duração de três dias, é quando ocorre a formatura e os pais participam das atividades.

Fábio destaca que o acompanhamento dos pais no decorrer do curso é fundamental para o bom desempenho dos alunos e também um dos requisitos para a permanência da criança ou do adolescente no projeto.

“O projeto exige assiduidade dos alunos nas atividades, mas também requer comprometimento dos pais ou responsáveis pelas crianças e adolescentes, que assinam um termo de compromisso de responsabilidade ao inscreverem seus filhos. É esclarecido que os responsáveis precisam participar de uma reunião por mês com a equipe do projeto, caso não cumpra, os filhos correm o risco de não continuarem o curso”, reitera o agente penitenciário.

Histórico

O agente penitenciário e coordenador do projeto, Fábio Aguiar, lembra que idealizou o trabalho após participar de uma missão brasileira no Haiti. “Depois disso, entrei para o Sistema penitenciário e vi que muitos jovens e adolescentes estavam envolvidos com a criminalidade e muitas vezes, após passar pelo processo de ressocialização, eles continuavam no círculo vicioso. Então, tive a ideia de desenvolver um projeto de prevenção, que é o Agente Mirim, para trabalhar disciplina e construção de caráter e evitar a inclusão desse agente no crime”.

Leia mais:  Recém-nascido abandonado em caixa de papelão é socorrido pela PM

Nas três edições do projeto, mais de 200 crianças e adolescentes participaram das atividades. Alguns deles, após atingir a idade limite, foram encaminhados ao primeiro emprego.

Voluntários 

O apoio dos voluntários é fundamental para as atividades do projeto, que não tem fins lucrativos e conta com doações da sociedade. Além deles, o projeto recebe apoio de outros profissionais, como médico e assistente social, que têm afinidade com a ação e dedicam gratuitamente seu tempo na atividade. Eles colaboram desenvolvendo exercícios, ofertando material e auxiliando os agentes nas instruções aos alunos

 “Contamos com o apoio de técnicos administrativos, psicopedagogo, professores, entre outros profissionais que entenderam a importância do projeto e nos ajudam na missão”, informa Aguiar.

Fonte: GOV MT
Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana