conecte-se conosco


Carros e Motos

Jeep Renegade Limited:  quando o máximo nem sempre é o melhor

Publicado


Jeep Renegade branco
Carlos Guimarães/iG
Jeep Renegade Limited vem com luzes diurnas de LED, rodas de aro 19 e grade pintada de cinza grafite de série

Quando o Jeep Renegade recebeu retoques visuais e novos equipamentos, em outubro último, houve quem duvidou que as poucas mudanças seriam suficientes para manter o SUV com apelo no mercado. De fato, perceber as alterações no carro beira o jogo dos sete erros. Mas, não é que acertaram na receita?

 LEIA MAIS: Jeep Renegade ganha série limitada em apenas 250 unidades, com apelo militar

Conforme os números da Fenabrave (Federação dos Distribuidores de Veículos), o Jeep Renegade é o SUV mais vendido do Brasil no acumulado de janeiro a abril, com 21.313 unidades, seguido pelo Nissan Kicks (16.604) e Honda HR-V (15.646), considerando os modelos compactos.

Na versão topo de linha Limited (R$ 105.990), o Renegade vem com um pacote recheado de equipamentos que inclui faróis com luzes diurnas de LED, rodas de liga-leve de aro 19, multimídia com tela sensível ao toque de 8,4 polegadas, mostrador digital colorido e configurável no cluster
, entre outros itens.

Com bancos de couro, material que também reveste o volante, o interior do SUV compacto da Jeep agrada. Claro que você vai ter que se acostumar com o volante com 18 botões, considerando os que ficam escondidos na parte de dentro do aro. Mas é só. De resto, temos pontos positivos com o o bom ângulo de visão dos retrovisores, além de porta-objetos que realmente funcionam e som de boa qualidade entre os principais destaques.

Acelerando o Jeep Renegade Limited


Painel do Jeep Renegade
Divulgação
Interior do Jeep Renegade Limited é caprichado e tem até mostrador no cluster colorido e configurável

O que desanima no Renegade Limited é a falta de fôlego do motor 1.8, que deve continuar sendo usado pela FCA, mas nessa versão topo de linha do SUV compacto deve dar lugar ao novo 1.3 FireFly turbinado em breve, provavelmente, até o início do segundo semestre. Por enquanto, se precisar de mais agilidade, uma saída é usar as hastes atrás do volante para subir o giro do preguiçoso 1.8.

Leia mais:  Lamborghini localiza Miura usado em filme clássico dos anos 1960

LEIA MAIS:  Confira 5 versões de SUVs compactos que não compraríamos

Nas primeiras marcações do contagiros o carro não responde com rapidez nas ultrapassagens. É preciso reduzir marcha e manter o ponteiro entre 3.750 rpm e um pouco acima dos 5.000rpm se quiser alguma rapidez. Caso contrário, deixando o câmbio automático de seis marchas assumir o controle é preciso paciência, uma vez que a ordem é manter o motor em baixa rotação para economizar combustível.

Afora a certa apatia do motor 1.8 e do câmbio pacato, mesmo com centro de gravidade relativamente alto, o Renegade tem estabilidade surpreeedente, com um acerto de suspensão exemplar. Consegue absorver bem as irregularidade do piso e manter o carro firme nas curvas, ajudado pelos pneus 235/45R e controles eletrônicos de estabilidade e tração.


Jeep Renegade Limited
Carlos Guimarães/iG
Versão mais equipada do Jeep Renegade tem itens exclusivos, mas faltou lanterna de LED na traseira, como acontece no modelo europeu

A direção com assistência elétrica também é outro item bem ajustado no carro, assim como os freios, que são a disco nas quatro rodas e bem equalizados, o que evita sustos, mesmo pisando com mais força no pedal. Ponto também para o isolamento acústico, bem como para os ângulos de entrada (27°) e saída (31°) e a distância livre do solo (21,1 cm). Isso tudo facilita passar por buracos, lombadas, valetas e outros tipos de obstáculos pelo caminho.

Leia mais:  Mercedes-Benz A35 AMG chega no segundo semestre com RS3 Sportback na mira

Ainda em função do motor 1.8, que deve ser substituído pelo 1.3 turbo (que rende cerca de 150 cv) pelo menos nas versões mais equipadas do Renegade, o consumo não é dos mais animadores. Conforme o Inmetro, o carro faz 6,4 km/l de etanol na cidade e 8 km/h na estrada, números que passam para 9,4 km/l e 11,6 km/l, respectivamente, como gasolina. 


LEIA MAIS:  Jeep Renegade Sport 2019 muda pouco, mas continua bem aceito no mercado

Mesmo com mudanças no estepe para aumentar o volume do porta-malas, o espaço ainda continua com apertados 320 litros, tamanho compatível com o de hatches médios e até aguns compactos. Entretanto, isso não  assustou muitos compradores de SUVs, já que o Reegade se mantém na liderança de vendas hoje em dia.

Conclusão

Na versão Limited, o Jeep Renegade logo deverá ganhar novo motor 1.3 turbo, o que vai resolver a questão de falta de fôlego e do consumo do SUV, o “Calcanhar de Aquiles” do carro. Portanto, pelo menos por enquanto, levando em conta o preço, o rival Creta Prestige (R$ 104.990) custa quase o mesmo e ainda vale mais a pena.

Ficha técnica

Preço:  a partir de R$ 105.990

 Motor: 1.8, quatro cilindros, flex

Potência : 139 cv (E)/135 cv (G) a 5.750 rpm

Torque: 19,3 kgfm (E) / 18,7 (G) a  3.750 rpm

Transmissão:  Automático, 6 marchas, tração dianteira

Suspensão:Independente (dianteira e traseira) 

Freios: Discos ventilados na dianteira e sólidos na traseira

Pneus: 235/45 R19 

Dimensões: 4,24 m (comprimento) / 1,79 m (largura) / 1,73 m (altura), 2,57 m (entre-eixos)

Tanque : 60 litros

Porta-malas: 320 litros 

 Consumo: 9,4 km/l (cidade) /11,6 km/l (estrada) com gasolina

0 a 100 km/h: 11,8 segundos 

Vel. Max: 178 km/h 

Fonte: IG Carros
Comentários Facebook
publicidade

Carros e Motos

Bentley oferece livro de R$ 1 milhão para clientes

Publicado

por

Motor Show



livro da Bentley com diamantes da capa
Divulgação
Livro da Bentley com nada menos que 100 diamantes na capa e que pode ser personalizado ao gosto do dono


Para comemorar os 100 anos de fundação, a britânica Bentley oferece aos clientes um livro com a história da marca que vai custar mais do que muitos modelos de luxo: 200 mil libras (cerca de R$ 1,046 milhão) em sua edição mais cara

LEIA MAIS: Conheça 5 supercarros raros que ainda podem ser encontrados à venda no Brasil

Produzido em parceria com a editora de livros de luxo
Opus, a obra na versão 100 Carat Edition pesa 30 kg e tem uma capa com 100 diamantes incrustados e o logo da Bentley
em ouro branco ou platina. Serão impressos apenas sete exemplares (um para cada continente).

Quem não estiver disposto a gastar mais de R$ 1 milhão em um livro poderá optar por edições mais “populares”: custando 12.500 libras (R$ 65 mil), a Mulliner Edition tem capa forrada com o mesmo couro usado nos carros e terá impressão de 100 exemplares. Já a Centenary Edition
sai por 3 mil libras (R$ 15.700) e terá impressão de 500 unidades.

LEIA MAIS: Veja 5 ocasiões em que milionários passaram dos limites com seus carros de luxo

Os compradores poderão personalizar a sua edição da obra com fotos do seu Bentley
ou o nome gravado em ouro ou prata na capa.

Leia mais:  Audi vai além do tempo com conceitos inovadores. Veja vídeo

Fonte: IG Carros
Comentários Facebook
Continue lendo

Carros e Motos

Confira quais são as 5 motos mais caras do Brasil, legalizadas para as ruas

Publicado

por

Mesmo que o preço dos carros mais caros do Brasil ultrapassem a casa dos milhões, no caso das motos, elas saem por poucas centenas de milhares. Entretanto, são equivalentes quando se fala em desempenho, exclusividade, adrenalina ao pilotar e, dentro das devidas proporções, luxo. As motos mais caras do Brasil não deixam de ser obras de engenharia, que dentro da concepção simples dos veículos de duas rodas, esbanjam tecnologias de última geração.

LEIA MAIS: Veja quais são as 5 motos mais em conta à venda atualmente no Brasil

Quanto ao desempenho, algumas aceleram até os 100 km/h na casa dos 3 segundos, ou menos, e passam dos 300 km/h. Quanto ao luxo, outras possuem inúmeros ajustes de pilotagem, central multimídia, câmbio de dupla embreagem, auto-falantes e outros. Em mais uma lista dos 5 mais, veja quais são as motos mais caras
do Brasil que podem circular nas ruas.

LEIA MAIS: Kawasaki Z1000R Edition, a “streetfighter” com motor de 142 cavalos

5- Kawasaki Ninja H2 SX SE (R$ 129.900)


Kawasaki Ninja
Divulgação
Kawasaki Ninja H2 SX SE: A versão legalizada para a rua da moto mais veloz do Brasil é a 5ª entre as motos mais caras

Em 5º lugar fica a versão mais sofisticada das Ninja, tirando a mais veloz H2R (R$ 357 mil), não legalizada para rodar nas ruas e que passa dos 400 km/h. O modelo traz o mesmo motor de 4 cilindros e 1000cc, com sistema de sobrealimentação. Entretanto, após o desenvolvimento de um novo compressor mecânico, aliado a diversas mudanças em admissão, comando de válvulas, câmara de combustão e escapamento, desenvolve 231 cv e 14,4 kgfm.

Além disso, a Kawasaki Ninja
H2 SX SE conta com a caixa de câmbio do tipo dog-ring
, encontrada nos mundiais de MotoGP e Fórmula 1, que facilita a troca rápida de marchas. Junto a isso, as relações das marchas foram acertadas ao novo conjunto. No habitáculo, uma tela LCD TFT permite que as informações sejam exibidas graficamente. Além disso, dois modos de exibição selecionáveis (Touring e Sport) priorizam as informações, a depender dos três modos de condução.

Leia mais:  Mercedes-Benz A35 AMG chega no segundo semestre com RS3 Sportback na mira

LEIA MAIS: Testamos as novas Honda CBR 1000RR Fireblade!

4- BMW K 1600 GTL (R$ 151.500)


BMW K 1600 GTL
Divulgação
BMW K 1600 GTL: A BMW cara mais em conta que você pode comprar e vem com uma série de recursos eletrônicos

Se servir de consolo, a moto BMW mais cara ainda é mais em conta que o carro BMW mais barato (120i Sport, R$ 165.950). De série, a K 1600 GTL traz freios com ABS Cornering Brake
(que permite frear dentro das curvas sem perder a trajetória), controle de tração, suspensão com ajuste eletrônico, assentos aquecidos, faróis direcionais de xenônio, lanterna traseira e setas de LEDs, controle de velocidade de cruzeiro (piloto automático), modos de condução e para-brisa com ajuste elétrico.

Há ainda assistência de partida em rampa, monitoramento de pressão dos pneus, partida sem chave, quick-shifter
(troca de marchas sem acionar o manete de embreagem), faróis auxiliares de LEDs e conexão Bluetooth com smartphone, entre outros. O motor, por sua vez, segue o mesmo 1.649 cm³ de cilindros opostos que rende 160 cv e 17,8 mkgf, com câmbio de seis marchas com eixo cardã e transmissão final por eixo cardã.

LEIA MAIS: Nova Honda Gold Wing chega às lojas com preços e equipamentos de SUV médio

3- Honda GL 1800 Gold Wing Tour (R$ 156.550)


Honda Gold Wing
Divulgação
Honda Gold Wing 2019: Lista de equipamentos que chega a se assemelhar com a de vários carros

Mais cara que um HR-V Touring, a maior moto da Honda é praticamente um carro sobre duas rodas. Entre os seus equipamentos, a GL 1800 Gold Wing da nova geração é equipada com acelerador eletrônico, controle de tração, assistente de partida em rampas e sistema Start-Stop. Além disso, traz faróis full-LED, novo assento, freios combinados e central multimídia de 7 polegadas com conectividade Apple CarPlay.

A Honda Gold Wing é equipada com motor 1.8 boxer, cabeçote Unicam de quatro válvulas, que produz 126 cv e 17,34 kgfm. O movimento é transmitido por meio do câmbio de dupla embreagem DCT, com 7 marchas. Vale lembrar que é possível mudar o comportamento do motor com um seletor de modo de condução com quatro opções — Tour, Sport, Econ e Rain, com a alternativa de trocar as marchas manualmente, com comandos no manete esquerdo — bem como 26 ajustes de suspensão.

Leia mais:  FCA anuncia preços e versões da nova picape Jeep Gladiator, longe do Brasil

LEIA MAIS: Harley-Davidson CVO Limited 2019 reúne o melhor em sofisticação

2- Harley-Davidson CVO Limited (R$ 172.900)


Harley-Davidson CVO Limited
Guilherme Marazzi
Harley-Davidson CVO Limited: O suprassumo das motocicletas para longas viagens

Apesar da tradição da Honda, há os saudosistas que possam preferir a Harley-Davidson CVO, que consegue ser mais cara ainda. Criada pela subdivisão especial da marca, antes de ser uma CVO Limited, é uma Ultra Limited. Mesmo que já bastante luxuosa, torna-se a motocicleta de grande porte definitiva após uma radical customização de fábrica, com alguns componentes produzidos artesanalmente.

A CVO é equipada com o motor Milwaukee-Eight de 117 polegadas cúbicas (1.923 cc), que produz 17 kgfm de torque, mas não possui potência declarada pela fabricante. Já o sistema de informação e áudio, chamado de Infotainment Boom Box GTS, reúne áudio e navegação de alto nível, com quatro alto-falantes com saída de 300w e um par de fones de ouvido conectados ao sistema pelo Bluetooth. Esses fones podem conversar entre si, ou seja, piloto e garupa, e ainda pode se conectar com mais seis fones de outras motocicletas, até uma distância de 1.600 metros.

LEIA MAIS: Ducati Panigale V4 R, a moto mais cara do Brasil, acaba de chegar para encomenda

1- Ducati Panigale V4 R (R$ 250.000)


Ducati Panigale V4 R
Divulgação
Ducati Panigale V4 R: Em prol do desempenho e segurança, é bem equipada, apesar da obsessão pela redução de peso

Eis a número 1 que pode rodar nas ruas. Chega com sistema de escape Akrapovic, pneus Pirelli Diablo Corsa, amortecedores Öhlins, rodas forjadas, freios Brembo, tanque de combustível feito em alumínio, partes do motor de titânio e diversas peças da carenagem de fibra de carbono. Aos que irão utilizar a moto apenas nas pistas, acompanham o eliminador de placa e tampa para o furo dos retrovisores. Com uma reserva de R$ 50 mil, chegam em outubro deste ano.

A vencedora entre as motos mais caras
do Brasil custa o equivalente a três vezes mais que uma Honda CBR 1000RR
Fireblade (R$ 79.990) ou quase o mesmo que uma Toyota SW4 SRX (R$ 256.610). Com isso, além de diversos auxílios eletrônicos ao piloto, a Ducati Panigale V4 R traz motor V4 aspirado — como o nome diz — de 998 cc que desenvolve 230 cv. Uma vez que pesa míseros 172 kg, possui uma relação peso-potência de apenas 0,747 kg/cv.

Fonte: IG Carros
Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana