conecte-se conosco

  • banner_Lorenzetti_1250x250

Mato Grosso

Governo de MT já distribuiu 98,1% das doses recebidas; veja quanto cada município aplicou

Publicado


O Governo de Mato Grosso recebeu, até esta terça-feira (11.05), 1.033.630 doses das vacinas contra Covid-19 do Ministério da Saúde e já disponibilizou 1.014.604 aos 141 municípios do Estado, ou seja, 98,1% do total recebido.

A disponibilização das doses é resultado da soma da primeira e segunda doses (957.298), acrescida das doses destinadas às populações indígenas aldeadas (54.120) e dos arredondamentos técnicos (3.186) necessários para o ajuste volumétrico dos frascos disponibilizados pelo Ministério da Saúde.

É importante enfatizar que as 17.550 doses de vacina da Pfizer, recebidas nesta madrugada, estão sendo pactuadas pela Comissão Intergestores Bipartite (CIB) e serão disponibilizadas assim que definida a destinação dos imunizantes.

Das 957.298 doses disponibilizadas aos municípios, as prefeituras aplicaram 689.559 (71%), sendo 469.471 como primeira dose e 220.088 como segunda dose. O percentual se manteve igual ao da semana passada; já na semana retrasada, a taxa era de 77%.

Os 10 municípios que mais aplicaram vacinas, considerando o percentual de doses aplicadas em relação às doses recebidas, foram: Porto Esperidião (98%), Santa Terezinha (95%), Vila Rica (94%), Santo Afonso (93%), Ribeirãozinho (92%), Nova Monte Verde (89%), Juína (87%), Campo Novo do Parecis (86%), Vale de São Domingos (85%) e Planalto da Serra (84%).

Confira o ranking completo de aplicação das vacinas no Boletim Informativo n° 429 ou no Painel de Distribuição de Vacinas Covid-19.

Considerando as vacinas destinadas à população indígena, alguns municípios podem contabilizar as doses aplicadas em aldeias pertencentes a territórios vizinhos e ultrapassar o limite de 100% da aplicação.

A Vigilância Estadual alertou que a utilização de unidades de segunda dose como primeira dose pode comprometer o esquema vacinal da população do município, considerando o fornecimento e as orientações feitas pelo Ministério da Saúde.

Sobre a distribuição

Na força-tarefa da vacinação, cabe ao Governo do Estado fazer a logística de distribuição, que é definida pela Comissão Intergestores Bipartite de Mato Grosso (CIB-MT), composta por membros do Conselho das Secretarias Municipais de Saúde (Cosems) e da Secretaria Estadual de Saúde (SES-MT).

A escolta dos materiais até os 14 polos de distribuição é feita pela Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp), além das Polícias Federal e Rodoviária Federal e do Ministério da Defesa. O Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer) também disponibiliza sua frota aérea para dar celeridade à distribuição.

É importante ressaltar que o Governo Federal define o total de doses que cada estado recebe. Essa definição ocorre de acordo com a quantidade de pessoas que pertencem aos grupos prioritários e não pela quantidade absoluta da população.

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook

Mato Grosso

Formação voltada à educação do campo e quilombola começa nesta quarta-feira

Publicado

por


A Secretaria de Estado de Educação (Seduc-MT) realiza uma webformação para as Diretorias Regionais de Ensino (DREs) e professores das áreas de “Ciências e Saberes do Campo” e “Ciências e Saberes Quilombolas”. O evento começa nesta quarta-feira (23.06), será transmitido pelo canal da Seduc no YouTube das 9h às 11h.

Serão cinco etapas, todas de forma virtual. As outras etapas serão realizadas nos dias 30 de junho, 07, 14 e 21 de julho. A abertura terá como tema “Reflexões sobre as legislações da educação do campo e educação escolar quilombola” e conta com a presença das professoras doutoras Nilza Cristina Gomes de Araújo (UFMT) e Marinei Almeida (Unemat).

A formação é realizada pela equipe da Coordenadoria de Educação do Campo e Quilombola (COCQ), da Superintendência de Diversidades (SUDI) da Seduc.

Vivências, memórias e tecnologias

O objetivo da formação é propor reflexões e ações que estimulem o desenvolvimento de práticas pedagógicas nas escolas do campo e quilombola que consideram as vivências, memórias e tecnologias dessas comunidades.

Segundo a superintendente de Diversidade Educacional da Seduc, Lúcia Aparecida Santos, as transmissões dos encontros serão realizadas apenas para as DREs e professores da Parte Diversificada previamente inscritos.

“A webformação tem carga horária de 60 horas e certificação. Após os cinco encontros virtuais, as DREs e professores que participarem dos encontros deverão fazer um repasse para os demais professores da escola”.

Conforme a superintendente, o objetivo é envolver toda a comunidade escolar no fortalecimento do currículo da educação do campo e quilombola.

Os participantes da formação deverão produzir artigo ou relato de experiência a ser publicado posteriormente na Revista digital da Coordenadoria de Educação do Campo e Quilombola.

O currículo

As escolas estaduais quilombolas e do campo possuem um currículo diferenciado, composto pela Base Nacional Comum Curricular e a Parte Diversificada.

A parte diversificada, chamada de “Ciências e Saberes do Campo” e “Ciências e Saberes Quilombolas”, integra os conhecimentos locais das comunidades aos conhecimentos da base, conforme prevê as legislações nacionais e estaduais.

A área de “Ciências e Saberes do Campo”, com abordagem em agroecologia, agricultura familiar e economia solidária, leva o estudante a pensar em suas raízes culturais, que inclui o vínculo com determinados tipos de processos produtivos, estimulando o protagonismo juvenil através da valorização de sua cultura e experiências.

A área “Ciências e Saberes Quilombola”, com os componentes curriculares “Práticas em cultura e artesanato quilombola”, “Prática em técnica agrícola e quilombola” e “Prática em tecnologia social”, estimula o estudante a valorizar sua identidade, ancestralidade, história e memória.

Fonte: GOV MT

Continue lendo

Mato Grosso

Operação Dispersão IV aplicou R$ 2,6 milhões em multas e identificou mais de 60 mil pessoas em aglomerações

Publicado

por


Realizada desde o mês de março nos 141 municípios de Mato Grosso, a Operação Dispersão IV, já aplicou R$ 2.634.000,00 milhões em multas a pessoas que infringiram as normas de biossegurança e o toque de recolher.

As 2.931 multas correspondem ao registro de aglomerações, descumprimento do horário de fechamento de estabelecimentos e não uso da máscara de proteção facial para evitar a transmissão da Covid-19.

Conforme relatório da Polícia Militar, foram contabilizadas durante a operação 24.592 orientações em geral referentes às restrições, 47.026 abordagens em veículos, 62.253 pessoas estavam em situações de aglomerações e 44.276 orientações foram direcionadas à população pelo não uso da máscara de proteção facial.

O número de detenções por descumprimento das restrições de circulação de pessoas foi de 617, outras 1.034 pessoas chegaram a ser detidas por aglomerações e 508 estabelecimentos foram notificados por descumprimento do horário de fechamento obrigatório às 19h.

Na última operação, realizada entre os dias 21 e 22 de junho, das 19h às 5h da manhã, foram aplicados R$ 3.000,00 em multas. Ao todo, foram abordadas 131 pessoas em barreiras e 35 pessoas foram dispersas em aglomerações.

Os órgãos de segurança do Governo estão atuando de forma mais severa, aliando a conscientização e aplicação de multas, para que a população entenda a importância do isolamento social e cumprimento das medidas restritivas para o combate à pandemia da Covid-19.

A multa é de R$ 500 para o cidadão e R$ 10 mil para o estabelecimento, e podem ser triplicadas em caso de reincidência no descumprimento das medidas. No caso dos estabelecimentos, também há possibilidade de interdição do local pelo período de 30 dias e detenção do responsável.

Fonte: GOV MT

Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana