conecte-se conosco


Nacional

Flávio Dino desponta como principal opositor de Bolsonaro para 2022

Publicado

source

IstoÉ

Flavio Dino arrow-options
Reprodução
Flávio Dino, governador do Maranhão


O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), de 51 anos, tem se mostrado um político consistente, conciliador e também bastante crítico em relação aos movimentos do governo de Jair Bolsonaro. Ele está em seu segundo mandato (foi eleito nas últimas eleições no primeiro turno com 60% dos votos) e planeja novos voos em escala nacional. No mês passado, numa reunião com Bolsonaro, seus ministros e os nove governadores dos estados amazônicos para discutir soluções para a crise ambiental, ele foi voz discordante em relação ao discurso governista, que tentava minimizar os incêndios na floresta.

Leia também: Governadores do Nordeste reagem à declaração de Bolsonaro sobre ‘dividir o país’


Também vem se consolidando como uma liderança federalista no Nordeste e potencial candidato da esquerda nas eleições de 2022. Para Dino , o federalismo será um grande limitador natural do poder do presidente Jair Bolsonaro. “Essa articulação institucional dos governadores é uma tendência positiva do federalismo brasileiro”, disse em entrevista à ISTOÉ. “É a diferenciação de pontos de vista que ajuda o Brasil. Quanto mais discussão houver, de modo livre e democrático, melhor para o País.”

O Nordeste se configurou como uma região de natural oposição por causa dos resultados eleitorais em favor da esquerda. Os estados nordestinos se unirão contra eventuais desmandos do governo federal?

Há um espírito de muita unidade na ação política e administrativa do Nordeste sobre diversos temas, sobretudo na busca de investimentos públicos e privados em favor dos nove estados da região. Essa articulação institucional dos governadores é uma tendência positiva do federalismo brasileiro. Isso se verifica em outras regiões também. Recentemente o consórcio Amazônia Legal teve um papel importante nessa interlocução com o governo federal em relação à gravíssima crise ambiental. Acho que é a diferenciação de pontos de vista que ajuda o Brasil. Quanto mais discussão houver, de modo livre e democrático, melhor para o País. A política não deve ser encarada sob a lógica do inimigo e sim sob uma perspectiva pluralista.

Há algum tipo de retaliação aos estados do Nordeste? Existe essa possibilidade?

Até aqui, nós temos, em relação a temas da vida brasileira, muito belicismo retórico, muita busca por parte dos setores mais extremistas da política brasileira pela perenização de conflitos. A nossa perspectiva é diferente, segue o caminho do diálogo. Não buscamos a confrontação permanente com o governo federal, buscamos expressar livremente nossos pontos de vista e que eles sejam ouvidos em favor dos nossos estados, em favor da própria retomada do desenvolvimento do Brasil. Por isso mesmo, na medida em que nossa posição é ponderada, espero que não haja essa ideia de retaliações. Até aqui não houve nada que possa ser assim qualificado do ponto de vista prático, administrativo e de gestão.

O federalismo em si pode ser um fator de limitação de eventuais desmandos do governo Bolsonaro?

A forma federativa de estado tem essa virtude, acaba sendo um mecanismo de controle recíproco, uma espécie de balanceador na repartição de competências entre os entes federados. Entre tantas virtudes, o federalismo, num País de dimensão continental, traz freios e contrapesos em relação a diversas esferas. Por isso, a forma federativa do Estado é uma cláusula pétrea da Constituição, nos termos do artigo 60, parágrafo 4°. E acho que essa conjuntura atual que o Brasil vive mostra a importância de você ter governantes com visões diferentes para que haja dinamismo na vida institucional do País. O pensamento único seria uma tragédia, além de ser obviamente ditatorial.

Leia mais:  Projeto que permite indicaçõespolíticas em estatais pode ser votado no Senado

O senhor vê riscos à democracia?

Certamente que sim, infelizmente. Há um apego por parte de alguns setores extremistas a uma retórica de extermínio de posições políticas divergentes. Há um apego à agressividade, ao belicismo, a uma lógica de confrontação cotidiana. Isso é uma ameaça. É aquela história: uma faísca, uma fagulha, pode se transformar num grande incêndio. Essas fagulhas geradas todos os dias pela lógica destrutiva podem levar a que setores da sociedade brasileira sejam galvanizados por pensamentos ditatoriais.

