conecte-se conosco


Saúde

Governo vai criar grupo para buscar soluções para saúde em Roraima

Publicado

O governo federal vai criar um grupo para buscar soluções para o intenso fluxo de venezuelanos que cruzam a fronteira para receber atendimento de saúde em Roraima, informou hoje (12) o ministro da Saúde, Henrique Mandetta. Segundo o ministro, o  sistema de saúde do estado “não tem musculatura” para atender a todos.

“Conversei com o governador [Antonio Denarium], com o secretário estadual de Saúde [Ailton Rodrigues Wanderley] e estou determinando um grupo para ver que medidas podem ser tomadas para atenuar a situação”.

Calamidade pública

No final do mês passado, o governador de Roraima, Antonio Denarium, decretou estado de calamidade pública na área de saúde. A decisão foi motivada pelo agravamento dos conflitos na fronteira com a Venezuela, o que elevou o número de atendimentos no Hospital Geral de Roraima (HGR), principal unidade da rede e a única a realizar procedimentos de alta complexidade.

“Roraima passa a ser rota de fuga, uma das poucas que existem”, disse o ministro. “Nosso sistema de saúde, que é pequeno, não tem musculatura para enfrentar a vinda de pessoas nesta quantidade e está sofrendo muito.”

Ontem (11), organizações não governamentais (ONG) que atuam na Venezuela informaram sobre o agravamento do estado de saúde dos pacientes, em meio ao blecaute ocorrido no país. De acordo com comunicado divulgado no Twitter pela ONG Médicos pela Saúde, 17 pacientes morreram em nove hospitais.

A Coalizão de Organizações pelo Direito à Saúde e à Vida (Codevida) informou, pelo Twitter, que a poluição da água, a falta de higiene e de alimentos se tornaram problemas de saúde pública em Carabobo, afetando sobretudo crianças, mulheres e idosos.

Segundo a Codevida, os pacientes psiquiátricos também sofrem com as dificuldades. Pelos dados da organização, os atendimentos em psiquiatria caíram de 23 mil para 3.500.

Edição: Maria Claudia

Comentários Facebook

Saúde

“Bastava ter mantido a paciente aqui, onde ela estava internada. Há leitos”, rebate o prefeito em rede social

Publicado

Como de praxe, o prefeito Fábio Martins Junqueira (MDB) tem usado a rede social, para esclarecer e justificar as ações executadas pela Secretaria de Saúde, em combate ao coronavírus em Tangará da Serra.

Prefeito se posiciona em rede social sobre o não uso de UTIs do Hospital Municipal. Imagem/Reprodução Facebook

Em uma postagem na página dele, no Facebook, na tarde deste sábado (30) Junqueira, após divulgar o boletim diário, com a confirmação de dois novos casos da doença no município, foi questionado por seguidores, sobre a situação dos leitos de UTI, considerando os casos de internação, regulados para hospital de Cuiabá. Rebatendo a crítica de uma seguidora, ao mencionar preocupação pelo tempo necessário até o encaminhamento do paciente a Capital, o prefeito, disse: “Bastava ter mantido a paciente onde ela estava internada. Há os leitos. Todos com oxigênio. Há respiradores. E se precisasse de UTI, era a hora de por para funcionar. Contratei médicos, enfermeiras, técnicos e temos nossos médicos e enfermeiros do quadro que estão no hospital”, salienta.

Ainda, em debate com os internautas, ressaltou que muitos profissionais teriam sido contaminados em um hospital particular e que uma paciente da unidade privada, e outra da Unimed, foram encaminhadas à Cuiabá, por decisão médica. “Um paciente da UNIMED, foi regulada para o Santa Rosa (hospital) em Cuiabá e uma outra foi encaminhada por decisão de médico do Hospital Santa Ângela, mas que poderia ter sido atendida no hospital municipal. O Hospital Santa Ângela, recebeu notificação para sanitinizar, pois muitos profissionais da UTI do hospital foram considerados positivos e como também, atuam no hospital municipal, foram isolados e por isso, decidiram ‘enviar’ para Cuiabá”, defende.

Imagem/ Reprodução Facebook

Em visita na última sexta (29) ao Hospital Municipal Arlete Daisy Cichetti de Brito, os vereadores Wilson Verta (PSDB), Vagner Constantino (PSDB), e Claudinho Frare (Republicanos), constaram que a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) não está em operação por falta de equipe.

“As UTIs, do hospital foram instaladas, porém, os respiradores fixos, faltam umas válvulas para chegar, mas não compromete o atendimento por ter respiradores móveis, o problema é que não tem equipe. O prefeito não contratou as equipes com médico, fisioterapeuta, enfermeiros, técnicos de enfermagem, e de limpeza. Então, essas equipes de plantão ainda não foram formadas, e se tiver que internar alguém ali hoje, tem que mandar pra Cuiabá, não há equipe para prestar suporte aos pacientes, essa é a nossa realidade hoje. Não adianta estar pronto, estar equipado, se a UTI não vai atender ninguém, por não ter equipe contratada, precisamos urgente que o Fábio contrate equipes. O hospital não está apto para esse atendimento. Nós apuramos a situação, após protocolarmos requerimento na prefeitura, e não recebermos resposta da administração municipal. Por isso, fomos até o local e levantamos a real situação, apesar dos funcionários terem receio de retaliação por parte da administração”, destaca o vereador Vagner Constantino.

Diante da situação, o grupo de vereadores protocolou no Ministério Público, um inquérito, denunciando o problema. O documento, foi elaborado, após as fiscalizações feitas, nas unidades e através de denúncia de pacientes e acompanhantes.

Quanto a denúncia apresentada, os órgãos de imprensa, têm buscado insistentemente um parecer técnico da secretaria de Saúde e Vigilância Epidemiológica, para esclarecer à comunidade, o impasse, porém, a única ferramenta utilizada pela atual gestão, para se comunicar com a sociedade é a rede social do prefeito Fábio Martins Junqueira, limitando o acesso a informação e restringindo o público do direito de escolha, por meio de outros mídias, além dos veículos ligados ao próprio gestor municipal.

 

Comentários Facebook
Continue lendo

Mato Grosso

Mato Grosso registra 2.413 casos e 58 óbitos por Covid-19

Publicado

por

 

.

A Secretaria Estadual de Saúde (SES-MT) notificou, até a tarde deste sábado (30), 2.413 casos confirmados da Covid-19 em Mato Grosso, sendo registrados 58 óbitos em decorrência do coronavírus no Estado. A última morte envolveu uma residente de Barra do Garças.

Dentre os 20 municípios com maior número de casos de Covid-19, estão: Cuiabá (723), Várzea Grande (227), Rondonópolis (191), Tangará da Serra (111), Primavera do Leste (101), Sorriso (84), Lucas do Rio Verde (74), Confresa (74), Barra do Garças (73), Sinop (55), Rosário Oeste (42), Campo Verde (40), Jaciara (37), Alta Floresta (37), Cáceres (32), Nova Mutum (31), Pontes e Lacerda (28), Peixoto de Azevedo (25), Aripuanã (25) e Sapezal (22).

A lista detalhada com todas as cidades que já registraram casos da Covid-19 em Mato Grosso pode ser acessada no Boletim anexado ao final desta matéria.

Nas últimas 24 horas, surgiram 157 novas confirmações em Aripuanã (14), Barra do Bugres (1), Barra do Garças (1), Cáceres (1), Campo Novo do Parecis (2), Campo Verde (8), Canarana (4), Colniza (1), Confresa (3), Cuiabá (34), Denise (3), Juara (2), Lambari D’Oeste (1), Mirassol D’Oeste (1), Nossa Senhora do Livramento (1), Nova Maringá (1), Nova Olímpia (1), Nova Ubiratã (2), Primavera do Leste (5), Rondonópolis (21),  Sapezal (14), Sinop (2), Sorriso (9), Tangará da Serra (13), Várzea Grande (11) e municípios de outros Estados (1).

Contudo, a área técnica esclareceu que houve a correção de seis casos de duplicidade nos municípios de Cuiabá (3), Lucas do Rio Verde (1) e Várzea Grande (2).

Dos 2.413 casos confirmados da Covid-19 em Mato Grosso, 1.533 estão em isolamento domiciliar e 675 estão recuperados. Há ainda 147 pacientes hospitalizados, sendo 76 em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e 71 em enfermaria.

No boletim, a SES também divulga que a rede do Sistema Único de Saúde (SUS) dispõe, atualmente, de 250 leitos de UTI e 856 leitos de enfermaria especificamente para pacientes com coronavírus no Estado.

Considerando o número total de casos em Mato Grosso, 50,1% dos diagnosticados são do sexo feminino e 49,9% masculino; além disso, 692 pacientes têm faixa-etária entre 31 a 40 anos. O documento ainda aponta que um total de 7.233 amostras já foram avaliadas pelo Laboratório Central do Estado (Lacen-MT) e que, atualmente, restam 297 amostras em análise laboratorial.

Os pacientes são devidamente acompanhados pelas equipes de Vigilância Epidemiológica do Estado e dos municípios. Mais informações estão detalhadas na Nota Informativa divulgada diariamente pela SES disponível neste link, a partir das 17h.

Cenário nacional

Neste sábado, o Governo Federal confirmou 498.440 casos da Covid-19 no Brasil e 28.834 óbitos oriundos da doença. Em relação ao dia anterior foram 33.274 novos casos confirmados e 956 óbitos.

Recomendações

Atualmente, não existe vacina para prevenir a infecção pelo novo coronavírus. A melhor maneira de prevenir a infecção é evitar ser exposto ao vírus. Os sites da SES e do Ministério da Saúde dispõem de informações oficiais acerca do novo coronavírus. A orientação é de que não sejam divulgadas informações inverídicas, pois as notícias falsas causam pânico e atrapalham a condução dos trabalhos pelos serviços de saúde.

O Ministério da Saúde orienta os cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o novo coronavírus. Entre as medidas estão:

– Lavar as mãos frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos. Se não houver água e sabão, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool;

– Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas;

– Evitar contato próximo com pessoas doentes. Ficar em casa quando estiver doente;

– Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo;

– Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com frequência.

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana