conecte-se conosco


Saúde

Fiocruz assina contrato para produção da vacina de Oxford com AstraZeneca

Publicado


source
vacina
Tomaz Silva/Agência Brasil

A próxima etapa do acordo é formalizar a encomenda da tecnologia


O Ministério da Saúde e a AstraZeneca avançaram hoje (31) com os processos burocráticos que tornará possível produzir a vacina de Oxford no Brasil . A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) assinou contrato com o laboratório britânico que baseia o acordo entre a parceria.


Caso a vacina de Oxford se mostre segura e eficaz contra a Covid-19 , a AstraZeneca vai transferir a tecnologia para que seja possível produzir 100 milhões de doses da vacina no País. A produção da vacina ficará a cargo da Bio-Manguinhos.

O Governo Federal injetará R$ 522,1 milhões na produção da vacina. Também serão direcionados R$ 1,3 bilhão às despesas para a Encomenda Tecnológica.

Em nota, a diretora de Ciência e Tecnologia do Ministério da Saúde, Camile Giaretta, informou que o firmamento do contrato é um passo importante no acordo. “Essa ação do governo federal significa um avanço para o desenvolvimento de tecnologia nacional e de proteção da população brasileira”, afirmou.

A nota afirma que, segundo o acordo, a produção no Brasil deve começar em dezembro de 2020 e “garante total domínio tecnológico para que Bio-Manguinhos tenha condições de produzir a vacina de forma independente”.

A próxima etapa do acordo é formalizar a encomenda da tecnologia, que deve acontecer ainda na primeira quinzena do mês de agosto. Do total de doses, 30 milhões serão disponibilizadas entre dezembro e janeiro, enquanto o restante será disponibilizada de janeiro a junho de 2021.

“A Fiocruz recebeu informações técnicas fornecidas pela AstraZeneca necessárias para a definição dos principais equipamentos para o início da produção industrial. Com sua larga experiência em produção de vacinas, a instituição também colocará à disposição sua capacidade técnica a serviço dos esforços mundiais para a aceleração do escalonamento industrial da vacina junto a outros parceiros”, afirmou a nota.

Também participam do comitê de acompanhamento técnico-científico o vice-presidente de Produção e Inovação em Saúde da Fiocruz, Marco Krieger, além de instituições como Universidade de São Paulo (USP), Universidade Federal do Rio de Janeiro (RJ) e Universidade Federal de Goiás (UFG).

A distribuição da vacina ficará a cargo do Programa Nacional de Imunização (PNI), que atende o Sistema Único de Saúde (SUS).

“O acordo com a AstraZeneca permitirá, além da incorporação tecnológica desta vacina, o domínio de uma plataforma para desenvolvimento de vacinas para prevenção de outras enfermidades, como a malária”, afirma o comunicado do Ministério da Saúde.

“A assinatura deste acordo é mais um passo decisivo para a produção de uma vacina contra a Covid-19 no Brasil, contribuindo para a soberania nacional ao garantir ao país competência tecnológica e fortalecimento do SUS no combate à pandemia”, finaliza a nota.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook

Saúde

Imagem mostra anticorpos atuando contra o novo coronavírus; veja

Publicado

por


source
Anticorpos atuando contra o coronavírus
C. Barnes/Björkman laboratory

Anticorpos atuando contra o coronavírus

Um grupo de cientistas do Instituto de Tecnologia da Califórnia, nos Estados Unidos, divulgou nesta sexta-feira (30) a primeira imagem que mostra anticorpos neutralizando o novo coronavírus (Sars-CoV-2), responsável por causar a Covid-19 .

O registro foi feito durante pesquisas ligadas a uma proteína presente no vírus usada por ele para infectar as células do corpo humano. Essa proteína recebe o nome de spike pelo seu formato.

O estudo, que tenta descobrir formas de combate à Covid-19, é feito com técnicas de microscopia digital. Ele foi publicado na revista científica Cell.

De acordo com o artigo, quando o organismo entra em contato com um micro-organismo que pode causar uma doença patologia, como é o caso do novo coronavírus, o sistema imunológico entra em ação para atuar contra o invasor.

Uma dessas formas de atuação ocorre por meio do surgimento de anticorpos neutralizantes, que “grudam” no vírus para impedir que ele siga seu caminho pelo corpo humano. É esse momento que a imagem divulgada nesta sexta mostra.

Os autores da pesquisa usaram sangue de pessoas que se recuperaram da Covid-19 para encontrar nele diferentes tipos de anticorpos que grudam no novo coronavírus. Os pesquisadores perceberam, no entanto, que em quase todos os casos eles grudam especificamente na proteína spike.

“Acreditamos que esta é a primeira vez que uma equipe cria imagens de um grupo de anticorpos agindo no sangue humano após uma infecção viral para ver a ação deles”, disse Christopher Barnes, coautor do estudo.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Imagem mostra anticorpos atuando contra o novo coronavírus; veja

Publicado

por


source
Anticorpos atuando contra o coronavírus
C. Barnes/Björkman laboratory

Anticorpos atuando contra o coronavírus

Um grupo de cientistas do Instituto de Tecnologia da Califórnia, nos Estados Unidos, divulgou nesta sexta-feira (30) a primeira imagem que mostra anticorpos neutralizando o novo coronavírus (Sars-CoV-2), responsável por causar a Covid-19 .

O registro foi feito durante pesquisas ligadas a uma proteína presente no vírus usada por ele para infectar as células do corpo humano. Essa proteína recebe o nome de spike pelo seu formato.

O estudo, que tenta descobrir formas de combate à Covid-19, é feito com técnicas de microscopia digital. Ele foi publicado na revista científica Cell.

De acordo com o artigo, quando o organismo entra em contato com um micro-organismo que pode causar uma doença patologia, como é o caso do novo coronavírus, o sistema imunológico entra em ação para atuar contra o invasor.

Uma dessas formas de atuação ocorre por meio do surgimento de anticorpos neutralizantes, que “grudam” no vírus para impedir que ele siga seu caminho pelo corpo humano. É esse momento que a imagem divulgada nesta sexta mostra.

Os autores da pesquisa usaram sangue de pessoas que se recuperaram da Covid-19 para encontrar nele diferentes tipos de anticorpos que grudam no novo coronavírus. Os pesquisadores perceberam, no entanto, que em quase todos os casos eles grudam especificamente na proteína spike.

“Acreditamos que esta é a primeira vez que uma equipe cria imagens de um grupo de anticorpos agindo no sangue humano após uma infecção viral para ver a ação deles”, disse Christopher Barnes, coautor do estudo.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Política MT

Mais Lidas da Semana