Temos visto incêndios de verdade acontecendo na Amazônia Legal. Como o governo federal vem administrando essa crise?

Infelizmente, no início, administrou muito mal porque em vez de agir ficou procurando inimigos e semeando dissensões e isso acabou sendo na prática uma tática de ocultação dos reais problemas. Houve muita demora na resposta efetiva, que era mobilizar esforços para combater os incêndios gravíssimos que estavam acontecendo e que continuam a acontecer, agora em menor escala. Depois desse momento inicial, o governo federal tomou uma atitude correta, que foi o envolvimento das Forças Armadas em apoio aos esforços estaduais, conduzidos pelo Corpo de Bombeiros. Nós precisamos agora de um passo adiante. Além do enfrentamento de uma situação de emergência , é preciso alocar recursos para políticas públicas que possam prevenir a ocorrência de outros eventos dessa natureza.

O discurso do presidente Bolsonaro estimulou esse tipo de ação destrutiva da floresta?

Há uma lógica de vale tudo em alguns setores da vida brasileira que acaba induzindo um processo de ilegalidade incontrolável. Nessa temática ambiental isso foi nítido ao longo dos últimos anos, sobretudo desde a campanha eleitoral. Discursos anti-ambientalistas foram sendo reverberados e se transformaram em estímulo a uma ideia de que não havia mais lei, de que era uma espécie de faroeste ambiental em que tudo poderia ser feito. Precisamos nesse momento fazer um chamado à legalidade, temos a necessidade do desenvolvimento de atividades produtivas em todo o Brasil, porém nos termos da lei, respeitando a legislação ambiental.

O senhor está fazendo um chamamento às forças progressistas. O que isso significa?

Nós temos uma situação política no Brasil bastante difícil, marcada por retrocessos econômicos e sociais e precisamos ter uma responsabilidade elevada, já que o tamanho do problema é elevado. A responsabilidade das forças políticas do campo nacional popular é buscar a máxima unidade possível, já nas eleições municipais, para que possamos oferecer alternativas à população. O desgaste do governo Bolsonaro aumenta, mas isso não basta. É preciso que a população enxergue alternativas concretas de melhoria das condições de vida. Temos a eleição de 2020, que pode funcionar como a eleição de 1974 funcionou no regime militar. Naquela ocasião houve uma ampla unidade em torno de candidaturas ao Senado do MDB e isso resultou numa forte derrota do partido que sustentava a ditadura militar (Arena).

Mas a oposição agora parece muito perdida.

Acho que em razão desses cinco anos difíceis que atravessamos, desde 2013, com uma sucessão de revezes, houve uma perda de rumo e, às vezes, uma paralisia acerca de como conduzir a abordagem política dos problemas nacionais. É preciso retomar o rumo com um programa claro, progressista e sem sectarismo, em que haja abertura para o diálogo e alianças com amplos setores políticos independentemente de suas posições pretéritas. Não dá, por exemplo, para imaginar que vamos obter vitórias eleitorais no futuro observando, por exemplo, a posição de A ou B em relação ao impeachment da ex-presidente Dilma.

Leia mais:  Ataques a bancos terminam em tiroteio com 13 mortes, incluindo reféns, no Ceará

O senhor pensa em se candidatar à Presidência em 2022, encabeçando uma frente de esquerda?

Nós temos um conjunto de lideranças no campo progressista bastante bom. Lideranças de altíssima importância, de grande envergadura e experiência, que podem nos representar. O que eu tenho insistido é que é preciso construir pontes, alianças e diálogo entre essas lideranças para permitir um ambiente de unidade ampla em 2020, sobretudo em 2022. Essa tem sido minha participação. Posso participar diretamente ou não. Na verdade, outros me colocam como potencial candidato. Digo que concordo. Minha atitude é essa, se for para participar, estou à disposição.

Houve um encontro do senhor com o ex-presidente José Sarney. Como se deu essa aproximação?

O ex-presidente José Sarney é nosso adversário regional, mas também uma liderança política importante no Brasil. Na medida em que prego a busca de ampla interlocução, inclusive, em direção ao centro político, ao pensamento liberal no Brasil, é claro que, por dever de coerência, eu teria de dar uma demonstração prática de que não é em razão de contradições efetivamente existentes que você deve sacrificar o principal. Sem que haja qualquer tipo de acordo regional, porque não houve, de fato, nem da parte dele, nem da minha parte, mantivemos e manteremos um bom diálogo a respeito dos temas nacionais. Esse é o caminho certo.

E o destino da Base de Alcântara? Como vê o acordo que está se desenhando com os EUA?

Agrada-me mais a perspectiva de um programa aeroespacial brasileiro, próprio, temos de continuar a buscar isso. Mas, numa fase de transição, podemos alugar a base para lançamentos de outros países. É assim que vejo esse acordo com os EUA. Não é um acordo de entrega da base, se fosse isso eu seria o primeiro a me opor. É um acordo para que Alcântara possa receber lançamentos de artefatos de muitos países. E caso se revele nocivo aos interesses nacionais, basta o Brasil rescindi-lo unilateralmente. Acho que uma tentativa pode ser feita, sempre com a defesa da soberania nacional e dos interesses das populações tradicionais.

Mas os americanos não pretendem transferir tecnologia alguma para o Brasil em troca do uso da base.

Sim, infelizmente não, e, como eu disse, o Brasil deve continuar a desenvolver a sua própria tecnologia. Não há nada no acordo que impeça que o Brasil faça isso. Há um esforço de décadas, de muitas gerações de cientistas brasileiros que deve prosseguir para que amanhã a gente não precise alugar a base para nenhuma empresa ou país.

O senhor aconselhou o presidente a evitar incidentes internacionais. A atual relação internacional conturbada pode prejudicar o Brasil?

O isolamento internacional nunca é bom em um País que necessita de fluxos comerciais, de intercâmbios de diversas naturezas com outras nações. Não pode haver uma posição de ruptura de diálogo como agora, porque isso pode levar a sanções institucionais por parte de organismos internacionais e sanções difusas, como uma espécie de má vontade com o Brasil. Produtores brasileiros podem ser discriminados e produtos brasileiros, boicotados.

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
publicidade

Nacional

Motorista bêbado invade lanchonete, mata jovem e deixa feridos em Jundiaí

Publicado

por

source
Motorista bêbado perdeu o controle de van%2C invadiu lanchonete e matou jovem em Jundiaí arrow-options
Divulgação/Guarda Municipal de Jundiaí
Motorista bêbado perdeu o controle de van, invadiu lanchonete e matou jovem em Jundiaí

Uma pessoa morreu e outras três ficaram feridas após um homem que dirigia uma van perder o controle do veículo e invadir uma lanchonete , na noite de sábado (12), na cidade de Jundiaí, interior de São Paulo.

Leia também: Identificadas as seis vítimas que morreram em grave acidente na Via Dutra

De acordo com a Polícia Civil, o teste do bafômetro indicou que o motorista estava embriagado e, por este motivo, ele foi preso. O acidente com a van aconteceu em um bairro
periférico de Jundiaí.

A polícia informou ainda que guardas municipais relataram que o motorista não conseguiu fazer uma curva com o veículo. Assim, ele subiu na calãda e invadiu o estabelecimento,
onde atingiu os frequentadores e pessoas que estavam na calçada.

Thamyres Soares Marques Jacinto, de 29 anos, não resistiu aos ferimentos e morreu. A Guarda Municipal de Jundiaí informou ainda que duas mulheres de 51 e 17 anos, mãe e irmã de Thamyres, respectivamente, e um jovem de 17 foram socorridos e levados a um pronto-socorro da região.

Além de o teste do bafômetro ter dado positivo, a polícia encontrou um pino vazio que seria usado para o transporte de cocaína nas roupas de Antônio Barbi Junior, de 41 anos.

Leia também: Filha de bicheiro diz que guerra na família é por herança de R$ 25 milhões


O motorista da van, após o acidente e antes dos policiais chegarem, foi agredido pelas pessoas que estavam no local. Levado pela Polícia Civil, Junior foi autuado por homicídio e lesão corporal culposa.

Leia mais:  Brasil envia ajuda à fronteira, onde caminhões terão de driblar tropas de Maduro

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

Filha de bicheiro diz que guerra na família é por herança de R$ 25 milhões

Publicado

por

source
Shanna arrow-options
Reprodução
Filha do bicheiro Maninho, Shanna sofreu atentado na última semana

Alvo de um atentado na semana passada, Shanna Garcia, filha do bicheiro Waldomiro Paes Garcia, o Maninho, é aguardada hoje pela Polícia Civil do Rio para prestar seu primeiro depoimento depois da tentativa de homicídio no Recreio. Em entrevista ao Extra, após ter alta do hospital na última sexta-feira (11), Shanna diz que o responsável pelo crime é o seu ex-cunhado Bernardo Bello, mas não apresenta provas de sua acusação. Segundo ela, ele hoje controla os pontos do jogo do bicho e máquinas caça-níqueis herdados do seu pai.

Leia também: Carlos Bolsonaro usa rede social para atacar Major Olímpio: “É um bobo da corte”

A herança do bicheiro Maninho, um patrimônio estimado por Shanna em R$ 25 milhões, está por trás da guerra que já matou quatro integrantes da família nos últimos anos. Os homicídios, jamais desvendados, a exemplo de vários outros ligados ao jogo do bicho no Rio, expõe uma “polícia corrompida”, diz Shanna, que afirma não confiar na Delegacia de Homicídios (DH) para tocar o seu caso, por ter “um monte de gente vendida”. Mais uma vez, ela não apresenta provas das acusações. Desde a semana passada, o caso da tentativa de homicídio saiu da 16ª DP (Barra) para a DH, unidade responsável por desvendar os assassinatos de maior repercussão, como o da morte da vereadora Marielle Franco (PSOL).

Em novembro de 2018, o miliciano Orlando de Curicica já havia acusado a polícia fluminense de “acobertar assassinatos de contraventores”. Procurada, a Polícia Civil informou que não vai comentar as declarações de Shanna.

“Tem exceções, claro, mas eu diria que quase toda a polícia do Rio é corrompida. Por isso, não resolve os casos. Um exemplo: no inquérito do meu irmão (Myro), morto em 2017, só fui prestar depoimento esse ano. Falei muita coisa e meu relato foi para dentro da gaveta. Não queria falar na DH novamente em vão. Vou chegar lá e falar várias coisas para um monte de gente que é vendida? Não confio”, diz, pedindo para ser ouvida pelo Ministério Público do Rio, que, através do Grupo Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), vem reativando investigações envolvendo assassinatos relacionados ao jogo do bicho.

Em meio à guerra dentro da família Garcia, a própria Shanna já chegou a ser acusada de ordenar um homicídio no passado. Em 2011, ela teve a prisão decretada após ser acusada da morte do tio, o pecuarista Rogério Mesquita, assassinado dois anos antes. Na mesma época, um relatório da Subsecretaria de Inteligência (da extinta Secretaria de Segurança) e da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas apontou o ex-capitão da PM Adriano Magalhães como envolvido no crime. O ex-militar, foragido, é acusado de chefiar o “Escritório do Crime”, braço da milícia formada por assassino de aluguel.

Leia mais:  ‘Bolsonaro que abra o olho com você’, diz deputada do PSL sobre Joice Hasselmann

Shanna, que nega envolvimento, acabou excluída da ação e o caso não teve solução, assim como a morte de Maninho, executado em 2004 após sair de uma academia na Barra; o homicídio de José Luiz de Barros Lopes, o Zé Personal, ex-marido de Shanna, atacado ao sair de um centro espírita; e o assassinato de Myro, seu irmão, após ser sequestrado por três homens em 2017.

Embora a polícia do Rio investigue a participação de Shanna na contravenção, ela nega que receba recursos oriundos do bicho. De acordo com a filha de Maninho, todos os pontos do império do jogo construído pelo avô, o bicheiro Miro, em bairros como Vila Isabel, Tijuca, Largo do Machado e Ipanema, estão com o ex-cunhado Bernardo, que também controlaria cerca de duas mil máquinas caça-níqueis. Shanna, que diz viver do aluguel de espaços comerciais que seu pai tinha, afirma que deixou de receber em 2013 dinheiro das atividades da contravenção por ordem de Bernardo.

Tiro falhou

Com o braço esquerdo na tipóia e um curativo abaixo da axila, Shanna acredita que só escapou da emboscada porque o primeiro dos tiros disparados pelo criminoso falhou. Como ela estava atenta e ouviu o som seco do tiro frustrado, disparado por um homem de capuz, teve tempo de voltar ao carro blindado e trancar-se, antes de ser atingida por outros disparos. Para ela, o estopim do ataque que diz ter sido ordenado por Bernardo seria o fato de ter contratado, recentemente, uma nova advogada, que vem questionando a forma como o espólio de Maninho está sendo administrado.

O legado da família, segundo Shanna, é estimado hoje em R$ 25 milhões, dos quais pelo menos R$ 20 milhões se referem ao Haras Modelo, fazenda onde a família criava cavalos de raça e gado de corte em Guapimirim, na Baixada Fluminense. Desde 2013, quando foi impedida de entrar na propriedade, Shanna disse que não pisa no local. A disputa desta fazenda e de imóveis no Rio, especialmente em lojas de Vila Isabel, também é a explicação para a briga física entre a filha de Maninho e sua irmã gêmea, Tamara, ex-mulher de Bernardo Bello, em 2016.

Leia mais:  Ataques a bancos terminam em tiroteio com 13 mortes, incluindo reféns, no Ceará

“Procurei a minha irmã para conversar sobre a divisão dos bens. Quando cheguei, ela tentou fechar o portão na minha cara. Foi quando a briga começou. Trocamos tapas, socos e mordidas, até os seguranças do condomínio dela nos separarem”, diz Shanna, para, depois, se recordar que Bernardo passou a ameaçá-la. Segundo ela, ele foi até a entrada do condomínio onde ela mora para lhe ameaçar.

A pós a briga, Shanna disse que depôs na Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco), onde relatou as desavenças.

‘Medo de morrer’

O ex-cunhado, segundo Shanna, era varejista quando conheceu Tamara. Após casar com a outra filha de Maninho, foi envolvendo-se nos negócios da família até assumir o controle de tudo, em 2013. Bernardo, segundo ela, chegou a remunerá-la com 30 salários mínimos mensais, mas já não repassa mais nada e nem presta contas dos bens familiares que desfruta — um bar e uma loja localizada em dois imóveis dos Garcia em Vila Isabel.

“Hoje, não tomo conta de nada. Ele toma conta de tudo. Não pode ter vindo de outra pessoa, a não ser dele a ordem para matar. Do meu irmão, não tenho dúvidas de que a ordem veio dele. Mirynho estava tentando saber e participar de tudo. É o que está acontecendo comigo agora, mas, graças a Deus, escapei”, disse.

Leia também: Tiririca gasta R$ 70 mil de dinheiro público com viagens ao Ceará

Shanna disse que depois que Bernardo assumiu o controle dos negócios, a mãe dela deixou de receber a pensão estabelecida pela contravenção. De acordo com ela, enquanto mora numa casa alugada, Bernardo vive uma mansão, cercada de seguranças e de carros blindados. Procurado, o ex-cunhado de Shanna não foi encontrado para responder às acusações.


Os três tiros atingiram Shanna num momento em que ela, a convite da ex-presidente do Salgueiro Regina Celi Fernandes, estava tentando retornar à escola de samba que já foi dominada pela família Garcia. Depois do ataque da semana passada, a preocupação agora é com a proteção. O dilema, segundo ela, é saber em quem confiar a investigação do seu atentado no Recreio: “hoje tenho medo de morrer. Acho que se isso tivesse acontecido, seria mais um caso arquivado, não daria em nada. Sair do Rio e ir morar em outro lugar é uma possibilidade”.

Fonte: IG Nacional
Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana