conecte-se conosco


Economia

INSS: fila para perícias médicas tem 758 mil agendadas e 906 mil exigências

Publicado


source
undefined
Reprodução: O Dia

INSS: perícia médica sem data definida

No segundo dia de reabertura gradual dos postos do INSS, persistiram a desinformação e a falta de atendimento na perícia médica. Conforme O DIA antecipou no sábado passado, a falta de condições das agências previdenciárias para atendimento aos público fez com que a Associação Nacional de Médicos Peritos (ANMP) orientasse para o não retorno às atividades presenciais.


Em coletiva via Youtube, o presidente do INSS, Leonardo Rolim, informou que hoje a fila para cumprimento de exigências tem 906 mil pessoas e as que aguardam perícia médica chegam a 758 mil. “Os números são menores que os 2,3 milhões registrados em julho passado”, chegou a pontuar.

Questionado pelo jornal O DIA sobre o prazo que as perícias devem ser retomadas para acabar com o martírio de pessoas que esperam há seis meses pelo atendimento, o INSS informou que “as perícias estão suspensas até que as adequações sejam feitas (novas inspeções serão feitas entre hoje e amanhã para viabilizar o rápido retorno).”

A nota informa que “ainda nesta semana o INSS espera ter novidades quanto ao retorno do serviço”. Mas, segundo o presidente da ANMP, a inadequação das agências da previdência é real e antiga, mas que foram agravadas pela pandemia do coronavírus.Segundo Argolo, o INSS teve seis meses – que foi o período da parada de atendimento – para fazer as adequações nas agências, mas isso não ocorreu.

Na sexta-feira passada um servidor denunciou a situação precária dos postos. “Falta sabão para lavar as mãos e equipamentos de proteção individual, os EPIs”, disse ao jornal O DIA. Ontem, em entrevista ao G1, Argolo confirmou a denúncia do servidor: faltam equipamentos de proteção individual (EPIs), estetoscópios e abaixadores de língua. E completou: “As agências estão sem vigilância adequada, pessoal de limpeza sem contratos para suprir a necessidade em um momento desse, de pandemia, que se faz necessário”, afirma.”Seríamos irresponsáveis em subscrever e dar aptidão a uma agência inadequada. Não estamos criando resistência”, diz Argolo.

Levantamento da associação mostra que das 1.525 agências do INSS, somente 12, estão com todos os padrões de adequação, “inexpressivas diante do passivo de necessidade do Brasil”.Mesmo nessas agências, no entanto, não houve a realização de perícias médicas.

“As gerências executivas e superintendências se detiveram apenas na compra de EPIs para a pandemia, mas tinha um passivo de problemas a resolver. O presidente (do INSS) está nas TVs se perdoando, mas são os operacionais que compraram máscara vencida em 2012”, afirma Argolo.

Ainda segundo o presidente da entidade, a associação tem flexibilizado itens que pudessem “embaraçar, mas não prejudicar” o atendimento, mas pede que o governo resolva a lista de itens inadequados para que a categoria faça nova vistoria e libere os atendimentos. Ele não falou em prazos para que isso aconteça.

Comentários Facebook

Economia

INSS: fila para perícias médicas tem 758 mil agendadas e 908 mil exigências

Publicado

por


source
undefined
Reprodução: O Dia

INSS: perícia médica sem data definida

No segundo dia de reabertura gradual dos postos do INSS, persistiram a desinformação e a falta de atendimento na perícia médica. Conforme O DIA antecipou no sábado passado, a falta de condições das agências previdenciárias para atendimento aos público fez com que a Associação Nacional de Médicos Peritos (ANMP) orientasse para o não retorno às atividades presenciais.


Em coletiva via Youtube, o presidente do INSS, Leonardo Rolim, informou que hoje a fila para cumprimento de exigências tem 906 mil pessoas e as que aguardam perícia médica chegam a 758 mil. “Os números são menores que os 2,3 milhões registrados em julho passado”, chegou a pontuar.

Questionado pelo jornal O DIA sobre o prazo que as perícias devem ser retomadas para acabar com o martírio de pessoas que esperam há seis meses pelo atendimento, o INSS informou que “as perícias estão suspensas até que as adequações sejam feitas (novas inspeções serão feitas entre hoje e amanhã para viabilizar o rápido retorno).”

A nota informa que “ainda nesta semana o INSS espera ter novidades quanto ao retorno do serviço”. Mas, segundo o presidente da ANMP, a inadequação das agências da previdência é real e antiga, mas que foram agravadas pela pandemia do coronavírus.Segundo Argolo, o INSS teve seis meses – que foi o período da parada de atendimento – para fazer as adequações nas agências, mas isso não ocorreu.

Na sexta-feira passada um servidor denunciou a situação precária dos postos. “Falta sabão para lavar as mãos e equipamentos de proteção individual, os EPIs”, disse ao jornal O DIA. Ontem, em entrevista ao G1, Argolo confirmou a denúncia do servidor: faltam equipamentos de proteção individual (EPIs), estetoscópios e abaixadores de língua. E completou: “As agências estão sem vigilância adequada, pessoal de limpeza sem contratos para suprir a necessidade em um momento desse, de pandemia, que se faz necessário”, afirma.”Seríamos irresponsáveis em subscrever e dar aptidão a uma agência inadequada. Não estamos criando resistência”, diz Argolo.

Levantamento da associação mostra que das 1.525 agências do INSS, somente 12, estão com todos os padrões de adequação, “inexpressivas diante do passivo de necessidade do Brasil”.Mesmo nessas agências, no entanto, não houve a realização de perícias médicas.

“As gerências executivas e superintendências se detiveram apenas na compra de EPIs para a pandemia, mas tinha um passivo de problemas a resolver. O presidente (do INSS) está nas TVs se perdoando, mas são os operacionais que compraram máscara vencida em 2012”, afirma Argolo.

Ainda segundo o presidente da entidade, a associação tem flexibilizado itens que pudessem “embaraçar, mas não prejudicar” o atendimento, mas pede que o governo resolva a lista de itens inadequados para que a categoria faça nova vistoria e libere os atendimentos. Ele não falou em prazos para que isso aconteça.

Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Dólar sobe e vai a R$ 5,28 após Bolsonaro jogar fora projeto de Guedes

Publicado

por


source

Brasil Econômico

dólar
MARCELLO CASAL JR./AGÊNCIA BRASIL

Dólar sobe e vai a R$ 5,28 após Bolsonaro jogar fora projeto de Guedes


Nesta terça-feira (15), o dólar fechou em alta ante o real, em R$ 5,28. Os operadores passaram a ter postura mais conservadora diante das  discordâncias do presidente Jair Bolsonaro sobre ideias da equipe econômica do ministro Paulo Guedes.

O presidente jogou fora o Renda Brasil de Paulo Guedes publicamente, e a cena fez o dólar encostar em R$ 5,30.

O dólar passou parte da tarde operando perto da estabilidade, porque Guedes acalmou o mercado ao negar um processo de demissão seu, porém a cautela com a situação fiscal do Brasil permanece.

O Ibovespa, índice da bolsa de valores de São Paulo, a B3, fechou em leve queda nesta terça. O Ibovespa cedeu 0,05%, a 100.219,66 pontos, segundo dados preliminares, após chegar a 99.646,81 pontos na mínima e a 100.949,43 pontos na máxima.

Há grande expectativa sobre as  reuniões de política monetária de amanhã, quarta-feira (16). A mais aguardada é a do Fed (EUA), mas haverá também no Banco Central brasileiro e no Banco do Japão.

Na  reunião do Copom, o consenso deve ser o de manutenção dos juros – com a melhora da atividade – o aumento dos riscos fiscais e do aumento dos preços dos alimentos.  Espera-se que haja a manutenção da Selic em 2%, ao menos até o final de 2021.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana